Os meus conflitos | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/5/2006
Os meus conflitos
Marcelo Maroldi

+ de 7100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Todo mundo tem conflito. Rico ou pobre, branco ou negro, crente ou ateu, homem ou mulher, escritor ou padeiro. Tem conflito!, não tem jeito. Pode ser um conflito pequenino, que dura apenas uns 10 segundos e depois expira do mundo das idéias, ou pode ser um bem grandão, assustador, que dura uma vida inteira e nunca esmorece. Esses últimos são os que movem a roda deste mundo, fazem os sonhadores parecerem loucos, os poetas uns pobres coitados e os filósofos uns seres largados (os poetas-filósofos-loucos então, nem se fala!). Os pequenos conflitos se perdem, feitos os sonhos que com eles nascem, efêmeros, mas os grandes conflitos da alma produzem as histórias mais interessantes, as personagens mais extremadas, as emoções e sensações mais puras e buscadas. Aquele lágrima no rosto, o nó na garganta, o peito apertado.

Uns anos atrás conheci este Digestivo Cultural e passei a observá-lo, a distância, um pouco assustado, sem entender direito, sem compreender boa parte. Eu me sentia somente um menino bobinho num mundo de mentes preparadas. Meus conflitos estavam hibernando nesse período e eu levava a vida como o Zeca Pagodinho recomenda fazê-lo. Um belo dia eu parei de ler as colunas, e achei que dele não precisava. Assim foi por um longo tempo. Diversas semanas - ou meses, nem sei - sem abrir o site. Mas, quando eu ainda morava na capital da nação e, trabalhando para nosso governo, claro, estive umas tardes bastante ocioso e sendo remunerado com o dinheiro público, eu digitei no meu browser o endereço do site. Andréa Trompczynski lá estava, estampada, e atingiu tão duramente a minha face que eu nunca mais voltarei a deixá-la.

Depois disso, entre idas e vindas, tornei-me um colunistas desse simpático site (e a srta. Andréa era minha colega, aliás) e, durante pouco mais de 1 ano, escrevi algumas dezenas de colunas, umas boas e outras nem tanto. Tudo isso até umas semanas atrás, quando um novo conflito se apoderou de mim. Eu reconheço um conflito quando avisto um, e, posso afirmar: esse é um dos grandões. Então, consegui escrever uma única coluna (dos amores possíveis). A propósito, camarada leitor, você sequer percebeu que eu fiquei umas semanas sem publicar, hein? Hum.... Só uns poucos é que se atentaram, alguns me enviando e-mail, coisas assim. Já que toquei no assunto, compartilharei com vocês um desses e-mails, um que dizia que depois de ter escrito esse texto dos amores eu nunca mais escreveria nada tão bom. Curioso isso, tão novo e já decretaram minha falência literária, mas, enfim, paciência.

Bem, o fato é que eu não consegui mais escrever nada, travei. Não, não é aquele famoso bloqueio de escritor, até mesmo porque não sou um deles. É o maldito conflito que me impede de escrever, só pode ser isso. Em princípio, entendo eu, o conflito é o cenário ideal para as artes, e para a literatura em especial. É dele que borbulham poemas, peças de teatro, canções, tudo isso. É ali que nascem as traições, os adultérios, os suicídios, os confrontos, os crimes, as paixões, os amores, as lágrimas, o pranto e a dor. Todavia, meu conflito não está gerando nada disso! O meu conflito é, pela primeira vez, um conflito bom, se é que conflito e bom não são conceitos excludentes e que se anulam. O fato é que eu não consigo escrever nada do que me acostumei a escrever em toda a minha vida. Em todas as minhas colunas anteriores, eu sentei, iniciei meu texto e, sempre, 30 minutos depois o encerrava. Agora, já se vão semanas e não consigo redigir nada interessante.

O outro efeito colateral do meu conflito é ainda mais grave. Estou há semanas sem ler um único livro. Eu não tenho vontade, fazer o quê? Eu até tento, mas tenho achado tudo tão chato, tão repetitivo, tão igual. Um cara como eu, que já leu 4, 5 livros numa semana "boa", estou há 30 dias sem finalizar nenhum capítulo. Isso tem me preocupado. Para piorar, o único livro que eu conseguia ler, Confissões, do meu mentor Agostinho, foi surrupiado lá de minha casa, e nem mesmo Padre Antonio Vieira, ou Santo Tomás de Aquino têm me feito esquecer do Gustinho...

Eu me acostumei a escrever bem (a escrever bastante, pelo menos) nos momentos de conflito no meu peito. Paulinho da Viola age assim também, só que com o violão. E agora que os versos me fogem, bem como as reclamações contra o mundo insano, as ironias, as revoltas, as dores de amor, etc., eu me sinto tão sozinho, eu me sinto tão sem mim, mas ao mesmo tempo tão feliz. É como se a minha força criativa nascesse de meu conflito, do meu conflito ruim, apenas, e, desprovido dele nesse momento, fui ceifado de minha capacidade de combinar palavras e reuni-las numa coluna deste Digestivo. Minha escrita é oriunda de minhas agitações interiores. Meu conflito atual é distinto desses, é novo, inédito, é o conflito de uma nova vida, uma nova opção, uma nova escolha. Um conflito que, parece, assassina meu coração de poeta... e me dá um coração normal, um que vive sem os gigantescos conflitos peitorais dos que poetizam, dos que se embebedam antes do sol ousar desafiá-los, dos que dramatizam as situações mais corriqueiras e tolas, dos que jamais saberão o que é sentir o peito transbordar de emoção, inundados por um sem número de sentimentos potencializados no âmago...

Eu estou preocupado, mas ainda não muito...

Bom, camarada leitor, eu ainda posso escrever bula de remédio, não é? Mas será que isso vai impressionar as garotas?

Marcelo Maroldi
São Paulo, 4/5/2006



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lula, PT, essas coisas... de Julio Daio Borges
02. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 de Luis Eduardo Matta
03. O Segredo do Vovô Coelhão de Adriana Baggio


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Novos escritores? Onde? - 25/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/5/2006
13h59min
Eu adoro a sua coluna Marcelo, descobri hoje que adoro ainda mais quando você supostamente acha que nada tem a escrever!
[Leia outros Comentários de Iza]
5/5/2006
19h18min
Que leitura agradável! O texto do Marcelo é tão bom que dá vontade de não parar mais de ler...
[Leia outros Comentários de Rose]
6/5/2006
22h37min
Meu amigo, bula de remédio realmente não vai impressionar as garotas (risos), mas eu tenho certeza que logo, logo você voltará ao seu normal, e a impressionar as garotas. Aliás, elas devem estar ansiosas por seus artigos (risos). Abraços.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
7/5/2006
16h31min
E num desses conflitos me perdi. Parei de escrever. Fui me procurar na vida, para mim tudo já havia sido escrito, ou iria ser, por alguém que não eu. Amei seu texto, obrigada pela citação. Agora só restarão os textos velhos. Até quando? Não sei...
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
13/5/2006
00h56min
Marcelo!!! Não vá!!! Seus textos são meus companheiros de todas as semanas!!! Eu sou umas das garotas que se impressionam com seus textos...rs
[Leia outros Comentários de Carina Teixeira]
13/5/2006
10h35min
Também estou nessa "pane" temporária, mas o final do seu texto me foi revelador: isso tb me acontece pq estou num novo desafio: o de mudar as coisas e a carreira de lugar. Seu texto me foi inspirador. Que seu coração "normal", em alguns instantes volte ao caos !!! Um gde beijo.
[Leia outros Comentários de Simone Oliveira]
23/4/2010
03h36min
Marcelo, mesmo estando você em conflito, seus textos são suaves, bonitos e espontâneos! Pra te falar a verdade, acho que você em crise é ainda melhor!!! Ah, ia me esquecendo: eu adoro ler bula de remédio! Um beijo... e não nos deixe, por favor!
[Leia outros Comentários de fernanda flores ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês