Sou um de vocês | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> State of the art
>>> Revista Florense
>>> Nazismo na era do videogame
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> O primeiro assédio, na literatura
>>> O Twitter de Bill Gross
>>> The Boat That Rocked ou Os Piratas do Rock
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
Mais Recentes
>>> Sobre a vida feliz de Sêneca pela PEnguin e Companhia das letras (2021)
>>> Gramática Alemã de Herbert Andreas Welker pela Edunb (1992)
>>> Saneamento Básico - Concessões, Permissões e Convênios Públicos de Alaôr Caffé Alves pela Edipro (1998)
>>> Linguagem do Corpo 2 de Cristina Cairo pela Mercuryo (2006)
>>> 1961 o Brasil Entre a Ditadura e a Guerra Civil de Paulo Markun e Duda Hamilton pela Benvirá (2011)
>>> Proteção Jurídica do Meio Ambiente de Nicolao Dino de Castro e Costa Neto pela Del Rey (2003)
>>> Gerenciamento da rotina do trabalho no dia a dia de Vicente falconi pela Falconi (2013)
>>> A logica do cisne negro de Nassim Nicholas Taleb pela Best business (2007)
>>> A Deusa Interior de Jennifer Barker Woolger / Roger J. Woolger pela Cultrix (1989)
>>> Entre a aspidistra e o artocarpus de Olavo cabral ramos filho pela Chiado (2007)
>>> Admiravel mundo novo de Aldous huxley pela Biblioteca azul (1995)
>>> A Mensagem do Mestre de Bhagavad Gita pela Pensamento (2006)
>>> Santos do Povo Brasileiro de Nilza Botelho Megale pela Vozes (2002)
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland de Raymond Buckland pela Gaia (2003)
>>> Tudo Sobre Arte - os Movimentos e as Obras Mais Importantes de Todos os Tempos de Stephen Farthing pela Sextante (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2009)
>>> A Connecticut Yankee in King Arthur's Court de Mark Twain pela Collins Classics
>>> A song of Ice and Fire - A Game of Thrones de George R. R. Martin pela Harper Voyager (2011)
>>> A Batalha do Apocalípse de Eduardo Spohr pela Verus (2013)
>>> Jane Eyre de Charlotte Brontë pela Oxford (2000)
>>> Seus pontos fracos de Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Nas Ciladas da Obsessão de Liszt Rangel pela Dpl (2002)
>>> Transmissão de Energia Elétrica - teoria e prática em linhas aéreas de Cleber oberto Guirelli - Ivanilda Matile pela Mackenzie (2014)
>>> Guia ilustrado TV Globo Novelas e Minisséries de Projeto Memória Globo pela Jorge Zahar (2010)
>>> 60 Histórias para dormir 4 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/5/2007
Sou um de vocês
Eduardo Mineo

+ de 5800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Eu ouvia meus amigos das Faculdades de Ciências Humanas da USP reclamando meio brabos sobre as pessoas esnobes da Faculdade de Economia e Administração (FEA) e ficava imaginando naturalmente que aquele fosse o lugar mais legal de todos, um ambiente finalmente e verdadeiramente aristocrático, com jazz, coquetéis de gim e garotas que soubessem escolher charutos para seus acompanhantes. Quando entrei para a FEA, amei aquela faculdade, porém não tinha jazz, não tinha gim e as garotas olhavam minha caixinha de charutos e diziam jogando o cabelo pro lado: "Cê viaja, meu!" Onde vocês estão, aristocratas esnobes da FEA? Olá? Me digam, por favor, eu sou um de vocês!

Gosto de me sentir aristocrata — quem não gosta? Quer dizer, não um aristocrata qualquer. Uma boa aristocracia não seria aquela aristocracia dos gregos, com todos aqueles arroubos de onipotência, porque daria muito trabalho. E nem a aristocracia da Europa antiga, que quando me ocorre, tenho a imagem de um gordo suado jogando comida em servos. Penso num modelo de aristocrata mais tranqüilo, que procura a satisfação intelectual e sobretudo, sobretudo, o bom gosto.

Já disse isto tantas vezes que quando ameaço retomar o assunto, as pessoas simulam choro, mas bom gosto implica necessariamente um certo desinteresse por política. Política é sempre sinal de irritação e de mau gosto. Quase sempre quem gosta de política se choca com muita facilidade, fica ofendido dizendo que você é a favor da pobreza e fala soltando cuspinhos. Tudo bem que eu discutia bastante política, mas na medida em que fui melhorando como ser humano, o meu interesse por política foi sumindo até que um dia eu já não falava mais soltando cuspinhos. É tão mais educado falar sobre, sei lá, qualquer coisa, menos sobre política. Sei que política é importante, mas meus livros de ficção também são importantes e eu prefiro me dedicar a eles. Me sinto bem melhor me dedicando a eles.

Ainda assim, não diria que perdi tempo lendo autores políticos, nem os socialistas que, embora tenha me dedicado bem mais a Ludwig von Mises, me explicaram mais ou menos o ponto de vista desta turma. Mas de qualquer forma, é um assunto que sempre foge das minhas premissas mais importantes, mais sagradas: a serenidade e o bom gosto. Pra mim, ler Rosa Luxemburgo e todo aquele aborrecimento da causa operária, numa escalinha de bons modos, estaria no patamar de comer lasanha com as mãos. E imagino que, se vocês perceberem isto, também farão cara de nojo quando alguém começar a falar em política do seu lado.

Será que esta minha frescura com política me exclui da direita? Eu me considerava de direita até este instante, mas agora fiquei na dúvida. Acho razoáveis as posições econômicas da escola austríaca e tudo, mas faz tanto tempo que não leio nada a respeito que provavelmente perderia uma discussão aos vexames para qualquer molequinho bancando o escoteiro engajado. Não que isto seja desonroso, muito pelo contrário. Perder uma discussão política é o primeiro passo para a dignidade. E convenhamos, a direita brasileira é uma coisa muito triste. Ficou ainda pior de uns tempos para cá, principalmente porque o Olavo de Carvalho trouxe muita gente ruim com ele, como que entrando na nossa salinha dos direitistas reclamando excessivamente alto sobre aborto e Foro de São Paulo. Me desculpem, mas tive de sair.

Mas outro aspecto interessante na aristocracia é que ela dá bem menos valor ao trabalho do que os burgueses ou os socialistas. Há um tempo atrás, eu acreditava bastante nos valores do trabalho e pensava apenas em ficar rico, muito rico. Imaginem um cara rico e aumentem daqui até o céu, era o que eu queria ser. Mas não tinha um objetivo além deste. Hoje, ainda quero ser rico, óbvio, mas com o objetivo bem definido de parar de trabalhar. O poder absoluto de acordar e dizer "não, hoje não" sem prejuízo significante é a única coisa pela qual as pessoas deveriam lutar com sinceridade. Tudo mais não é sagrado o suficiente.

Será que é possível discordar disto? Alguém jovem e disposto poderia reclamar do tédio, mas não estou falando em parar de trabalhar e me trancar em casa, embora eu esteja longe de achar ruim esta idéia. Só aconteceu que, para manter o padrão de vida que considero razoável, preciso do trabalho e sonho com o dia em que me livrarei deste compromisso para poder me dedicar ao que eu gosto. Pelo menos sem me transformar automaticamente num mendigo.

Me falam sobre pesquisas e bolsas científicas e acho interessante, às vezes, porque chega perto do que considero ideal: estudar sobre o que eu quiser e ainda ser pago por isto. Entretanto esta idéia ainda é incômoda para mim. Até estes dias eu defendia a opinião de que a maior parte do investimento público deveria ser voltado para a iniciativa privada, que, afinal, paga as contas, e para o mercado, que de uma certa forma representa o desejo imediato da sociedade. Porém, nada do que me interessa está voltado para o mercado e não consigo me convencer de que a sociedade tenha que pagar pelos meus caprichos intelectuais. Assim como pesquisas e bolsas científicas.

Por isto minha única forma de alcançar a aristocracia será trabalhando bastante. Talvez consiga, talvez não. Eu espero que sim. E espero também, com alguma sorte, encontrar o jazz, os coquetéis de gim ou pelo menos as garotas que saibam escolher charutos. Pelo menos uma, poxa vida.


Eduardo Mineo
São Paulo, 14/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... de Renato Alessandro dos Santos
02. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
03. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
04. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
05. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/5/2007
14h02min
Acho que a verdadeira aristocracia você encontra em uma universidade particular. E os melhores aristocratas são como você diz mesmo: para eles trabalho é coisa de gente pobre - o que não deixa de ser uma verdade. Quanto a ser rico para ser aristocrata, nisso eu discordo. Você só precisa de atitude... Comece frequentando lugares chiques usando o cartão de crédito de terceiros, e sua carreira de aristocrata estará a pleno vapor. Trabalhar e enriquecer? É coisa de gente pobre. Hehehe. Gostei do texto!
[Leia outros Comentários de Ram]
14/5/2007
12h37min
Embora discorde da sua visão política, de um modo geral, gostei da idéia de ser rico para não trabalhar, ou melhor, trabalhar no que realmente gosta e acredita. Poder acordar e dizer não, não vou, não quero, sem prejuízo significativo (pra mim ou para outros) deve ser bom. Tem um primo meu que diz: "O trabalho desune a família". É de se pensar. Beijo. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
15/5/2007
19h40min
O texto foi bem escrito, claro, mas discordo de tudo o que você falou, exceto pelo fato de também querer um dia parar de trabalhar e viver em "férias eternas".
[Leia outros Comentários de Paulina]
19/5/2007
17h58min
É maravilhoso o direito de dizer: - Hoje nao... Para qualquer coisa...
[Leia outros Comentários de Anie]
24/5/2007
19h18min
Pernas pro ar, que ninguém é de ferro: lembro de uma entrevista recente na TV, em que Jorge Mello afirmou que o homem vive 30 anos para ganhar dinheiro e depois gastar com os profissionais para ajudá-lo a recuperar a saúde... Busca viver simplesmente bem o presente: sim, tudo o mais não é sagrado o suficiente. ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Relações, Assessorias e Relações
Alessandra Terrazas Taparelli
Cubic
(1999)



As Brumas de Avalon - o Prisioneiro da árvore
Marion Zimmer Bradley
Imago
(1982)



Constituição da Republica Federativa do Brasil
Saraiva
Saraiva
(2006)



O Poeta e o cavaleiro
Pedro Bandeira
FTD
(1999)



Nas Pegadas do Nazareno
Miguel de Jesus Sardano
Leal
(1988)



Como Escrever um Romance
Miguel de Unamuno
É Realizações
(2011)



O Ensino para a Compreensão
Paula Pogré, GracielaLombardi
Hoper
(2006)



Dom Casmurro - Classicos Saraiva
Machado de Assis
Saraiva
(2009)



Livro - Antologia Poética
Vinicius de Moraes
Companhia de Bolso
(2009)



O Adolescente por Ele Mesmo
Tania Zagury
record
(1996)





busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês