A educação atual de nossas crianças | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
51779 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
>>> DJ Erick Jay participa de A Quebrada É Boa, evento realizado pelo Monarckas em Sapopemba
>>> Espetáculos gratuitos da São Paulo Escola de Dança acontecem na Pinacoteca e Teatro de Contêiner
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Contrate seu Personal Twitter
>>> Lá vamos nós outra vez...
>>> Tempo vida poesia 5/5
>>> Nós, os escritores derrotados
>>> A Paris de Chico Buarque
>>> Muhammad Ana Maria Ali Braga
>>> Segundo, o primeiro de Maria Rita
>>> Os bigodes do senhor autor
>>> Jackie O., editora
>>> Morrer, na literatura
Mais Recentes
>>> Análise de Erros - O que Podemos Aprender com as Respostas dos Alunos de Helena Noronha Cury pela Autêntica (2007)
>>> Diva Em Retalhos de Carla Salcedo, Camila Argeri pela Schoba (2013)
>>> Livro Saúde Cura Com Yoga e Plantas Medicinais de Chiang Sing pela Freitas Bastos (1989)
>>> Mulheres Do Evangelho - E Outros Personagens Transformados Pelo Encontro Com Jesus de Robson Pinheiro pela Casa Dos Espíritos (2005)
>>> Ore Monogatari 04 de kazune Kawahara pela Panini Comics
>>> Os manuscritos do mar morto de Geza Vermes pela Mercuryo (1997)
>>> Livro Infantil Entre Laços e Sapatos de Fania Benchimol pela Galocha (2017)
>>> Coleção Completa Christus História das Religiões 4 Livros Capa dura de José Huby pela Saraiva (1956)
>>> O Rei da Vela de Oswald De Andrade pela Biblioteca Azul (2024)
>>> Livro Infanto Juvenis O Anão de Xaxim Coleção Mito & Magia de Juliana Gonçalves pela Paulinas (2008)
>>> Francisco Xavier de Loyola pela Loyola (2002)
>>> Boitempo: Autobiografia E Memória Em Carlos Drummond De Andrade de Regina Souza Vieira pela Presença (1992)
>>> Historia Do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2015)
>>> Ore Mono Gatari Minha História 05 de kazune Kawahara pela Panini Comics
>>> O Rio E Seu Segredo de Zhu Xiao-Mei pela Objetiva (2008)
>>> Avante Vingadores! 4 Dez/22 - Um Titã Emerge! de Aaron; Cates pela Panini (2023)
>>> Como prevenir e Resolver o Stress dos Professores e a Indisciplina dos Alunos de Saul Neves de Jesus pela Asa (2001)
>>> Terra Dos Homens de Antoine De Sain-Exupery pela Nova Fronteira (1986)
>>> Livro de uma sogra (Pocket) de Aluísio Azevedo pela Edições de ouro
>>> Livro Infantil Um é Pouco? de Carmen Lucia Campos pela Panda Books (2013)
>>> Museu do futebol um museu-experiência de Museu do futebol pela Museu do futebol (2014)
>>> Ensaios de Sobrevivência - Anatomia de uma Crise de Meia Idade de Daryl Sharp pela Cultrix
>>> Livro Em Box Literatura Estrangeira a Linguagem do Amor de Sheila Pickles pela Melhoramentos (1994)
>>> A Coluna Prestes de Anita L. Prestes pela Paz e Terra
>>> Livro Economia Dinheiro? Pra Que Dinheiro? Entre Gastar e Poupar de Altemir Carlos Farinhas pela Inverso (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 27/2/2006
A educação atual de nossas crianças
Marcelo Maroldi
+ de 26900 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Na Coréia do Sul, algumas escolas oferecem a seus alunos 16 horas de aulas todos os dias. É isso mesmo, dezesseis horas, não é mentira! As crianças e os adolescentes acordam bem cedo e partem para esse grande desafio. Pela manhã, assistem às aulas tradicionais, como matemática e biologia. À tarde, depois do almoço na própria escola e de fazerem suas tarefas, geralmente em grandes quantidades, recebem ensinamentos nas disciplinas específicas escolhidas por eles mesmos, como matemática avançada, cálculo numérico ou programação de computadores, além de aulas como violino, piano, alemão, japonês, mandarim, escultura, pintura, oratória, política, culinária e muitas outras. Os educadores dizem que estão formando cidadãos capacitados para o projeto de crescimento do seu país e de consolidação de uma nação altamente tecnológica e competitiva.

Nos EUA, crianças superdotadas escolhem freqüentar aulas em escolas especiais, onde pode se fazer 5 ou 6 anos em apenas 2, em um ritmo fortíssimo e desgastante. Desse modo, sonham em chegar à universidade aos 14 anos, 15 na pior das hipóteses, e já vimos casos de universitários com menos que isso, com 10. Entrar nessas escolas especiais não é tarefa simples. Os alunos precisam ser extremamente inteligentes e cultos, e, para isto, cumprem uma jornada diária impressionante, que chega a dar pena nas pessoas "normais".

Ora, eles são crianças, mas não agem como se espera destas. Em uma vida de 70, 80 anos, eles já começam aos 10 uma rotina que resistirá por mais 5 ou 6 décadas. Aprendem, bem cedo, que não é preciso respeitar as etapas da vida - infância, adolescência, terceira idade, etc. O que importa é entrar rápido na universidade, ser bem sucedido em um emprego invejado por todos, ganhar bastante dinheiro, e, então, morrer; não, porém, antes de ensinar ao seu filho o valor de tudo isso na vida dele.

É possível que você pense "eles realmente estão exagerando". Mas, por aqui, não é muito diferente. É claro que não chega nesse nível, afinal, nossas escolas não têm estrutura para esse tipo de ensino "ideal", elas sequer oferecem uma boa merenda no intervalo entre as aulas e, também, atividades culturais e extracurriculares inexistem nas nossas escolas, geralmente. Mas, não fosse a falta de condições típicas de um país pobre, implementaríamos tal sistema, creio. Aqui, escuto diariamente: estude, filho! Estude para ser alguém na vida! Entendo, por isso, "estude, filho, para ter dinheiro quando crescer". É o nosso jeito de pressionar as nossas crianças. A infância não existe mais, é só uma pré-escola para a vida competitiva que o mundo impõe. E de meninas, já ouvi: "quando crescer, vou casar com um homem bem rico!" Sim, o homem não precisa ser honesto, educado, carinhoso. Precisa ser rico, apenas, e propiciar um bom casamento. Para muitos pais, é a versão feminina do ser alguém na vida. É o que ensinamos.

O que temos feito, afinal, com a educação dos nossos filhos? Antes, a diversão era jogar bola, soltar pipa. Agora, a diversão é ir às aulas de inglês logo aos 6 anos de idade, se possível antes. Tentam camuflar esse "treinamento" com salas coloridas, filmes e animações feitos em computadores, cadernos bonitinhos, personagens cativantes, professores ensaiados. Mas, ser criança está sendo muito chato. A vida da criança parece estar seguindo uma receita da qual ela não poderá se esquivar se desejar ser bem sucedida mais à frente. Já não é possível ser apenas criança, brincar sem compromisso, aprender naturalmente, aos poucos, devagar. É necessário ser um "adulto infantil", com inúmeras responsabilidades e desafios por enfrentar. É a Era das metas, para crianças, inclusive.

Eu, que passei pela infância como realmente uma infância deveria ser, não desejo que meu filho sinta essa pressão antes mesmo de entender aspectos básicos da vida. Há tantos conceitos e valores tão mais importantes a aprender nessa fase que ele realmente não poderia se preocupar naquele momento em como entrar na universidade X, ou na Y. Seja criança, meu filho, é somente o que você precisa fazer nesse momento. Eu entendo a ânsia dos pais pelo sucesso de suas crianças, o desejo para que eles tenham mais bem materiais do que eles próprios o têm, que andem mais bem vestidos, passeiem mais, que comprem o que quiserem, que não passem a privações que estes passaram, etc. Mas a vida não pode ser só isso, jamais. É mais importante ser adulto somente quando tiver idade para ser um adulto, e entender que a vida simples que deveriam ter as crianças de nosso tempo jamais será recuperada se agimos assim.

Marcelo Maroldi
São Carlos, 27/2/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Necrófilos da vanguarda roqueira de Diogo Salles
02. Quais são os verdadeiros valores? de Luis Eduardo Matta
03. Ciclones sobre a cruz de Guga Schultze
04. Do ridículo (especial aviões) de Ana Elisa Ribeiro
05. Amor e dor para crianças em três passos de Verônica Mambrini


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Novos escritores? Onde? - 25/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2006
01h31min
Estamos sistematizando a vida das crianças e tirando seu maior bem: a liberdade!
[Leia outros Comentários de Jorge]
27/2/2006
11h58min
Concordo, pois ao se deparar com a criatividade, a maioria dos bons criadores tiveram uma infância alegre. Este e' apenas um dos pontos a se discutir. Você tem toda razão, devemos obedecer o ciclo biológico, quem nasce pra se gênio, beleza!!! Quem não é, não adianta forçar, pois com natureza humana não se brinca. Pode se desencadear processos fora de controle na mente de crianças submetidas a tais informações.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
27/2/2006
13h39min
Sou grande fã de seus textos, porém penso que o problema no brasil não é excesso de obrigações, mas sim o culto ao hedonismo. Uma busca constante de prazer. Os modelos de sucesso são jogadores de futebol, modelos e afins. Nossa cultura é de diversão, vivemos em eternas micaretas. Nossa juventude se perde, mas não pelo excesso de responsabilidades e sim pelo inverso. Criamos um exército de seres infantis, abobalhados e irresponsáveis.
[Leia outros Comentários de Marcelo Souza]
27/2/2006
20h34min
Por outro lado, as escolas aqui nos EUA permitem que cada um escolha o que quer estudar. Se quiser teatro, pintura, musica, ou computacao, voce pode escolher. Nao e' forcado a memorizar aulas de biologia... E digo mais, ha' um enorme incentivo para os bons alunos. Se voce se interessa por matematica ou ciencia desde cedo, ou por tocar violao, voce vai ser bastante incentivado. Na sociedade brasileira somos contra este tipo de incentivo... Achamos que ha' uma regra para "boa vida". Eu discordo... Tenho amigos que hoje se beneficiam do que aprenderam por opcao quando eram criancas/adolescentes. Amigos que treinavam 5 horas de violao por dia ou 2 horas de matematica todo dia, por mero prazer. Hoje se divertem 'a beca com isso. Nao me parecem desequilibrados... Acho que existe lugar, sim, para que aqueles que demonstram aptidao e gana desde jovens para se dedicarem ao que querem. Pela regra do pular etapas, o mundo nao e' um lugar para Gauss (prodigio aos 4 anos), para Mozart, ate' para Ronaldinhos!
[Leia outros Comentários de Ram]
20/3/2006
10h20min
eu penso uma coisa: porque todos têm que aprender matemática na escola? claro, matemática básica é essencial, mas de que vão me servir aqueles problemas feitos por malucos e para malucos? e a física? e a química? odeio tudo isso. prefiro artes e línguas. e sem falar que a educaçao, tanto privada quanto pública, virou uma quitanda. a educaçao particular é pagou, levou; a pública, somos nós que pagamos também. a educação no brasil é um desastre total. ainda bem que eu só fiz o segundo grau e pronto. chega! faculdade pra quê? pra ficar desempregado, na mão; claro, se você for sabujo de algum idiota bem empregado, você consegue alguma coisa. nao estou fazendo apologia a vadiagem; aprendi mais com os livros do que com os professores, papagaios pagos para repetirem um sistema falido. leia, construa uma biblioteca em casa; será a melhor faculdade, a melhor escola.
[Leia outros Comentários de rogério silvério]
21/3/2006
09h25min
Ao ler seu artigo, me identifiquei com suas idéias, as quais já defendo há muito tempo, principalmente dentro da minha família e com alguns amigos mais chegados. Na minha opinião, quando não se respeita a fase natural de crescimento de um ser humano, esse ser humano deixa um pouco o seu lado humano e se torna um alienado, chato, e materialista, com uma fome voraz, apenas de poder e ter. A criança que existe dentro do seu ser fica adormecida (graças a Deus, não morre nunca), e sem essa criança acordada, fica triste, feio, com um aspecto animalesco. Se quando adulto perguntarmos a essa criatura quem ela é, o máximo que iremos obter de resposta é: sou fulano... (citará o nome e os números de seus documentos) e, depois disso, só conseguirá falar sobre o que conquistou materialmente na vida. Engraçado... como se a vida fosse somente isso. Um ser humano sem alma para mim é um andróide, um alienado perdido no espaço, robotizado pela sociedade, pela política e pela religião. Jamais essa cria!
[Leia outros Comentários de Rejane Guimaraes]
25/3/2006
21h22min
Nem sei se sou tão competente para fazer um comentário no mesmo nível dos demais, mas concordo plenamente em gênero, número e grau com o tema, pois nossas crianças hoje já não vivem vida de crianças. Tenho 35 anos, tenho uma filha de 5 e, cada dia que passa, me pergunto que tipo de criação devo lhe oferecer? Que futuro a espera amanhã? De uma coisa tenho certeza absoluta: "O que ensinamos aos nossos filhos até os seis anos de idade, é exatamente o que será absolvido por eles, mas que jamais ultrapassemos as fases da vida, criança tem que ser criança, tem que viver como criança!". Procuro passar esses ensinamentos para a minha filha, mas não deixo de ter medo do mundo, apesar de que mundo significa "limpo", mas nós, seres humanos, o sujamos, como vamos passar algo de tão extraordinário para os nosssos pequenos? Ser criança é: ter o direito de brincar, correr, pular, passear com os pais, tomar sorvete, ir ao circo, ver teatro...
[Leia outros Comentários de Marlene Leao]
11/11/2006
21h27min
Concordo com Marcelo; acho que as crianças têm o direito de serem crianças; brincar, ser criativas, fazer-de-conta, sem esquecer, é claro, a educação básica (que as escolas já oferecem, algumas melhor que outras); quem teve essa liberdade vai, no momento certo, escolher o que quer fazer e aí, se dedicar. Criei duas filhas deste modo; sem pressionar, sem cursinhos extra-curriculares disto ou daquilo; dando a elas liberdade de brincar e oferecendo estímulos para a imaginação: livros, brinquedos, e muita conversa. O resultado? sempre foram boas alunas e agora estão se dedicando ao que gostam, já na universidade. Concordo que nem todas as famílias têm tempo e recursos à disposição, mas na medida do possível, vamos deixar que nossas crianças sejam crianças. PS: Essa idéia vai ao encontro do pensamento de A.S. Neill, fundador de Summerhill. Suas idéias eram (ainda hoje são) radicais, mas a essência do que ele viveu pode ser aplicada na educação de nossas crianças.
[Leia outros Comentários de Cristine ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Pior Em Paris E Londres
George Orwell
TriCaju
(2021)



Teoria da Comunicação Conceitos Básicos - Série Princípios 261
Rodrigo Vilalba
Atica
(2006)



Textos Em Representações Sociais - Ano 1994
Sandra Jovchelovith e Pedrinho Guareschi (Orgs.)
Vozes
(1994)



Terra Americana
Jeanine Cummins
IntrÍnseca
(2020)



O Inimigo Está Entre Nós Vol. 3
L. Ron Hubbard
Record
(1991)



Prepare-se para uma Nova Era
Jorcimar Patrício
Desconhecido
(2010)



Só Não Vê Quem Não Quer
Sílvia Zatz
Companhia das Letrinhas
(2006)



Almir Mavignier
Daniela Name
Memória Visual
(2013)



Livro Infanto Juvenis Lar, Doce Lar
Caroline Pitcher
Zastras
(2009)



Administração Estrategica: Planejamto e Implantação de estrategia
Samuel C. Certo e outros
Learning
(2014)





busca | avançada
51779 visitas/dia
2,3 milhões/mês