Ascensão e queda do cinema iraniano | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
>>> Suspensão de Liminares e Sentenças Contrárias ao Poder Público de Elton Venturi pela Revista dos Tribunais (2019)
>>> Revista Trip número 184 de Lyoto Machida pela Trip (2009)
>>> Revista Trip número 132 de Melaine, 21, o primeiro ensaio de uma trip girl na cadeia pela Trip (2005)
>>> A Casa do Penhasco de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1996)
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nova Fronteira (1995)
>>> Seitas e Novos Movimentos Religiosos de Coleção Quinta Conferência pela Paulus (2006)
>>> O Dia da Sua Morte de Neimar de Barros pela Shalom (1987)
>>> A Interpretação Sistemática do Direito de Juarez Freitas pela Malheiros (2002)
>>> Tiras de Letra de Diversos pela Virgo (2003)
>>> O Guia dos Curiosos de Marcelo Duarte pela Cia das letras (2001)
>>> Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago pela Cia. das Letras (1998)
>>> Quebrando o Código da Vinci de Darrell L. Bock, Ph.D. pela Novo século (2004)
>>> O Caso dos Irmãos Naves de João Alamy Filho pela Círculo do livro (1978)
>>> Hercólubus ou Planeta Vermelho de V. M. Rabolú pela Milenium Edições do Brasil (2003)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (1996)
>>> História Social da Criança e da Família de Philippe Ariès pela Guanabara (1973)
>>> Homo Loquens - O Homem como Animal Falante de Dennis Fry pela Zahar (1977)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Albino Aresi (1982)
>>> Ilusões - As Aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> Buddha de Ordem do Graal na Terra pela Círculo do livro (2002)
>>> Você verdadeiramente nasceu de Novo da Água e do Espírito? de Paul C. Jong pela Hefzibá (2002)
>>> Trip número 139 de Danielli Freitas pela Trip (2005)
>>> 500 Perguntas sobre Sexo de Laura Muller e Nélson Vitiello pela Objetiva (2002)
>>> Direito Eleitoral Brasileiro:... (acompanha Cd) de Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Iniciação à Sociologia de Nelson Dacio Tomazi pela Atual (1993)
>>> Memórias do Armandinho Do Bixiga de Depoimento a Júlio Moreno pela Senac de SP./ SP. (1996)
>>> Convite a filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 8/2/2011
Ascensão e queda do cinema iraniano
Wellington Machado

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O escritor anglo-indiano Salman Rushdie deve ter se sentido aliviado com retirada de sua condenação à morte em 1997. O político e líder religioso iraniano Mohammad Khatami foi o responsável por revogar a pena imposta ao escritor (em 1979) pelo aiatolá Khomeini, devido à publicação de Os versos satânicos. Acusação: a obra era considerada ofensiva ao Islã. Apesar de se ver "livre", não creio que o escritor esteja andando pelas ruas de Nova York ou Londres com total tranquilidade. Nem tudo está garantido em se tratando de fundamentalismo religioso, governos teocráticos ou ditadores. Melhor Rushdie olhar de esguelha, mesmo com suas caricatas pálpebras tombadas, quando andar pelas ruas e esquinas nas grandes cidades.

A mistura de Estado com religião produz atrocidades e hábitos muitas vezes exóticos aos nossos olhos ocidentais. Segundo maior produtor de petróleo da região, o Irã, até 1935 chamado de Pérsia, é também conhecido pela qualidade material e ornamental de seus tapetes e pela produção de caviar(!). Alternando períodos de maior ou menor presença política dos líderes religiosos, foi em 1979 que se deu, sob a batuta do aiatolá Ruhollah Khomeini, a Revolução Islâmica. Na posição de líder máximo (acima até dos líderes políticos), Khomeini ceifou todas as possibilidades de aproximação com o ocidente, levando ao extremo o cumprimento dos preceitos do Alcorão.

Confesso que torci muito pelo Irã durante a guerra contra o Iraque. Ainda na pré-adolescência, não achava justa a invasão de fronteiras em nome do "ouro negro". Além disso, já não simpatizava com o bigode do ditador Saddam Hussein. Mas, em meio a essa turbulência, eis que surge no Irã um sopro mínimo de liberdade nos anos 90. Com a morte de Khomeini em 1989, a ascensão ao poder de dois líderes abriu caminho para um novo flerte com o ocidente. Em 1993, Hashemi Rafsanjani, um líder religioso moderado, foi eleito presidente. E em 1997, Sayed Mohammad Khatami, aquele mesmo que "libertou" Salman Rushdie, chega ao poder prometendo estreitar os laços com o ocidente. Teve total apoio dos intelectuais iranianos. O cinema foi o setor cultural mais beneficiado pelo "sopro de liberdade" política e religiosa do período.

Pode-se considerar que a década de 90 foi um momento único na história do cinema iraniano. Foi quando surgiram para o ocidente vários diretores até então desconhecidos no meio cinematográfico. Mesmo com limitações orçamentárias, carência de equipamentos e atores "diplomados", os diretores se viravam para contar suas histórias. Utilizavam luz natural na maioria das cenas e contratavam atores amadores. O resultado foi um cinema muitas vezes intimista, com narrativas simples de fatos corriqueiros, mas com extrema sensibilidade humana e competência em prender o espectador pela tensão. Apesar da aparência, não há nada de monótono no cinema iraniano. Outras características marcantes do "boom iraniano" foram a utilização de crianças como protagonistas e a maneira de trabalhar o tempo (planos longos e silenciosos), totalmente contra a tendência ocidental de encurtar e acelerar cada vez mais as cenas. Foram realizadas verdadeiras obras-primas.

Em Onde fica a casa de meu amigo? (1987), Abbas Kiarostami deixa o espectador ansioso com a história de um garoto que traz na pasta, por engano, o caderno de um colega de escola. Eles tinham uma lição inadiável para entregar no dia seguinte. O garoto, então, sai à procura do amigo por um bairro desconhecido e paupérrimo, cheio de labirintos. Sua batalha nos lembra a de Ulisses, na Odisseia. Do mesmo diretor, Close-up (1990) mostra a trajetória de um cineasta amador que se faz passar por um diretor famoso. Ele consegue mobilizar toda a região para a produção de seu filme. Quando a farsa é descoberta, o pseudo-diretor é preso. O filme é uma declaração de amor ao cinema. Kiarostami também filmou os belos Através das oliveiras (1994) e Gosto de cereja (1996).

Também revelado nos anos 90, Mohsen Makhmalbaf fez em Gabbeh (1996) um misto de cor, poesia e imaginação. Ancorado nos motivos dos tapetes persas, o diretor mostra o diálogo entre uma senhora e uma jovem (Gabbeh) que se revelou para contar uma história de amor. São do diretor também os ótimos O silêncio (1998) e A caminho de Kandahar (2001). Em A maçã (1998), de Samira Makhmalbaf (filha de Mohsen), duas irmãs adolescentes passam a vida enjauladas pelos pais, que acreditam estar seguindo ensinamentos do Alcorão. As meninas mantêm um comportamento infantil e primitivo, sem o mínimo de socialização.

Também tendo crianças como mote, Filhos do paraíso (1997), de Majid Majidi, talvez seja o mais belo filme iraniano produzido. Um casal de irmãos tem de compartilhar o mesmo par de tênis para irem à escola, pois um deles havia perdido o seu calçado. Eles tinham de fazer toda essa "logística" sem o conhecimento dos pais. A solidariedade entre os irmãos é de emocionar.

A bola da vez no cinema iraniano hoje é Jafar Panahi, o diretor que escancarou a discriminação e a perseguição à mulher iraniana em O círculo (2000). É dele também o belo O balão branco (1995), que narra a história de uma menina que pede à mãe alguns trocados para comprar peixes dourados, às vésperas do ano novo. A garota perde o dinheiro no mercado e vê seu sonho de esfacelar. Panahi fez também O espelho (1997), história de uma estudante que vaga pela cidade à procura da mãe.

Pena que a expressão "bola da vez" não signifique uma exaltação ao talento de Panahi, mas sim uma perseguição imposta a ele. A recente condenação do diretor a seis anos de prisão e mais 20 anos sem filmar simboliza a decadência (imposta) do cinema iraniano. Talvez o cineasta tenha se empolgado com o "sopro de liberdade" dos anos 90 e achado que este seria um processo contínuo e evolutivo. O mais evidente motivo da perseguição foi ele ter apoiado o opositor de Ahmadinejad nas últimas eleições. Os demais motivos são obscuros ou incertos. O próprio Panahi tentou se defender através de uma carta aberta, divulgada na imprensa e na internet, onde apresentou uma porção de mentiras que foram usadas contra ele. Em vão.

O Irã, através de seu cinema, fez brilhar os olhos do ocidente, angariando certo "carinho cultural" pouco comum entre os países da região. Nunca se ouviu falar em boom do cinema iraquiano, libanês ou sírio. Como não se emocionar com a singeleza e a inocência das crianças retratadas no cinema iraniano? Como não se encantar com a humildade do povo iraniano retratada nos filmes, o jeito simples de valorizar a vida fixando-se em pequenos detalhes? O que irrita nas ditaduras ― além de todas as atrocidades, mortes etc. ― é que os mandatários são impiedosos e certeiros ao aniquilar o que temos de mais subjetivo: a nossa sensibilidade. Quando não houver mais motivos aparentes para condenações, acusarão os peixes, os cadernos, as maçãs, cerejas; os tapetes e os balões.

Nota do Editor
Leia também "Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo".


Wellington Machado
Belo Horizonte, 8/2/2011


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2011
09h00min
Caro Wellington, como apaixonada que sou pelo cinema iraniano, adorei o seu artigo de hoje, que mostra muito bem o seu desenvolvimento, tanto temático como político. Eu só não diria que houve uma "queda" do cinema iraniano (o que implicaria numa diminuição de sua qualidade), e sim que o cinema iraniano foi literalmente algemado. Os diretores talentosos, que ainda estão livres, continuam aí produzindo como e quando podem, às vezes até no ocidente, como o próprio Kiarostami. Grande abraço, Daniela
[Leia outros Comentários de Daniela Kahn]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRIMEROS PASOS EN PINTURA ARTÍSTICA
JOSÉ PARRAMÓN
PARRAMÓN
(1991)
R$ 40,00



GRUPOS FAMILIARES A EXPLOSÃO DA IGREJA NOS LARES
ALUÍZIO ANTONIO SILVA
O FRUTO DA VIDE
(1995)
R$ 20,00



MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO PRINCÍPIOS BÁSICOS 2
R. VANCE HALL
EPU
(1975)
R$ 4,40



FANTASMA
LUIZ ALFREDO GARCIA-ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 24,00



SERENDIPITY NEW TESTAMENT FOR GROUPS
VÁRIOS AUTORES
ZONDERVAN
(1987)
R$ 40,00



CARTWHEELS IN A SARI: A MEMOIR OF GROWING UP CULT
JAYANTI TAMM
BROADWAY BOOKS
(2010)
R$ 19,82



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT: UM DESAFIO ASSUSTADOR
HEROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 23,86



LIVRO DIDÁTICO EM DEBATE
SUZANNA NEVES FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



THE LAST DAYS OF NEWGATE (A PYKE MYSTERY)
ANDREW PEPPER
PHOENIX
(2011)
R$ 19,82



TE CUIDA! GUIA PARA UMA VIDA SAUDÁVEL
DR CLÁUDIO DOMÊNICO
CASA DA PALAVRA
(2012)
R$ 39,00
+ frete grátis





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês