J.M. Coetzee e o romance de formação | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
Mais Recentes
>>> Espíritos entre nós de James Van Praagt pela Sextante (2010)
>>> Direito ambiental de Marcia Diegues Leuzinger e Sandra Cureau pela Elsevier (2008)
>>> O cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2013)
>>> Improbidade Administrativa: Lei 8.429/1992 Teoria e Exercícios de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran cursos (2011)
>>> Plástica. Quando? Por Quê? de Rolando Zani pela Manole (2001)
>>> Sexo tântrico : como prolongar o prazer e atingir o êxtase espiritual de Cassandra Lorius pela Ediouro (2000)
>>> Burocracia e ocupação no setor público brasileiro de José Celso Cardloso Jr pela Diálogos para o desenvolvimento (2011)
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/10/2005
J.M. Coetzee e o romance de formação
Julio Daio Borges

+ de 10000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"Houve um tempo, quando ainda era uma criança inocente, em que acreditou que a inteligência era a única coisa que importava, que, se fosse bastante inteligente, obteria tudo o que desejasse."
J.M. Coetzee

Muito tempo atrás, numa galáxia distante, eu conheci um escritor. Na verdade, foi um amigo que me ligou e falou: "Cara, conheci um escritor". Segundo esse meu amigo, ele morava num apartamento que era praticamente uma sala (ou um quarto) com uma mesa, uma cama e uma estante. E um banheiro em algum lugar. Semanas se passaram, eu também conheci "o escritor". Fui lá. Era exatamente conforme a descrição. Num bar, depois, o Escritor me confessou que planejava escrever um romance de formação. Romance de formação? "Sim, à maneira de James Joyce, em Retrato do Artista Quando Jovem". Ah, bom...

Ao contrário dele, eu não era escritor — e não entendia patavina de "romances de formação". Com o passar dos anos, porém, descobri que o Escritor de então não só se planejava para escrever seu alardeado romance de formação, como vivia uma vida-de-escritor-de-romance-de-formação. Tudo estava em seu lugar: a austeridade, as leituras, o esforço. Ele, obviamente, tinha a receita de bolo e estava cozinhando a massa em fogo baixo. Perdi o contato com o Escritor. Pelo que sei do que anda aprontando, não cumpriu a meta do tal romance de formação. Ou tem um livro escondido na manga. Sei lá; não importa.

A realidade é que, em determinada época da vida, surgem questões inescapáveis para quem pensa, seriamente, em se tornar escritor. Em se tornar artista. Hoje, claro, existem caminhos mais curtos e as ambições estão muito menores do que antes. Não somos mais os mesmos; nem vivemos como os nossos pais (ou avós). Nossos ídolos não são os mesmos e as aparências enganam... Hoje, ser reconhecido é muito mais importante do que realizar uma obra. Na realidade, os famosos que encontramos (célebres de um tempo atrás) prescindem da obra mesma. Ela não é mais necessária. Ela atrapalha. Ela é uma responsabilidade; pode se voltar contra nós...

Ainda assim, os que acreditam em "romance de formação", ou em "formação" (tout court), sabem que é preciso se preparar para a empreitada. Ou, no mínimo, estar preparado — para quando a hora chegar... Quais são, por exemplo, as leituras fundamentais que um escritor não pode (ou não deve) evitar? No meio de tantos livros (velhos e novos), quem pode lhe indicar o caminho seguro? O jovem escritor ou aspirante deve ter mentores? Onde se pode encontrá-los? Eles são confiáveis? Será que não escondem outras motivações que não as estritamente literárias (de repente — como foi moda — as ideológicas...)? Os referenciais de ontem ainda valem para os escritores de hoje? O escritor deve falar à sua própria época, e então se sintonizar com ela, ou deve seguir apenas uma determinada tradição?

Quem não se pegou pensando nessas coisas, não foi, nem por um minuto, escritor. Ou artista. A crença generalizada, hoje, é a de que — além de prescindir da própria obra — podemos prescindir até da nossa formação. O valor está no "espontâneo", no "natural", no "novo". Formação dá trabalho; formação cansa; formação... tem de pensar. Estamos tão acostumados a obter as coisas prontas, produzidas, "produtas", que a formação deve ser mais uma coisa que se pode comprar; que se pode obter através de uma pílula; que se pode aprender como o inglês, em semanas... Formação? A própria palavra nos é estranha. Embora todo mundo vá à escola e, aparentemente, entenda a importância da "educação". Educação. O Brasil não vai pra frente por causa da (falta de) educação.

Relacionamentos. Outro ponto. O artista (ou escritor) deve ser solitário ou deve se relacionar com outras pessoas? Até que ponto? Deve se casar ou deve fugir do casamento? É importante que o artista passe por toda a gama de experiências humanas ou ele deve simplesmente ser capaz de emulá-las por meio de sua imaginação? (Em outras palavras:) O artista deve trabalhar, casar, ter filhos — como todo mundo — ou deve ser um observador à parte, um elemento neutro, para sempre afastado da vivência do cotidiano, dessas e de outras questões? Os relacionamentos podem se converter em um peso para ele, futuramente, frente à arte e suas demandas infinitas? Ou os relacionamentos podem servir de conforto, podem prover-lhe equilíbrio (e força), quando o fracasso, o desespero e a loucura alcançarem sua alma?

O artista deve ter amigos? Que tipo de amigos? Amigos "artistas" como ele? (Colegas de trabalho?) O artista deve compartilhar suas dúvidas com os outros ou a influência do diálogo pode ser fatal para a sua originalidade? Entre as disponíveis, quais influências deve selecionar? Como julgá-las? O artista deve ser mundano, atravessar algumas experiências-limite, apenas para sobreviver do outro lado e (depois) contar? Ou deve se resguardar da poluição (e das tentações) do mundo moderno — deletérias, viciosas e corruptoras? O artista deve pretender uma ascese quase santa, num eterno caminho para a purificação (a glória e a elevação)? Ou deve se imiscuir com o "sujo", o "podre", o "baixo" — romper, em definitivo, com a (ou com as amarras da) sociedade, à maneira de um marginal, para poder dissecá-la de verdade, sem escrúpulos, sem vínculos e sem perdão?

O sexo oposto. As mulheres entendem as nossas ambições? Ou seu mundo é outro e, ao lado delas, estaremos eternamente condenados ao conflito, à disputa, à incompreensão? Existem mulheres-artistas? Elas devem ser procuradas? A comunicação melhora com alguém na mesma condição, ou é tudo inútil — e jamais existirá qualquer ponto de contato entre os caracteres masculino e feminino como a História comprova? Homossexualismo. É uma opção? Todo artista deve ser sexualmente ambíguo — para retratar, devidamente, homens e mulheres em suas situações? Deve vivenciar experiências homossexuais? Deve amar livremente e sem tabus — seja ser, coisa ou pessoa? Deve ser ele um celibatário? A privação sexual é uma forma de escapar de apelos "menores", terrenos em suma, ou o sexo é também uma forma de libertação?

Trabalho. O artista deve dividir suas atenções (e suas energias) entre a-grande-obra-à-qual-está-destinado e um trabalho convencional? A arte pede dedicação exclusiva e se o artista não puder prover nem isso é melhor que desista logo? Ou a arte, justamente, precisa de um contraponto, de uma atividade paralela, secundária, de um momento de descompressão, que a legitime e que forneça ao artista o devido distanciamento crítico? O artista deve viver sempre no cume da montanha ou deve descer de quando em quando? O que deve prover o seu sustento? Se o artista viver de sua arte pode, em função da ambição do dinheiro, sacrificar seus ideais? Para o grande artista, o sucesso ocorre ou nunca ocorre? O reconhecimento é necessário ou pode ser pernicioso, desviando as verdadeiras demandas da arte para as aspirações, comezinhas, do público? Existe gênio incompreendido? O que um artista deve esperar de sua própria época (em termos de resposta)? Quais (ou quem) serão os seus referenciais? Ou deve se preparar para morrer em dúvida ou, por outra, na certeza de que talvez a vida (ou o sacrifício) foi em vão?

J.M. Coetzee, em Juventude (Companhia das Letras, 2005), responde a todas essas questões. Ou por outra: não responde, mas pergunta — e deixa que seu protagonista decida por si só. Ou então deixa a vida arrastá-lo (como ela arrasta a todos nós). John é um sul-africano, como Coetzee, que partiu nos anos 60 para Londres, como Coetzee, a fim de realizar suas aspirações de poeta (como Coetzee?). [Sei que não é de bom-tom contar o final do livro, mas...] Termina devorado pelo trabalho (como programador na IBM), frustrado em seus relacionamentos (depois de um aborto, uma perda da virgindade e amantes variadas — ah, também, um homem) e virtualmente esterilizado como escritor (depois de um mestrado interrompido, recorrentes leituras e uma poesia minguante) — não como Coetzee (que levou o Nobel pra casa e é hoje um dos maiores autores do inglês contemporâneo).

O mérito do romance está em atualizar, justamente, o "romance de formação" para os dias de hoje. Ou para algumas décadas atrás (o que dá quase na mesma). Afinal, embora os anos 60 tenham sido tão revolucionários como se propaga, não trouxeram novas questões literárias — na verdade, com sua efusão pop, até sufocaram vocações "livrescas" (no bom e no mau sentido), de modo que, apesar de inúmeros avanços comportamentais (a pílula, o amor livre, os direitos humanos), não caminhamos nem um milímetro em matéria de literatura; até regredimos. Como John, continuamos não entendendo as mulheres (ou disputando com elas "objetivos"); como John, seguimos premidos pela falta de dinheiro (ou por uma "carreira sólida", a única possível, numa empresa ou afim); e, como John, ainda sofremos da falta de inspiração incorrigível (num mundo que, se também não inspira, repudia vocações nesse sentido — a arte nunca foi tão inútil, para parafrasear Oscar Wilde).

Em termos literários, estritos, Coetzee também "atualiza" sua narrativa. O volume tem menos de 200 páginas em português e resume todas (ou quase todas) as colocações que se poderia aventar dentro de um romance de formação. Como disse, sua técnica é perguntar (e, não, responder), abdicando de psicologismos no estilo do século XIX (talvez uma fraqueza — ou sacada — sua) e adotando uma abordagem moderna, kafkiana, da história: os personagens são praticamente antipersonagens, porque quase nada decidem, empurrados pelas situações em que se encontram (mais ou menos na linha da crítica que Machado de Assis fez a O Primo Basílio de Eça de Queirós: Luíza nada "apita", é resignadamente envolvida pela trama; hoje, ou durante o século XX, uma fórmula que se consagrou...). No fundo, o apelo da novela (literária) atualmente parece ser mais forte do que o do romance (tradicional) — se tomarmos, por exemplo, a eterna falta de tempo (para a leitura), ou alegada, pelas pessoas.

Juventude é brilhante, então, no sentido de recriar toda uma atmosfera perdida, a do artista em formação, numa época em que nenhum estímulo é dado (aliás, é repelido); em que os artistas verdadeiros ou estão escondidos ou não tratam absolutamente disso; em que, finalmente, se acredita (e se repete ad nauseam) que a arte e a literatura morreram, se foram para nunca mais... (apesar da internet e de suas "vocações" em botão). Coetzee, numa seqüência de obras-primas (Elizabeth Costello, O Mestre de Petersburgo...), reafirma seu primado como escritor em inglês, confirma a acertada premiação do Nobel e transmite alguma esperança para escrevinhadores que não viam mais caminhos para uma realização literária autêntica.

"Nossa solidão irá embora, ou será a vida da mente a sua própria recompensa?"
J.M. Coetzee

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 21/10/2005


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
04. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/10/2005
15h02min
É inesgotável e fascinante o que você chama de Romance de Formação. Parabéns pela abordagem, captaste as angústias de quem aspira ser escritor sem, sequer, saber o que é ser escritor. Por acaso é publicar um livro pela Cia. das Letras ou Record? É ter seu livro na vitrine? É ganhar um prêmio? É simplesmente escrever? É ser bom ou é vender bem? Decerto que precisamos nos atualizar sobre essas questões, assim como a mídia e, especialmente, a academia.
[Leia outros Comentários de Marcelo Spalding]
20/6/2008
08h48min
Tal como um diamante, artista nasce artista. A possibilidade de ter ou não jaça, a limpidez ou a variedade de cores determinam a eventualidade de transformar-se em uma jóia monumental. Assim é o artista. Quantos diamantes ótimos foram destruídos por uma martelada de um lapidador infeliz. Quantas vezes um suporte medíocre embota os reflexos de um lindo brilhante. A vontade de ser artista não basta. Não adianta empanzinar alguém com informações sobre como escrever ou desenhar, pintar ou representar se o "minério" for fraco. Artista nasce artista. Se vai aparecer ou não é outra história. Pastiches brotam como cogumelos. É só ter padrinho... Não sobrevivem, mas tem os tais 15 minutos e vitrina. Pretensão e equívoco também adubam as vaidades. Não adianta pensar que cristal é diamante. Nao é. Um boa lapidação ajuda a quem nasce bom. Assim é com o Coetzee. O resto continua sendo resto.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
3/11/2010
05h18min
A obra do artista deve ser o seu delírio alucinatório da vida, deve ter todos os elementos, o riso da felicidade, a ternura da embriaguês, o porre da solidão, a dor de cotovelo, a mulher ou companheira, o olhar enciumado das amantes ou dos amantes. O teor rosa dos machistas, o amor ambulante dos mascates e a leitura de um mundo novo. Imaginativo, criado, como se fosse uma galinha querendo botar o ovo. O seu tempo deve ser o pano de fundo da canção. E o ator que dança. Escrever é quase que só masturbar, e ter o prazer do gozo no lançamento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
3/11/2010
09h48min
Ouso dizer que o escritor não nasce escritor para ser burilado como diamante até chegar ao ponto. Acredito que assim como qualquer outra profissão, há necessidade de suar, e muito, a camisa. Um trabalho diário de leitura e escrita, com um bom exemplo literário de berço também é fundamental. Exemplo no sentido de conscientização desde cedo para que o jovem se dedique à literatura. Não existe nascer e ser artista sem um trabalho árduo. A obsessão também faz parte do pacote. Não se nasce médico, engenheiro ou jornalista. Tem-se que trabalhar muito para isto, abrindo mão de muitas coisas. O diploma, assim como o livro para o escritor, há que ter muito trabalho duro e suor com sangue. Senão, é somente um papel.
[Leia outros Comentários de Marco Linhares]
3/11/2010
13h09min
Uma possível verdade é que perdemos muito tempo nos questionando e sentindo um "frio na espinha" com medo da adversidade da crítica. Sim, o artista nasce artista. Se ele será considerado como "tal" é que o modifica, para continuar ou parar de se "iludir". Mas vai continuar o mesmo. Questionando o fato de "ser" e "estar" artista todo o tempo. O futuro dirá se acertou. Como Coetzee. Um (de muitos) que é assim, respeitado em sua arte. Um "felizardo" artista.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
4/11/2010
10h22min
As questões iniciais do seu texto continuam atuais. Será que o Cristóvão Tezza ganharia todos os prêmios com o seu "O filho eterno" se não tivesse sua experiência pessoal? Seré que o Drummond de Andrade produziria obra melhor se não tivesse que gastar parte do seu tempo como funcionário público? A diplomacia ajudou ou atrapalhou a obra de Cabral, Vini­cius, Rosa etc? Jorge Amado escreveria melhor se não fosse casado ou tivesse atuação política? Daria para escrever um romance de formação sem a experiência pessoal? Quem teria as respostas?
[Leia outros Comentários de José Frid]
4/11/2010
15h00min
O saber contar é que conta. O saber tocar faz a composição. Arte e artista não atendem chamados. Simplesmente são. Andando com os próprios pés.
[Leia outros Comentários de Tere Tavares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CURSO DE FABRICAÇÃO DE COSMÉTICOS II - LINHA ESPECÍFICA - PROCESSO ARTESANAL
ELIANA APARECIDA RODELLA
CENTRO DE PRODUÇÕES TÉCNICAS
(2003)
R$ 15,00



LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL SOBRE O TRÁFICO DE ENTORPECENTES
SANDRA JULIEN MIRANDA
RIDEEL
(2005)
R$ 5,00



REVISTA SUPLEMENTO ESPECIAL QUATRO RODAS GP DO BRASIL
VARIOS
REVISTA SUPLEMENTO ESPECIAL QUATRO RODAS GP DO BRASIL 344.
(1989)
R$ 33,00



JURISPRUDÊNCIA, FONTE FORMAL DO DIREITO BRASILEIRO
FERNANDO PINTO
FREITAS BASTOS (RJ)
(1977)
R$ 9,28



VIDA POSITIVA
OLAVINHO DRUMMOND
DO AUTOR
R$ 11,00



STARTUP
JESSICA LIVINGSTON
AGIR
(2019)
R$ 20,00



RECOMEÇOS
DANIELLE STEEL
ALTAYA - RECORD
(1989)
R$ 5,00



CHAMADO SELVAGEM- RECONTADO EM PORT. POR CLARICE LISPECTOR
JACK LONDON
EDIOURO
(1970)
R$ 7,48



LONDON: CITY GUIDE (LONELY PLANET )
MARTIN HUGHES, SARA JOHNSTON E TOM MASTERS
LONELY PLANET
(2004)
R$ 15,28



ESTADOS UNIDOS
FERNANDO PORTELA
ATICA
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês