Duas distopias à brasileira | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Quinta-feira, 7/8/2014
Duas distopias à brasileira
Carla Ceres

+ de 6200 Acessos

Nada como os imprevistos cotidianos, as falhas de caráter e as divergências de opinião dos cidadãos para minar qualquer utopia. Por mais isoladas das "más influências externas" que estejam, as tentativas de construir sociedades ideais descambam para a violência, a corrupção e a luta desleal pelo poder porque seres humanos ideais não existem e, além disso, o paraíso de uns costuma ser o inferno de outros. Até hoje, esses sonhos de harmonia só resistiram e terminaram bem no campo literário, no qual continuam interessantes como obras de arte ou por retratarem os contextos históricos dos quais se originaram.

A ficção científica até gosta de uma utopiazinha motivadora no fim do arco-íris, mas seu forte mesmo são as distopias, as sociedades opressivas, em ruína material e moral. Atualmente, os cenários pós-apocalípticos cheios de zumbis dominam livrarias e telas de TV, atingindo muitos escritores brasileiros, mas não é de hoje que importamos modas literárias voltadas ao grande público. Monteiro Lobato, inspirado nas obras de H. G. Wells, levou três semanas para escrever O presidente negro ou o choque das raças, com a intenção de exportá-lo para os Estados Unidos. Não conseguiu. Vários editores se ofenderam com o conteúdo racista do livro.

Não vou entrar na discussão sobre o racismo nem sobre o evidente machismo de Lobato. Sem dúvida, suas ideias eram muito comuns na época e, por absurdo que nos pareça hoje em dia, possuíam status científico. O final de O presidente negro, com a vitória vergonhosa dos brancos "solucionando" a questão racial, é revoltante. Perto desse horror, acompanhar sua implicância com as feministas me diverte. A personagem Miss Elvin, por exemplo, desenvolve a teoria absurda de que a mulher não seria a "fêmea natural" do homem. As verdadeiras fêmeas humanas teriam sido repudiadas pelos homens, que preferiram acasalar-se com as mulheres, fêmeas de um povo anfíbio, cujos machos teriam sido exterminados pelos homens. Mulheres e homens, portanto, pertenceriam a espécies diferentes, segundo o livro Simbiose desmascarada, de Miss Elvin. Dá pra levar a sério?

Bom polemista, Lobato não hesitava em ridicularizar seus oponentes, atribuindo-lhes argumentos estapafúrdios. Sua representação caricatural do feminismo no ano de 2228, quando se passa a história de O presidente negro, tem a mesma virulência debochada de seu ataque à pintura de Anita Malfatti, no artigo "Paranoia ou mistificação". Muito mais interessante do que a reação lobatiana às reivindicações das mulheres foi a crônica de Humberto de Campos "O feminismo triunfante (Diário de um rapaz solteiro em 1960)". Sim, no Brasil, até as distopias viram piada.

Publicada em 1934, no livro Sombras que sofrem, a crônica reúne páginas do diário de um pobre rapaz solteiro, escritas oito anos após a "Revolução Feminina de 1952". O protagonista mora em um Rio de Janeiro dominado pelas mulheres. Seu principal medo é o de "ficar para tio", pois, aos vinte e cinco anos, ainda não foi pedido em casamento nem uma vez. "No entanto", comenta, "não sou, que se diga, um rapaz feio, Nem desprovido de prendas domésticas. Tenho bonitos olhos, boca bem feita, e visto-me com elegância. Sei tocar piano, danço bailados clássicos, e posso, como poucos, tomar conta de uma casa. A mulher que me escolhesse para esposo, conservar-me-ia ao lado, pelo menos um ano."

A terrível situação dos homens após o divórcio também é mencionada. Sobre a moça que pediu seu irmão em casamento, a "Dra. Inez de Albuquerque, engenheira da fábrica de aviões da firma Ana Maria & Filha", ele escreve: "A noiva tem 32 anos, e acaba de divorciar-se do vigésimo segundo marido, o qual fica, pode-se dizer, ao desamparo. O penúltimo está empregado em um 'atelier' de costura, e o antepenúltimo, como ama seca na casa da senadora Carmen Pappagenti. Os outros desventurados degradaram-se depois de abandonados, vivendo como o Diabo quer e Deus consente".

Como o texto não é dos mais fáceis de se encontrar, adianto que, no fim, o rapaz recebe uma proposta de casamento de uma divorciada que "antes de casar, teve uma vida um pouco boêmia, excedendo-se na bebida e sustentando amantes". Através da inversão de papéis, a crônica pinta um retrato interessante da vida das moças na década de 1930. Embora sua intenção não seja a de prever o futuro, muitas das situações "futurísticas" que menciona tornaram-se corriqueiras. Ninguém se espanta mais com a presença feminina em profissões de nível superior ou nas Forças Armadas. Quanto aO presidente negro, apenas a parte boa se cumpriu. Para isso servem as distopias, para alertar sobre os maus caminhos.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 7/8/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro de Ricardo de Mattos


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2014
01. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
02. Um menino à solta na Odisseia - 6/11/2014
03. Duas distopias à brasileira - 7/8/2014
04. Adolescentes e a publicação prematura - 4/9/2014
05. Vaidade, inveja e violência - 8/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Brás, Bexiga e Barra Funda - Literatura Brasileira Em Quadrinhos
Antônio Alcântara Machado Adap Jo Ferrero
Escala Educacional
(2006)



A Poética de Maiakóvski - 2ª Edição - Revista e Aumentada
Boris Schnaiderman
Perspectiva
(2014)



O Jogo de Búzios por Odu
Adilson Antonio Martins
Pallas
(2013)



Casa do Cuco - 1ª Edição
Alexandre Camanho
Pulo do Gato
(2016)



Seis Fundamentos do Sucesso Profissional
Stuart Levine
Sextante
(2005)



A Arca de Noésio
Gustavo Bolognani Martins
Ateliê
(1996)



Gestão Transversal
Price Pritchett
Pritchett
(2001)



Pequis - Química Cidadã 1
Wildson Santos e Gerson Mol ( Coord.)
Ajs
(2013)



Felicidade ilimitada
Renato Alahmar, Waldyr Bevilacqua Júnior, Walter Quintana, J. Lima
Literare Books International
(2020)



O marketing aplicado aos relacionamentos
Douglas de Matteu, Maurício Sita
Literare Books International
(2012)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês