Sou um de vocês | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
Mais Recentes
>>> Aurelio Mirim -Dicionario ilustrado da letra N a R- de Aurelio Buarque pela Positivo (2015)
>>> Dubliners de James Joyce pela Penguin (1996)
>>> As Chaves Perdidas da Maçonaria de Manly P. Hale pela Madras (2006)
>>> Mwtamorphosis and Other Stories - de Franz Kafka pela Penguim (1996)
>>> O Homem em busca de Deus de Varios editores internacionais pela Watch tower (2010)
>>> Os Irmãos Sagrados - de R.Waingarten pela Lubavitch (2012)
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/5/2007
Sou um de vocês
Eduardo Mineo

+ de 5000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Eu ouvia meus amigos das Faculdades de Ciências Humanas da USP reclamando meio brabos sobre as pessoas esnobes da Faculdade de Economia e Administração (FEA) e ficava imaginando naturalmente que aquele fosse o lugar mais legal de todos, um ambiente finalmente e verdadeiramente aristocrático, com jazz, coquetéis de gim e garotas que soubessem escolher charutos para seus acompanhantes. Quando entrei para a FEA, amei aquela faculdade, porém não tinha jazz, não tinha gim e as garotas olhavam minha caixinha de charutos e diziam jogando o cabelo pro lado: "Cê viaja, meu!" Onde vocês estão, aristocratas esnobes da FEA? Olá? Me digam, por favor, eu sou um de vocês!

Gosto de me sentir aristocrata — quem não gosta? Quer dizer, não um aristocrata qualquer. Uma boa aristocracia não seria aquela aristocracia dos gregos, com todos aqueles arroubos de onipotência, porque daria muito trabalho. E nem a aristocracia da Europa antiga, que quando me ocorre, tenho a imagem de um gordo suado jogando comida em servos. Penso num modelo de aristocrata mais tranqüilo, que procura a satisfação intelectual e sobretudo, sobretudo, o bom gosto.

Já disse isto tantas vezes que quando ameaço retomar o assunto, as pessoas simulam choro, mas bom gosto implica necessariamente um certo desinteresse por política. Política é sempre sinal de irritação e de mau gosto. Quase sempre quem gosta de política se choca com muita facilidade, fica ofendido dizendo que você é a favor da pobreza e fala soltando cuspinhos. Tudo bem que eu discutia bastante política, mas na medida em que fui melhorando como ser humano, o meu interesse por política foi sumindo até que um dia eu já não falava mais soltando cuspinhos. É tão mais educado falar sobre, sei lá, qualquer coisa, menos sobre política. Sei que política é importante, mas meus livros de ficção também são importantes e eu prefiro me dedicar a eles. Me sinto bem melhor me dedicando a eles.

Ainda assim, não diria que perdi tempo lendo autores políticos, nem os socialistas que, embora tenha me dedicado bem mais a Ludwig von Mises, me explicaram mais ou menos o ponto de vista desta turma. Mas de qualquer forma, é um assunto que sempre foge das minhas premissas mais importantes, mais sagradas: a serenidade e o bom gosto. Pra mim, ler Rosa Luxemburgo e todo aquele aborrecimento da causa operária, numa escalinha de bons modos, estaria no patamar de comer lasanha com as mãos. E imagino que, se vocês perceberem isto, também farão cara de nojo quando alguém começar a falar em política do seu lado.

Será que esta minha frescura com política me exclui da direita? Eu me considerava de direita até este instante, mas agora fiquei na dúvida. Acho razoáveis as posições econômicas da escola austríaca e tudo, mas faz tanto tempo que não leio nada a respeito que provavelmente perderia uma discussão aos vexames para qualquer molequinho bancando o escoteiro engajado. Não que isto seja desonroso, muito pelo contrário. Perder uma discussão política é o primeiro passo para a dignidade. E convenhamos, a direita brasileira é uma coisa muito triste. Ficou ainda pior de uns tempos para cá, principalmente porque o Olavo de Carvalho trouxe muita gente ruim com ele, como que entrando na nossa salinha dos direitistas reclamando excessivamente alto sobre aborto e Foro de São Paulo. Me desculpem, mas tive de sair.

Mas outro aspecto interessante na aristocracia é que ela dá bem menos valor ao trabalho do que os burgueses ou os socialistas. Há um tempo atrás, eu acreditava bastante nos valores do trabalho e pensava apenas em ficar rico, muito rico. Imaginem um cara rico e aumentem daqui até o céu, era o que eu queria ser. Mas não tinha um objetivo além deste. Hoje, ainda quero ser rico, óbvio, mas com o objetivo bem definido de parar de trabalhar. O poder absoluto de acordar e dizer "não, hoje não" sem prejuízo significante é a única coisa pela qual as pessoas deveriam lutar com sinceridade. Tudo mais não é sagrado o suficiente.

Será que é possível discordar disto? Alguém jovem e disposto poderia reclamar do tédio, mas não estou falando em parar de trabalhar e me trancar em casa, embora eu esteja longe de achar ruim esta idéia. Só aconteceu que, para manter o padrão de vida que considero razoável, preciso do trabalho e sonho com o dia em que me livrarei deste compromisso para poder me dedicar ao que eu gosto. Pelo menos sem me transformar automaticamente num mendigo.

Me falam sobre pesquisas e bolsas científicas e acho interessante, às vezes, porque chega perto do que considero ideal: estudar sobre o que eu quiser e ainda ser pago por isto. Entretanto esta idéia ainda é incômoda para mim. Até estes dias eu defendia a opinião de que a maior parte do investimento público deveria ser voltado para a iniciativa privada, que, afinal, paga as contas, e para o mercado, que de uma certa forma representa o desejo imediato da sociedade. Porém, nada do que me interessa está voltado para o mercado e não consigo me convencer de que a sociedade tenha que pagar pelos meus caprichos intelectuais. Assim como pesquisas e bolsas científicas.

Por isto minha única forma de alcançar a aristocracia será trabalhando bastante. Talvez consiga, talvez não. Eu espero que sim. E espero também, com alguma sorte, encontrar o jazz, os coquetéis de gim ou pelo menos as garotas que saibam escolher charutos. Pelo menos uma, poxa vida.


Eduardo Mineo
São Paulo, 14/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O holismo conformado de David Butter
02. O preconceito estético de Guilherme Pontes Coelho
03. Anjo de dor de Gian Danton
04. Wikipedia: fama e anonimato de Fabio Silvestre Cardoso
05. Gleiser, o cientista pop de Tais Laporta


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/5/2007
14h02min
Acho que a verdadeira aristocracia você encontra em uma universidade particular. E os melhores aristocratas são como você diz mesmo: para eles trabalho é coisa de gente pobre - o que não deixa de ser uma verdade. Quanto a ser rico para ser aristocrata, nisso eu discordo. Você só precisa de atitude... Comece frequentando lugares chiques usando o cartão de crédito de terceiros, e sua carreira de aristocrata estará a pleno vapor. Trabalhar e enriquecer? É coisa de gente pobre. Hehehe. Gostei do texto!
[Leia outros Comentários de Ram]
14/5/2007
12h37min
Embora discorde da sua visão política, de um modo geral, gostei da idéia de ser rico para não trabalhar, ou melhor, trabalhar no que realmente gosta e acredita. Poder acordar e dizer não, não vou, não quero, sem prejuízo significativo (pra mim ou para outros) deve ser bom. Tem um primo meu que diz: "O trabalho desune a família". É de se pensar. Beijo. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
15/5/2007
19h40min
O texto foi bem escrito, claro, mas discordo de tudo o que você falou, exceto pelo fato de também querer um dia parar de trabalhar e viver em "férias eternas".
[Leia outros Comentários de Paulina]
19/5/2007
17h58min
É maravilhoso o direito de dizer: - Hoje nao... Para qualquer coisa...
[Leia outros Comentários de Anie]
24/5/2007
19h18min
Pernas pro ar, que ninguém é de ferro: lembro de uma entrevista recente na TV, em que Jorge Mello afirmou que o homem vive 30 anos para ganhar dinheiro e depois gastar com os profissionais para ajudá-lo a recuperar a saúde... Busca viver simplesmente bem o presente: sim, tudo o mais não é sagrado o suficiente. ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JESUS O MAIOR PSICÓLOGO QUE JÁ EXISTIU
MARK W. BAKER
SEXTANTE
R$ 23,00



SÓ O AMOR É REAL COLEÇÃO AUTO ESTIMA
BRIAN WEISS
SEXTANTE
(2009)
R$ 9,76



E POR FALAR EM AMOR
MARINA COLASANTI
SALAMANDRA
(1984)
R$ 29,99



HINOS E CANÇÕES DO BRASIL
AVELINO A CORREA
ATICA
(1984)
R$ 5,00



O LEVANTINO
ERIC AMBLER
ARTENOVA
(1973)
R$ 10,00



UM PORTO SEGURO - NOS MOMENTOS MAIS DIFÍCEIS O AMOR É O ÚNICO REFÚGIO
NICHOLAS SPARKS
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 21,00



VERTIGENS PARA O MÉDICO CLÍNICO
PAULO D FERNANDES E LIS T FERNANDES
ROBE EDITORIAL
(2001)
R$ 5,00



COMO COMPREENDER OS SÍMBOLOS - GUIA RÁPIDO SOBRE SIMBOLOGIA NAS ARTES
CLARE GIBSON
SENAC
(2012)
R$ 34,00



FERNANDO PESSOA POESIA
ADOLFO CASAIS MONTEIRO
AGIR
(1981)
R$ 12,00



MUDAR E VENCER
PAULO GAUDÊNCIO
GENTE
(1999)
R$ 20,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês