J.M. Coetzee e o romance de formação | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
Mais Recentes
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
>>> Brucker ( Homem que Inventou a Administração ) de Peter F. Drucker pela Campus (2006)
>>> Estudo Dirigido de Português Segundo Grau Vol 3 de J. Milton Benemann Luís A. Cadore pela Ática (1976)
>>> Rebecca de Daphne du Maurier pela Heinemann (1992)
>>> Presente Matemática Material Complementar de Luiz Márcio Imenes e Outros pela Moderna
>>> Conquistas do Homem Vol 5 Átomos para a Paz de R. Argentière pela Samambaia
COLUNAS

Sexta-feira, 21/10/2005
J.M. Coetzee e o romance de formação
Julio Daio Borges

+ de 9600 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"Houve um tempo, quando ainda era uma criança inocente, em que acreditou que a inteligência era a única coisa que importava, que, se fosse bastante inteligente, obteria tudo o que desejasse."
J.M. Coetzee

Muito tempo atrás, numa galáxia distante, eu conheci um escritor. Na verdade, foi um amigo que me ligou e falou: "Cara, conheci um escritor". Segundo esse meu amigo, ele morava num apartamento que era praticamente uma sala (ou um quarto) com uma mesa, uma cama e uma estante. E um banheiro em algum lugar. Semanas se passaram, eu também conheci "o escritor". Fui lá. Era exatamente conforme a descrição. Num bar, depois, o Escritor me confessou que planejava escrever um romance de formação. Romance de formação? "Sim, à maneira de James Joyce, em Retrato do Artista Quando Jovem". Ah, bom...

Ao contrário dele, eu não era escritor — e não entendia patavina de "romances de formação". Com o passar dos anos, porém, descobri que o Escritor de então não só se planejava para escrever seu alardeado romance de formação, como vivia uma vida-de-escritor-de-romance-de-formação. Tudo estava em seu lugar: a austeridade, as leituras, o esforço. Ele, obviamente, tinha a receita de bolo e estava cozinhando a massa em fogo baixo. Perdi o contato com o Escritor. Pelo que sei do que anda aprontando, não cumpriu a meta do tal romance de formação. Ou tem um livro escondido na manga. Sei lá; não importa.

A realidade é que, em determinada época da vida, surgem questões inescapáveis para quem pensa, seriamente, em se tornar escritor. Em se tornar artista. Hoje, claro, existem caminhos mais curtos e as ambições estão muito menores do que antes. Não somos mais os mesmos; nem vivemos como os nossos pais (ou avós). Nossos ídolos não são os mesmos e as aparências enganam... Hoje, ser reconhecido é muito mais importante do que realizar uma obra. Na realidade, os famosos que encontramos (célebres de um tempo atrás) prescindem da obra mesma. Ela não é mais necessária. Ela atrapalha. Ela é uma responsabilidade; pode se voltar contra nós...

Ainda assim, os que acreditam em "romance de formação", ou em "formação" (tout court), sabem que é preciso se preparar para a empreitada. Ou, no mínimo, estar preparado — para quando a hora chegar... Quais são, por exemplo, as leituras fundamentais que um escritor não pode (ou não deve) evitar? No meio de tantos livros (velhos e novos), quem pode lhe indicar o caminho seguro? O jovem escritor ou aspirante deve ter mentores? Onde se pode encontrá-los? Eles são confiáveis? Será que não escondem outras motivações que não as estritamente literárias (de repente — como foi moda — as ideológicas...)? Os referenciais de ontem ainda valem para os escritores de hoje? O escritor deve falar à sua própria época, e então se sintonizar com ela, ou deve seguir apenas uma determinada tradição?

Quem não se pegou pensando nessas coisas, não foi, nem por um minuto, escritor. Ou artista. A crença generalizada, hoje, é a de que — além de prescindir da própria obra — podemos prescindir até da nossa formação. O valor está no "espontâneo", no "natural", no "novo". Formação dá trabalho; formação cansa; formação... tem de pensar. Estamos tão acostumados a obter as coisas prontas, produzidas, "produtas", que a formação deve ser mais uma coisa que se pode comprar; que se pode obter através de uma pílula; que se pode aprender como o inglês, em semanas... Formação? A própria palavra nos é estranha. Embora todo mundo vá à escola e, aparentemente, entenda a importância da "educação". Educação. O Brasil não vai pra frente por causa da (falta de) educação.

Relacionamentos. Outro ponto. O artista (ou escritor) deve ser solitário ou deve se relacionar com outras pessoas? Até que ponto? Deve se casar ou deve fugir do casamento? É importante que o artista passe por toda a gama de experiências humanas ou ele deve simplesmente ser capaz de emulá-las por meio de sua imaginação? (Em outras palavras:) O artista deve trabalhar, casar, ter filhos — como todo mundo — ou deve ser um observador à parte, um elemento neutro, para sempre afastado da vivência do cotidiano, dessas e de outras questões? Os relacionamentos podem se converter em um peso para ele, futuramente, frente à arte e suas demandas infinitas? Ou os relacionamentos podem servir de conforto, podem prover-lhe equilíbrio (e força), quando o fracasso, o desespero e a loucura alcançarem sua alma?

O artista deve ter amigos? Que tipo de amigos? Amigos "artistas" como ele? (Colegas de trabalho?) O artista deve compartilhar suas dúvidas com os outros ou a influência do diálogo pode ser fatal para a sua originalidade? Entre as disponíveis, quais influências deve selecionar? Como julgá-las? O artista deve ser mundano, atravessar algumas experiências-limite, apenas para sobreviver do outro lado e (depois) contar? Ou deve se resguardar da poluição (e das tentações) do mundo moderno — deletérias, viciosas e corruptoras? O artista deve pretender uma ascese quase santa, num eterno caminho para a purificação (a glória e a elevação)? Ou deve se imiscuir com o "sujo", o "podre", o "baixo" — romper, em definitivo, com a (ou com as amarras da) sociedade, à maneira de um marginal, para poder dissecá-la de verdade, sem escrúpulos, sem vínculos e sem perdão?

O sexo oposto. As mulheres entendem as nossas ambições? Ou seu mundo é outro e, ao lado delas, estaremos eternamente condenados ao conflito, à disputa, à incompreensão? Existem mulheres-artistas? Elas devem ser procuradas? A comunicação melhora com alguém na mesma condição, ou é tudo inútil — e jamais existirá qualquer ponto de contato entre os caracteres masculino e feminino como a História comprova? Homossexualismo. É uma opção? Todo artista deve ser sexualmente ambíguo — para retratar, devidamente, homens e mulheres em suas situações? Deve vivenciar experiências homossexuais? Deve amar livremente e sem tabus — seja ser, coisa ou pessoa? Deve ser ele um celibatário? A privação sexual é uma forma de escapar de apelos "menores", terrenos em suma, ou o sexo é também uma forma de libertação?

Trabalho. O artista deve dividir suas atenções (e suas energias) entre a-grande-obra-à-qual-está-destinado e um trabalho convencional? A arte pede dedicação exclusiva e se o artista não puder prover nem isso é melhor que desista logo? Ou a arte, justamente, precisa de um contraponto, de uma atividade paralela, secundária, de um momento de descompressão, que a legitime e que forneça ao artista o devido distanciamento crítico? O artista deve viver sempre no cume da montanha ou deve descer de quando em quando? O que deve prover o seu sustento? Se o artista viver de sua arte pode, em função da ambição do dinheiro, sacrificar seus ideais? Para o grande artista, o sucesso ocorre ou nunca ocorre? O reconhecimento é necessário ou pode ser pernicioso, desviando as verdadeiras demandas da arte para as aspirações, comezinhas, do público? Existe gênio incompreendido? O que um artista deve esperar de sua própria época (em termos de resposta)? Quais (ou quem) serão os seus referenciais? Ou deve se preparar para morrer em dúvida ou, por outra, na certeza de que talvez a vida (ou o sacrifício) foi em vão?

J.M. Coetzee, em Juventude (Companhia das Letras, 2005), responde a todas essas questões. Ou por outra: não responde, mas pergunta — e deixa que seu protagonista decida por si só. Ou então deixa a vida arrastá-lo (como ela arrasta a todos nós). John é um sul-africano, como Coetzee, que partiu nos anos 60 para Londres, como Coetzee, a fim de realizar suas aspirações de poeta (como Coetzee?). [Sei que não é de bom-tom contar o final do livro, mas...] Termina devorado pelo trabalho (como programador na IBM), frustrado em seus relacionamentos (depois de um aborto, uma perda da virgindade e amantes variadas — ah, também, um homem) e virtualmente esterilizado como escritor (depois de um mestrado interrompido, recorrentes leituras e uma poesia minguante) — não como Coetzee (que levou o Nobel pra casa e é hoje um dos maiores autores do inglês contemporâneo).

O mérito do romance está em atualizar, justamente, o "romance de formação" para os dias de hoje. Ou para algumas décadas atrás (o que dá quase na mesma). Afinal, embora os anos 60 tenham sido tão revolucionários como se propaga, não trouxeram novas questões literárias — na verdade, com sua efusão pop, até sufocaram vocações "livrescas" (no bom e no mau sentido), de modo que, apesar de inúmeros avanços comportamentais (a pílula, o amor livre, os direitos humanos), não caminhamos nem um milímetro em matéria de literatura; até regredimos. Como John, continuamos não entendendo as mulheres (ou disputando com elas "objetivos"); como John, seguimos premidos pela falta de dinheiro (ou por uma "carreira sólida", a única possível, numa empresa ou afim); e, como John, ainda sofremos da falta de inspiração incorrigível (num mundo que, se também não inspira, repudia vocações nesse sentido — a arte nunca foi tão inútil, para parafrasear Oscar Wilde).

Em termos literários, estritos, Coetzee também "atualiza" sua narrativa. O volume tem menos de 200 páginas em português e resume todas (ou quase todas) as colocações que se poderia aventar dentro de um romance de formação. Como disse, sua técnica é perguntar (e, não, responder), abdicando de psicologismos no estilo do século XIX (talvez uma fraqueza — ou sacada — sua) e adotando uma abordagem moderna, kafkiana, da história: os personagens são praticamente antipersonagens, porque quase nada decidem, empurrados pelas situações em que se encontram (mais ou menos na linha da crítica que Machado de Assis fez a O Primo Basílio de Eça de Queirós: Luíza nada "apita", é resignadamente envolvida pela trama; hoje, ou durante o século XX, uma fórmula que se consagrou...). No fundo, o apelo da novela (literária) atualmente parece ser mais forte do que o do romance (tradicional) — se tomarmos, por exemplo, a eterna falta de tempo (para a leitura), ou alegada, pelas pessoas.

Juventude é brilhante, então, no sentido de recriar toda uma atmosfera perdida, a do artista em formação, numa época em que nenhum estímulo é dado (aliás, é repelido); em que os artistas verdadeiros ou estão escondidos ou não tratam absolutamente disso; em que, finalmente, se acredita (e se repete ad nauseam) que a arte e a literatura morreram, se foram para nunca mais... (apesar da internet e de suas "vocações" em botão). Coetzee, numa seqüência de obras-primas (Elizabeth Costello, O Mestre de Petersburgo...), reafirma seu primado como escritor em inglês, confirma a acertada premiação do Nobel e transmite alguma esperança para escrevinhadores que não viam mais caminhos para uma realização literária autêntica.

"Nossa solidão irá embora, ou será a vida da mente a sua própria recompensa?"
J.M. Coetzee

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 21/10/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
04. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
05. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/10/2005
15h02min
É inesgotável e fascinante o que você chama de Romance de Formação. Parabéns pela abordagem, captaste as angústias de quem aspira ser escritor sem, sequer, saber o que é ser escritor. Por acaso é publicar um livro pela Cia. das Letras ou Record? É ter seu livro na vitrine? É ganhar um prêmio? É simplesmente escrever? É ser bom ou é vender bem? Decerto que precisamos nos atualizar sobre essas questões, assim como a mídia e, especialmente, a academia.
[Leia outros Comentários de Marcelo Spalding]
20/6/2008
08h48min
Tal como um diamante, artista nasce artista. A possibilidade de ter ou não jaça, a limpidez ou a variedade de cores determinam a eventualidade de transformar-se em uma jóia monumental. Assim é o artista. Quantos diamantes ótimos foram destruídos por uma martelada de um lapidador infeliz. Quantas vezes um suporte medíocre embota os reflexos de um lindo brilhante. A vontade de ser artista não basta. Não adianta empanzinar alguém com informações sobre como escrever ou desenhar, pintar ou representar se o "minério" for fraco. Artista nasce artista. Se vai aparecer ou não é outra história. Pastiches brotam como cogumelos. É só ter padrinho... Não sobrevivem, mas tem os tais 15 minutos e vitrina. Pretensão e equívoco também adubam as vaidades. Não adianta pensar que cristal é diamante. Nao é. Um boa lapidação ajuda a quem nasce bom. Assim é com o Coetzee. O resto continua sendo resto.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
3/11/2010
05h18min
A obra do artista deve ser o seu delírio alucinatório da vida, deve ter todos os elementos, o riso da felicidade, a ternura da embriaguês, o porre da solidão, a dor de cotovelo, a mulher ou companheira, o olhar enciumado das amantes ou dos amantes. O teor rosa dos machistas, o amor ambulante dos mascates e a leitura de um mundo novo. Imaginativo, criado, como se fosse uma galinha querendo botar o ovo. O seu tempo deve ser o pano de fundo da canção. E o ator que dança. Escrever é quase que só masturbar, e ter o prazer do gozo no lançamento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
3/11/2010
09h48min
Ouso dizer que o escritor não nasce escritor para ser burilado como diamante até chegar ao ponto. Acredito que assim como qualquer outra profissão, há necessidade de suar, e muito, a camisa. Um trabalho diário de leitura e escrita, com um bom exemplo literário de berço também é fundamental. Exemplo no sentido de conscientização desde cedo para que o jovem se dedique à literatura. Não existe nascer e ser artista sem um trabalho árduo. A obsessão também faz parte do pacote. Não se nasce médico, engenheiro ou jornalista. Tem-se que trabalhar muito para isto, abrindo mão de muitas coisas. O diploma, assim como o livro para o escritor, há que ter muito trabalho duro e suor com sangue. Senão, é somente um papel.
[Leia outros Comentários de Marco Linhares]
3/11/2010
13h09min
Uma possível verdade é que perdemos muito tempo nos questionando e sentindo um "frio na espinha" com medo da adversidade da crítica. Sim, o artista nasce artista. Se ele será considerado como "tal" é que o modifica, para continuar ou parar de se "iludir". Mas vai continuar o mesmo. Questionando o fato de "ser" e "estar" artista todo o tempo. O futuro dirá se acertou. Como Coetzee. Um (de muitos) que é assim, respeitado em sua arte. Um "felizardo" artista.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
4/11/2010
10h22min
As questões iniciais do seu texto continuam atuais. Será que o Cristóvão Tezza ganharia todos os prêmios com o seu "O filho eterno" se não tivesse sua experiência pessoal? Seré que o Drummond de Andrade produziria obra melhor se não tivesse que gastar parte do seu tempo como funcionário público? A diplomacia ajudou ou atrapalhou a obra de Cabral, Vini­cius, Rosa etc? Jorge Amado escreveria melhor se não fosse casado ou tivesse atuação política? Daria para escrever um romance de formação sem a experiência pessoal? Quem teria as respostas?
[Leia outros Comentários de José Frid]
4/11/2010
15h00min
O saber contar é que conta. O saber tocar faz a composição. Arte e artista não atendem chamados. Simplesmente são. Andando com os próprios pés.
[Leia outros Comentários de Tere Tavares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACHO QUE QUEBREI SUA EMPRESA!
KAREN PHELAN
BENVIRÁ
(2015)
R$ 24,00



JUNTOS PARA SEMPRE
WALCYR CARRASCO
ARQUEIRO
(2013)
R$ 12,99



O BOLO, BORRA DE CAFÉ E IDENTIDADE CULTURAL NA PARAÍBA
REBECA OLIVEIRA SOUSA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SOLE E NEBBIE
CARLO PERASSO
BARULLI
(1972)
R$ 53,52



APRENDENDO E ENSINANDO ENSINANDO E APRENDENDO
IRMÃ MARIA HELENA ARNS
CNBB
(2000)
R$ 20,00



CALLING OF AN ANGEL
DR. GARY L. GLUM
SILENT WALKER
(1988)
R$ 250,00



THE COTTAGE
DANIELLE STEEL
RANDOM HOUSE
(2002)
R$ 17,50



SAKURA CARD CAPTORS Nº 14
CLAMP
JBC DO BRASIL
(1997)
R$ 7,00



A VIDA DO BEBÊ DA GRAVIDEZ AO PARTO
DR. RINALDO LAMARE
AGIR
(2008)
R$ 6,97



CONVERSA FRANCA SOBRE SOLIDÃO
JOYCE MEYER
BELLO PUBLICACOES
(2014)
R$ 9,90





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês