Uma entrevista literária | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
Mais Recentes
>>> Novo código civil brasileiro de Coordenação; Giselle de Melo Braga Tapai e colaboradores pela Revista dos tribunais (2003)
>>> Execução de Pré Executividade de Marcos Valls Feu Rosa pela Sergio Antonio Fabris (1996)
>>> O desafio do escombro : nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau de Moema Parente Augel pela Garamond (2007)
>>> Processo de Execução de Levenhagen pela Atlas (1986)
>>> Processo de Execução de Humberto Theodoro Júnior pela Leud (1999)
>>> Execução direito processual civil ao vivo de Humberto Theodoro Júnior pela Aide (2000)
>>> Teoria e prática do processo de execução de Orlando Fida e Carlos A.M. Guimarães pela Led (2019)
>>> Lei de execução Fiscal Comentada e Anotada Lei 6.830 de 22 /09/1980 de Maury Ângelo Bottesini e outros pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> Execução Fiscal de José Afonso da Silva pela Revista dos Tribunais (1975)
>>> A Execução contra fazenda pública de Wanderley José Federighi pela Saraiva (1996)
>>> Execução Civil (Princípios Fundamentais) de José Miguel Garcia Medina pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Da arrementação e da Execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Leud (1998)
>>> Execução Forçada de Cláudio Nunes do Nascimento pela Saraiva (1974)
>>> Fraude a Execução de José Sebastião de Oliveira pela Saraiva (1986)
>>> Fraude de Execução e Garantias Fundamentais do Processo de Sergio Coelho Junior pela Lumen Juris (2006)
>>> Prática do processo de execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Idéia Jurídica (2001)
>>> Execução contra fazenda pública fundada em título extrajudicial de Juraci Inês Chiarini Vicente pela Forense (2001)
>>> Da execução e dos Embargos de João Roberto Farizato pela Led (1996)
>>> Execução de Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> O Novo processo de execução de Luiz Fux pela Forense (2008)
>>> A Reforma da execução do título extrajudicial de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (2007)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (1999)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (2001)
>>> A consciência do impacto nas obras de Cruz e sousa e de Lima Barreto de Cuti pela Autêntica (2009)
>>> Execução no Código de processo Civil de José Antonio de Castro pela Saraiva (1983)
>>> Crédito Hipotecário na execução movida por terceiro de Haroldo Pabst pela Revista dos Tribunais (1978)
>>> Intervenção de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1989)
>>> Embargos de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1987)
>>> Embargos de Devedor de José Antonio Alem pela Leud (1986)
>>> Embargos de terceiro de Edson Prata pela Leud (1987)
>>> Das intervenção de terceiros de Jônatas Milhomens pela Forense (1985)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (2001)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1983)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1986)
>>> Pluralidade de partes e intervenção de Terceiros de José Raimundo Gomes da Cruz pela Revista dos Tribunais (1991)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª Fase (Civil) de Fernando Tartuce e Fernando Sartori pela Métado (2007)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª ( Fase Processo Penal) de Vauledir Ribeiro Santos pela Métado (2007)
>>> Código de processo Civil Reformado de J. E. Carreira Alvim pela Del Rey (1995)
>>> Instituições de processo Civil de Renato Riotaro Takiguthi pela Saraiva (1977)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Processo Civil Procedimentos Especiais de Thereza Christina Nahas pela Atlas (2006)
>>> Do chamamento a autoria Denunciação da Lide de Antonio Carlos de Araujo Cintra pela Revista dos Tribunais (1973)
>>> Das citações e das intimações de João Roberto Parizatto pela Leud (1990)
>>> Os prazos processuais de Norma Chrissanto Dias pela Lumen Juris (2003)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> A ação civil pública na nova ordem constitucional de Édis Milaré pela Saraiva (1990)
>>> Alinhamentos da nova reforma do cpc de José Rogério Cruz e Tucci pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> O advogado e sua identidade profissional em risco de Ivan Alkmim pela Destaque (2001)
>>> Declaração de Insolvência de Onaldo Campos pela Saraiva (2019)
>>> Repertório de jurisprudência e doutrina sobre processo cautelar de Arruda Alvim Nelson Luiz Pinto pela Revista dos Tribunais (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/12/2015
Uma entrevista literária
Marta Barcellos

+ de 2700 Acessos

Na primeira vez em que os papéis se inverteram - e me transformei de entrevistadora em entrevistada -, percebi estar ocupando um lugar muito estranho. Como jornalista, eu já tinha elaborado (um pouco) as questões em torno da dificuldade de perguntar, de seduzir o entrevistado para os próprios interesses (não necessariamente os dele), e da importância de uma edição honesta das respostas (a "redução" é inevitável).

Na inversão, seria fácil criticar - como em geral fazem os entrevistados, que, naturalmente, não elaboram as dificuldades inerentes à função do jornalista.

Por isso, aqui, só vou contar (enquanto não elaboro melhor) que a maior parte das entrevistas que tenho dado, depois de ganhar o Prêmio Sesc 2015 na categoria contos, foi por e-mail, por sugestão dos entrevistadores. Que a primeiríssima não foi publicada, não sei por quê. E que esta entrevista abaixo, concedida por e-mail, resultou na ótima matéria "Prêmios de 2015 são das mulheres", de Leonardo Cazes, publicada no Globo em 28 de novembro. Mas apenas um parágrafo foi utilizado, como já acontecera outras vezes comigo (estando dos dois lados da situação, diga-se).

Deleuze fala como é difícil "se explicar" numa entrevista: "A maior parte do tempo, quando me colocam uma questão, mesmo que ela me interesse, percebo que não tenho estritamente nada a dizer. As questões são fabricadas, como qualquer outra coisa." Isso porque as questões em geral são voltadas para o futuro, ou para o passado, nunca para os "devires". Especificamente numa entrevista literária, ele diz, há um dualismo entrevistador-entrevistado, seguido de outros, como homem-escritor, vida-obra, intenção-significação da obra etc:

"Há sempre uma máquina binária que preside a distribuição dos papéis e que faz com que todas as respostas devam passar por questões pré-formadas, já que as questões são calculadas sobre as supostas respostas prováveis segundo as significações dominantes." (Diálogos, de Gilles Deleuze e Claire Parnet).

Depois desta breve reflexão, que sem dúvida reduz bastante o valor da entrevista a seguir, ei-la, na íntegra (os leitores adoram entrevistas, bem sei):



- Você ganhou o Prêmio Sesc e publicou o seu primeiro livro de contos. Como foi o seu caminho até essa estreia literária? Já tinha tentado publicar de outras maneiras? Quais eram suas expectativas em relação ao livro?

Sempre escrevi. Primeiro foram pilhas de diários, depois vieram as reportagens em jornal e, com o surgimento da internet, as crônicas em um blog e no portal Digestivo Cultural. Quando saí labuta de jornal diário, depois de vinte anos em redação, busquei o caminho da profissionalização como escritora: entrei para o Laboratório de Vivência Literária, liderado por Luiz Ruffato, e fiz o mestrado em Literatura na PUC-Rio, com uma pesquisa sobre criação literária. Com esta nova base, me senti mais segura para escrever ficção. Na prática, foram cinco anos escrevendo o "Antes que seque", enquanto estudava e buscava uma voz própria para narrar as minhas histórias.

Neste caminho do jornalismo para a literatura, era importante conquistar uma espécie de aval, ter um sinal de que estava no caminho certo, de que tinha encontrado a minha voz própria na literatura. Não queria ser mais uma jornalista brincando de fazer ficção. Busquei o caminho dos concursos literários por acreditar neles, em sua idoneidade (ainda mais quando se usam pseudônimos, como no caso do Prêmio Sesc).

Atualmente, não é difícil publicar. Existem editoras pequenas e autopublicação a baixo custo. O difícil é ser levada a sério, ser lida de verdade, conseguir algum tipo de inserção no ambiente e no mercado literário. Por isso insisti no caminho dos prêmios, antes de partir para a publicação por uma editora pequena. Com o Prêmio Sesc, obtive não só uma chancela como a publicação pela Editora Record, com distribuição nacional e tiragem de 2 mil exemplares - um luxo no Brasil, ainda mais para um livro de contos.

Quanto às expectativas, o livro já começou a ser lido, comentado, a receber resenhas, a afetar as pessoas. Ganhou vida própria. Algumas "devoraram" e agora estão me cobrando o próximo livro. Pela primeira vez sinto uma responsabilidade, como se não dependesse mais de mim a opção de dar continuidade à carreira de escritora.

- O seu livro reúne 24 contos sobre 12 mulheres. Isso foi algo deliberado ou simplesmente aconteceu? De que forma o fato de você ser mulher influencia a sua escrita e os contos do livro?

O "Antes que seque" tem na verdade 22 contos, dos quais apenas cinco com foco narrativo masculino. De fato, no livro dominam as narrativas com ponto de vista feminino e as personagens mulheres fortes, porque foram estas as histórias que me afetaram no processo de criação literária, que me atravessaram. Acredito, porém, que buscar o ponto de vista do "outro", do diferente de si próprio, é um exercício do escritor - nem sempre fácil. Por enquanto, tenho encontrado no universo feminino um lugar de muitas possibilidades literárias. Talvez, justamente por se tratar de uma minoria, e não do poder dominante, seja um lugar de observação até mais interessante - se não houver preconceitos ou rótulos.

Agora, importante: a condição feminina, em sua complexidade, em suas armadilhas e limitações impostas historicamente pela sociedade, está presente porque atravessam as histórias e as personagens. Não está no livro na forma de denúncia ou de qualquer tentativa de fazer uma literatura feminina, feminista ou engajada. É literatura, ponto.

- Estudos apontam que as mulheres são minoria não só entre escritores, mas também entre personagens de romances. Há cerca de um ano, a escritora Luísa Geisler criticou, num artigo, a baixa representatividade de autoras mulheres em antologias, premiações e festivais. Você concorda com essa avaliação? Se sim, a que você atribui isso?

Obviamente a baixa representatividade das mulheres na literatura está relacionada ao preconceito. Não é algo consciente: o machismo está enraizado na sociedade, em todos nós. Mais em alguns setores da sociedade do que em outros. Parece mais "natural", por exemplo, eleger um escritor homem para representar a literatura brasileira em um evento. A mulher é a exceção, aquela que não é homem, enquanto o escritor homem, com seu personagem masculino e seus "temas" masculinos, parece produzir uma literatura mais "universal". É uma bobagem, claro: a boa literatura não tem gênero. Mas muita gente rotula o livro escrito por mulher como "mulherzinha", sem nem ler.

Isso está começando a mudar. Como acontece em outros setores da sociedade, para "chegar lá", enfrentando preconceitos e barreiras, as mulheres escritoras investem em formação: lotam as oficinas literárias. Nas universidades, onde começam a surgir graduações e pós-graduações em formação do escritor, elas também veem uma oportunidade. Não são tão confiantes, ainda temem não serem levadas a sério, não conseguirem entrar nas panelinhas masculinas, mas estão buscando o caminho da profissionalização.

O Prêmio Sesc deste ano foi exemplar disso. Das 1.966 inscrições, apenas um terço foi de mulheres. Pela primeira vez, foram duas premiadas (eu e Sheyla Smanioto), e com algo em comum: Sheyla fez a oficina literária do Marcelino Freire, enquanto eu fiz o Laboratório de Vivência Literária do Luiz Ruffato. Ambas acabamos de concluir um mestrado em Literatura, com pesquisas sobre criação literária, ela na Unicamp e eu na PUC-Rio. Se você observar os censos no Brasil, é assim que começa: as mulheres até superam os homens na escolaridade, mas ainda têm dificuldade para chegar ao topo (ao reconhecimento literário, aos festivais de literatura etc).

- Este ano, surgiu um clube de leitura, "Leia mulheres", que já está presente em nove cidades do Brasil. Você acha que iniciativas como essa são importantes? Você acredita que a própria tomada das ruas e das redes pelas mulheres este ano de alguma forma pode afetar a literatura e o mercado editorial?

Todo tipo de iniciativa para equilibrar a balança e "desnaturalizar" o preconceito é importante. O problema precisa ser primeiro reconhecido. Os curadores, críticos, jurados de concursos literários, leitores (e leitoras) precisam estar atentos ao próprio machismo, este que está enraizado na nossa cultura e vê a mulher como exceção em ambientes historicamente masculinos. Acredito muito nos novos movimentos feministas, na sua potência e na sua criatividade. Com certeza essa tomada de consciência vai ser refletir também no mercado editorial.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara
02. A terra das oportunidades de Marcelo Maroldi
03. Literatura e infância: dois livros, duas viagens de Adriana Baggio
04. O que é um livro? de Ana Elisa Ribeiro
05. Projeto Clicar de Najah Zein


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. Uma entrevista literária - 11/12/2015
03. Dando conta de Minas - 7/8/2015
04. Quem é o abutre - 6/2/2015
05. O gueto dos ricos - 20/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MISTÉRIO DA CRIPTA AMALDIÇOADA
EDUARDO MENDOZA
PLANETA
(2011)
R$ 19,00



OS CADERNOS DE DOM RIGOBERTO (EDIÇÃO DE BOLSO)
MARIO VARGAS LLOSA
OBJETIVA
(2011)
R$ 12,00



NIELS LYHNE
JENS PETER JACOBSEN
GOLDMANNS GELBE TASCHENBÜCHER
R$ 30,00



SOLDIERS PAY
WILLIAM FAULKNER
PENGUIN BOOKS
(1964)
R$ 32,00



CRIME QUE ABALOU A REPÚBLICA, O
ROBERTO SANDER
MAQUINARIA EDITORA
(2010)
R$ 30,32



TRABALHO DOCENTE NA CRECHE
CELI COSTA S. BAHIA, CELINA MAGALHÃES UND FERNADO PONTES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



AROUND THE WORLD IN EIGHTY DAYS
JULES VERNE
OXFORD
(2010)
R$ 18,61



PRÁTICA FORENSE PARA ESTAGIÁRIOS
LUIS FERNANDO RABELO CHACON; LUIZA HELENA
SARAIVA
(2013)
R$ 21,82



PERSONAGENS FEMININAS
JORGE MARQUES
EDITORA OFICINA RAQUEL
R$ 46,00



WINDSURF: PRANCHA À VELA
JEAN-LUC MARTY
EDIOURO (TECNOPRINT - RJ)
(1982)
R$ 31,28





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês