Senna | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/5/2014
Senna
Paulo Polzonoff Jr

+ de 4000 Acessos

Acabei de ler Ayrton, o Herói Revelado, biografia de Ayrton Senna escrita por Ernesto Rodrigues. Na época do lançamento, lembro de ter desdenhado a biografia e ao mesmo tempo de ter ficado surpreso com a falta de repercussão dela no Brasil. Acho que o livro nem mesmo chegou à lista dos mais vendidos.

Pois ler a história de Senna com o distanciamento do tempo me deixou pensativo por vários motivos. Primeiro, me percebi fazendo um exame de consciência quanto ao meu desprezo por Ayrton Senna nos anos recentes, minha discreta filiação ao piquetismo, minha crença de que o piloto nada mais era do que um produto de marketing.

Conflitantemente, depois recorri à memória pré-adolescente daquela época para tentar evocar o que havia de pureza e de heroísmo verdadeiro naquilo tudo. Por fim, e como não poderia deixar de ser, pensei muito na vida e na morte. Ou melhor, na vida que jamais serei capaz de viver e na morte que parece se anunciar, na visão tendenciosa de nós, os sobreviventes.

Antes de me aprofundar um pouco nestas questões, vale a pena falar do livro em si. Abrangente e com um texto delicioso, Ernesto Rodrigues não teme abordar assuntos polêmicos envolvendo Senna, como sua suposta homossexualidade, algum fanatismo religioso, sua briga com Prost e Piquet, as mulheres (Xuxa, Galisteu) e, claro, o comportamento discutível dele nas pistas.

Não sei como é para alguém que jamais viu ser correr ler o livro. Para mim, foi agradável recorrer a uma memória há muito escondida e de lá tirar impressões emocionadas daquelas manhãs de domingo em que eu, um pré-adolescente que sempre nutriu uma estranha ojeriza aos carros, ficava diante da televisão para assistir às corridas.

Além de ser um livro sobre um personagem do mundo esportivo, Ayrton é um livro sobre o estado de espírito de um país. E, assim sendo, ajuda um bocado a compreender por que hoje, mais velhos e cínicos, vemos Senna como uma patriotada digna dos meus abjetos pachecos - algo que ele não foi, claro.

*

Sempre que o assunto Senna era evocado, sabe-se lá por que motivo, eu torcia o nariz. Quando do lançamento da biografia Ayrton, o Herói Revelado, lembro de um jantar que tive com Geneton Morais Neto e Sérgio Rodrigues. Sérgio, por sinal, foi correspondente da Fórmula 1 na época de Senna e tinha suas próprias impressões do piloto. Por algum motivo, eu estava vulgarmente interessado nos boatos de que Senna era gay.

(Não era).

Minha repulsinha por Senna revelava vários equívocos e uma necessidade infantil de questionar o pensamento vigente. Se as pessoas acreditavam que Senna tinha sido o melhor piloto de todos os tempos, meu impulso era o de contrariá-las. Só por diversão - uma diversão de gosto questionável, diria eu. E uma diversão compartilhada por muitos da minha geração.

Era como se precisássemos esquecer o ídolo, repelindo-o. Transformando-o num vilão midiático ou num "cara que simplesmente tinha sorte". Ajudava também exaltar os adversários de Senna. Perdi a conta das noites em bares que foram testemunhas de agradáveis conversas (agradáveis porque todo mundo parecia concordar) sobre a superioridade de Piquet.

Hoje, mais velho, percebo que o maniqueísmo não tem razão de ser, mas tinha razão de ser. Acho que para alguns de nós, que na época testemunhamos o fim da ditadura, o desastre do governo Sarney, a ascensão e queda de Collor, era difícil aceitar que havia algo de admirável no Brasil. Assim, Senna só podia ser um delírio das massas e uma construção conspiratória - duas coisas dignas de repulsa.

Mas não há sentido em sustentar essa visão dicotômica. É possível aceitar Senna como um talento admirável e uma personalidade às vezes detestável. Humano, sim, como o mais-que-humano Piquet, vilão na época e agora considerado por muitos o santo injustiçado. É possível, aconselhável e necessário exaltar, de preferência aos gritos, as corridas espetaculares de Senna em Mônaco, no Brasil em 1991 e na Inglaterra em 1993.

Sobretudo, é possível aceitar que naquelas manhãs de domingo (ou tardes ou madrugadas) éramos irremediavelmente felizes por uma série de fatores que convergiam todos para um nome: Senna.

*

Mais do que um rico personagem à luz da psicologia, Senna é um riquíssimo personagem à luz da sociologia de botequim. (Garçom, mais uma por favor!). Sempre me incomodou o patriotismo atrelado à imagem de Senna e levei mais de vinte anos para compreender, finalmente, que aquele patriotismo era esotericamente espontâneo e curiosamente inerte - talvez sua melhor qualidade, aliás.

Depois do primeiro campeonato de Ayrton Senna, muito se falou que ele representava o Brasil que dava certo, o Brasil que competia contra as potências europeias e vencia, o Brasil trabalhador, determinado e inegavelmente campeão. Balela. O patriotismo que Senna evocava era menos militaresco e mais poético, se é que isso é possível.

Senna (sua personalidade e suas vitórias) representava um Brasil que dava certo num domingo, quebrava o motor no outro, tinha uma pane elétrica no seguinte, rodava, batia, às vezes fazia uma ultrapassagem linda, outras vezes reclamava do carro e dos pneus, que provocava e era provocado. Um Brasil que, aos trancos e barrancos, às vezes recebia a bandeira quadriculada em primeiro lugar.

E, sobretudo, um país que ia para a pista com o carro que tivesse.

Em resumo, um Brasil do qual nós, os brasileiros, não podemos (infelizmente) fugir. Só fui compreender isso muitos anos depois da morte de Senna, ao voltar ao país depois de passar um ano morando fora. Existe algo meio asqueroso chamado brasilidade que está impregnado em mim. É uma condição da qual não me orgulho. Mas que, um pouco por causa de Senna, naquela época tampouco me envergonhava. Era o que tinha de ser.

*

Produto de marketing? Aí é que está a beleza do fenômeno Senna: ele não foi um produto criado por agências de publicidade. Se você pretende entender a idolatria Senna naquele início da década de 1990, precisa antes aceitar o fato de que Senna foi o último ídolo brasileiro puro - ídolo moleque, de várzea. Depois dele, de Ronaldo a Neymar, passando por Guga e Bernardinho, todos foram criados à imagem de infalíveis deuses gregos - se é que deuses gregos gostavam de levar travestis para motéis.

Mas a pergunta é: como se constrói um ídolo nato? Não sei e ganha uma fortuna o publicitário que souber. Senna foi um acúmulo de coincidências que não se explicam apenas no âmbito esportivo. Até porque, quem analisar os números, verá que houve muitos domingos em que o meloso Tema da Vitória não tocou. Senna não era perfeito. Mas, de alguma forma, incorporou um ideal coletivo de perfeição.

A ojeriza ou mesmo desprezo que muitos (eu também) sentem pelo fenômeno Senna talvez tenha a ver com o reconhecimento do autoengano. Acho que é isso. Com o tempo, a escultura que considerávamos perfeita começou a mostrar suas rachaduras e o que era belo, sem contestação, começou a receber pontos de interrogação demais. Muitos de nós não aguentamos olhar para a imagem que nós mesmos fantasiamos como perfeita e bela - e passamos a repudiá-la.

Felizmente acho que hoje admiro a escultura justamente por causa de suas rachaduras. Há algo de sublime na imperfeição.

*

Jamais serei como Senna. Ou Pelé. Ou Steve Jobs. Ou Einstein. Ou qualquer outro gênio em qualquer área. Não que me faltem neurônios para tanto. O que me falta é exatamente o que mais admiro e repudio nestas personalidades: determinação e vaidade.

Confesso que não sou um homem determinado. Nunca fui. Simplesmente porque nunca me precisei me esforçar de verdade para conseguir as coisas. Tudo me caiu no colo muito fácil. Na escola, sempre tirava notas boas. Na profissão, sempre consegui boas ocupações. Até na vida amorosa sempre tive mulheres interessantes cruzando meu caminho.

Sou um homem de sorte - o que é um azar.

Admiro e ao mesmo tempo desprezo homens que dedicam a vida a alguma coisa como Senna dedicou sua vida ao automobilismo, sacrificando outros aspectos da existência. Sempre compreendi a vida como um todo indissolúvel e jamais me permiti dar importância demais à carreira ou à vida amorosa, por exemplo.

E, para que você seja herói, precisa dessa determinação. Precisa acreditar, um tanto estupidamente, que o que você faz é a coisa mais importante do mundo. Durante alguns anos eu até cogitei acreditar nessa balela, no começo do meu envolvimento com a crítica literária. Mas, por sorte ou azar (jamais saberei), rapidamente aprendi que nada vida havia outros prazeres tão ou mais intensos do que escrever um texto lido por meia-dúzia de puxa-sacos.

O outro elemento dessa equação, a vaidade, me foi extirpado há alguns anos, tanto pela psicanálise quanto pela leitura atenta do Eclesiastes. E sem vaidade não há heróis ou vilões absolutos. É com alguma nostalgia que me lembro da época em que ansiava ser amado ou odiado. Hoje, para evocar o poeta, prefiro dançar um tango argentino.

*

Senna foi exemplo de talento e dedicação em vida, mas tornou-se herói, ídolo, referência e até santo na morte. Se Senna não tivesse morrido jovem, como deve acontecer a todos os heróis de verdade, teria se tornado um Pelé. Ou mesmo um Piquet, um Prost, um Mansell. A morte curiosamente o tornou sobre-humano.

Todo mundo da minha geração se lembra de onde estava em dois episódios: a morte de Senna e os ataques de 11 de setembro. No caso da morte de Senna, eu estava em casa, assistindo à corrida. E lembro perfeitamente de recorrer ao meu lado machão e durão para proclamar, assim que assisti à batida: morreu.

(No fundo, eu esperava que não. A morte consagra o herói, sim, mas uma recuperação milagrosa tornaria Senna algo divino. Às vezes eu me ponho a imaginar o que teria acontecido se Senna ficasse em coma e depois passasse por um lento, mas bem-sucedido, retorno às pistas. Seria insuportável, no bom e no mau sentido).

Rever as imagens daquele 1º. de maio é evocar o ser esotérico que existe dentro de cada um de nós. Assistimos à imagem de Senna pensativo atrás do carro, ainda nos boxes, e concluímos, sem sombra de dúvida: ele sabia que ia morrer. Percebemos sinais ocultos em todas as entrevistas do piloto naquele fim de semana.

Eu fui além. Assisti intrigado a uma aparição de Senna no Xou da Xuxa, acho que no final de 1988. Xuxa lhe dá um beijo e diz: feliz 1989. Outro beijo e feliz 1990. Feliz 1991. Feliz 1992. E feliz 1993. Diabos, por que Xuxa não lhe desejou um feliz 1994? (Cartas para a redação).

A comoção que a morte de Senna causou naquele maio foi algo que jamais vi e, tenho certeza, jamais verei novamente. Nem a morte de Pelé, nem a de Silvio Santos e nem mesmo da própria Xuxa causarão tamanha dor coletiva. No livro, Sérgio Rodrigues diz que o silêncio que se fazia nas cidades era total. Parecia que nem os passarinhos cantavam. Tenho a mesma impressão.

Deve ser difícil para os mais jovens imaginar o que foi aquele cortejo fúnebre. O que foi o luto que se abateu sobre todo um país (exceto por Piquet, talvez). No dia seguinte ao acidente, eu me lembro que os professores não conseguiam dar aula. Passamos todas as aulas conversando sobre a morte de Ayrton Senna. E num tom mais baixo do que o normal para um bando de adolescentes. Era como se estivéssemos diante do caixão.

*

Hoje Senna representa para mim apenas a evocação de um monte de memórias confusas. Não é o herói que já foi, e muito menos o anti-herói no qual o transformei para me proteger. Não é um exemplo de conduta que eu queria apresentar ao meu filho - já expus aqui minha relação de amor e ódio com as pessoas determinadas demais. Acho que, vinte anos depois da morte de Senna, posso dizer que fiz as pazes com ele, o piloto, o mito, o personagem e até mesmo o otário que dizia sentir falta do Brasil morando em Mônaco (afe!). E, sobretudo, fiz as pazes comigo mesmo: com o pré-adolescente e adolescente que fui, com o adulto que me tornei e com o que sou hoje, mas com certeza não serei amanhã.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no seu blog.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 22/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
03. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
04. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Quem sou eu? - 8/12/1977
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A vida sabe o que faz
Zíbia Gasparetto
Vida e Consciência
(2011)



Na Sala Com Danuza
Danuza Leão
Siciliano
(1992)



A Bíblia Responde
Felizardo Batista da Silva Filho
Alfa & Ômega
(2020)



Análise e Projeto Orientados a Abjeto Vol. 2
Scott W Ambler
Ibpi
(1998)



Cinco dias em Paris
Danielle Steel
Record / Altaya
(1996)



Carta Mensal Maio nº 734
Célio Borja et al
Cnc
(2016)



Quanto Vale o Meu Negocio? - o Empresario no Diva
Lilian Carrete
Saint Paul
(2008)



O Que Vem da Sua Boca
Nancy Richler
Rocco
(2006)



Dalai Lama: o Homem, o Monge, o Místico
Mayank Chhaya
Campus
(2007)



Longa Jornada Noite Adentro
Eugene O Neil
Abril Cultural





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês