Uma entrevista literária | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/12/2015
Uma entrevista literária
Marta Barcellos

+ de 2900 Acessos

Na primeira vez em que os papéis se inverteram - e me transformei de entrevistadora em entrevistada -, percebi estar ocupando um lugar muito estranho. Como jornalista, eu já tinha elaborado (um pouco) as questões em torno da dificuldade de perguntar, de seduzir o entrevistado para os próprios interesses (não necessariamente os dele), e da importância de uma edição honesta das respostas (a "redução" é inevitável).

Na inversão, seria fácil criticar - como em geral fazem os entrevistados, que, naturalmente, não elaboram as dificuldades inerentes à função do jornalista.

Por isso, aqui, só vou contar (enquanto não elaboro melhor) que a maior parte das entrevistas que tenho dado, depois de ganhar o Prêmio Sesc 2015 na categoria contos, foi por e-mail, por sugestão dos entrevistadores. Que a primeiríssima não foi publicada, não sei por quê. E que esta entrevista abaixo, concedida por e-mail, resultou na ótima matéria "Prêmios de 2015 são das mulheres", de Leonardo Cazes, publicada no Globo em 28 de novembro. Mas apenas um parágrafo foi utilizado, como já acontecera outras vezes comigo (estando dos dois lados da situação, diga-se).

Deleuze fala como é difícil "se explicar" numa entrevista: "A maior parte do tempo, quando me colocam uma questão, mesmo que ela me interesse, percebo que não tenho estritamente nada a dizer. As questões são fabricadas, como qualquer outra coisa." Isso porque as questões em geral são voltadas para o futuro, ou para o passado, nunca para os "devires". Especificamente numa entrevista literária, ele diz, há um dualismo entrevistador-entrevistado, seguido de outros, como homem-escritor, vida-obra, intenção-significação da obra etc:

"Há sempre uma máquina binária que preside a distribuição dos papéis e que faz com que todas as respostas devam passar por questões pré-formadas, já que as questões são calculadas sobre as supostas respostas prováveis segundo as significações dominantes." (Diálogos, de Gilles Deleuze e Claire Parnet).

Depois desta breve reflexão, que sem dúvida reduz bastante o valor da entrevista a seguir, ei-la, na íntegra (os leitores adoram entrevistas, bem sei):



- Você ganhou o Prêmio Sesc e publicou o seu primeiro livro de contos. Como foi o seu caminho até essa estreia literária? Já tinha tentado publicar de outras maneiras? Quais eram suas expectativas em relação ao livro?

Sempre escrevi. Primeiro foram pilhas de diários, depois vieram as reportagens em jornal e, com o surgimento da internet, as crônicas em um blog e no portal Digestivo Cultural. Quando saí labuta de jornal diário, depois de vinte anos em redação, busquei o caminho da profissionalização como escritora: entrei para o Laboratório de Vivência Literária, liderado por Luiz Ruffato, e fiz o mestrado em Literatura na PUC-Rio, com uma pesquisa sobre criação literária. Com esta nova base, me senti mais segura para escrever ficção. Na prática, foram cinco anos escrevendo o "Antes que seque", enquanto estudava e buscava uma voz própria para narrar as minhas histórias.

Neste caminho do jornalismo para a literatura, era importante conquistar uma espécie de aval, ter um sinal de que estava no caminho certo, de que tinha encontrado a minha voz própria na literatura. Não queria ser mais uma jornalista brincando de fazer ficção. Busquei o caminho dos concursos literários por acreditar neles, em sua idoneidade (ainda mais quando se usam pseudônimos, como no caso do Prêmio Sesc).

Atualmente, não é difícil publicar. Existem editoras pequenas e autopublicação a baixo custo. O difícil é ser levada a sério, ser lida de verdade, conseguir algum tipo de inserção no ambiente e no mercado literário. Por isso insisti no caminho dos prêmios, antes de partir para a publicação por uma editora pequena. Com o Prêmio Sesc, obtive não só uma chancela como a publicação pela Editora Record, com distribuição nacional e tiragem de 2 mil exemplares - um luxo no Brasil, ainda mais para um livro de contos.

Quanto às expectativas, o livro já começou a ser lido, comentado, a receber resenhas, a afetar as pessoas. Ganhou vida própria. Algumas "devoraram" e agora estão me cobrando o próximo livro. Pela primeira vez sinto uma responsabilidade, como se não dependesse mais de mim a opção de dar continuidade à carreira de escritora.

- O seu livro reúne 24 contos sobre 12 mulheres. Isso foi algo deliberado ou simplesmente aconteceu? De que forma o fato de você ser mulher influencia a sua escrita e os contos do livro?

O "Antes que seque" tem na verdade 22 contos, dos quais apenas cinco com foco narrativo masculino. De fato, no livro dominam as narrativas com ponto de vista feminino e as personagens mulheres fortes, porque foram estas as histórias que me afetaram no processo de criação literária, que me atravessaram. Acredito, porém, que buscar o ponto de vista do "outro", do diferente de si próprio, é um exercício do escritor - nem sempre fácil. Por enquanto, tenho encontrado no universo feminino um lugar de muitas possibilidades literárias. Talvez, justamente por se tratar de uma minoria, e não do poder dominante, seja um lugar de observação até mais interessante - se não houver preconceitos ou rótulos.

Agora, importante: a condição feminina, em sua complexidade, em suas armadilhas e limitações impostas historicamente pela sociedade, está presente porque atravessam as histórias e as personagens. Não está no livro na forma de denúncia ou de qualquer tentativa de fazer uma literatura feminina, feminista ou engajada. É literatura, ponto.

- Estudos apontam que as mulheres são minoria não só entre escritores, mas também entre personagens de romances. Há cerca de um ano, a escritora Luísa Geisler criticou, num artigo, a baixa representatividade de autoras mulheres em antologias, premiações e festivais. Você concorda com essa avaliação? Se sim, a que você atribui isso?

Obviamente a baixa representatividade das mulheres na literatura está relacionada ao preconceito. Não é algo consciente: o machismo está enraizado na sociedade, em todos nós. Mais em alguns setores da sociedade do que em outros. Parece mais "natural", por exemplo, eleger um escritor homem para representar a literatura brasileira em um evento. A mulher é a exceção, aquela que não é homem, enquanto o escritor homem, com seu personagem masculino e seus "temas" masculinos, parece produzir uma literatura mais "universal". É uma bobagem, claro: a boa literatura não tem gênero. Mas muita gente rotula o livro escrito por mulher como "mulherzinha", sem nem ler.

Isso está começando a mudar. Como acontece em outros setores da sociedade, para "chegar lá", enfrentando preconceitos e barreiras, as mulheres escritoras investem em formação: lotam as oficinas literárias. Nas universidades, onde começam a surgir graduações e pós-graduações em formação do escritor, elas também veem uma oportunidade. Não são tão confiantes, ainda temem não serem levadas a sério, não conseguirem entrar nas panelinhas masculinas, mas estão buscando o caminho da profissionalização.

O Prêmio Sesc deste ano foi exemplar disso. Das 1.966 inscrições, apenas um terço foi de mulheres. Pela primeira vez, foram duas premiadas (eu e Sheyla Smanioto), e com algo em comum: Sheyla fez a oficina literária do Marcelino Freire, enquanto eu fiz o Laboratório de Vivência Literária do Luiz Ruffato. Ambas acabamos de concluir um mestrado em Literatura, com pesquisas sobre criação literária, ela na Unicamp e eu na PUC-Rio. Se você observar os censos no Brasil, é assim que começa: as mulheres até superam os homens na escolaridade, mas ainda têm dificuldade para chegar ao topo (ao reconhecimento literário, aos festivais de literatura etc).

- Este ano, surgiu um clube de leitura, "Leia mulheres", que já está presente em nove cidades do Brasil. Você acha que iniciativas como essa são importantes? Você acredita que a própria tomada das ruas e das redes pelas mulheres este ano de alguma forma pode afetar a literatura e o mercado editorial?

Todo tipo de iniciativa para equilibrar a balança e "desnaturalizar" o preconceito é importante. O problema precisa ser primeiro reconhecido. Os curadores, críticos, jurados de concursos literários, leitores (e leitoras) precisam estar atentos ao próprio machismo, este que está enraizado na nossa cultura e vê a mulher como exceção em ambientes historicamente masculinos. Acredito muito nos novos movimentos feministas, na sua potência e na sua criatividade. Com certeza essa tomada de consciência vai ser refletir também no mercado editorial.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
03. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
04. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. Uma entrevista literária - 11/12/2015
03. Dando conta de Minas - 7/8/2015
04. O gueto dos ricos - 20/3/2015
05. Quem é o abutre - 6/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARROT E OLIVIER NA AMÉRICA
PETER CARREY
RECORD
(2014)
R$ 50,00



GO GIRL 6. SAUDADES DO BASQUETE
THALIA KALKIPSAKIS
FUNDAMENTO
(2006)
R$ 14,70



O MUNDO ENCANTADO DO SONO
PERETZ LAVIE
CLIMEPSI
(1998)
R$ 59,70



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JUNHO DE 1965
TITO LEITE REDATOR CHEFE
YPIRANGA
(1965)
R$ 7,00



ODALISCA: DANÇANDO COM O DIABO NUMA NOITE DE LUA CHEIA
YURI BELOV
NOVO SÉCULO
(2015)
R$ 34,90



DOCE LAR
REGINA ZAPPA
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



CONTOS
DOSTOIEVSKI
CULTRIX
(1985)
R$ 18,00



A ARTE DA FOME: PREFÁCIOS, ENTREVISTAS, ENSAIOS
PAUL AUSTER
JOSÉ OLYMPIO
(1992)
R$ 15,00



A ÚLTIMA PÁGINA DE UM SONHO
BRENO LEITE SANTOS
KELPS
(2005)
R$ 20,00



POR BAIXO DO PANO
ROSEMARY HAWTHORNE
MATRIX
(2009)
R$ 30,00





busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês