2008, o ano de Chigurh | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
>>> Obra clássica sobre a economia política de Marx é lançada no Brasil
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
>>> Unil oferece curso sobre preparação e revisão de texto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Tom Zé por Giron
>>> Solte o Timóteo
>>> As cores de Pamuk
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Ex-míope ou ficção científica?
>>> Cidades do Algarve
Mais Recentes
>>> Aventura da Escrita Historia do Desenho Que Virou Letra de Moderna Interesse Geral pela Moderna Interesse Geral (2002)
>>> Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos de Maria Teresa Esteban ( Org. ) pela Dp&a (1999)
>>> I Love NY de Teca Machado pela Novo Século (2013)
>>> Moby Dick - Coleção O Prazer da Leitura de Herman Melville pela Abril (2012)
>>> Os Miseráveis - Volume Único de Victor Hugo pela Hemus (1979)
>>> Direitos humanos fundamentais PLT 745 - Dom Casmurro - Machado de Assis de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva
>>> Moby Dick - Coleção O Prazer da Leitura de Herman Melville pela Abril (2012)
>>> La Konversacia Klubo - Perfektiga Kurso de Esperanto de J Salles pela do Autor (2004)
>>> As Aventuras de Uma Criança DOWNADINHA de Alessandra Almeida Maltarollo pela Zit (2016)
>>> Dom Casmurro - Machado de Assis de Machado de Assis pela Paulus
>>> O Mosaico de Parsifal de Robert Ludlum pela Nova Fronteira (1982)
>>> Moby Dick - Coleção O Prazer da Leitura de Herman Melville pela Abril (2012)
>>> Cristianismo - Série Conhecendo as Religiões de Todolivro pela Todolivros / Brasilleitura (2012)
>>> Aventura da Escrita Historia do Desenho Que Virou Letra de Moderna Interesse Geral pela Moderna Interesse Geral (2002)
>>> Budismo - Série Conhecendo as Religiões de Todolivro pela Todolivros / Brasilleitura (2012)
>>> A Linguagem e o Pensamento da Criança - Coleção a Professôra Moderna de Jean Piaget pela Fundo de Cultura (1958)
>>> A Faina, a Festa e o Rito: Uma Etnografia Histórica Sobre as Gentes do Mar ( Séculos. XVII e XIX) de Luiz Geraldo Silva pela Papirus (2001)
>>> Dom Casmurro - Machado de Assis de Machado de Assis pela Objetivo
>>> Paraguaçu a flor selvagem - Luiz Carlos Carneiro de Luiz Carlos Carneiro pela Lake
>>> Segredos Secretos de Fanny Abramovich pela Atual Didáticos (2009)
>>> Esperanto Conversacional - Curso Básico de J Salles pela do Autor (2007)
>>> América Américas - Revista Brasileira de Historia Nº 21 de Anpuh - Cnpq pela Marco Zero (1990)
>>> Orelha, Nariz, Barriga e Bumbum Quer Mudar Algum? de Célia Cris Silva pela Aymará (2009)
>>> Arquivos Permanentes - Tratamento Documental de Heloísa Liberalli Bellotto pela Fgv (2005)
>>> Pegadas Amigas de Therezinha Leony Wolff pela Kaygangue (2006)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Sexta-feira, 2/1/2009
2008, o ano de Chigurh
Vicente Escudero

+ de 3800 Acessos


La Muerte

Em Onde os velhos não têm vez (Alfaguara, 2006, 256 págs.), de Cormac McCarthy, os personagens seguem o mesmo destino das rajadas de vento que esfriam o deserto do Texas no fim do dia: sopros de vida, cruzando audaciosamente a terra seca até o esgotamento, para morrerem num vale qualquer, sem vestígios.

O ano é 1980, o local, sudoeste do Texas, fronteira com o México. Um caçador, veterano da Guerra do Vietnã, chamado Llwelyn Moss, depara-se com o resultado de uma transação entre narcotraficantes mexicanos malsucedida: carros e corpos de cães e homens crivados de balas, abandonados no deserto. Distante dali, um corpo jazendo sob uma árvore guarda o destino dos envolvidos na história: uma mala com dois milhões de dólares que desencadeará uma caçada sanguinária envolvendo Llwelyn, a polícia, traficantes e um assassino psicopata.

A narrativa é conduzida por Ed Tom Bell, xerife do Condado de Terrell, desolado com a escalada da violência na região da fronteira entre Estados Unidos e México. Veterano da Segunda Guerra Mundial, que abandonou os parceiros durante uma batalha e ainda assim fora condecorado, é incapaz de enfrentar o recrudescimento dos criminosos, cada vez mais violentos.

A caçada flui sem arrependimentos, sem as vidas se cruzarem, mas colidindo. Num ambiente quase completamente masculino, o mal envolve o homem sem valores morais ou consciência como uma tempestade de areia no deserto, entrando pelas narinas, separando-se do pó nos pulmões e subindo pelo pescoço num ritmo vertiginoso até a destruição. Anton Chigurh, assassino em busca do dinheiro, age como um fantasma, incorporando terror aos espíritos dos homens que cruza, deixando a loucura escrupulosa decidir seus destinos em um insignificante cara ou coroa, matando-os da mesma forma como os frigoríficos matam bois: através um dispositivo que projeta uma barra de ferro retrátil, impulsionada pelo ar comprimido de um cilindro portátil.

McCarthy, crítico dos personagens cerebrais, das análises psicológicas profundas, já desqualificou a obra de Henry James, dizendo que seus livros não são literatura. Tal crítica é despropositada, sendo Onde os velhos não têm vez um contraponto ao estilo do escritor naturalizado inglês. Sem utilizar vírgulas, a caçada pelo dinheiro acompanha o estilo das narrativas bíblicas, descritivas, sem descanso para qualquer exame apurado dos conflitos, carregando a tensão a uma continuidade quase insuportável. Esta aridez da linguagem, apesar de funcionar como estilo, representar o desamparo dos personagens e a escassez das vidas secas no deserto, sobrecarrega a narrativa, mas não a compromete.

Ainda que algumas qualidades de sua escrita, como as ricas descrições das paisagens, estejam ausentes, o exercício literário de Onde os velhos não têm vez, último livro da Trilogia da fronteira de McCarthy, acertou em cheio a crise de valores que cerca a atual miscigenação da cultura americana, representada na transformação silenciosa, e quase psicotrópica, da área de fronteira delimitada pelo Rio Grande. E talvez tenha se equiparado ao silêncio e isolamento de seu autor: assim como seus personagens práticos, sem reflexão e aparentemente sem consciência, McCarthy segue solitário, dando entrevistas duas vezes a cada década.

A caçada vista pelos olhos dos irmãos Coen
A controvérsia acerca da qualidade literária dos livros de McCarthy não se repete nos trabalhos cinematográficos dos irmãos Coen. Desde Fargo, até o atual Queime depois de ler, a crítica vê seus trabalhos com bons olhos. Em Onde os fracos não têm vez, tradução equivocada ou corruptela do título original, retirado por McCarthy do poema "Velejando para Bizâncio", de Yeats, os irmãos não fizeram concessões para o público que torce pelos mocinhos no cinema.

Os acontecimentos são acompanhados pelas câmeras até o fim. Se a vítima, atingida por chumbinhos disparados de uma espingarda, agoniza, a cena acompanha a vida até seu final. As planícies, morros e despenhadeiros são apresentados até onde a vista alcança, pintando a desolação impenetrável do deserto. O paraíso acabado, como metáfora, surge no traficante e sua mala cheia de dinheiro, abandonado morto ao pé de uma árvore, simbolizando a tentação da mordida no fruto proibido. Uma simples garrafa de leite ou o reflexo em um televisor preenchem a consciência vazia dos personagens: é a garrafa que sua enquanto o xerife, tenso, está inerte; é o reflexo dele na televisão, distorcido, que revela a ele o caráter de Chigurh. A coisificação do ser humano, presente no livro de McCarthy, é reproduzida com perfeição, construindo a premonição do pior inimigo possível e a incapacidade dos personagens diante do destino.

Também não há música. A caminhada de Llwelyn pelo deserto, que em outros tempos seria acompanhada por uma flauta e um banjo, tem como companhia o barulho rascante das botas apertando a terra. Mortos, sem marcha fúnebre, são velados pelo zunido das moscas. Um pitbull persegue Llwelyn em uma corredeira, mas a sensação de afogamento é produzida pela barulho incessante da correnteza. A exceção é uma balada, tocada durante a agonia de Llwelyn, quando adormece em uma praça, baleado, e é acordado por mariachis entoando uma canção sobre arrependimento. Este é universo cômico dos irmãos Coen.

Pois é esse humor negro, que permeia o filme até o fim, a característica marcante da dupla e a conjunção entre o livro e o filme. Se McCarthy tirou o título de um poema de Yeats sobre o vigor do amor e dos jovens, justamente da estrofe que descreve uma paisagem romântica onde a juventude viceja, para dar nome a um livro em que um assassino, Chigurh, incorpora a morte inevitável num deserto abandonado, os irmãos Coen completaram a obra e deram à peste o rosto de totem de Javier Bardem, coberto por um penteado de coroinha.

Hoje, estima-se que o México tenha trinta por cento de suas terras cultiváveis ocupadas por plantas psicotrópicas. Em 1980, época em que o tráfico cresceu de forma descontrolada na fronteira com os EUA, não havia a narcocultura, movimento que enraizou as drogas na juventude sem perspectivas do México, uma década depois. Daí surgiu o culto a La Muerte, figura santa em forma de caveira, coberta por um manto vermelho, protetora dos chicanos que esquartejam e violentam os rivais na disputa pelo tráfico. Chigurh, na profecia de McCarthy e dos irmãos Coen, é a prece atendida daqueles ajoelhados nesse altar.

Para ir além






Vicente Escudero
Campinas, 2/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
03. A poeira do outros e o sabor da realidade de Fred Linardi
04. American Dream de Marilia Mota Silva
05. Do amanhecer ao adormecer: leitura, ato de amor de Marcela Ortolan


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
03. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Judiciário e a Comunidade
Luci Gati Pietrocolla e Outros
Ibccrim
(2000)
R$ 5,98



Filha de Seus Filhos a História e as Histórias da Emancipação
Sérgio Elias Costa
Do Autor
(2007)
R$ 8,00



Dotnet teens
Microcamp
Microcamp Internacional
(2010)
R$ 8,00



Os Homens Que Constroem o Futuro
Bruce Bliven
Globo
(1944)
R$ 5,00



A Sombra do Vento
Carlos Ruiz Zafon
Suma de Letras
(2007)
R$ 20,00



O Mistério de Xangri- Lá
Teresa Noronha
Brasiliense
(1980)
R$ 5,00



O Livro de Jack - uma Biografia Oral de Jack Kerouac
Barry Gifford
Biblioteca Azul
(2013)
R$ 30,00



Memórias Vivas
Ir. Paula Guimarães Nunes - Organizadora
Não Consta
(1998)
R$ 10,00



Esquin de Floyrac o Fim do Templo Trilogia do Templo Vol 3
Z Rodrix
Record
(2007)
R$ 75,00



Ciclo da Lua
César Magalhães Borges
Plêiade
(2011)
R$ 5,00





busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês