Vaidade, inveja e violência | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Violetas na Janela de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
>>> Tudo Tem um Porquê de Marcelo Cezar pela Vida e Consciência
>>> Tragédias 1 de Shakespeare pela Abril Cultural (1981)
>>> Tragédia Em Três Atos de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Themen Aktuell 1 de Maria Helena Voorsluys Battaglia pela E. P. U./ Hueber
>>> Testemunha da Acusação de Agatha Christie pela Record
>>> Terra Nua de Morris West pela Círculo do Livro
>>> Terceiro Milênio - Decida-se ! de Valéria Cazeloto pela Valéria Cazeloto
COLUNAS

Quinta-feira, 8/5/2014
Vaidade, inveja e violência
Carla Ceres

+ de 4500 Acessos

Aos vinte e seis anos, o conde Liev Tolstói abandona a vida ociosa da alta nobreza russa e parte como militar voluntário, para a guerra da Crimeia. Serve em um regimento de cavalaria, na cidade Sebastopol, sitiada pelas forças francesas. Em 1855, simultaneamente ao combate, escreve e publica, no jornal O Contemporâneo, três narrativas sobre o conflito. Esses relatos, reunidos em livro sob o título Contos de Sebastopol, diferem dos demais textos da época que retratavam a guerra como a oportunidade perfeita para demonstrações de bravura e heroísmo que levariam à rápida ascensão na hierarquia militar. Além de evidenciar os horrores da guerra, Tolstói descreve as oscilações morais dos personagens, seus momentos de pavor, bravura, alegria e desespero. Tomando a verdade como o herói de seus contos, acaba por se confrontar com a corrupção, a inveja e a vaidade.

"Vaidade, vaidade e vaidade por toda parte - mesmo à beira do túmulo e entre pessoas que se preparam para morrer por alguma alta convicção. Vaidade! Ela deve ser o traço característico e a doença particular do nosso século. Por que motivo não se ouvia falar desse horror, como se ouvia falar da varíola e da cólera? Por que motivo no nosso século há apenas três tipos de gente: os que recebem o princípio da vaidade como fato consumado e necessário, portanto, justo, e se submetem voluntariamente a ele; os que o recebem como infelicidade, mas como condição inevitável; e os que inconscientemente agem de forma servil sob sua influência...? Por que motivo os Homeros e Shakespeares falavam de amor, de glória e de sofrimento, e a literatura do nosso tempo não passa de uma interminável novela de 'Esnobismos' e 'Vaidades'?"

Talvez o choque de perceber que a vaidade se evidencia até diante da morte tenha levado o autor a subestimar sua presença em outras épocas, esquecendo-se, por exemplo, do vaidoso rei Lear, de Shakespeare. Quem nos dera que a vaidade fosse um mal particular do século XIX! Infelizmente, o Eclesiastes já alegava que "nada há de novo sob o sol" e que "tudo é vaidade". Até nas artes plásticas o tema se fez presente. Vanitas ("vaidade", em latim), um tipo de natureza-morta muito comum nos séculos XVI e XVII, no norte da Europa, retratava relógios, caveiras, fumaça, alimentos em decomposição, motivos ligados à brevidade da vida e à insignificância das realizações humanas.

Com rádio, cinema, televisão e revistas, o século XX transformou a vaidade em estrelato mundial. Artistas angariavam legiões de fãs ávidos por seguir seus passos e assemelhar-se a eles através da imitação e do consumo de seus produtos. As pequenas vaidades cotidianas, tão velhas quanto a civilização, receberam novo impulso. Não bastava mais ser bonito, forte, bem-sucedido ou amado dentro das possibilidades de uma pessoa comum, em comparação com outras pessoas comuns de sua própria comunidade. O novo objetivo era ser deslumbrante, poderoso, zilionário e idolatrado como um astro internacional. Quem chegasse mais perto do padrão inatingível liderava um séquito de admiradores que o defendiam dos invejosos de fora enquanto tramavam destroná-lo.

Vaidade, admiração e inveja andam juntas, até no meio de uma guerra, como Tolstói percebeu:

"A disciplina, e a condição para que ela exista, ou seja, a subordinação, só é agradável, como todas as relações fixadas por regulamentos, quando está fundada ao mesmo tempo no reconhecimento recíproco da sua necessidade e na cegueira por parte do subordinado, que deve acreditar na superioridade, experiência, méritos militares ou simplesmente no alto valor moral do chefe. Porém, se a disciplina se funda, como ocorre frequentemente entre nós, em eventos aleatórios ou no princípio da riqueza, ela leva sempre, por um lado, à sobranceria, e por outro, a uma secreta inveja e despeito, e em lugar de produzir um efeito útil de coesão das massas como um todo, atinge o resultado inverso."

No começo do século XXI, o discurso religioso que prega a humildade continua perdendo terreno para teologias da prosperidade e esoterismos materialistas. A ostentação tornou-se uma forma de louvor a Deus muito praticada nas redes sociais. "Papai do Céu me preferiu. Vejam o que eu tenho e invejem à vontade!" A inveja deixou de ser um efeito colateral do sucesso. Provocá-la agora é um prazer (sádico) a se almejar abertamente.

A sensação de injustiça persegue boa parte dos que se divertem acompanhando a vida alheia na internet. Como se não bastassem as grandes diferenças reais de fortuna, beleza, saúde, inteligência e oportunidade, criou-se uma festa à fantasia onde muitos exibem, como verdadeiras, as vidas que apenas gostariam de levar. Alguma dúvida de que isso contribua para o aumento da violência?

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 8/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vingança dos certinhos de Marta Barcellos
02. O Precioso Livro da Miriam de Marilia Mota Silva
03. Conselho ou Informação de Daniel Bushatsky
04. Por que as curitibanas não usam saia? de Adriana Baggio
05. A despedida de Ingmar Bergman de Marcelo Miranda


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2014
01. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
02. Um menino à solta na Odisseia - 6/11/2014
03. Duas distopias à brasileira - 7/8/2014
04. Adolescentes e a publicação prematura - 4/9/2014
05. Vaidade, inveja e violência - 8/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cantos Harmoniosos da América
Johan Dalgas Frisch; Christian Dalgas Frisch
Dalgas Ecoltec
(2001)



Estratégias Colaborativas na Distribuição
Vera Moreira e Outros
Abad
(2004)



Tancredo Vivo: Casos e Acaso
Ronaldo Costa Couto
Record
(1995)



Biologia Hoje 3 - Ensino Médio
Sergio Linhares / Fernando Gewandsznajder
Atica
(2013)



Quatro Anos-luz
Leda Miranda Huhne
Uape
(1994)



Você é do Tamanho dos Seus Sonhos
Cesar Souza
Agir
(2009)



Cousteau: uma Biografia
Axel Madsen
Campus
(1989)



A Vitória de Churchill
Michael Dobbs
Record



Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Dupla Falta
Lionel Shriver
Intrinseca
(2011)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês