2008, o ano de Chigurh | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Tejon e banda Rock For All apresentam hoje (23), em São Paulo,
>>> 'D. Quixote de La Mancha pelas mãos de Canato'
>>> Projeto nacional de educação musical estará em santos no próximo dia 24.10, em Guarujá 25.09 e Santo
>>> Teatro Fase abre palco para comédia
>>> Artistas da 33ª Bienal participam do open studio na Residência Artística da FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma Vaga para o Integral
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Retrato em branco e preto
>>> Dilma na Copa 2014
>>> Receita para se esquecer um grande amor
>>> Duas escritoras contemporâneas
>>> Henry Moore: o Rodin do século XX
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford
Mais Recentes
>>> The Spectator: O Teatro das Luzes de Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke pela Hucitec (1995)
>>> As Ciências Geológicas no Brasil de Silvia Figueirôa pela Hucitec (1997)
>>> Bons Amigos, Maus Amigos de Jan Yager pela Gente (2007)
>>> Da Luta Pela Terra à Luta Pela Vida de Eliane Brenneisen pela Annablume (2004)
>>> Políticas Sociais e Transição Democrática de Reginaldo Souza Santos pela Mandacaru/ Cetead (2001)
>>> Cidadãos Não Vão ao Paraíso de Alba Zaluar pela Escuta/ Unicamp (1994)
>>> O sofrimento de Deus de Jamê nobre e Christopher walker pela Impacto (2018)
>>> Oração um encontro com Deus de Oswald chambers pela Vida (2009)
>>> Entre Arte e Ciência: Fundamentos Hermenêuticos da Medicina Homeopática de Paulo Rosenbaum pela Hucitec (2006)
>>> Folclore e Cultura Popular Judaicos de Dov Noy pela Associação Universitária de Cultura Judaica
>>> O Meio Ambiente de Jacques Vernier pela Papirus (1994)
>>> Diálogos Interculturais de Pierre Rivas pela Hucitec (2005)
>>> A Santificação do Trabalho de José Luis Illanes pela Quadrante (1982)
>>> Pacto Re-Velado: Psicanálise e Clandestinidade Política de Maria Auxiliadora de Almeida Cunha Arantes pela Escuta (1999)
>>> O Espaço Geográfico: Ensino e Representação de Rosângela D. de Almeida e Elza Y. Passini pela Contexto (1999)
>>> Refrigeração de Ennio Cruz da Costa pela Blucher (2005)
>>> Isaías Melsohn: A Psicanálise e a Vida de Bela M. Sister e Marilsa Taffarel pela Escuta (1996)
>>> A Imagem Rebelde: A Trajetória Libertária de Avelino Fóscolo de Regina Horta Duarte pela Pontes/ Unicamp (1991)
>>> A Noite da Memória de Péricles Eugênio da Silva Ramos pela Art (1988)
>>> A Carga e a Culpa de Fernando Teixeira da Silva pela Hucitec (1995)
>>> Mudança de Harvard Business Review pela Campus (2000)
>>> O Vôo do Cisne: A Revolução dos Diferentes de José Luiz Tejon Megido pela Gente (2004)
>>> Terror e Esperança na Palestina de José Arbex Jr. pela Casa Amarela (2002)
>>> O Doido da Garrafa de Adriana Falcão pela Planeta do Brasil (2003)
>>> El Lazarillo de Tormes de Anónimo Español pela Edelsa (2005)
>>> Mulher Daqui Pra Frente de Marina Colasanti pela Círculo do Livro (1983)
>>> Aspectos Politicos de la Sociedad de Masas de William Kornhauser pela Amorrortu Editores (1969)
>>> Gaúchos: A Fisionomia Social do Rio Grande do Sul de Thales de Azevedo pela Livraria Progresso (1958)
>>> Guerra e anti-guerra de Alvin e heide toffler pela Record
>>> A paz como caminho de Dulce magalhaes pela Qualitymark
>>> Vale tudo--tim maia. de Nelson motta pela Objetiva
>>> Marketing-o que e?--quem faz?--quais as tendencias?. de Carlos frederico de andrade pela Ibpex
>>> Analise de credito e risco de Christian marcelo rodrigues pela Ibpex
>>> Judas--maxi-serie-1-3-4-5-7-9-10-11-12-13-14-16. de Sergio bonelli pela Record
>>> Richard ferber de Bom sono pela Celebris
>>> Ze colmeia--numero 1--raro. de Editora abril pela Abril
>>> Turma da monica-coleçao coca cola de Editora globo pela Globo
>>> Almanaque do popeye--2--raro. de Editora rge pela Rge
>>> Cura pela agua--a nova ciencia de curar. de Louis kuhne pela Hemus
>>> Mandrake--254. de Editora rge pela Rge
>>> Gibi de ouro-os classicos em quadrinhos-mandrake-cavaleiro negro-ferdinando--nick holmes de Editora rge pela Rge
>>> Popeye--13--rge. de Editora rge pela Rge
>>> Maldito-a vida e o cinema de jose mojica marins,o ze do caixao. de Andre barcinski e ivan finotti pela 34
>>> Materiais de construçao de W. j. patton pela E. p. u (1978)
>>> Diferentes formas de amar de Susana balan pela Best seller
>>> O novo paradigma dos negocios de Michael ray e alan rizsler pela Um
>>> Prisma--girando a piramide corporativa. de Werner k. p. kugelmeier pela Publit
>>> A fazenda mal assombrada de Alexandre dias pela Lachatre
>>> Conhecendo e trabalhando com o visual basic 6.0. de Pedro luiz cortes e roberto alessandre scherr. pela Erica
>>> Aguerra se torna mundial de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Sexta-feira, 2/1/2009
2008, o ano de Chigurh
Vicente Escudero

+ de 3100 Acessos


La Muerte

Em Onde os velhos não têm vez (Alfaguara, 2006, 256 págs.), de Cormac McCarthy, os personagens seguem o mesmo destino das rajadas de vento que esfriam o deserto do Texas no fim do dia: sopros de vida, cruzando audaciosamente a terra seca até o esgotamento, para morrerem num vale qualquer, sem vestígios.

O ano é 1980, o local, sudoeste do Texas, fronteira com o México. Um caçador, veterano da Guerra do Vietnã, chamado Llwelyn Moss, depara-se com o resultado de uma transação entre narcotraficantes mexicanos malsucedida: carros e corpos de cães e homens crivados de balas, abandonados no deserto. Distante dali, um corpo jazendo sob uma árvore guarda o destino dos envolvidos na história: uma mala com dois milhões de dólares que desencadeará uma caçada sanguinária envolvendo Llwelyn, a polícia, traficantes e um assassino psicopata.

A narrativa é conduzida por Ed Tom Bell, xerife do Condado de Terrell, desolado com a escalada da violência na região da fronteira entre Estados Unidos e México. Veterano da Segunda Guerra Mundial, que abandonou os parceiros durante uma batalha e ainda assim fora condecorado, é incapaz de enfrentar o recrudescimento dos criminosos, cada vez mais violentos.

A caçada flui sem arrependimentos, sem as vidas se cruzarem, mas colidindo. Num ambiente quase completamente masculino, o mal envolve o homem sem valores morais ou consciência como uma tempestade de areia no deserto, entrando pelas narinas, separando-se do pó nos pulmões e subindo pelo pescoço num ritmo vertiginoso até a destruição. Anton Chigurh, assassino em busca do dinheiro, age como um fantasma, incorporando terror aos espíritos dos homens que cruza, deixando a loucura escrupulosa decidir seus destinos em um insignificante cara ou coroa, matando-os da mesma forma como os frigoríficos matam bois: através um dispositivo que projeta uma barra de ferro retrátil, impulsionada pelo ar comprimido de um cilindro portátil.

McCarthy, crítico dos personagens cerebrais, das análises psicológicas profundas, já desqualificou a obra de Henry James, dizendo que seus livros não são literatura. Tal crítica é despropositada, sendo Onde os velhos não têm vez um contraponto ao estilo do escritor naturalizado inglês. Sem utilizar vírgulas, a caçada pelo dinheiro acompanha o estilo das narrativas bíblicas, descritivas, sem descanso para qualquer exame apurado dos conflitos, carregando a tensão a uma continuidade quase insuportável. Esta aridez da linguagem, apesar de funcionar como estilo, representar o desamparo dos personagens e a escassez das vidas secas no deserto, sobrecarrega a narrativa, mas não a compromete.

Ainda que algumas qualidades de sua escrita, como as ricas descrições das paisagens, estejam ausentes, o exercício literário de Onde os velhos não têm vez, último livro da Trilogia da fronteira de McCarthy, acertou em cheio a crise de valores que cerca a atual miscigenação da cultura americana, representada na transformação silenciosa, e quase psicotrópica, da área de fronteira delimitada pelo Rio Grande. E talvez tenha se equiparado ao silêncio e isolamento de seu autor: assim como seus personagens práticos, sem reflexão e aparentemente sem consciência, McCarthy segue solitário, dando entrevistas duas vezes a cada década.

A caçada vista pelos olhos dos irmãos Coen
A controvérsia acerca da qualidade literária dos livros de McCarthy não se repete nos trabalhos cinematográficos dos irmãos Coen. Desde Fargo, até o atual Queime depois de ler, a crítica vê seus trabalhos com bons olhos. Em Onde os fracos não têm vez, tradução equivocada ou corruptela do título original, retirado por McCarthy do poema "Velejando para Bizâncio", de Yeats, os irmãos não fizeram concessões para o público que torce pelos mocinhos no cinema.

Os acontecimentos são acompanhados pelas câmeras até o fim. Se a vítima, atingida por chumbinhos disparados de uma espingarda, agoniza, a cena acompanha a vida até seu final. As planícies, morros e despenhadeiros são apresentados até onde a vista alcança, pintando a desolação impenetrável do deserto. O paraíso acabado, como metáfora, surge no traficante e sua mala cheia de dinheiro, abandonado morto ao pé de uma árvore, simbolizando a tentação da mordida no fruto proibido. Uma simples garrafa de leite ou o reflexo em um televisor preenchem a consciência vazia dos personagens: é a garrafa que sua enquanto o xerife, tenso, está inerte; é o reflexo dele na televisão, distorcido, que revela a ele o caráter de Chigurh. A coisificação do ser humano, presente no livro de McCarthy, é reproduzida com perfeição, construindo a premonição do pior inimigo possível e a incapacidade dos personagens diante do destino.

Também não há música. A caminhada de Llwelyn pelo deserto, que em outros tempos seria acompanhada por uma flauta e um banjo, tem como companhia o barulho rascante das botas apertando a terra. Mortos, sem marcha fúnebre, são velados pelo zunido das moscas. Um pitbull persegue Llwelyn em uma corredeira, mas a sensação de afogamento é produzida pela barulho incessante da correnteza. A exceção é uma balada, tocada durante a agonia de Llwelyn, quando adormece em uma praça, baleado, e é acordado por mariachis entoando uma canção sobre arrependimento. Este é universo cômico dos irmãos Coen.

Pois é esse humor negro, que permeia o filme até o fim, a característica marcante da dupla e a conjunção entre o livro e o filme. Se McCarthy tirou o título de um poema de Yeats sobre o vigor do amor e dos jovens, justamente da estrofe que descreve uma paisagem romântica onde a juventude viceja, para dar nome a um livro em que um assassino, Chigurh, incorpora a morte inevitável num deserto abandonado, os irmãos Coen completaram a obra e deram à peste o rosto de totem de Javier Bardem, coberto por um penteado de coroinha.

Hoje, estima-se que o México tenha trinta por cento de suas terras cultiváveis ocupadas por plantas psicotrópicas. Em 1980, época em que o tráfico cresceu de forma descontrolada na fronteira com os EUA, não havia a narcocultura, movimento que enraizou as drogas na juventude sem perspectivas do México, uma década depois. Daí surgiu o culto a La Muerte, figura santa em forma de caveira, coberta por um manto vermelho, protetora dos chicanos que esquartejam e violentam os rivais na disputa pelo tráfico. Chigurh, na profecia de McCarthy e dos irmãos Coen, é a prece atendida daqueles ajoelhados nesse altar.

Para ir além






Vicente Escudero
São Paulo, 2/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
04. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti
05. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil de Adriane Pasa


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
03. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTADOS UNIDOS - COLEÇÃO VIAGEM PELA GEOGRAFIA
FERNANDO PORTELA / JOÃO RUA
ÁTICA
(2011)
R$ 13,90



ZÉ PREQUETÉ - COLEÇÃO TABA - COM VINIL / MILTON NASCIMENTO
MIRNA PINSKY
ABRIL CULTURAL
(1982)
R$ 50,00



O PENSAMENTO POLÍTICO CLÁSSICO: MAQUIÁVEL, HOBBES, LOCKE, MONTESQUIEU, ROSSEAU.
CÉLIA GALVÃO QUIRINO E MARIA TERESA SADEK R. DE SOUZA.
T.A. QUEIROZ
(1980)
R$ 35,00



A ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL E A POLÍTICA URBANA
JORGE BERNARDI
IBPEX
(2009)
R$ 5,00



A ÚLTIMA MORTE
RICARDO LAURINO
INVERSO
(2018)
R$ 48,00



ELOGIO DA MADRASTA
MARIO VARGAS LLOSA
ALFAGUARA
(2009)
R$ 29,90



DE FRUTO ONDE DEUS SEMEAR VOCÊ
CAIO FÁBIO
SEPAL
(1995)
R$ 19,00



O LIVRO DOS MILAGRES
ZSOLT ARADI
IBRASA
(1967)
R$ 13,68



CONFIANÇA: A ARTE DE SE ENTREGAR A VIDA E CONFIAR EM SI MESMO - 1ª EDIÇÃO
OSHO
CULTRIX
(2016)
R$ 28,95



ATRÁS DA VITÓRIA - ERLON JOSÉ PACHOAL E MARGARETE GALVÃO (TEATRO BRASILEIRO)
ERLON JOSÉ PACHOAL E MARGARETE GALVÃO
STUDIO ARTE
(1992)
R$ 8,00





busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês