A crise dos 28 | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Nos porões da ditadura
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Josué De Castro, por um mundo sem fome de Francisco Reginaldo de Sá Menezes (Xico Sá) pela Projeto Memória (2004)
>>> Radiestesia Manual de Utilização do Pêndulo de Yvon Lavalou pela Nova Era (1989)
>>> Quem tem medo de escuro? de Sidney Sheldon pela Record (2017)
>>> Lembranças da Meia Noite de Sidney Sheldon pela Record (2013)
>>> Os Machões Não Dançam de Norman Mailer pela RioGráfica (1986)
>>> O Evangelho Perdido – O Livro de Q e as Origens Cristãs de Burton L. Mack pela Imago (1994)
>>> Eu Direi as Grandes Palavras, Seleção Poética de Augusto Frederico Schmidt pela José aguilar (1975)
>>> AStudy in Scarlet de Sir Arthur Conan Doyle pela Hub (2016)
>>> A Cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> O Circo - A pitoresca turnê do Circo Garcia, através à África países asiáticos de Antolim Garcia pela Dag (1976)
>>> A Luz Que Vem de Dentro de Victoria Moran pela Rocco (2004)
>>> Como Prever e Dominar o Seu Futuro de Harold Sherman pela Record (1970)
>>> A Invenção do Futuro de Jorge Flores, Miguel Reale Júnior e Tércio Sampaio Ferraz Júnior (Org.) pela Manole (2006)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald Dethlefsen & Rüdiger Dahlke pela Cultrix (2015)
>>> Morte na praia de Agatha Christie pela Nova fronteira (2012)
>>> Autobiografia de um Iogue de Paramahansa Yogananda pela Self-Realization Fellowship (2013)
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> É Simples Você pode Recriar Sua Vida de Rosalia Schwark pela Edita (2008)
>>> Feliz Por Nada de Martha Medeiros pela L&PM (2011)
>>> Conversas com gestores de ações brasileiros - A fórmula dos grandes investidores para ganhar dinheiro em bolsa de Luciana Seabra/Prefácio de Felipe Miranda pela Portfólio/Penguin (2018)
>>> Seja Dono do Seu Nariz de Cheryl Richardson pela Sextante (2007)
>>> Sem Medo da Segunda-Feira de David Cottrell pela Negócios (2009)
>>> O Poder da Paciência de M. J. Ryan pela Sextante (2009)
>>> Uma Vida Com Propósitos de Rick Warren pela Vida (2010)
>>> Poirot perde uma cliente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1976)
>>> Paris Babilônia. A capital francesa nos tempos da Comuna de Rupert Christiansen pela Record (1998)
>>> O Poder da Energia de Brendon Burchard pela Novo Conceito (2013)
>>> Antes do dilúvio. Um retrato da Berlim nos anos 20 de Otto Friedrich pela Record (1997)
>>> Tratado da propriedade Intelectual - Tomo III de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris (2014)
>>> Mojo The Collector Series de Bob Dylan 1974-2020 pela Mojo (2020)
>>> Sigmund Freud & O Gabinete do Dr. Lacan de Peter Gay & Philip Rieff & Richard Wollheim et alii pela Brasiliense (1989)
>>> Vogue Magazine (UK) August 2020 de Judi Dench pela Condé Nast (2020)
>>> Combo Livros As Teias De Sírius - Volumes 1 E 2 de Carla Furlan Ferraz pela Independente (2016)
>>> Vogue Magazine (UK) July 2020 de The New FrontLine pela Condé Nast (2020)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> Q Magazine December 2018 de The 1975 pela Emap (2018)
>>> O Professor do Desejo de Philip Roth pela Companhia das Letras (2013)
>>> 50 Contos de Machado de Assis pela Companhia das Letras (2007)
>>> Ego Transformado de Timothy Keller pela Vida Nova (2020)
>>> Quando Fui Outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> A Sombra Da Nova Era de Alan Bleakley pela Siciliano (1989)
>>> A Era dos Extrems de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Ponto de Mutação. de Fritjof Capra pela Cultrix (1996)
>>> Um Cavalheiro em Moscou de Amor Towles pela Intrinseca (2018)
>>> Morte no Rio Nilo. de Ágatha Christie pela Nova Fronteira (2015)
>>> Minhas Histórias dos Outros. de Zuenir Ventura pela Planeta Do Brasil (2005)
>>> Estranho Irresistível. de Christina Lauren pela Universo dos Livros (2013)
>>> Sobre Lutas e Lágrimas de Mário Magalhães pela Companhia das Letras (2019)
>>> Educar Sem Culpa. A Gênese da Ética. de Tania Zagury pela Record (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/1/2006
A crise dos 28
Marcelo Maroldi

+ de 18800 Acessos
+ 20 Comentário(s)

Onde está a certeza de outrora? Sobrevive escondida?, ou levaram embora?

Na última terça-feira completei 28 anos de idade e isso me causou um problema muito sério. Eu entrei na "crise dos 28", se é que você me entende...

Em primeiro lugar, é necessário um dado social e histórico antes de prosseguir com este texto. Se eu tivesse nascido na idade média e tivesse tido a sorte de ter chegado aos 28 anos, faltariam apenas alguns poucos anos para meu fim, e está crise teria sido pelo menos uns 15 anos antes. Entretanto, se eu tivesse nascido no século 19, estaria na metade de minha vida, e a crise dos 28 talvez tivesse ocorrido aos 20, ou menos, sei lá! Mas, como nasci apenas no final da sétima década do século passado, já vivi, segundo me contou um cigano que trabalha no IBGE, 1/3 da minha vida. É ai que surge a "crise dos 28", compreende? Eu, homem branco, classe média, não fumo, não vou para guerra, sem doenças degenerativas herdadas, não trabalho para o tráfico, etc., vivi a primeira das 3 partes da minha vida, se nada de errado ocorrer com ela. E entrei na crise supracitada ...

Depois, eu agravei a crise pensando no Torquato Neto, que se suicidou na madrugada seguinte ao 28 aniversário dele e deixou aquele bilhete que se inicia com "FICO". Não, amigo leitor, eu não pensei em me matar feito aquele poeta, até mesmo porque já se passaram algumas madrugadas depois do meu 28 aniversário (e se é pra imitar alguém eu imito direito!). Mas, o cara viveu o mesmo tempo que eu (3 dias a menos, a propósito), e fez muito - muito - mais do que eu. É isso que me incomoda: parece que eu passei 28 anos da minha vida fora de mim e não fiz nada, nada, nada... Eu nem sei mesmo se já vivi tudo isso, parece que foi ontem que passei pela crise dos 20, aquela logo depois da dos 15! Uma sensação estranha se apoderou de mim, uma sensação de que o tempo passou e continua passando muito rápido e que eu não fiz nada em todos esses milhares de dias! 28 anos de vida nenhuma, sabe? Deus, onde estive durante todo esse tempo?

Bom, não entrarei nas minhas inquietações pessoais. Aliás, você que está se perguntando o que esse meu papo tem a ver com jornalismo cultural, respondo: não tem! Nada a ver, eu estou delirando! Mas, como sempre sou cobrado (editores, leitores, colegas) por ainda não ter escrito um texto de apresentação pessoal, pensei que eu tinha o direito de redigir essas linhas que agora redijo. Mais que isso: eu me abri com vocês, fui sincero, estou na crise dos 28!, embora ela tenha se configurado aos 27, mas para não estragar a teoria, pularei essa parte.

Eu sou um cara normal, parece. O editor deste Digestivo já disse que eu tenho uma verve que precisa ser mantida. Nunca haviam dito da minha verve, fiquei até meio metido por isso. Uns outros malucos por aí já me disseram que eu sei escrever, alguns leitores mais simpáticos e de bom coração me paparicam sempre. Essa é a parte boa, a ruim é que as editoras não pensam como estes meus amigos.

Ainda que eu já tenha vivido em Campinas e Brasília, o único local que realmente considerei minha casa foi São Carlos, no interior de São Paulo. De fato, isso é um mistério, pois embora adore a cidade em si, esse ar provinciano, conservador e aristocrático dos habitantes dessa cidade me incomoda. Em cidade pequena, quem tem um pouco de dinheiro se sente superior culturalmente também, entende? E é isso o mais estranho...

Já não tenho mais muito pra contar, contei um bocado de coisas nos textos "Clássicos? Serve Fla x Flu?", "Nós, os escritores derrotados" e "Dos livros que li". Inclusive, nesse exato momento estou com um problemão, porque descobri que não tenho mais como preencher esta coluna. Pois é, deve ser por isso que acho que o tempo passou tão rápido assim. Nunca fui lavar pratos no Reino Unido, nunca me internei numa clínica para dependentes químicos, nunca casei, nunca fui preso, só fui abduzido uma vez (mas estou proibido de contar), jamais conheci e nem namorei alguma artista, não fiz mestrado e nem doutorado, não tenho filhos, não gosto do Caetano Veloso, na infância eu era apaixonado pela Simony, eu não gosto de camisa Polo, não como carne de porco, já fiz sexo virtual, já li um livro do Paulo Coelho (ai, Jesus!), uso óculos, estou no orkut... já é suficiente?

É claro que eu fiz outras coisas nesses anos todos, mas, tem sempre o gostinho de quero mais, a sensação de querer faz mais, de outras maneiras, de querer viver mais, de encontrar mais razões, mais certezas (para depois jogá-las todas fora!), mais motivos pra continuar e persistir até a próxima crise chegar...

Por hora, deixo meu acerto de contas:

Há gerúndio em todo sentimento.
Sou condenado
a fingir quando escrevo.

Tenho pirexia. Tenho sede.
O inquilino que mora em mim
não paga mais o aluguel.

Da minha vida, presto contas
a mim mesmo


Marcelo Maroldi
São Paulo, 30/1/2006



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
02. Meu encontro com o Millôr de Julio Daio Borges
03. Cinema Latino na Holanda de Tatiana Mota
04. O que você está lendo? de Abdalan da Gama
05. O mau legado de Paulo Francis de Paulo Polzonoff Jr


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Orkut way of life - 13/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2006
11h52min
Acho que podemos juntar todas as crises numa única e chamar de vida. Interessante que você fez aniversário e quem ganhou o presente foram seus leitores.
[Leia outros Comentários de Marcos]
30/1/2006
22h08min
"Todos os dias quando acordo/ Não tenho mais o tempo que passou..." Pensei nessa letra do Legião. Tive crise aos 25 (e uma amiga minha tb.). Depois superei. O tempo passa e vc descobre q fez alguma coisa; o q não podemos é admitir o critério do mundo para avaliarmos nossas realizações pessoais.
[Leia outros Comentários de Claire]
31/1/2006
02h20min
Gostei do texto. Está entre a simplicidade e o talento. Me fez lembrar que a única coisa que vamos levar até o final são nossas experiências.
[Leia outros Comentários de Gustavo]
31/1/2006
17h41min
Poderia ter dado cabo disso tudo, como alguns rock stars o fizeram – aos 27 (a maioria, quando não se tinha bem a noção do termo "rock star", creio). Mas não o fiz. Não tenho a posse da verdade, mas eu tenho a idéia, agora aos 32, de que esse "primeiro terço" da vida tenha sido mesmo uma preparação e, depois, começaria a realizar. Tá, escrevi um livro, criei um blog, tantei namorar, fiz amigos, essas coisas todas... mas parece que nada aconteceu. Eu parto do mesmo ponto onde meu pai me deixou. Talvez tenha significado algo para alguém... uma poesia, um verso, não sei exatamente. Não tenho como medir. Mas a minha vida não mudou. Então, prossigo. E a crise, que iniciou aos 27, não passou. Talvez seja necessária, seja minha matéria-prima. O resto é saber o que fazer com esta crise. E, confesso, atualmente não estou sabendo o quê e como. Agora, a única coisa que me é permitida é voltar a cuidar do meu trabalho, essa jaula cheia de feras. Abraço!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
31/1/2006
18h01min
Tenho saudade do futuro, talvez por isso o vazio do presente e Cervantes. Nestes dias quentes a identificação com Quixote e suas andanças me faz bem. Gostei do teu texto.
[Leia outros Comentários de Renata]
31/1/2006
18h11min
Olá Marcelo, ótimo texto! Completei 28 anos na última quinta-feira, dia 26, e você traduziu tudo o que esse número significa nesse texto. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cristina Oliveira]
5/2/2006
23h37min
Nunca parei pra pensar em crises de idade. Passei pelos 27, 28. Acho que estagnei nos 30, embora cronologicamente tenha 42 e meio. E tem essa coisa de as pessoas ficarem achando que você tem que ter um sentido na vida. Bolas, pra quê sentido? Isso me lembra qualquer coisa de militar: Sentido! Maroldi, teus textos dão uma leveza ao DC. Feliz Aniversário!
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
6/2/2006
02h37min
Completei 28 na última segunda feira... ou seja exatamente no dia em que vc escreveu este artigo... eu sinto q fiz muitas coisas boas e ruins tb, agora vou ter um filho (ÔÔ COISA MAIS SUBLIME) fiz teatro a beça, (o coisa boa) e ainda faço (o coisa ótema). Mas naum tenho materialmente nem 25% do que sonhei ter... e o pior... acho q 'as vezes mede-se o aproveitamento do tempo pelo "objet(iv)o conquistado" . Esse texto me caiu como uma luva e um "presente de aniversário"
[Leia outros Comentários de Lília B. de S. Banca]
6/2/2006
12h24min
Parabéns pelo aniversário e pelo texto. Adorei!!! Bem descontraído e interessante. Crise dos 28? Já havia escutado a história da crise dos 30... mas ainda há tempo de você realizar muitas coisas. E só vale se escrever outro texto contado pra gente...!
[Leia outros Comentários de Rafaella Vieira]
7/2/2006
14h03min
Nossa... vc simplesmente escreveu o texto no dia do meu aniversário de 28 anos. E acredite!!! Eu compreendo muito bem essa crise dos 28. Às vezes, tenho a impressão de que nada fiz. Mas parando e analisando, vejo que muito aproveitei. Acho que a única coisa que não corresponde às expectativas que tinha durante a adolescência é a situação financeira. Mas talvez este seja um problema que atinja a todos os brasileiros. Bom... realmente, o texto se encaixou muitíssimo bem ao momento que estou vivendo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Daniela]
22/8/2006
17h23min
Marcelo, agora aprendi a deixar o comentario no site! Mas, de qualquer forma, só quero reforçar a minha admiração pela forma e pelo conteúdo do que vc escreve. Me identifiquei em demasiado com seu texto. Na ocasião, há um mês atrás, nem verbalizei a angústia que tomou conta quando eu avaliava um quarto de século de vida, e ficou tudo tão aquém do que eu pensava dez anos antes...
[Leia outros Comentários de Karita]
25/8/2006
14h57min
Ainda mais quando tb. me aproximo dos 27 e a crise já começa a se formar...! Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Sâmar Razzak]
2/4/2007
11h05min
Tô que nem vc amigo só que com 20 anos de idade. Às vezes tenho a impressão de estar com 80... Estes tempos me fazem mal, onde as pessoas são dinheiristas e centradas em seu próprio umbigo... Desanimante...
[Leia outros Comentários de Carla Bonfim]
18/1/2008
02h48min
Meu Deus... faltam exatos 10 minutos para eu completar meus 28 ANOS! E acredite? Achei seu texto! Sim, sim, e olha que a crise comecou nos 27.... Aliás.... Copiei ele no meu Orkut.... Morri de rir, valeu ter lido isso! Obrigada, de coração!
[Leia outros Comentários de Priscilla Thimmig]
5/12/2008
03h55min
A crise dos 28 não está relacionada ao quanto de vida você não viveu. Mas ao quanto de vida ainda se tem para viver. Vai por mim, nossa preocupação maior agora, com 28, é o futuro. Abraços!
[Leia outros Comentários de Danilo Idman]
21/4/2010
14h00min
Marcelo, pelo o amor de Deus, não me assuste!!! Pensei que minha próxima crise só aconteceria aos 40, 50, sei lá, falam tanto dessas idades... "idade do lobo", "menopausa" e por aí vai. Pensei estar livre delas, pelo menos por alguns anos, sabe, pois já sofri com minha crise dos 18, àquela que pensamos "saber tudo" o suficiente, quando na verdade não sabemos de coisa alguma... Bom, de qualquer forma, foi bom ter lido seu texto, pois assim, Marcelo, vou me preparando até lá!!! Beijos e um bom final de crise, pelo menos até chegar a próxima!!!
[Leia outros Comentários de fernanda flores ]
21/4/2010
16h23min
Enfim acho que descobri o que está me incomodando veladamente nos últimos tempos: essa crise. É essa sensação de que "poderia ter feito muito mais" o que realmente incomoda a gente. Cheguei aos 27 e quando me imaginava nessa idade, no tempo de adolescência, eu via um glamour que hoje não consigo encontrar.
[Leia outros Comentários de Erika]
27/11/2010
04h16min
Bem, estou aqui, às três da madrugada, cheguei em casa e seu texto estava no favoritos. Comecei a ler, e, por Deus, é meu discurso todo! Pensei que esse discurso de não ter feito nada da vida era só meu, apesar de muitos terem dito que fiz muito. Escrevo, roteirizo, fiz letras, mas é como se isso não fosse nada... E me dá um medo porque, depois dos trinta, e aí? Mas nem penso mais sobre isso. Como você disse, a expectativa de vida aumentou, porém o julgamento das pessoas é o mesmo, acho que o super ego que transforma o ego da crise dos 28 mais difícil, porém, deixa rolar! Antes dos trinta faço algo pra chegar na casa dos 30 de melhor humor! Valeu pelo texto!
[Leia outros Comentários de Lino Alves]
19/5/2011
15h04min
Você roubou minhas palavras. Obrigada, ladrão. :)
[Leia outros Comentários de Fernanda]
21/5/2011
12h05min
Ja tive vontade varias vezes de comentar, hoje nao resisti. Minha crise e': Tenho oitenta e me sinto com vinte. Juro, e' preciso chegar aqui para saber o que e' crise. Quem liga pra quem tem oitenta? Com certeza voces vao dizer que se a pessoa e' importante, tem dinheiro, todos vao ouvir mesmo com oitenta. Mas... o que importa sao os "comuns" como todo mundo, ai entao posso dizer: a crise dos oitenta bate qualquer outra, e haja espirito forte para combater a dita cuja.
[Leia outros Comentários de Maria Anna Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAIXÃO OCEÂNICA - AUTOGRFADO
ZECA O CRONISTA
INGRAL INDUSTRIA GRÁFICA
(2010)
R$ 12,48



O PODER DO MARKETING
EDITORA MARTIN CLARET
MARTIN CLARET
(1998)
R$ 8,38



O IRMÃO ALEMÃO
CHICO BUARQUE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2014)
R$ 20,00



POLÍTICAS ATUAIS PARA O ENSINO MÉDIO
MARIA SYLVIA SIMÕES BUENO
PAPIRUS; FAPESP
(2000)
R$ 9,82



BRUCE, O IMBATIVEL - O PERIGO ETERNO
ALON TELES YEHEZKEL
LEITURA
(2008)
R$ 6,90



DIMENSÕES I CRÍTICA LITERÁRIA
EDUARDO PORTELLA
JOSÉ OLYMPIO
(1958)
R$ 20,00



CIÊNCIAS ECOLOGIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL - CADERNO DE ATIVIDADES
AYRTON NICOLAU TOLEDO
SCIPIONE
(1992)
R$ 12,00



TIME EXPIRED
SUSAN DUNLAP
PRESS
(1993)
R$ 5,44



ROMILDA E MARGARIDA
EDUARDO BUENO / LÍZIA BUENO
PLANETA DAS CRIANÇAS
(2004)
R$ 18,00



ASSASSIN'S CREED: IRMANDADE
OLIVER BOWDEN
GALERA RECORD
(2012)
R$ 10,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês