Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
57030 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Hebraica recebe exposição de Victor Brecheret
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA TRAZ GUI MONTEIRO E CONVIDADOS ESPECIAIS PARA A PROGRAMAÇÃO DO SOM NA PRAÇA
>>> Omodé: O Pequeno Herói Preto no Sesc Bom Retiro
>>> Estímulo Mostra de Dança do 40 Festival de Dança de Joinville trará para o palco do Juarez Machado
>>> Sesc Sorocaba apresenta Nas Águas do Imaginar com a Companhia de Danças de Diadema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
>>> Diogo Salles no Roda Viva
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
Colunistas
Últimos Posts
>>> Interney sobre inteligência artificial (2023)
>>> Uma história do Yahoo! (2014)
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Vamos Banir os Aplausos
>>> A crise segundo Marcel Telles
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Dialogando com o público leitor
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O Filho da Noiva
>>> Os superdotados
>>> Culture to Digest
Mais Recentes
>>> The American Woman's Garden de Rosemary Verey e Ellen Samuels pela New York Graphic Society (1984)
>>> Europe: A History de Norman Davies pela Pimlico (1997)
>>> A Gênese de Nova Friburgo - Emigração e Colonização Suíça no Brasil de Martin Nicoulin pela Biblioteca Nacional (1996)
>>> Psicomotricidade : da Educação Infantil À Gerontologia - Teoria & Prática de Carlos Alberto Mattos (organizador) pela Lovise (2000)
>>> M, o Filho do Século de Antonio Scurati pela Intrinseca (2019)
>>> State and Opposition in Military Brazil de Maria Helena Moreira Alves pela University Texas Press (1988)
>>> Psicomotricidade Relacional Pratica Clinica e Escolar de Suzana Veloso Cabral pela Revinter (2001)
>>> Alegria e Triunfo de Lourenco Prado pela Pensamento (1989)
>>> Os Elefantes não esquecem capa dura de Agatha Christie pela Circulo do Livro (1999)
>>> Assassins Cred Irmandade de Oliver Bowden pela Galera (2013)
>>> Atenção Plena: Mindfulness de Mark Williams e Danny Penman pela Sextante (2015)
>>> O Casório de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2002)
>>> Madame Bovary (foto Ilustrativa) de Gustave Flaubert pela Nova Alexandria (2007)
>>> A Ilha Perdida de Maria José Dupré pela Ática (1980)
>>> A Cabana de William P Young pela Sextante (2008)
>>> O repouso do Guerreiro de C Rochefort pela Abril (1980)
>>> Na cortina do Tempo de Edgard Armond pela Aliança (1978)
>>> Guia de Passeios São Francisco de Publifolha pela Publifolha (2010)
>>> Entropia de Alexandre Marques Rodrigues pela Record (2016)
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Gaudi (2011)
>>> Introdução a administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Metodologia Científica de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (2004)
>>> Tratado de Metodologia Cientifica de Silvio Luiz de Oliveira pela Pioneira (1999)
>>> Luz Fria de Marcos Gomes pela Patua (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/6/2004
Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda
Julio Daio Borges
+ de 16100 Acessos
+ 8 Comentário(s)

A crítica nunca esteve tão desacreditada como nos dias de hoje. Entre leigos, a crítica é aquela de cinema, que sempre enche de "estrelinhas" os filmes difíceis de entender, ao mesmo tempo em que desqualifica a escolha da audiência. Para os artistas, é aquela senhora mal-humorada, que não compartilha do desbunde em relação à "obra", chegando às vezes ao requinte de esculhambar seu realizador. E, para os críticos, a crítica é pura nostalgia, de um tempo em que eles ditavam o gosto, destruindo ou construindo reputações.

Lamentavelmente, hoje, a crítica é, em geral, vista como "elitista" (no sentido que as esquerdas conferiram ao termo). Numa época de "democracia" reinante (mesmo que fictícia), não se admite que uma "minoria" intelectual decida por uma "maioria" consumista. Para a indústria, aliás, não interessa que haja um padrão de qualidade mínimo, pois isso implicaria numa "exclusão" automática de quem (ou o quê) não atingisse os (pré-)requisitos.

Ao encontro de uma necessidade mercadológica (vender o que quer que seja - mesmo que ruim) e de um imperativo ideológico (igualdade, liberdade, fraternidade), toda uma nomenklatura veio neutralizar qualquer pensamento crítico a partir do século XX. A começar pela idéia de nobrow.

Quem é mais ou menos versado sabe que highbrow corresponde, aproximadamente, à "alta cultura" (erudita, clássica, considerada inatingível) e lowbrow corresponde à "baixa cultura" (popularesca, primitivista, sem sofisticação). Como ninguém vive só de Bach, Mozart e Beethoven, e como é preciso sobreviver na "cultura pop" (para não se isolar do resto do mundo), inventaram o middlebrow. Era, nos 1900s, uma maneira de conciliar Shakespeare com Lennon&McCartney, Picasso com o universo das HQs, Villa-Lobos com Agatha Christie. Até aí, uma coisa razoável. Digo, até surgir o nobrow.

O nobrow é a ausência de brow, ou seja, é o fim das classificações entre alta, baixa e média culturas. É o "vale tudo". É o "qualquer maneira de amor vale a pena". É o "cada um na sua". É o tal (do) "gosto [que] não se discute" - que, para a crítica, foi um tremendo de um golpe.

Gosto se discute, sim, por vários motivos. Se não há crítica, não se avança. Ficamos sempre na estaca zero. Afinal, o crítico é aquele que, supostamente, conhece o assunto que aborda e vai dizer se determinada manifestação artística é válida ou se deve ser descartada. A partir do momento em que o crítico não consegue trabalhar (ou por que não lhe oferecem trabalho ou por que a crítica caiu em desuso), vive-se o caos. Como estamos vivendo agora: universitários assistindo a reality shows e gostando; governantes semi-analfabetos que não sabem quem são os colunistas da principal revista semanal (porque não lêem nem essa); as telenovelas como única forma de ficção a ser consumida, enquanto o mercado editorial míngua tiragens de alguns milhares (num País de muitos milhões); a imposição de um língua ortografica e gramaticalmente errada, uma vez que a "certa" seria considerada impopular e opressiva (já que a ignorância é dominante). Entre outras coisas.

Crítica é, também, falar mal - algo que o "politicamente correto" coíbe do início ao fim. Com eufemismos, e só com eufemismos, não há como fazer crítica. E, na era dos superadvogados e dos megaprocessos jurídicos, abrir a boca pode ser um perigo. No Brasil, ainda persiste o péssimo hábito da unanimidade. Assim, criticar uma figura unânime não é apenas uma maneira de ir rumo ao tribunal, é igualmente uma forma de declarar guerra a um "fã clube" (cujo radicalismo beira o dos fundamentalistas islâmicos).

A crítica, na verdade, está tão contida que só "passa" em forma de piada. Não admira que os mais populares colunistas da imprensa, hoje em dia, sejam os humoristas que - de uma maneira ou de outra - fazem... crítica. Crítica séria nem pensar. Vira ofensa. E os "ofendidos" são cada vez em maior número, embora sejam ainda considerados, eufemisticamente, "minorias". Se você, por exemplo, tem uma opinião formada sobre um determinado grupo, e aplica sua opinião a um membro desse grupo, é logo chamado de "preconceituoso".

Há muito tempo, eu digo que não tenho "preconceitos" mas "conceitos". Se eu tenho uma opinião sobre determinado tipo de pessoa, e aplico essa mesma opinião a uma pessoa que - a meu ver - cabe nesse "tipo" específico, sou logo tachado de "preconceituoso". Por quê? Ela tem penas, bota ovos e cria pintinhos que depois viram frangos... Digo de uma vez: "É uma galinha!". Ao que alguém me responde: "Imagine que é uma galinha. Como você está sendo preconceituoso!". (Claro, pode ser um elefante... Ou uma mosca...)

Felizmente, com a internet, parece que a crítica está voltando. Infelizmente, porém, prolifera nela o crítico amador, que é quase o anticrítico. Na maioria das vezes (há exceções), a critiquinha que vemos surgir na Web é aquela de alguém que começou ontem, tem centenas de opiniões (infundadas) sobre diversos assuntos e acredita estar fazendo jornalismo da melhor qualidade. É um erro. E você não pode falar nada, porque está sendo contra, por exemplo, a "liberdade de expressão". (Contra os blogs...) Sinceramente, não acho que qualquer pessoa pode ser um crítico; como qualquer pessoa não pode ser um médico, um astronauta, um cientista - apenas porque quer; apenas porque, certo dia, acordou com vontade de "criticar" alguém ou alguma coisa.

Sou a favor da crítica e sou contra a "crítica" bem-comportada de hoje. Mas não apóio a crítica irresponsável. Exibida. Intolerável. Doutrinária - fingindo, digamos, "criticar" as ideologias em geral, mas, no fundo, impondo (nas entrelinhas) sua própria ideologia. Crítica pode ser manipulação também, e o desejo de transmitir "juízo crítico" a quem lê pode se converter em uma maneira de, aí sim, transmitir "preconceitos", idéias e pensamentos preconcebidos. Portanto, os critiquinhos deveriam desistir do ofício.

A crítica, contudo, deve, de alguma forma, voltar. O público clama por orientação - e isso é nítido. Desde a popularidade dos manuais de auto-ajuda até o fanatismo religioso ressuscitado, todo mundo se sente destituído de certezas e não agüenta mais essa realidade relativística onde "tudo é válido". A crítica não é determinismo e não vai obrigar ninguém a seguir por essa ou por aquela via - vai, simplesmente, iluminar o caminho. Aprendi o que sei com críticos; e não apenas jornalistas - mas gente que assumiu a tarefa de separar o joio do trigo. Você, aliás, pode até discordar de mim, mas garanto que, em algum momento, precisou igualmente de orientação. E de crítica.


Julio Daio Borges
São Paulo, 25/6/2004

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait
03. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. 1964-2004: Da televisão à internet um balanço - 30/4/2004
04. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/6/2004
11h04min
Prezado Julio, achei legal seu comentário, com os estudos culturais à americana, a questão do valor da obra de arte foi abolida - arte pode ser encontrada na baixa, na média e na alta cultura (mas "arte", aqui, como estética, que não é juízo de valor, mas talvez uma força, uma "verdade", um "trabalho"). O resto foi relegado ao passado, para se voltar somente ao "tema" (da obra de arte), que deve ser sempre politicamente correto. Essa é uma questão que tem fomentado muitos debates no seio das universidades de letras, por exemplo. Agora crítica sem critério não dá, nada de "mainardismo" (um Nelson Rodrigues que não deu certo). Abraços
[Leia outros Comentários de Masé Lemos]
25/6/2004
08h43min
Prezado Julio, em seu artigo uma coisa me intrigou: será que o povo clama mesmo por orientação ou o inconsciente coletivo (hoje tão influenciado pela mídia) imagina que um critico possa dar uma direção aos seus pensamentos? Não seria, então, mais adequado a figura do crítico como formador de opinião e não como mero polarizador? Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Alonso Junior]
25/6/2004
12h36min
Hoje existe o medo da prática da crítica. Como exemplo pegam a crítica de Monteiro Lobato sobre as obras de Anita Malfati em que ele a detona. Hoje em dia ela é tida como uma das grandes artístas do modernismo Brasileiro. Então o escritor e crítico se equivocou? Na verdade, não. O trabalho dela sempre foi de quinta mas o sistema a alavancou como vanguarda. Essa foi uma forma de desqualificar a atividade do crítico. O gosto não se discute, se educa. O problema é que hoje em dia é muito difícil ver gente autorizada ou mesmo gabaritada para a crítica da arte. Mas se houver, que comecem a trabalhar. Abs. Ps. Alonso J., Polarizador de que?
[Leia outros Comentários de Renato Alvim]
25/6/2004
16h32min
Julio, muitos amigos me perguntam se li determinado livro, pois adoraram, dizem que o autor é o "must" do mês, etc. Quando digo que não li, ficam espantados. Creio que, ao me perguntarem, estão, mesmo que veladamente, impondo uma leitura. Como a do Paulo "repetitivo" Coelho. Li dele o primeiro livro, tentei ler o segundo, mas não continuei e não está me fazendo falta. Concordo contigo que deve existir crítica, sim, mas não como a do Rubens Ewald Filho, que não gosta de Merryl Streep e simplesmente não recomenda seus filmes. A crítica deve existir desde que o crítico não imponha sua "voz de comando". Um abraço, Maura
[Leia outros Comentários de maura soares]
17/7/2004
17h53min
"Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda" nos esclarece, justamente porque separa o joio do trigo: um texto sério e muito agradável para se ler, reler e repassar aos amigos... Concordo com a Maura quando lembra os donos da verdade da mídia... MUITO BOM. Um abraço do DF.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
6/6/2007
19h07min
Gostei muitíssimo desse artigo é bastante consistente em seus comentários. Um grande abraço. Gislene
[Leia outros Comentários de Gislene Silva ]
7/6/2007
09h25min
"Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda", do Julio Daio Borges, devia ser reproduzido em toda mídia impressa, nos espaços culturais. Não exatamente para o leitor desses espaços (que já os procura por necessidade de crítica), mas para quem a pratica, não resistindo ao doce exercício da complacência. Há uma enorme ética em dizer "não", "negativo", "tá mal-feito", "é medíocre por isso e por aquilo", "no livro anterior estava em melhor forma" etc. Mas, parece, todo crítico é Salieri e todo "artista" é Mozart. Que que há, moçada? Ler é um ato civilizado, e civilização se faz com construção, reconstrução e, até, com destruição. Tenhamos a coragem de reconhecer que só reputação não basta. Conheço mais injustiças a favor que injustiças contra. Gênios ignorados, deve ter havido na humanidade uns 500. Imbecis idolatrados, um milhão. Não quer ser enganado. Não quero perder meu tempo (tão pequeno e precioso): necessito de uma crítica de discuta, para valer, a obra que li: comigo, com todos.
[Leia outros Comentários de Paulo Bentancur]
6/1/2010
16h58min
O que tem desabonado a atividade da crítica que a tornou tão obsoleta assim? Por que só a alguns poucos é dado o direito a crítica? Por que ser tão elegante se acreditamos neste ou naquele trabalho? Por que a crítica publicada é vista como uma ofensa pessoal e não como uma possibilidade de revisão, aprimoramento ou mesmo uma destiladora de nossas certezas? Por que a crítica contrária às nossas expectativas é tida como amadora e a favorável é tida como profissional? Por que a crítica no Brasil faz vista grossa ao engajamento da arte na inclusão social, em especial as artes patrocinadas pela lei de incentivo? Por que os patrocinadores preferem a arte inclusora e o artista, domesticado e passivo? Por que a arte livre, questionadora e descompromissada assusta tanto? Onde encontrar um patrocinador que admira e exalta a arte livre como possibilidade e sugestão de revisão do estado e até do seu negócio? Como fazer uma arte que seja ao mesmo tempo evangelizadora e inclusiva?
[Leia outros Comentários de Estúdio 11]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Administração de Marketing - Análise, Planejamento e Controle Volume 1
Philip Kotler
Atlas
(1986)



O Doente Imaginário
Molière
Global
(2004)



Livro - Muitas Vidas, Muitos Mestres
Brian L. Weiss
Salamandra
(1991)



Gramática Texto: Análise e Construção de Sentido: Volume Único
Maria Luiza M. Abaurre; Marcela Pontara
Moderna
(2008)



Atração Magnetica
Meredith Wild
Agir
(2015)



Todo Esse Tempo
Mikki Daughtry, Rachael Lippincott
Alt



Primeira Hora de Estudo - Para Piano - Volume 5
Georges Bull
Irmãos Vitale



Lisa Biblioteca da Matemática Moderna Tomo I Aritmética Geometria Plan
Antonio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva
Livros Irradiantes
(1970)



Margarida La Rocque
Dinah Silveira de Queiroz
José Olympio
(1949)



Sonhando visionário: Explorando o netuno astrológico
Haydn Paul
Ágora
(1994)





busca | avançada
57030 visitas/dia
1,3 milhão/mês