Contra a breguice no Facebook | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/6/2015
Contra a breguice no Facebook
Marta Barcellos

+ de 3500 Acessos

Quando minha filha tinha dois anos, fomos convidados para o aniversário de John, um bebê do nosso prédio que comemoraria seu primeiro ano de vida numa casa de festas de São Paulo. Pouco tempo antes, no playground do edifício, eu tivera a oportunidade de conhecer a mãe de John, enquanto nossos bebês (não) brincavam juntos (ele ainda pegando sol no carrinho; a minha já deslizando perigosamente pelo escorregador). Para minha surpresa, os pais de John não eram estrangeiros, mas do interior de São Paulo, e a curiosidade sobre o nome inglês se dissipou diante da revelação maior da progenitora: seu filho era fruto de um milagre.

Ela repetiu a palavra milagre algumas vezes, enquanto contava de forma bíblica uma história não tão rara: tentara engravidar durante alguns anos, chegara a fazer tratamento, e, quando já tinha desistido, eis que suas preces foram atendidas e a vontade divina se fez. Ouvi o relato atenta e respeitosamente, tomada por aquela perturbação interna que nos acomete quando nos deparamos com alguém de cultura muito diversa da nossa. De certa forma, John e sua família eram mesmo estrangeiros, pelo menos para mim.

Mas quem tem filho pequeno sabe: nesta fase pouco importam as diferenças culturais. Brincadeiras, cantigas de roda, papinhas, vacinas, tudo no universo infantil conspira para a alegre confraternização entre crianças da mesma faixa etária e suas babás, mães, às vezes pais, que circunstancialmente se tornam melhores amigos, cúmplices da mesma dura e adorável rotina. Fomos à festa.

Como a ideia era proporcionar alguma diversão à nossa filha, capaz de se enfiar durante horas nas tramas do "brinquedão" das casas de festas, chegamos cedo. Mas não adiantou. Em pouco tempo a recreação foi interrompida, e iniciou-se um cerimonial interminável com discursos, vídeos, depoimentos, choros e aplausos. Aparentemente, vários membros da família de John, além de padrinhos e amigos, tinham participação relevante, ou eram testemunhas oculares, do milagre de sua existência. O salão fora escurecido por causa do vídeo, todos os brinquedos estavam fechados, o buffet interrompido, e eu não sabia mais como distrair a nossa pequena, entediada entre nossas pernas.

Daquela época, ficou a designação: passamos a adotar, como uma espécie de piada particular do casal, o termo "momento John" para situações em que o sentimentalismo extrapola os (nossos) limites de bom senso ou bom gosto. "Como foi o evento?" "Foi interessante, mas uma senhora protagonizou um 'momento John' daqueles..." E um já sabia do que o outro estava falando.

Mantínhamos a discrição, intuindo que talvez existisse um senso de pieguice/breguice particular, da mesma forma que há diferentes tipos de senso de humor, variando de acordo com o repertório de cada um. Aliás, a hipótese de haver alguma correlação entre as duas coisas, cogito agora, é forte: os tais "momentos John" têm como característica comum a total ausência de humor, ironia ou divertimento - tudo em nome do objetivo maior de exaltar sentimentos e provocar a emoção de quem estiver em volta.

Mas, ultimamente, dei para me sentir especialmente isolada, e também encabulada, por causa do meu senso de breguice talvez apurado demais. Pelo menos, para os tempos atuais. Porque, da festa de John para cá, as pessoas começaram a mandar beijos no coração e a escrever nas redes sociais "eu te amo, mamãe", mesmo que a tal senhora não tenha qualquer familiaridade com a internet. Estaria eu me tornando uma insensível, num mundo cada vez mais afetuoso? Isso não faz muito sentido, considerando que sou a maior "manteiga derretida", sempre chorando por causa de filmes, livros, cenas que vejo na rua.

Eu estava confusa, e propensa a manter secretos para sempre nossos comentários sobre "momentos John", quando me caiu nas mãos um ensaio da escritora Tatiana Salem Levy, com o título "Fora de si", publicado no caderno Fim de Semana do jornal Valor. Talvez com saudades do mestrado, me flagrei catando a caneta marcadora para reler seu texto, uma pequena genealogia da emoção, do ponto de vista da filosofia.

Demonstrar a emotividade não era algo lá muito bem visto pela filosofia clássica. Era tido como uma espécie de fraqueza, relacionada ao "páthos", à paixão, à impossibilidade de agir. Para Kant, a emoção era um "defeito da razão". Aí vieram Hegel e Nietzsche (viva!) para mostrá-la não necessariamente como um sentimento passivo, mas que poderia ser a "fonte original" - da literatura, da música, das artes, nas quais revelará muito mais verdades do que "a Verdade".

Reconhecida como gesto ativo (Henri Bergson), a emoção é um movimento que nos coloca fora de nós mesmos (Huberman), e uma forma de transformação ativa do nosso mundo (Merleau-Ponty). Ela torna-se ato quando nos extravasa e, então, podemos fazer uso dela na sociedade, engendrando transformações naqueles que se emocionam (aqui, acho que é a própria Tatiana falando).

Foi neste ponto que o meu problema com a suposta emotividade alheia começou a clarear. A emoção em sua versão kitsch, extravasada por meio de chavões inautênticos, não me parece transformadora. Não me emociona. No Facebook, me soa como má literatura. Até porque já não é mais a emoção que está ali, e sim a tentativa (mal sucedida) de sua representação, que talvez esconda apenas o exibicionismo de sempre.

Claro que não espero que todo mundo consiga, como o poeta, fingir tão bem a dor que deveras sente. Mas, em caso de pouca inspiração, valeria a pena sermos mais comedidos em nossos extravasamentos/posts. Ou menos pretensiosos, optando pelo divertimento para falar da emoção que já nos escapou.

Se me lanço nesta cruzada, correndo o risco de parecer blasé ou insensível, enfrentando os algoritmos do Facebook que claramente privilegiam a breguice, não é à toa: ando bastante desconfiada desta onda sentimentaloide. Será ela tão inofensiva assim? Como a piada que se vale do preconceito para fazer graça, temo que a breguice ajude a reforçar não somente o lugar-comum, como se propõe, mas também as visões conservadoras. Visões naturalizadas, como a que considera a maternidade a missão maior da mulher, de todas as mulheres, como pensava a mãe do pequeno John.

Tomara que John - agora em seu momento pré-adolescente - esteja bem. Apesar de tudo.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 5/6/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A arte da crônica de Luiz Rebinski Junior


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. Uma entrevista literária - 11/12/2015
03. Dando conta de Minas - 7/8/2015
04. O gueto dos ricos - 20/3/2015
05. Quem é o abutre - 6/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SALA DOS HOMICÍDIOS - 1ª EDIÇÃO
P. D. JAMES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 15,00



A VIDA É UM PALCO
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
(1988)
R$ 4,02



POR ISSO NÃO PROVOQUE
PAULO TADEU
MATRIX
(2010)
R$ 6,90



PSICOLOGIA DA PERCEPÇÃO
JOÃO A. SOSSAI
EDICON
(1981)
R$ 10,00



TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO 100 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES
GUSTAVO FAUS BORONAT
EDIMSA
(2005)
R$ 20,00



FÍSICA 3 ENSINO MÉDIO
GUIMARÃES PIQUEIRA CARRON
ATICA
(2014)
R$ 8,50



NOÇÕES GERAIS DA PESCA DE ARREMESSO
SILVIO FUKUMOTO
ZILLIG
(1994)
R$ 10,00



LA SUBLIMATION
JEAN LAPLANCHE
PRESS UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1980)
R$ 50,00



ESSE CONTINENTE CHAMADO BRASIL
EDUARDO TOURINHO
JOSÉ OLYMPIO
(1964)
R$ 22,50



A CRISE DA INSTITUIÇÃO FAMILIAR
ISODORO ALONSO HINOJAL
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00





busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês