A última discoteca básica | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Discoteca Básica

Terça-feira, 21/6/2011
A última discoteca básica
Wellington Machado

+ de 4100 Acessos

Aperto o play no aparelho de som e o Hammon Organ começa lentamente a embalar o blues arrastado "Come rain or come shine". Em seguida, entram as guitarras de B.B.King e Eric Clapton, sucessivamente. E na mesma ordem, começam a cantar. Escolho a música como "fundo de texto" e inspiração para escrever sobre minha discoteca básica, mesmo sem ser um estudioso ou teórico da música. A palavra "discoteca" remete a disco - de vinil ou cd. As novas mídias substituíram o objeto disco por arquivos digitais, muitos deles de músicas avulsas. Estamos virando uma página na história da música. O escritor americano Jonathan Franzen, autor do romance Liberdade, fez o diagnóstico em entrevista concedida à Lúcia Guimarães: "o arquivo mp3 transformou completamente o uso cultural da música(...) fez dela uma espécie de goma de mascar e também um tipo de droga, muito longe de uma experiência singular e coerente (...) quem ouve um álbum completo hoje em dia?". Falei aqui nessa perda de unidade conceitual em um texto anterior. Talvez escritos como este (discoteca básica) percam sua função; possivelmente falaremos de coletâneas. Um amigo mais radical afirma que a música "acabou" no fim dos anos 70. Mas vamos aos discos.

Minha discoteca é eclética e extensa. Dou graças a alguma divindade por ter crescido ouvindo os discos do meu tio Daniel. Aliás, sou grato a dois tios próximos pelas minhas preferências culturais como adulto. O tio Paulo me fez gostar de literatura (falarei dele um dia); e meu tio Daniel me encurtou os caminhos em matéria de música. Cresci ouvindo Bob Dylan, Simon and Garfunkel, Creedence, Tina Turner, Genesis, Chico, Caetano, Gil.

Começo com o blues. Sou do blues. Ando com a música "Come rain ou come shine" no meu sangue. Convido o leitor a buscá-la na internet e ouvi-la pelo menos uma centena de vezes. Ela é só uma das várias músicas do monumental Riding with the king(2000), uma espécie de jam session com B.B.King e Eric Clapton. Esse disco tem uma curiosidade: o Eric, de forma elegante, estende o tapete vermelho para B.B.King: ser coadjuvante de um mito já lhe basta. A própria capa do disco estampa o guitarrista dirigindo um conversível com o "chefe" King no banco de trás. Interessante que, nas gravações, Clapton canta como se estivesse no fundo do estúdio (sua voz é mais suave). Tamanha reverência é de emocionar. Meu outro clássico, também do Clapton, é o From the cradle(1994), um disco de blues "puro sangue", com uma guitarra impecável, que cai bem em um pub esfumaçado às três da madrugada.

Ouço diariamente música clássica - inseparável companheira nas minhas leituras. Li O vermelho e o negro (Stendhal) ouvindo os Concertos 1, 2, 3 e a Paixão segundo São Mateus, de Bach. Não sei explicar o que me levou a ler Dante ao som das Quatro estações, de Vivaldi. Mas sei justamente o que me levou a venerar Haendel: o filme "Anticristo", de Lars Von Trier. Em música clássica, fico no básico. Guio-me pela beleza.

Em jazz, não há como não começar por Kind of blue(1959), de Miles Davis. Se Deus existe Ele está ali, no encontro perfeito entre som e silêncio. Sou do jazz. Aperto o play e o piano de nada menos que Bill Evans anuncia o trumpete de Davis, que reveza com nada menos que John Coltrane em "So what". Ponto. Para acompanhar um jantar, não abro mão do Duke Ellington & John Coltrane - The new wave of jazz on Impulse(1962) e do Oscar Peterson plays the Cole Porter song book(1959). Jazz é trilha sonora pra qualquer ambiente. Não sei falar tecnicamente de música, só sei que meu tio Daniel não escutava música sertaneja; curto os discos que me foram entrando pelos poros e não sei até que ponto eles são bons. Transpiro "Come rain or come shine". Eric Clapton é generoso em ser o motorista de B.B. King. Quando estou feliz ouço Time out - The Dave Brubeck Quartet(1959), e nos momentos de tranqüilidade Stan Getz / João Gilberto(1963) tocando Tom Jobim. E sobre o jazz de New Orleans, nada de Louis Armstrong, Sidney Bechet ou Lionel Hampton; escuto mesmo um dos meus cineastas favoritos: Woody Allen, em Wild man blues(1998). E por falar em poros, transpiração e divindade, qualquer coletânea de Billie Holiday me faz crer que sua música transcende qualquer tipo de sensibilidade estética.

Kind of blue está tocando mansamente. Os discos estão espalhados sobre a mesa. Buena Vista Social Club(1997) é um dos mais belos discos, resultado de um dos mais belos documentários a que assisti, dirigido por Win Wenders. E Nova York, a ponte do Brooklyn, Manhattan e todo o glamour da cidade está em Frank Sinatra sings the select Cole Porter(1996). E sou grato ao cinema, que me deu várias dicas musicais - em especial ao Woody Allen do filme Manhattan(1979), que me apresentou Rhapsody in blue, de George Gershwin. Grato ao meu tio Daniel, que não ouvia funk. Ao Eric Clapton, que é generoso.

Não abro mão também dos quatro primeiros discos do Led Zeppelin, nem de qualquer folk do Neil Young. Falar em folk, o clássico do meu tio - e meu até hoje - é o disco Simon and Garfunkel - The concert in Central Park(1981). Meu amigo ignora qualquer música pós-70. Baseado em seu argumento, não pego a estrada sem ouvir Desire(1974), de Bob Dylan. Nunca o rock, o blues, o folk combinou tão bem um violino, uma encantadora voz feminina e a rouquidão de Dylan. Pra contrariar meu amigo, já que estou na estrada, não abro mão do Eddie Vedder - Into the Wild(2007), trilha sonora do filme Na natureza Selvagem(2007), de Sean Penn.

E volto a ouvir B.B. King e Eric Clapton, trilha sonora do meu texto. A boa música tem o poder de entrar pelos ouvidos, ser processada no cérebro, ativar as ligações nervosas e eriçar os pelos dos braços. Isso ocorre também quando ouço Sticky Fingers(1971) e Exile on main street(1972), dos Rolling Stones. Dos seus "rivais", os Beatles, elejo o clássico dos clássicos Sgt.Pepper's Lonely Hearts Club Band(1967). Junte-se a ele o Revolver (1966) e o Rubber Soul(1965). Placar: 3 a 2 para Liverpool. O meu amigo é purista; o Johathan Franzen diz que não há mais álbuns antológicos. B.B. King é o chefe que faz um solo de guitarra inesquecível em "Come rain or come shine" com o guitarrista Eric Clapton . Miles Davis é Deus. Billie Holliday, uma encarnação de uma coisa de outro mundo.

Não posso deixar de citar alguns discos brasileiros. Em matéria de samba, acho que o centro de tudo e todos foi Cartola, mais especificamente o disco Verde que te quero rosa(1977). Ele é a ligação entre Noel Rosa e Paulinho da Viola. O sambista influenciou todo mundo, na minha opinião. Nada de revolucionário aconteceu depois. O Cartola é o Kafka do samba. O meu tio Daniel não ouvia pagode. Meu pai, pernambucano, escutava Luiz Gonzaga. Nunca dei muita bola ao baião até assistir ao essencial documentário O homem que engarrafava nuvens(2010), de Lírio Ferreira. O filme é uma espécie de genealogia da música brasileira, que certamente não seria a mesma sem Luiz Gonzaga e seu parceiro Humberto Teixeira.

Numa discoteca básica brasileira não pode faltar o disco Secos & Molhados(1973), com a foto das cabeças sobre a mesa de jantar na capa. O grupo, principalmente através da expressividade de Ney Matogrosso, conseguiu afrontar a ditadura de uma maneira no mínimo exótica: os integrantes se apresentavam maquiados, seminus, e o vocalista cantava com voz de mulher. Os militares não entenderam bulhufas. Não menos importante, a trupe que gravou o disco Tropicália ou Panis et Circenses(1968) revolucionou a música popular brasileira. Esse disco, na minha concepção, equivale à Semana de 22. Nessa mesma leva, tenho total apreço também pelos discos Os Mutantes(1969) e Loki(1974), de Arnaldo Baptista.

Ouço menos atualmente, mas não posso deixar de mencionar o trio Caetano-Chico-Gil. Ouvindo o disco Transa(1972) me vem à mente um Caetano esquálido, hippie, cabeludo, macrobiótico e em pleno vigor intelectual; em transe. É o disco do exílio, da solidão, da melancolia; do choque entre o calor baiano e o frio londrino. Talvez seja o melhor disco do cantor. Dele gosto também, influenciado (outra vez) pelo cinema, do Federico e Giulieta(1999), gravado em Rimini, terra de Fellini. Do Chico Buarque é difícil escolher. Entre tantas pérolas, escolho Meus caros amigos(1976), já que todas as músicas são impecáveis e a gravação de "O que será", com Milton Nascimento, é antológica. E o disco Chico Buarque(1984) é uma ode à abertura política. Xô ditadura! Encaixar a palavra "paralelepípedo" em uma música ("Vai passar") não é pra qualquer um.

Do Gilberto Gil gosto do A gente precisa ver o luar(1981) por causa da música "Palco", que marcou época. E não deixo de escutar sempre o Unplugged(1994), o precursor da onda "desplugado" no Brasil. Todos os acústicos lançados no país são filhos dele. "Tempo rei" é uma obra-prima, uma rara união entre filosofia e música. E como mineiro, não posso deixar de citar os álbuns Maquinarama(2000) e Cosmotron (2003), os mais originais do Skank.

"Come rain or come shine" ainda ressoa no meu quarto. Eric Clapton é o motorista de luxo de B.B.King. Escrevo sobre música baseado na sensibilidade; não sei estética musical (os críticos vão me matar por não ter citado Frank Zappa, The Velvet Underground ou The Clash). Valho-me da intuição, cujo DNA remete ao tio Daniel e ao meu pai escutando Luiz Gonzaga. Peneirando isso tudo, gosto mesmo é de jazz e blues; música clássica pra ler. Se eu só puder escolher dois discos para entrar no céu (ou no inferno) levarei Kind of Blue e Sgt Pepper's. Atualmente, ando escutando Murmur(1983), do R.E.M. e The life pursuit(2006), do Belle and Sebastian. Jonathan Franzen decretou o fim dos álbuns - e por conseqüência de textos como este. Meu amigo purista pode estar certo. Eric Clepton é humilde.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 21/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
03. O pródigo e o consumo de Eugenia Zerbini
04. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Mito da Eleição de Marilia Mota Silva


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


Mais Especial Discoteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SANGUE DE AMOR CORRESPONDIDO
MANUEL PUIG
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 6,00



OLHOS DE ESPANTO
NINA SCHILKOWSKY
JAGUATIRICA
(2015)
R$ 29,00



PISCICULTURA AO ALCANCE DE TODOS (AUTOGRAFADO)
ALCIDES RIBEIRO TEIXEIRA FILHO
NOBEL
(1992)
R$ 15,00



O HOMEM DO CAVALO BRANCO E OUTRAS NOVELAS
THEODOR STORM
BOA LEITURA
R$ 5,70



O EXERCÍCIO DISCIPLINADO DO OLHAR
DIANA GONÇALVES VIDAL
UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO
(2001)
R$ 150,00



ANUÁRIO - NACIONAL DE LIVRARIAS 2008-2010
VARIOS AUTORES
ANL
(2008)
R$ 30,00



CONHECER OS 5 SENTIDOS - COLEÇÃO PRIMEIRAS DESCOBERTAS
EURO IMPALA
IMPALA
(2011)
R$ 25,00



O QUE VOCÊ QUISER
SARA FAWKES; JULIO DE ANDRADE FILHO
PLANETA DO BRASIL
(2013)
R$ 15,00



O VENDEDOR DE ARMAS
HUGH LAURIE
PLANETA
(2010)
R$ 6,28



POR UM FIO
DRAUZIO VARELLA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 10,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês