Domingão, domingueira | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
Mais Recentes
>>> Para onde Peregrinamos?: Velhos Caminhos e Novas Metas de Notker Wolf pela Vozes (2012)
>>> Fundamentos de Ilustração de Lawrence Zeegan Crush pela Bookman (2009)
>>> O Pai Minuto de Spencer Johnson pela Record (1994)
>>> Madalena sem filtro de Rodrigo Alvarez pela Leya (2018)
>>> Le droit et les droits de l'homme de Louis lachance D7 pela Universitaires de france (1959)
>>> Como Encontrar Deus: ...e por que nem é Necessário Procurá-lo de Zacharias Heyes pela Vozes (2019)
>>> Guia do Autor - O Caminho das Pedras Facilitado de Ufsc pela Ufsc (2001)
>>> A Construção de uma Identidade Inacabada: Nipo-brasileiros no Interior do Estado de São Paulo de Marcelo Alario Ennes pela Unesp (2001)
>>> It a Coisa de Stephen King pela : Suma das Letras (2019)
>>> Três décadas de economia gaúcha : a evolução social de Octavio Augusto Camargo Conceição, Marinês Zandavali Grando, Sônia Unikowsky Teruchkin e Luiz augusto Estrella Faria (org.) pela Fee (2010)
>>> O Ladrão de Sonhos e Outras Historias de Ivan Ângelo pela Ática (1994)
>>> Matemáticas Para Científicos Volumen 1: Vectores, Tensores Y Grupos de Thor A. Bak, Jonas Lichtenberg pela Revert (2022)
>>> Como Domar seu Gremlin Interior de Richard D. Carson pela Vértice (1991)
>>> O Vaticano II Contado aos que não o Vivenciaram de Daniel Moulinet pela Paulus (2012)
>>> Será que Ele me Ama? de Gregory Berns pela Citadel (2020)
>>> Revolução Francesa 1 de Max Gallo pela LPM Pocket (2012)
>>> Catecismo da Igreja Católica de Conferência Nacional dos Bispos do Brasil CNBB; Conferência Nacional dos Bispos do Brasil pela Loyola (2000)
>>> O Melhor de Vinicius de Moraes de Vinicius de Moraes pela Folha de São Paulo (1994)
>>> Santo Guerreiro: Roma Invicta (Com autógrafo) de Eduardo Spohr pela Verus (2020)
>>> Meta-história: a Imaginação Histórica do Século XIX de Hayden White pela Edusp (2008)
>>> Memorias Inventadas de Manoel de Barros pela Planeta (2010)
>>> Trustália uma quase distopia de Magno Mello pela Chiado (2016)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Cia das Letras (1993)
>>> One-Punch Man Vol. 09 de One pela Panini (2017)
>>> Valor, força de trabalho e acumulação monopolista de Maria da Conceição Tavares, Francisco Paulo Cipolla e outros pela Vozes
COLUNAS

Sexta-feira, 15/11/2019
Domingão, domingueira
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2100 Acessos

Deus teria descansado no domingo. Trabalhou a semana inteira e se cansou (desta lambança). Parou para dormir, respirar, repensar, não sei. E ficou sendo assim. Tiramos a féria durante cinco ou seis dias e paramos no sétimo, em tese, a fim de recobrar as energias.

"Em tese" por quê? Porque dependendo do domingo, ele mais suga do que resolve o problema do cansaço. Tem pouca coisa mais cansativa do que uma festa de família, por exemplo. Em especial aquelas que começam antes do almoço e só terminam na abertura do Fantástico. Aliás, a musiquinha do Fantástico é um terrível sinal de que o domingo está no fim, feito um alerta, e de que a segunda-feira lá vem, puxando todo o resto da semana de trabalho.

Churrasco em família é especialmente cansativo para o dono ou a dona da casa, para o/a churrasqueiro/a (dessas coisas que os homens pensam fazer melhor), para quem se enche de álcool, para quem limpa antes e depois (o quintal, a sala, a cozinha). Mas há outras possibilidades para o domingo, como a saidinha pro restaurante lotado (todo mundo escapando da cozinha) ou a obrigação de resolver o que não damos conta de resolver no horário comercial.

Era fakenews. Domingo não é dia de descanso para todos e todas. É apenas para alguns. A coitada da avó fica preocupada a semana inteira com o famigerado almoço. Vêm os filhos e as noras, depois os amigos dos adolescentes, assim como as namoradas de primeira vez. Os agregados todos e, se bobear, algum vizinho com bom olfato. Duas ou três tias ajudam a fazer a salada, lavar a louça... então o domingo é de descanso e lazer apenas para uma parcela do povo, embora o papo depois seja o de que foi ótimo reencontrar a turma, ter todos à volta da mesa, saber as fofocas sobre casamentos, gravidezes, separações, sucessos e fracassos.

Sempre fui fã do gato Garfield (o único felino de que sou fã, aliás) e achava graça na relação dele com a segunda-feira. Ódio. Preguiça. Mas sempre tive uma dúvida: qual é pior? Domingo ou segunda? A perspectiva da segunda não é, de fato, das melhores. A depender da semana, tudo parece uma trilha infinita de coisas a cumprir e gente a encontrar (sem escolher o elenco, é claro). Mas o domingo... o domingo é também cheio de obrigações.

Tem como salvar? Tem. Um cinema com amigos/as queridos, que podem ser parentes, sabe lá; um café agradável para contemplar o fim de tarde (em algumas cidades, isso pode ser um espetáculo à parte); um jogo, um papo, uma alegria dessas que a gente escolhe, mesmo se for o almoço...; dormir. Ah, dormir (coração com a mão). Embora muita gente tenha o dormir como falta de tempo, eu cá acho das melhores coisas da vida. Não troco por nada, nem familiares, nem sexo, nem churrasco queimado, nem bebidinhas, nem coisa alguma. E como dormir revigora! Ah, sim, é a única coisa capaz de converter uma zumbi numa mulher capaz, depois de lavar a louça da família inteira.

Domingo é um ótimo dia para o trabalho. Rende que é uma beleza. Um dia bom para aquele trabalho desejado, não o compulsório. Dia de estudar, afora se o vizinho achar que precisa ligar som alto; dia de ler e escrever; dia de ficar sem relógio; dia de esquecer a TV (é um dia terrível para ver TV, show de horrores); dia de relaxar, como dizem que Deus fez. Mas tem de ser de verdade, cada um/a com o que escolheu. Senão não vale.

Nestes tempos bicudos, esquisitos, pode ser um tiro no pé falar em trabalhar no domingo. Não vou defender isso abertamente, como se concordasse com a perda sistemática de direitos trabalhistas que estamos sofrendo; ou como se fosse opcional funcionário trabalhar no domingo, sob ameaça do empresário. Óbvio que não. Domingo é dia de escolha, é o que estou dizendo. Mas, infelizmente, só alguns escolhem o que fazer.

Gasto meus domingos estudando. Dia de menos ruído dos carros, dia em que o tempo parece preguiçoso também. Dia ótimo para produzir o que for criativo, interessante. Dia bom para não ser incomodado/a. Se for para descansar, que se dê alento ao corpo e à mente.

Mas este não é um libelo contra o churrascão do tiozão. É uma carta de amor à escolha. Dia de perguntar à mamãe e à vovó o que é, de verdade, que elas querem fazer. Porque panela e louça é coisa para os outros seis dias, sacumé?

LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/11/2019


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2019
01. Treliças bem trançadas - 26/7/2019
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende - 13/9/2019
03. Manual para revisores novatos - 21/6/2019
04. Crônica em sustenido - 5/7/2019
05. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis - 22/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Da Tirania: Incluindo a Correspondência Strauss-kojéve
Leo Strauss
É Realizações
(2017)



A Aventura Urbana
Lucia Rabello de Castro
7letras
(2004)



Moda Moldes Ano 3 Nº 25
Escala
Escala



Rafa, Bom de Bola
Pedro Bloch
Ediouro
(1983)



Talento Nova Linguagem do Dinheiro para Realização Pessoal
Glória Maria Garcia Pereira
Futura
(2002)



Vender bem é mais fácil
Alberto Couto
Gente
(1995)



Além das Crianças Índigo - A Consciência da Nova Geração
P. M. H. Atwater
prolibera
(2008)



Livro Físico - Aconteceu Naquele Verão
Stephanie Perkins
Intrinseca
(2017)



Sempre aos Domingos
João Ubaldo Ribeiro
Nova Fronteira
(1988)



Livro - Arosados Ventos - Coleção Jovens do Mundo Todo
Odette B. Mott
Brasiliense
(1986)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês