Ensaio de interpretação do Orkut | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/8/2004
Ensaio de interpretação do Orkut
Julio Daio Borges

+ de 14100 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Para meus irmãos Diego e Carolina

E lá estão meus friends no Orkut... Um ex-instrutor de um curso que fiz muito tempo atrás. Um ex-colega de escola que costumava me pegar para cristo na hora da saída. Uma paixão frustrada da década passada (que promoveu reconciliação virtual). Um ex-presidente de centro acadêmico que aceitava meus artigos na época da faculdade. Uns tantos haven't met. Uns tantos nerds. Uma ex-professora. Uma paqueradora inveterada. Uma ex-colega de cursinho que sofreu uma transformação total. Alguém bravo comigo. Uma amiga de infância. Um brother. Um quase-brother. O Albert. Uns tantos leitores. Umas quantas admirações. Familiares.

Todos olham para mim agora - e gosto de pensar que me definem de algum modo. Tudo bem, é apenas um programa de computador... mas essas pessoas habitam cantos da minha memória. São afeições que se perderam. São encontros de 5 minutos numa vida de 24 horas. São parte do barro que ajudou a me moldar. Muitas não são nada mais. Têm sim uma importância histórica; mas têm tanta relevância no meu dia-a-dia quanto meus antepassados mortos. Algumas catracas da existência atravessamos juntos. Uns me puxaram para trás. Mas não posso apagá-los do meu software agora; como não posso eliminá-los da minha lista no Orkut...

Outro dia, fui almoçar com um amigo dos primeiros anos da faculdade que não vira nunca mais. Ele havia abandonado o curso e nós havíamos perdido contato. Navegando não sei em que lista, não sei de que pessoa, ele me apareceu sorridente de novo, proclamando que "viver!" (assim, com exclamação) era seu hobby principal. Fomos nos reencontrar, no real world, e por uma mágica mental (Steven Pinker: "nossa natureza humana nunca muda"), foi como se a conversa houvesse parado no mesmo ponto... de 10 anos atrás. Os mesmos gestos, os mesmos olhares, os mesmos gostos. Éramos amigos de novo.

E, outro dia, um vizinho de carteira do último ano do colegial queria extrair de mim confissões sexuais. Não nos falávamos há uns bons 5 ou mais anos, quando ele se mudou para a Austrália. "Você está feliz?", me perguntava com insistência a cada mensagem. Enquanto destilava seu ódio a São Paulo, exaltava sua cidade atual. A cada dia vinha um novo e-mail, como uma carta que eu aguardava de alguém que não via há muito...

Outros quiseram me encontrar, mas no íntimo achei que aquela relação não merecia uma retomada. Talvez velhas relações não sejam retomadas nunca. Nunca como antes. Outra vez: é uma ilusão de 5 minutos. Uma ilusão de ainda se conhecer aquela pessoa e de poder dividir com ela algumas mínimas intimidades. É como revisitar um lugar conhecido e, em meio a lembranças, imagens e barulhos, indagar-se novamente sobre o presente, sobre o futuro. Voltar para trás e apenas se certificar de que, em algum momento, sabíamos tudo. (Hoje não sabemos mais...) Então procuramos essas pessoas como se procurássemos a nós mesmos - nelas... (Claro que, dentro de algumas, habita um "eu" triste, de um tempo infeliz, que não queremos mais lembrar. Assim esquecemos essas pessoas - e fugimos delas no Orkut...)

Daqui para frente, é provável que cada vez haja menos tempo para uma convivência diária. Teremos de nos contentar com uma frase mal escrita num e-mail instantâneo. Com um telefonema mensal de meia-hora, no qual se evoca no máximo aquele dia, aquela semana, enquanto se manipula objetos ao redor - ou se trabalha; ou se dirige o carro, no meio do trânsito. As reações são pontuais e vêm em bloco - concentradas num "feliz aniversário!", num "parabéns!", num "quanto tempo!". E perdemos as nuances dos sentimentos nutridos por nós, de parte daqueles que simplesmente encontrávamos mais. Talvez o problema seja geográfico: acabaram-se os pontos de encontro. E eu não vou atravessar a cidade para ver um amigo por 10 minutos. Ou vou? Atravessar o Brasil? Atravessar o mundo?

Ainda outro dia perdi uma chave e, tateando o chão em busca dela, topei com outro ex-colega. Esse fora do Orkut. "E aí?"; "E aí, quanto tempo?" - foi o que conseguimos pronunciar, antes de retomar minha busca (pela chave) e ele recolher seus pertences pois estava louco-para-chegar-em-casa. Uma semana antes, encontrei outro. Ele me reconheceu à distância, apontou, movimentou os músculos da face, demonstrando surpresa, e continuou em minha direção. Começou a contar do trabalho, e já ia me fornecer explicações pormenorizadas, quando minha namorada chegou e - desta vez - eu tive de ir embora. Por força de um "ponto de encontro", retomei a convivência com os dois. Mas as relações se mantêm tão superficiais quanto nesses (re)encontros. Compartilhamos o mesmo espaço por algumas horas, mas estamos tão ocupados com nossos afazeres que mal nos olhamos na cara. E não é culpa do Orkut.

Antes que alguém entre em clima de moralismo e de apocalipse, dizendo que é por isso que o mundo vai acabar, reitero que gosto da sensação de ter algumas pessoas que me foram importantes à distância de um aperto de mão ou de um clique de mouse. E essa é a grande graça do Orkut. Poder vasculhar as próprias memórias sentimentais, através daquelas fotos e - por curiosidade, voyeurismo ou algum prazer mórbido - procurar saber como determinada pessoa está, se casou, se não casou, se mudou de lugar, se gosta das mesmas coisas, se é amiga dos mesmos de antes, se pode ser contatada... E - se for contatada (nem que seja para se dizer um "olá!") - que entenda a minha necessidade básica de cutucá-la para simplesmente proclamar "olha, eu ainda existo". Pois talvez toda comunicação se resuma ao desejo de manifestar que ainda estamos vivos - ou tentando sobreviver ao tempo que passa...

O Orkut obviamente não será uma solução para nossa existência fragmentada, onde se tem de fazer um juízo de valor de uma pessoa, por exemplo, em 15 minutos. (E apostar suas fichas nela; e se arrepender, ou então apostar de novo.) Estamos apenas meio perdidos entre aquelas pessoas que avistávamos diariamente (de antes, e que agora ressurgem) e essas outras que aprendemos a apreciar na brevidade do e-mail, na dispersão da era da internet, no tempo da hipercomunicação superficial (celulares, palmtops, webcams...). O Orkut de algum jeito amarra esses dois mundos: o lento, da infância e da juventude; e o supersônico, do trabalho e da idade adulta. Um amigo, esse de verdade (antes e depois do Orkut), me disse que vai ser mais fácil para os que estão nascendo agora, e que vão crescer entre essas tecnologias todas. Será? Por enquanto, fico pensando em como administrar algumas dezenas de amigos súbitos - sendo que perdi a convivência com vários e que a técnica mais avançada, sozinha, já não me basta...


Julio Daio Borges
São Paulo, 20/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A simplicidade do humano em Pantanal de Taís Kerche
02. O melhor de 2005: não ter uma lista de Ram Rajagopal
03. Sobre blogs e blogueiros de Daniela Castilho
04. A primeira batalha do resto da guerra de Rafael Azevedo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004
05. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2004
00h35min
Julio, cada vez que leio suas palavras, parece que escuto a sua voz. Voz que sonoriza o que a minutos atrás eu estava a pensar. Mais uma vez encontrei em seus textos, meus pensamentos... E como diria o velho chavão: faço minhas as suas palavras. Beijo, amigo! E mais uma vez parabéns por este seu DOM divino de escrever de forma tão saborosa. Devoro cada uma de suas frases e digestivos!!! Abraços, Tati
[Leia outros Comentários de Tatiana Spogis]
20/8/2004
03h10min
Muito bom texto sobre o Orkut. Apenas um ponto a acrescentar, embora saiba que não ter sido o assunto da coluna. Freqüento alguns fóruns – ou comunidades, como queiram – na internet. São específicos: um sobre música clássica, outro de literatura, um outro sobre ceticismo e mais um, esse porque ninguém é de ferro, sobre jogos de tabuleiro. Em todos os casos, os similares do Orkut são incomparavelmente piores, fracos em conteúdo, abundantes em frases feitas. Não parei para pensar muito nisso, suas implicações etc. Mas que esse Orkut começa a cansar, começa (e nem me refiro aos incontáveis problemas técnicos...)
[Leia outros Comentários de Heberth Xavier]
21/8/2004
13h58min
(Re)encontrar amores, ver amigos e inimigos, aceitar ou deixar na espera. Não importa. O que fica é a distância cada vez maior entre as pessoas. Quero mediações menos virtuais e mais físicas. Quero abraços, apertos de mãos, beijos, olhares e até broncas. Quero gente. Mas por enquanto, viva o Orkut!
[Leia outros Comentários de Cristiana Brandao]
21/8/2004
14h58min
Sim, uma delícia de texto, esse que fala de relaçóes próximas, ou distantes, ou reias ou virtuais... ainda nem sinto vontade de conhecer o orkut, mas saber da turma do digestivo, sim, sempre
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
22/8/2004
19h22min
Fantástico. E vc fala em seu texto o que uma pesquisa comprovou: as pessoas adoram bisbilhotar a vida de seus ex-conhecidos (principalmente ex-cônjuges) para saber com quem estão, como estão ou se, mesmo, estão. Em tempo, ouvi sua entrevista na rádio Cultura (pela Net, pois sou de BH, MG) e gostei muito. Me inspiro em vc para aquilo que busco na minha vida. Continue assim e sucesso.
[Leia outros Comentários de Daniel Gomes]
23/8/2004
01h57min
Julio, gostei muito da tua análise crítica e muito humanizada sobre o Orkut. Tenho receio de que as pessoas no futuro não possam mais curtir as poucas e verdadeiras amizades. Amanhã mesmo vou procurar um velho amigo, deixado de lado pelas minhas digitações inconseqüentes. Muito obrigado pela inspiração.
[Leia outros Comentários de Jorge Geisel]
13/9/2004
20h14min
Julio: legal teu texto a respeito do Orkut. Logo que li, fui lá colocar teu nome, mas não havia referência. Ficaria muito feliz em tê-lo na minha pequena lista de amigos do Orkut. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Daubi Piccoli]
15/10/2004
13h24min
Me impressiona a sua forma de escrever: as palavras parecem ter vida! Faço minhas as palavras da Tati: "Parabéns por este seu DOM divino de escrever de forma tão saborosa". Bjsmil
[Leia outros Comentários de Luciana Bonier]
10/11/2004
01h27min
Julio! Quanto tempo :-)! Essa sua prima picareta esta sempre morrendo de saudades e pensando e voces mas, acredite ou nao, a correria da vida moderna tambem habita Cingapura... Prometo escrever antes do Natal contando as novidades todas mas foi irrestivel passar por aqui e agradecer a qualidade dos seus textos!! Estou dando aulas de portugues por aqui e obviamente todas as minhas aulas tem um texto seu... definitivamente eh delicioso desfrutar do carinho que voce tem com a nossa lingua! Um grande beijo, Lu
[Leia outros Comentários de Luciana Landi]
17/3/2006
18h25min
Achei muito booom mesmo o texto. Fico feliz em saber que nem todos q aderiram a esse tal de ORKUT se esqueceram de q existem PESSOAS q amam, sofrem, gostam de estar juntas e sentem saudades. Eu, por sempre preferir olhar nos olhos das pessoas com quem falo, não sabia da existencia do Orkut, mas esse negócio de rever os outros, sem q estes saibam, deve ser bom!
[Leia outros Comentários de kamyla]
30/1/2007
21h44min
Realmente, é isto que acontece. Amizades instantâneas, menos preocupação com a escrita, porém mais leitura (pelo menos isso!). O fato que me entristece é que cada vez mais as pessoas perdem o hábito da comunicação face-a-face, pois é a partir desta troca de informações que se fortalecem amizades e se estreitam os laços da distância. Conversar face-a-face é uma terapia. É bom conversar pelo orkut, sim, mas não tem aquele lance de olhar nos olhos da pessoa, observar gestos, e muitas outras coisas... O orkut é bom no sentido de relembrar histórias. Esta é minha opinião e comentário.
[Leia outros Comentários de Edilma]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TEMPLARIOS - IRMÃOS EM CAVALARIA
FREDERICK SMYTH
MADRAS
(1991)
R$ 29,00



A TÉCNICA DA REDAÇÃO JURÍDICA OU A ARTE DE CONVENCER
VICENTE DE PAULO SARAIVA
CONSULEX
(2002)
R$ 14,00



BOM-CRIOULO
ADOLFO CAMINHA
ÁTICA
(1999)
R$ 20,00



PENSAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO Á BASE DE CARNE E A PAZ MUNDIAL I - 1ª ED.
SEICHO-NO-IE
SEICHO-NO-IE
(2014)
R$ 10,99



MÃE E MESTRA
MARIA PIA GIUDICI
MONTE ESTORIL
(1964)
R$ 6,90



O CÉU É UM ESPELHO LÁ LONGE
GUILHERME FIGUEIREDO
ATUAL
(1988)
R$ 10,00



O DESENVOLVIMENTO DOS POVOS - CARTA ENCÍCLICA POPULORUM PROGRESSIO
PAULO VI
VOZES
(1968)
R$ 5,00



PRETÉRITO IMPERFEITO
AFONSO FELIX DE SOUSA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1976)
R$ 7,90



ROBINSON CRUSOÉ
DEFOE, DANIEL
GARNIER - ITATIAIA
(2007)
R$ 15,00



PARA EMERGIR NASCEMOS &ESTUDOS EM REMEMORAÇÃO DE JORGE DE SENA
FRANCISCO COTA FAGUNDES E PAULA GÂNDARA
SALAMANDRA
(2000)
R$ 61,41





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês