Torce, retorce, procuro, mas não vejo... | Ruy Goiaba | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Revista Dialética do Direito Tributário de Fernando Durão pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Plt 367 Contabilidade Gerencial de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas Anhanguera (2011)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Franscisco Baratti pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Le droit à la paresse de Paul Lafargue pela Mille et une nuits (1994)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Patricia Calmon pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Transcendentes de Luciana Alves da Costa;outros pela Sementes (2000)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de César Romero pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Services Marketing de Christopher H. Lovelock pela Prentice Hall (1996)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Alê Prade pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> África Em Cores de Ana Cristina Lemos pela Htc (2011)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Selma Daffré pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Duílio Ramos pela Oliveira Rocha (2010)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Iles de France Vues Du Ciel de M. Cotinaud; Dominique Cortesi; Entre Outros pela Chêne (1991)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> A Poética de Aristóteles - Mímese e Verossimilhança de Lígia Militz da Costa pela Ática (1992)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/5/2003
Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
Ruy Goiaba
+ de 10400 Acessos

Houve um período, no início dos anos 60, em que os jazzistas pareciam especialmente interessados em usar músicas "para crianças" nas suas improvisações. Quase simultaneamente, Miles Davis gravava o tema da Branca de Neve ("Someday My Prince Will Come"), o pianista Bill Evans incluía em seus shows "Alice in Wonderland" e John Coltrane fazia sucesso com "My Favorite Things", do musical "The Sound of Music" -na época, ainda não transformado no filme "A Noviça Rebelde".

Claro que a transformação dessas músicas era, muitas vezes, radical. Coltrane gravaria, alguns anos depois, uma versão "free" de uma das músicas de "Mary Poppins" ("Chim Chim Cheree"), além de tocar, ao vivo, longas e ensurdecedoras "coisas favoritas" -sem nenhum traço da melodia original.

Mas isso não desmente o fato de que elas eram, sim, musicalmente interessantes. E seu uso pela música dita "séria" é, na verdade, uma tradição que remonta aos clássicos, com seu aproveitamento de temas folclóricos. Até Mahler usou o "Frères Jacques" para compor o sombrio (e bota sombrio nisso) terceiro movimento de sua primeira sinfonia ("Titã").

Tudo isso para dizer que não devemos desprezar o Gilliard quando ele canta a "Festa dos Insetos". Um dia, algum novo Mahler descobrirá essa maravilha.

Não vi e não gostei
Essa frase, atribuída ao Oswald de Andrade, sintetiza minha reação diante de coisas-que-estejam-na-moda (ou, em português castiço, hype). Basta que "todo mundo" esteja lendo um livro, ouvindo um CD ou vendo um filme para que meu cérebro emita um impulso que pode ser traduzido assim: "Deve ser uma merda! Não vou ver". Livro, CD e filme podem ser ótimos, mas não adianta. Esse impulso é mais forte que eu (e vivam os clichês).

Goiabas conceituais
E eu perdi a oportunidade de participar da Bienal de artes plásticas. Pois é: também sou um artista conceitual, multimídia e performático. Criei a seguinte instalação: eu mesmo, sentado na frente do computador, vestindo um escafandro azul-royal, com pés-de-pato combinando. Sobre o terminal, meu pingüim de louça e uma tabuleta com uma citação de santo Agostinho ("Dai-me a castidade e a continência, mas não para já").

O que significa? Ora, a impossibilidade de ser casto diante dos apelos eróticos e cibernéticos do mundo contemporâneo. Ou a contradição entre nossas limitações corporais e intelectuais (daí o pingüim) e o desejo de mergulhar no mar de informações da internet (o que explica o escafandro). Ou a prova cabal de que o "artista" é um xarope. Ou tudo isso junto. Ou não.

Quer saber? Na verdade, há algo faltando. Vou fazer como o Tunga e contratar cinco mulheres para ficar dando voltas em torno da minha instalação. Peladas, é claro.

Sem sacanagem; afinal, é tudo conceitual.

Welcome to the club
Sempre desconfiei de que Narcisa "Ai, Que Loucura" Tamborindeguy fosse goiaba pura, até a medula. Agora, não tenho mais dúvidas. Dêem só uma olhada no que, em seu site, ela chama de "grandes destaques da literatura": Albert Camus, Barbara Cartland, Agatha Christie e Ernest Hemingway. Uma mulher que equipara, numa frase, Camus e Hemingway a Barbara Cartland é feita sob medida para um homem como eu, que guarda seus quartetos de cordas do Haydn no meio dos CDs do Nelson Ned. Só não proponho casamento porque meu salário é modesto demais para comprar o talco medicinal de que ela gosta.

O velhinho "serial killer"
Nelson Rodrigues estava certo quando dizia aos jovens: "Envelheçam depressa, antes que seja tarde". A supervalorização do simples fato de ser jovem, de algumas décadas para cá, aumentou exponencialmente a concentração de cretinice por metro quadrado neste planetinha. Muitos crêem que a data de nascimento numa certidão seja, por si só, uma excelsa qualidade e que "novo" seja sinônimo de "melhor" (o que faz da Aids, por exemplo, uma coisa bem "melhor" e mais "muderrrna" do que a gonorréia). No fundo, é compreensível: jovens descerebrados são ótimos consumidores e excelente massa de manobra.

Contra esse estado de coisas, já pensei em escrever um conto, tendo como protagonista um velhinho "serial killer". Um belo dia, ele se cansa de ler Schopenhauer, Ortega y Gasset e Cioran, porque acha que a simples leitura não vai resolver os problemas do mundo -e passa das palavras à ação. Começa a freqüentar assembléias estudantis, shopping centers e shows do Natiruts ("liberdade pra dentro da cabeeeçaaa"...), entre outros lugares insalubres, para seqüestrar jovens cretinos e empalá-los com sua bengala pontiaguda ou sufocá-los com seu fraldão geriátrico (usado, of course). Não pensei ainda no final, mas acho melhor fazer com que isso vire logo ficção -ou, daqui a 30 anos, eu mesmo vou me transformar nesse velhinho.

Diálogos impertinentes
Aqui em São Paulo, há um evento com esse nome -promovido, se não me engano, pelo Sesc e pela PUC-, que é transmitido pela TV a cabo. Os organizadores convidam, a cada programa, uma dupla de seres iluminados (filósofos, ociólogos, pepsicólogos etc.) para discutir assuntos geralmente estratosféricos. Eu acho que os debates seriam muito mais interessantes se eles chamassem interlocutores realmente impertinentes. Seguem sugestões:

* Milton Neves e Roberto Avallone: "Avallone, você é medíocre!" "O quê? Eu sou medíocre, interrogação? Medíocre é a senhora sua mãe, exclamação!"

* Luiz Mott e Jorge Lafond: "Calminha, Vera Verão! Você está nervosa!" "Você é uma bicha gooorda, escrooota! Se eu estivesse aí, quebrava a sua cara!" (A troca de gentilezas era por telefone.)

* Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes: "As sílabas servem para batucar, Brown?" "Sim, Arnaldo. Para batu-educar, para batu-alimentar, para baco-vinhar, para basco-escoar e para basquear-pintar."

(Nota do Ruy: os principais trechos desses diálogos não são ficcionais. Está cada vez mais difícil competir com a goiabice do dito mundo real. Ai ai ai de mim, como diria o João Bosco.)

Nota do Editor
Ruy Goiaba assina o blog puragoiaba, onde estes textos foram originalmente publicados.


Ruy Goiaba
São Paulo, 28/5/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A importância do nome das coisas de Adriana Baggio


Mais Ruy Goiaba
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)



Centenário do Hospital Nossa Senhora das Dores de Ponte Nova
Desconhecido
Imprensa Oficial
(1973)



Um Estranho no Ninho
Ken Kesey
Best Bolso
(2013)



Frauen der liebe Hortense Von Beauharnais
Freundin des Zaren Alexandres I
Druck und Verlag



Não se apega, não
Isabela Freitas
Intrínseca
(2014)



Guia de Conversação Langenscheidt - Italiano
Monica Stahel
Martins Fontes
(1999)



Operations Research
Wayne Winston
Thomson Brooks Cole
(2004)



Virus Clans
Michael Kanaly
Ace Charter
(1998)



Volumes 1, 2, 3 e 4: Grandes Fatos do Século XX vinte
Barnabé Medeiros Filho et al
RioGráfica



Livro Literatura Estrangeira Moon Palace
Paul Auster
Penguin Books
(1990)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês