Humor x Desamparo | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Diário de um banana dias de cão de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Os Miseráveis de Miécio Táti pela Edições de Ouro (1970)
>>> Memórias Póstumas, A semana e Correspondência de Machado de Assis pela Linográfica (1980)
>>> Diário de um banana a gota d'água de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Engordei ou Minha Roupa Encolheu? de Peter Walsh pela Prumo (2008)
>>> Diário de um banana rodrick é o cara de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Helena Wilfuer de Vicki Baum pela José Olympio (1944)
>>> Um Ateu Garante : Deus Existe de Antpny Flew com Roy Abraham Varghese pela Ediouro (2008)
>>> Brincar para aprender de Mara Lúcia Cordeiro pela CBT Brasil (2021)
>>> Fora de controle de Nelson de Mille pela CBT Brasil (2021)
>>> Noite sobre as águas de Ken Follett pela CBT Brasil (2021)
>>> Champagnat Um coração sem Fronteiras de Vários pela CBT Brasil (2021)
>>> Tecnologia mecânica de Vicente Chiaverini pela CBT Brasil (2021)
>>> Ghandi de Ghandi pela CBT Brasil (2021)
>>> O que é isso companheiro de Fernando Gabeira pela CBT Brasil (2021)
>>> O fio da navalha de W. Somerset Maugham pela CBT Brasil (2021)
>>> A estrada do mar de Barbara Delinsky pela CBT Brasil (2021)
>>> Traição em família de David Baldacci pela CBT Brasil (2021)
>>> A herança de John Grisham pela CBT Brasil (2021)
>>> Não brinque com fogo de John Verdon pela CBT Brasil (2021)
>>> Canaã de Graça Aranha pela CBT Brasil (2021)
>>> Arabescos do Viver de Gláucia Galvão pela CBT Brasil (2021)
>>> Malvas, Fáguas e maçanilhas de Walmor Marcelino pela CBT Brasil (2021)
>>> Malagueta, perus e bacanas de João Antônio pela CBT Brasil (2021)
>>> 97 maneiras de fazer o cachorro sorrir de Jenny Langbehn pela CBT Brasil (2021)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/6/2014
Humor x Desamparo
Carla Ceres

+ de 3700 Acessos

Há uns dez anos, meu irmão foi covardemente espancado na rua, por causa de uma discussão de trânsito. Do hospital, amigos pediram a minha mãe que esperasse por ele em casa, porque, "mesmo que a senhora venha até aqui, não vai conseguir reconhecê-lo". Fiquei sabendo da história no dia seguinte e me preparei para enfrentar o susto que seria olhar para aquele rosto que recebera tantos chutes, o rosto irreconhecível do único irmão que a vida me deu para brincar, brigar e proteger. Imaginei como lidar com o sofrimento, a sensação de injustiça e a preocupação dos amigos e familiares.

Apesar de saber que meu irmão talvez não passasse daquela noite (um coágulo qualquer poderia se soltar e matá-lo), apesar de sentir a mesma indignação impotente que todos estavam experimentando, optei pelo bom humor. Quando cheguei à casa de minha mãe, botei um sorriso no rosto, fui entrando, afastando as pessoas e dizendo: "Dá licença, mãe, que eu sou parente da vítima! Dá licença, pessoal, que eu sou parente da vítima!" Só parei quando "a vítima", com a cara toda arrebentada, apareceu avisando: "Vítima é o seu nariz. Não me faz rir que doem os pontos" e riu. Riu muito nas duas horas que fiquei lá contando piadas e histórias cômicas. Todos entraram no clima e se divertiram relembrando incidentes engraçados. Foi quase uma festa.

A história do parente da vítima (cujo autor, eu desconheço) faz sucesso entre guardas rodoviários. É mais ou menos assim: Um motorista encontra uma aglomeração de veículos e pessoas ao redor de um acidente na estrada. Curioso, ele para o carro e tenta se aproximar para ver os detalhes, mas ninguém deixa. Nessa hora, surge a ideia brilhante. Ele vai afastando as pessoas e dizendo "Dá licença! Eu sou parente da vítima. Dá licença! Eu sou parente da vítima." As pessoas vão abrindo caminho até ele chegar a um corpo coberto por uma lona. Ainda insatisfeito, o curioso pede ao policial que descubra o corpo "porque eu sou parente da vítima". Prestativo, o policial levanta a lona e o motorista, finalmente, se depara com a vítima: um cavalo atropelado.

A piada do parente da vítima é uma das favoritas da minha família. Contá-la foi uma forma prática de indicar a meu irmão que deveríamos lidar com aquele espancamento do mesmo modo como sempre lidamos com as violências sofridas pela vida a fora, com bom humor. Não era hora de nos deprimirmos. Precisávamos de força para nos recuperar do baque e botar as engrenagens da justiça em funcionamento. Foi o que fizemos com sucesso, enquanto ele melhorava.

De acordo com o dr. Abrão Slavutzky, autor do livro Humor é coisa séria, "o humor diminui a angústia ao permitir a descontração que suaviza o viver diante da difícil realidade. Portanto, ter sentido de humor é dispor de um poder no difícil jogo da existência". Infelizmente, segundo pesquisas, mais da metade das pessoas não tem bom humor, ou seja, recebe os golpes da vida sem ter "a capacidade simbólica de gerar prazer onde, geralmente, ocorreria a dor".

Livros sérios sobre humor costumam entediar quem procura alguma possibilidade de sorriso. Para a sorte do leitor comum que se interessa por humor e psicanálise, Humor é coisa séria contraria essa tendência à aridez teórica. Os sorrisos estão garantidos, mesmo que, às vezes, meio tristes como acontece no capítulo sobre o humor no Holocausto, em que encontramos várias piadas e brincadeiras feitas pelos judeus para sobreviver à loucura do nazismo. O Dr. Slavutzky é psiquiatra e psicanalista com quarenta anos de experiência, mas também é fã de Charles Chaplin, Cervantes, Woody Allen, Millôr Fernandes, Luís Fernando Veríssimo, Henfil e muitos outros mestres do humor. Sua cultura impressionante caminha de braço dado com a leveza. Para começar, a capa do livro apresenta uma charge com o paciente Sigmund Freud deitado no divã do psicanalista Charles Chaplin.

Intercalando considerações sérias com exemplos de bom humor, o autor reúne capítulos independentes que podem ser lidos na ordem que se preferir. Apenas o "Epílogo quase sério: a metapsicologia do humor" pode dar trabalho a leitores pouco habituados à terminologia psicanalítica. As demais partes - "Uma arte de existir"; "A piada, o sexo e a morte"; "O humor é rebelde" e "Entre o peso e a leveza" - fluem tão bem que parecem escritas sem esforço. Segundo o Dr. Slavutzky, a própria psicanálise tem se beneficiado de uma prática mais leve e bem humorada. Os psicanalistas modernos não adotam mais uma postura distante e superior. Não ficam quietos fazendo apenas "hummm" como vacas atoladas.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 5/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) de Ana Elisa Ribeiro
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
04. O que te move? de Fabio Gomes
05. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2014
01. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
02. Um menino à solta na Odisseia - 6/11/2014
03. Duas distopias à brasileira - 7/8/2014
04. Adolescentes e a publicação prematura - 4/9/2014
05. Vaidade, inveja e violência - 8/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Talkin American: a Dictionary of Informal Words and Expressions
Ronald Harmon
Signal Press
(1995)



Guia Prático para a Vida Gay
Ken Hanes
Topbooks
(1995)



CÉtait un Temps Déraisonnable: les Premiers Résistants Racontent
Georges Marc Benamou
Robert Laffont (paris)
(1999)



O Contrário da Morte
Roberto Saviano
Bertrand Brasil
(2009)



Segredos Spy Girl 1
Christine Harris
Fundamento
(2010)



Histórico dos Logradouros de Carazinho
Lio Guerra Bocorny
Fundescar
(1995)



Barsa Hoobs - a Aventura de Aprender 1 Inglês
Jim Hensons
Barsa Planeta
(2009)



Em Favor do Homem
Paulo Evaristo, Cardeal Arns
Avenir (rj)
(1979)



No Terceiro Dia
Piers Paul Read
Siciliano
(1992)



Os Cavalinhos de Platiplanto
Jose J. Veiga
Civilização Brasileira
(1974)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês