Ensaio de interpretação do Orkut | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/8/2004
Ensaio de interpretação do Orkut
Julio Daio Borges
+ de 15300 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Para meus irmãos Diego e Carolina

E lá estão meus friends no Orkut... Um ex-instrutor de um curso que fiz muito tempo atrás. Um ex-colega de escola que costumava me pegar para cristo na hora da saída. Uma paixão frustrada da década passada (que promoveu reconciliação virtual). Um ex-presidente de centro acadêmico que aceitava meus artigos na época da faculdade. Uns tantos haven't met. Uns tantos nerds. Uma ex-professora. Uma paqueradora inveterada. Uma ex-colega de cursinho que sofreu uma transformação total. Alguém bravo comigo. Uma amiga de infância. Um brother. Um quase-brother. O Albert. Uns tantos leitores. Umas quantas admirações. Familiares.

Todos olham para mim agora - e gosto de pensar que me definem de algum modo. Tudo bem, é apenas um programa de computador... mas essas pessoas habitam cantos da minha memória. São afeições que se perderam. São encontros de 5 minutos numa vida de 24 horas. São parte do barro que ajudou a me moldar. Muitas não são nada mais. Têm sim uma importância histórica; mas têm tanta relevância no meu dia-a-dia quanto meus antepassados mortos. Algumas catracas da existência atravessamos juntos. Uns me puxaram para trás. Mas não posso apagá-los do meu software agora; como não posso eliminá-los da minha lista no Orkut...

Outro dia, fui almoçar com um amigo dos primeiros anos da faculdade que não vira nunca mais. Ele havia abandonado o curso e nós havíamos perdido contato. Navegando não sei em que lista, não sei de que pessoa, ele me apareceu sorridente de novo, proclamando que "viver!" (assim, com exclamação) era seu hobby principal. Fomos nos reencontrar, no real world, e por uma mágica mental (Steven Pinker: "nossa natureza humana nunca muda"), foi como se a conversa houvesse parado no mesmo ponto... de 10 anos atrás. Os mesmos gestos, os mesmos olhares, os mesmos gostos. Éramos amigos de novo.

E, outro dia, um vizinho de carteira do último ano do colegial queria extrair de mim confissões sexuais. Não nos falávamos há uns bons 5 ou mais anos, quando ele se mudou para a Austrália. "Você está feliz?", me perguntava com insistência a cada mensagem. Enquanto destilava seu ódio a São Paulo, exaltava sua cidade atual. A cada dia vinha um novo e-mail, como uma carta que eu aguardava de alguém que não via há muito...

Outros quiseram me encontrar, mas no íntimo achei que aquela relação não merecia uma retomada. Talvez velhas relações não sejam retomadas nunca. Nunca como antes. Outra vez: é uma ilusão de 5 minutos. Uma ilusão de ainda se conhecer aquela pessoa e de poder dividir com ela algumas mínimas intimidades. É como revisitar um lugar conhecido e, em meio a lembranças, imagens e barulhos, indagar-se novamente sobre o presente, sobre o futuro. Voltar para trás e apenas se certificar de que, em algum momento, sabíamos tudo. (Hoje não sabemos mais...) Então procuramos essas pessoas como se procurássemos a nós mesmos - nelas... (Claro que, dentro de algumas, habita um "eu" triste, de um tempo infeliz, que não queremos mais lembrar. Assim esquecemos essas pessoas - e fugimos delas no Orkut...)

Daqui para frente, é provável que cada vez haja menos tempo para uma convivência diária. Teremos de nos contentar com uma frase mal escrita num e-mail instantâneo. Com um telefonema mensal de meia-hora, no qual se evoca no máximo aquele dia, aquela semana, enquanto se manipula objetos ao redor - ou se trabalha; ou se dirige o carro, no meio do trânsito. As reações são pontuais e vêm em bloco - concentradas num "feliz aniversário!", num "parabéns!", num "quanto tempo!". E perdemos as nuances dos sentimentos nutridos por nós, de parte daqueles que simplesmente encontrávamos mais. Talvez o problema seja geográfico: acabaram-se os pontos de encontro. E eu não vou atravessar a cidade para ver um amigo por 10 minutos. Ou vou? Atravessar o Brasil? Atravessar o mundo?

Ainda outro dia perdi uma chave e, tateando o chão em busca dela, topei com outro ex-colega. Esse fora do Orkut. "E aí?"; "E aí, quanto tempo?" - foi o que conseguimos pronunciar, antes de retomar minha busca (pela chave) e ele recolher seus pertences pois estava louco-para-chegar-em-casa. Uma semana antes, encontrei outro. Ele me reconheceu à distância, apontou, movimentou os músculos da face, demonstrando surpresa, e continuou em minha direção. Começou a contar do trabalho, e já ia me fornecer explicações pormenorizadas, quando minha namorada chegou e - desta vez - eu tive de ir embora. Por força de um "ponto de encontro", retomei a convivência com os dois. Mas as relações se mantêm tão superficiais quanto nesses (re)encontros. Compartilhamos o mesmo espaço por algumas horas, mas estamos tão ocupados com nossos afazeres que mal nos olhamos na cara. E não é culpa do Orkut.

Antes que alguém entre em clima de moralismo e de apocalipse, dizendo que é por isso que o mundo vai acabar, reitero que gosto da sensação de ter algumas pessoas que me foram importantes à distância de um aperto de mão ou de um clique de mouse. E essa é a grande graça do Orkut. Poder vasculhar as próprias memórias sentimentais, através daquelas fotos e - por curiosidade, voyeurismo ou algum prazer mórbido - procurar saber como determinada pessoa está, se casou, se não casou, se mudou de lugar, se gosta das mesmas coisas, se é amiga dos mesmos de antes, se pode ser contatada... E - se for contatada (nem que seja para se dizer um "olá!") - que entenda a minha necessidade básica de cutucá-la para simplesmente proclamar "olha, eu ainda existo". Pois talvez toda comunicação se resuma ao desejo de manifestar que ainda estamos vivos - ou tentando sobreviver ao tempo que passa...

O Orkut obviamente não será uma solução para nossa existência fragmentada, onde se tem de fazer um juízo de valor de uma pessoa, por exemplo, em 15 minutos. (E apostar suas fichas nela; e se arrepender, ou então apostar de novo.) Estamos apenas meio perdidos entre aquelas pessoas que avistávamos diariamente (de antes, e que agora ressurgem) e essas outras que aprendemos a apreciar na brevidade do e-mail, na dispersão da era da internet, no tempo da hipercomunicação superficial (celulares, palmtops, webcams...). O Orkut de algum jeito amarra esses dois mundos: o lento, da infância e da juventude; e o supersônico, do trabalho e da idade adulta. Um amigo, esse de verdade (antes e depois do Orkut), me disse que vai ser mais fácil para os que estão nascendo agora, e que vão crescer entre essas tecnologias todas. Será? Por enquanto, fico pensando em como administrar algumas dezenas de amigos súbitos - sendo que perdi a convivência com vários e que a técnica mais avançada, sozinha, já não me basta...


Julio Daio Borges
São Paulo, 20/8/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
02. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
03. Émile Zola, por Getúlio Vargas de Celso A. Uequed Pitol
04. Bruce, Bane e Batman de Vicente Escudero
05. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004
04. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2004
00h35min
Julio, cada vez que leio suas palavras, parece que escuto a sua voz. Voz que sonoriza o que a minutos atrás eu estava a pensar. Mais uma vez encontrei em seus textos, meus pensamentos... E como diria o velho chavão: faço minhas as suas palavras. Beijo, amigo! E mais uma vez parabéns por este seu DOM divino de escrever de forma tão saborosa. Devoro cada uma de suas frases e digestivos!!! Abraços, Tati
[Leia outros Comentários de Tatiana Spogis]
20/8/2004
03h10min
Muito bom texto sobre o Orkut. Apenas um ponto a acrescentar, embora saiba que não ter sido o assunto da coluna. Freqüento alguns fóruns – ou comunidades, como queiram – na internet. São específicos: um sobre música clássica, outro de literatura, um outro sobre ceticismo e mais um, esse porque ninguém é de ferro, sobre jogos de tabuleiro. Em todos os casos, os similares do Orkut são incomparavelmente piores, fracos em conteúdo, abundantes em frases feitas. Não parei para pensar muito nisso, suas implicações etc. Mas que esse Orkut começa a cansar, começa (e nem me refiro aos incontáveis problemas técnicos...)
[Leia outros Comentários de Heberth Xavier]
21/8/2004
13h58min
(Re)encontrar amores, ver amigos e inimigos, aceitar ou deixar na espera. Não importa. O que fica é a distância cada vez maior entre as pessoas. Quero mediações menos virtuais e mais físicas. Quero abraços, apertos de mãos, beijos, olhares e até broncas. Quero gente. Mas por enquanto, viva o Orkut!
[Leia outros Comentários de Cristiana Brandao]
21/8/2004
14h58min
Sim, uma delícia de texto, esse que fala de relaçóes próximas, ou distantes, ou reias ou virtuais... ainda nem sinto vontade de conhecer o orkut, mas saber da turma do digestivo, sim, sempre
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
22/8/2004
19h22min
Fantástico. E vc fala em seu texto o que uma pesquisa comprovou: as pessoas adoram bisbilhotar a vida de seus ex-conhecidos (principalmente ex-cônjuges) para saber com quem estão, como estão ou se, mesmo, estão. Em tempo, ouvi sua entrevista na rádio Cultura (pela Net, pois sou de BH, MG) e gostei muito. Me inspiro em vc para aquilo que busco na minha vida. Continue assim e sucesso.
[Leia outros Comentários de Daniel Gomes]
23/8/2004
01h57min
Julio, gostei muito da tua análise crítica e muito humanizada sobre o Orkut. Tenho receio de que as pessoas no futuro não possam mais curtir as poucas e verdadeiras amizades. Amanhã mesmo vou procurar um velho amigo, deixado de lado pelas minhas digitações inconseqüentes. Muito obrigado pela inspiração.
[Leia outros Comentários de Jorge Geisel]
13/9/2004
20h14min
Julio: legal teu texto a respeito do Orkut. Logo que li, fui lá colocar teu nome, mas não havia referência. Ficaria muito feliz em tê-lo na minha pequena lista de amigos do Orkut. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Daubi Piccoli]
15/10/2004
13h24min
Me impressiona a sua forma de escrever: as palavras parecem ter vida! Faço minhas as palavras da Tati: "Parabéns por este seu DOM divino de escrever de forma tão saborosa". Bjsmil
[Leia outros Comentários de Luciana Bonier]
10/11/2004
01h27min
Julio! Quanto tempo :-)! Essa sua prima picareta esta sempre morrendo de saudades e pensando e voces mas, acredite ou nao, a correria da vida moderna tambem habita Cingapura... Prometo escrever antes do Natal contando as novidades todas mas foi irrestivel passar por aqui e agradecer a qualidade dos seus textos!! Estou dando aulas de portugues por aqui e obviamente todas as minhas aulas tem um texto seu... definitivamente eh delicioso desfrutar do carinho que voce tem com a nossa lingua! Um grande beijo, Lu
[Leia outros Comentários de Luciana Landi]
17/3/2006
18h25min
Achei muito booom mesmo o texto. Fico feliz em saber que nem todos q aderiram a esse tal de ORKUT se esqueceram de q existem PESSOAS q amam, sofrem, gostam de estar juntas e sentem saudades. Eu, por sempre preferir olhar nos olhos das pessoas com quem falo, não sabia da existencia do Orkut, mas esse negócio de rever os outros, sem q estes saibam, deve ser bom!
[Leia outros Comentários de kamyla]
30/1/2007
21h44min
Realmente, é isto que acontece. Amizades instantâneas, menos preocupação com a escrita, porém mais leitura (pelo menos isso!). O fato que me entristece é que cada vez mais as pessoas perdem o hábito da comunicação face-a-face, pois é a partir desta troca de informações que se fortalecem amizades e se estreitam os laços da distância. Conversar face-a-face é uma terapia. É bom conversar pelo orkut, sim, mas não tem aquele lance de olhar nos olhos da pessoa, observar gestos, e muitas outras coisas... O orkut é bom no sentido de relembrar histórias. Esta é minha opinião e comentário.
[Leia outros Comentários de Edilma]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Minas
Carlos de Laet
Globo
(1993)



Povos do Passado - Aventuras do Conhecimento
Nicola Baxter
Stampley
(1997)



Poderosa - Volume 2
Sergio Klein
Fundamento
(2006)



Tomie: Cerejeiras na Noite
Ana Miranda
Companhia das Letrinhas
(2011)



A última Musica
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)



Glossolalia - Voz e Poesia
Vários Autores
Vide)
(1993)



Anais do I Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos Volume Iii
Associação Brasileira de Mecânica dos Solos
Associação Brasileira de Mecân
(1954)



O Voo da Gaivota
Vera Lucia Marinzeck de Carvalho
Petit
(1996)



Give Me Five! 2: Activaty Book
Joanne Ramsden e Donna Sha
Macmillan Education
(2018)



Crianças Índigo: uma Geração de Ponte Com Outras Dimensões... No
Tereza Guerra
Madras
(2007)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês