O físico que era médico | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
50141 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
>>> FAAP discute Semana de Arte Moderna de 22
>>> Toda Quinta retoma 1ª edição no Teatro Vivo com menção a Dominguinhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 17/6/2013 no Twitter
>>> Frejat cantando Black Magic Woman
>>> Mulheres à beira de um ataque de nervos
>>> Cansei de ser atropelado!
>>> Da Biografia de Lima Barreto
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Predadores humanos
>>> Tout le reste est littérature
Mais Recentes
>>> O retorno à cultura arcaica de Terence McKenna pela Record (1995)
>>> A Bíblia Disse a Verdade de Sir Charles Marston pela Itatiaia (1958)
>>> Recursos Naturais Meio Ambiente E Poluição de Vários Autores pela Supren (1977)
>>> Etiqueta sem frescura de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos (2004)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir e Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (1999)
>>> A Casa da Rússia de John Le Carré pela Record (1989)
>>> Os sete de André Vianco pela Novo Século (2007)
>>> Sétimo de André Vianco pela Novo Século (2009)
>>> Peça-me o que quiser de Megan Maxwell pela Suma De Letras (2013)
>>> A invasão das salsichas gigantes de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2001)
>>> O maior vendedor do mundo de Og Mandino pela Record (2006)
>>> Abraço de pai joão de Wanderley Oliveira pela Dufaux (2015)
>>> Kardec a biografia de Marcel Souto Maior pela Record (2013)
>>> Harry potter e a criança amaldiçoada de J.K. Rowling pela Rocco (2016)
>>> English pronunciation for brazilians de Sonia m. baccari de godoy pela Disal (2006)
>>> O poder do pensamento positivo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (2006)
>>> Defesa da Juventude Contra Males Venéreos e Outras Doenças de José I. Abbadia pela Gráfica Condor (1949)
>>> The Rule of Four de Dustin Thomason pela Random House Inc. (2004)
>>> Manual mínimo do ator de Dario fo pela Senac (2004)
>>> Uma breve história do cristianismo de Georffrey Blainey pela Fundamento (2012)
>>> O Senhor dos Ladrões de Cornelia Funke pela Companhia das Letras (2004)
>>> Ícaro redimido de Gilson teixeira freire pela Inede (2006)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Lafonte (2020)
>>> O duelo de John lukacs pela Jorge Zahar (2002)
>>> Arte de enriquecer de José Antonio Pinotti pela Sapienza (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/4/2007
O físico que era médico
Eduardo Mineo

+ de 17600 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Qualquer livro que tenha pelo menos umas seiscentas páginas merece ser lido. Sou fiel a esta idéia simplesmente porque acho muito improvável que alguém tenha a habilidade de escrever besteiras durante tantas páginas seguidas. Mais cedo ou mais tarde, por mais que o autor lute contra isso, sai alguma coisa aproveitável dali, é impossível não sair.

O físico (Rocco, 1996, 596 págs., The physician), de Noah Gordon, por exemplo, merece bastante ser lido. Devo admitir que li suas primeiras páginas com o mesmo receio que eu teria ao folhear qualquer publicação de J.J.Benítez, porque tive a sensação - ok, o preconceito raivoso, melhorou? - de que O físico se tratava dessas coisas que as pessoas usam para simular leitura nos metrôs, mas mudei logo de opinião e me convenci de que este era realmente um bom livro.

É sim, um bom livro, mas se eu fosse o autor, eu evitaria bastante o uso do verbo "fuder" nas flexões mais impressionantes que já li na minha vida. E a tradução ruinzinha não me ajuda muito a falar bem do livro, a começar pelo título erradíssimo ("physicist" é físico; "physician" é médico). Não foi um erro tão primário, mas foi um erro feio. De qualquer forma, como isto não chegou a prejudicar a história, evitarei este assunto porque o tradutor já foi ridicularizado o suficiente pelos comentários no site da Livraria Cultura. Vamos guardar as nossas cintas por enquanto.

Mas enfim, a história. A história do livro acontece por volta do século XI (ou X? 1100, 1000 mais um...sei lá, por aí). Um menino inglês perde os pais e é adotado por um barbeiro-cirurgião, que é um sujeito que tem alguma noção de enfermagem e ganha a vida vagando pelas cidades inglesas e tratando das pessoas em troca de dinheiro e comida. Com o tempo, Rob Cole, o menino, aprende a profissão e passa a ajudar seu tutor até atingir a idade adulta.

Um dia Rob Cole conhece um judeu, um médico, um médico de verdade, formado na grande faculdade de medicina da Pérsia e a partir daí, o objetivo de Cole é se formar nesta faculdade. Começa, então, sua viagem que duraria dois anos. Esta é a melhor parte do livro, pois Noah Gordon descreve muito bem todo o trajeto, desde os vilarejos alemães até os desertos traiçoeiros do Oriente Médio. É uma boa experiência de leitura.

Evidentemente há uma grande questão aí, senão o livro não teria muita graça. A questão é que a faculdade de medicina não aceita cristãos; apenas mulçumanos e judeus. E Rob Cole, convencido de que seu destino era se formar na Pérsia, passa a estudar os judeus que encontra pelo caminho de sua viagem, seus costumes e sua língua para se passar por um deles e ser admitido na faculdade. Aqui é outro ponto com muita informação, muitos detalhes sobre a cultura judaica, assim como, a partir da chegada de Rob Cole à Pérsia, de muitos detalhes sobre a cultura mulçumana. E claro, uma boa discussão sobre fidelidade religiosa e fé que acompanha o personagem até o final do livro.

Em muitos momentos parece que Noah Gordon tende para o lado dos judeus, principalmente por causa de algumas implicâncias com os mulçumanos durante o livro - que no começo são engraçadas e que vão ficando irritantes com o tempo -, mas até alcançar a última página eu mudei totalmente minha opinião porque ele vai nos mostrando que em cada tipo, em cada religião, em cada país, em cada profissão, há os nobres e os imbecis. E claro, estes últimos em sufocante maioria.

Sendo um médico, era de se esperar que Noah Gordon desse ênfase aos detalhes da história da medicina e de suas grandes questões, como o debate sobre a utilização de cadáveres humanos para pesquisas, o teste de novos medicamentos em pacientes, etc. E o assunto no livro é ainda mais intenso pois era uma época de forte atuação da igreja, onde os médicos eram freqüentemente acusados de serem bruxos - se bem que alguns deveriam ser mesmo; já me consultei com cada tipo que não entendo como foram proibir a igreja de queimá-los. Portanto Rob Cole carrega sempre esta preocupação em controlar sua busca pela cura, que é a forma pela qual Noah Gordon discute o conflito entre a ética e o progresso.

Há ainda algumas passagens de sexo que eu estou pensando numa forma de comentar sem muito moralismo, mas não sei como fazer isso. Tudo bem, deve haver algo ali de sublime, de artístico, mas eu não consigo ler este tipo de coisa sem me sentir como uma velhinha da década de 60 que quebrava discos dos Beatles. Eu vejo a leitura como um contato muito direto, como se um estranho me abordasse na rua e me contasse uma história. E imagino que seria terrível ser abordado, digamos, tomando café na padaria, por alguém falando "Vixi, aí ela subiu na mesa, tirou a roupa e foi u-hu!, U-HUUUUUU!!!" com todas as devidas gesticulações e interpretações. Muito constrangedor. Evidentemente, eu não posso dizer que é errado escrever sobre sexo, assim como eu não poderia dizer que é errado comer com os pés, mas eu aconselharia, do fundo do meu coração, as pessoas a evitarem este tipo de coisa. É tão mais fácil.

Mas são apenas detalhes perto do que este livro tem a oferecer. Sua leitura é mesmo como tomar um café na padaria. Pode eventualmente espirrar sangue em você, ou sentar um elefante ao seu lado, mas na maior parte do tempo, é uma experiência agradável. Se puder, leia o original. Aliás, sempre leia os originais. Eles também merecem ser lidos.

Para ir além






Eduardo Mineo
São Paulo, 23/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Glauco: culpado ou inocente? de Gian Danton
02. Da relevância e do respeito musical de Rodrigo Cavalcanti da Rocha


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2007
10h49min
Se o tradutor errou feia e grotescamente no TÍTULO, não quero imaginar o estrago que fez com o resto da história!!! Revoltante...
[Leia outros Comentários de AnnA]
25/4/2007
07h15min
Foi fidedigno. A terminologia é registrada nos bons dicionários como alternativa de sinonímia para medico. Aliás memsmo não se dando ao trabalho da busca vernacular seria o caso de se indagar sobre os radicais para Physician/Physicist no idíoma inglês. Cylene Gama
[Leia outros Comentários de Cylene Dantas d Gama]
26/4/2007
11h03min
Sim, o original não é tão ruim. The Last Jew é milhorzinho, menos pretensioso e tal, creio eu. O que me derrubou da cadeira, n"O Phísico", foi o cara ser circuncisado (circuncidado?) por um cavalo. Damn, nunca pensei que eqüinos tivessem uma quedinha por prepúcios. Agora sempre que passo perto de um (cavalo, não prepúcio; sempre evito passar perto de prepúcios), faço que nem jogador na barreira. É por isso que digo - sempre há conselhos práticos, mesmo nos mais fantasiosos romances. ;o)
[Leia outros Comentários de mauro]
27/4/2007
15h02min
A afirmacao do seu primeiro paragrafo e' desmentida por obras-primas como Ulisses (ninguem merece ler isso!), ou os calhamacos do Tom Clancy...
[Leia outros Comentários de Ram]
21/12/2008
17h58min
Sr. Eduardo Mineo, sou um fã de Noah Gordom e, pelo fato de já ter lido o livro "O Físico", cheguei à triste conclusão que o senhor NÃO leu o livro, ou não estamos falando do mesmo, pois, lendo a coluna (muito bem escrita) acima encontrei inúmeros erros a respeito da verdadeira história de Robert Jeremy Cole. Para sua informação, já foi provado que o tradutor não cometeu gafe nenhuma, pois na época em que é passada a história os médicos também eram chamados de físicos. A respeito das cenas de sexo, não as achei assim tão detalhadas como diz, mas sim inevitáveis, pois, como viu, o livro é um romance também. O primeiro médico que Rob conheceu não tinha se formado na Pérsia, e sim tinha sido aprendiz de outro médico inglês. Espero que, se não leu o livro, leia, em vez de fazer críticas sem fundamentos. E, se leu, leia de novo, com mais atenção. Um abraço.
[Leia outros Comentários de luan hadi massud Kad]
21/12/2008
19h13min
Primeiro: Quando um americano bate o olho no título "The physician", ele sabe que ali está escrito "O médico". A função do tradutor não é apenas interpretar, mas transmitir a mesma sensação que os leitores dos originais teriam. Um brasileiro que lê "O físico" vai pensar que ali está embutido o sentido arcaico de médico? Não vai e a tradução está errada. Segundo, não tenho mais o livro para transcrever o que afirmei no texto, mas transcrevo o que está na Amazon, confirmando o que eu disse: "Though apprenticed to an itinerant barber surgeon, it is the dazzling surgery of a Jewish physician trained by the legendary Persian physician Avicenna that inspires him to accept his gift and to commit his life to healing by studying at Avicenna's school." Em terceiro, se você achou as cenas de sexo inevitáveis, é um problema seu, é uma opinião sua e isto não me torna errado. E já que é para ser implicante, realmente não lemos o mesmo livro, pq quem escreveu o meu foi Noah Gordon, com N.
[Leia outros Comentários de Eduardo Mineo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Problemas Teatrales - Friedrich Dürrenmatt (Teatro Alemão) - Em espanhol
Friedrich Dürrenmatt
Sur
(1961)



O Melodrama - 1ª Edição
Jean-marie Thomasseau
Perspectiva
(2012)



Homossexualidade e Adolescência Sob a Ótica da Saúde
Stella R. Taquette
Eduerj
(2015)



Conte-me Tudo: Com Quem Você Compartilharia Seus Maiores Segredos
Marilyn Meberg
Central Gospel
(2012)



Os Dozes Trabalhos de Hércules
Leonardo Chianca (reconto)
Scipione
(2002)



Iniciação à Música Popular Brasileira
Waldenyr Caldas
Amarilys
(2010)



Lei Maria da Penha - Violência Doméstica Contra a Mulher
Juizado da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher
Tribunal de Justiça do Estado do RJ
(2015)



Max e os felinos
Moacyr Scliar
L&PM
(1991)



O Poder da Simplicidade No Mundo Ágil
Susanne Andrade
Gente
(2018)



A Historia do Sapato no Século 20
Linda Conde
Nao Informada
(2004)





busca | avançada
50141 visitas/dia
1,8 milhão/mês