Xingando semáforos inocentes | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> A Democracia Intolerante Dutra Adhemar e a Repressão ao partido comunista de Pedro Estevam da Rocha Pomar pela Imprensa Oficial (2002)
>>> Livro dos Patronos Coletânea Biográfica de Academia Campinense Maçonica de Letras pela Vitoria (2008)
>>> Blood of the Demon de Diana Rowland pela Bantam (2010)
>>> Vá Direto ao Assunto de Stuart R Levine pela Sextante (2009)
>>> Alexis o El Tratado del Inútil Combate de Marguerite Yourcenar pela Alfaguara (2014)
>>> Manuale Di Azione Cattolica Vol. 1: La Teorica de Mons. Luigi Civardi pela Letteraria (1933)
>>> Sistemas de Informações Contábeis: Fundamentos e Análise de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2004)
>>> Casus Conscientiae Propositi a Card. de Lugo de A P. Beniamino Elbel a P. Ioanne Petro Gury pela Typographia Augustiniana (1901)
>>> Administração para Empreendedores de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Prentice Hall Brasil (2007)
>>> Novo Código de Processo Civil e Constituição Federal - 2017 de Vários Autores pela Saraiva Jur (2017)
>>> Eu Sei Que Vou Te Amar de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2007)
>>> Garota do Calendario, a - Março de Audrey Carlan; Andreia Barboza pela Verus (2016)
>>> Florestas: Desmatamento e Destruição de Maria elisa Marcondes Helene pela Scipione (1996)
>>> O Drama da Puberdade de Alois Gruber pela Paulinas (1966)
>>> Você quer ser Diplomata? Concurso de Admissão á Carreita de Diplomata de Instituto Rio Branco pela Fundação Alexandre de Gusmã (2007)
>>> The Prisoner of Zenda de Anthony Hope pela Oxford University Press (2000)
>>> Ensaios Sobre História, Ciência e Educação de Livia Diana Rocha Magalhaes; e Outros pela Alinea (2011)
>>> Infância e Recreio da Vida de Gisele Donato pela Da Autora (2017)
>>> Sucesso Em Português e Redação - Vestibulares, Enem, Concursos Diverso de Álvaro Ricardo de Mello Gouveia Veiga pela Litteris (2016)
>>> Againts All Odds de Danielle Steel pela Sean (2020)
>>> 2020- O ano que não começou de Editora Reformatório pela Reformatório (2021)
>>> Português Com Professor Pasquale: Concordância Verbal de Professor Pasquale pela Publifolha (2000)
>>> Poeticamente Modificado de Paulo Eduardo da Rocha pela Age (2009)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Companhia das Letrinhas (2009)
>>> Recados Que A-mails Com Minicrônicas Virtuais de Saulo Mendonca pela A União (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 19/12/2023
Xingando semáforos inocentes
Renato Alessandro dos Santos
+ de 2500 Acessos

“Entrou no carro da família Belsey dirigiu numa velocidade hostil até o centro da cidade, cortando outros carros e xingando semáforos inocentes” (p. 420)

“A maior parte da crueldade deste mundo não passa de energia colocada no lugar errado” (p. 13)


As horas do relógio, águas que passam, ficam para trás, nos dando as costas, e, como correntes contínuas, açodadas ou vagarosas, elas têm os segundos e os minutos que se vão para sempre e não voltam mais, levando consigo um pouco do que, nelas, ficou da gente enquanto iam existindo no gerúndio, acontecendo, acontecendo...

Carpe diem? Tédio? Tempus fugit... Ninguém nada nunca.

Gastei meu tempo investindo.

Em dinheiro?

Não. Em horas de leitura, debruçado sobre o livro Sobre a beleza, e nenhum tesouro nacional, ou qualquer metáfora contendo tempo e cifrões, será páreo com esse terceiro romance de Zadie Smith em que, distraídas, batendo perna por aí, ficam as horas.

Repara: é um disparate quando o tédio, achando que o tempo está desatento, encarrega-se de enganar a clepsidra, soterrando a existência mútua do encanto, da expectativa e da esperança. Mas com Zadie não tem como dar errado, e o tédio, é bom que se diga, inexiste enquanto se lê Sobre a beleza, pois Cronos, feito motoboy, passa voando, e ele pula, sai do chão, dá cambalhota.

O que quer esse confuso entrudo?

Não pensava em nada disso, enquanto ia finalizando a leitura de Sobre a beleza, mas me imaginei, uma hora lá, desperdiçando o tempo de vocês, azafamados leitores, que, com os pés no Rubicão, como naquela travessia monstra de "O burrinho pedrês", já estariam enfrentando comigo a enxurrada da rua, xingando semáforos inocentes.


Ponderem, leitora e leitor: vão pra uma ilha? Não se esqueçam da lanterna de proa de Zadie, e, caso haja pessoas cheias de desculpas contra a oportunidade de se ler um romance, sem qualquer necessidade de se parar tudo, valeria a pena sugerir este sofisticado archote, além de descobrir o quanto não se perde tempo quando ele é esbanjando com Sobre a beleza.

Mas, Renato, pay attention, s'il vous plait, pois nesta resenha de bijuteria ainda falta aos ledores esse convencimento que se dá de forma muito plena quando, com persuasão, as palavras buscam ser empregadas a fim de se dar a alguém um pouco do muito que é a leitura concentrada de uma obra feita durante dias, dias, dias...

No alvo, leitora ou leitor de pouca fé: leia Smith. Leia. Se não der certo, decerto, a culpa é minha, que gosto de "Vamos pular", de Sandy e Junior, além de ser fã de Hedvig Mollestad.

E nem é muito difícil encontrar outra obra capaz de jogar luz com tanta vivacidade sobre a vida que se leva hoje, com celulares, mundo digital, Amazon e viagens particulares ao Sideral.

A correria é enorme, mas, você sabe, com ou sem ela, a vida acontece do mesmo jeito; então, por que não, em vez do mirante, o tobogã?


Ou...

E se fôssemos todos rumo ao precipício e, lá, ficássemos a contar histórias uns aos outros, enquanto com o espírito alerta (para não cair escuridão abaixo), misturássemos “Abre-te sésamo”, Sobre a beleza e O apanhador no campo de centeio, tudo ao mesmo tempo?

Ou...

E se, em vez disso, fôssemos todos fazer boa a vida que escapa agora, e agora, e agora, que nem aquele verso do Ted Hughes?

Porém, diz: como se faz isso? Porque, enquanto a vida flana, nem todo mundo é capaz de ter aquele jogo de cintura repleto de coragem e ousadia, sem contar os que são cancelados de viver, ou aqueles que se impedem de se arriscar um pouquinho. Escapar? Como?

Um romance? Drummond? Netflix? Absinto?

THC? Sexo? Star Wars?


Um pós-doutorado? Outro vinil?

Futebol?

Um churrasco?

(...)

Um romance?!

Sim, um romance.

Com uma competente tradução de Daniel Galera, Zadie Smith conta a história de duas famílias, com dois professores universitários que não escondem o penduricalho social do qual se beneficiam, dos dois lados do Atlântico, naquela vida no campus onde se reúnem alunos, pesquisadores, ativistas, bem como oportunistas e gente nada a ver em meio à cintilante vida pastoril & cosmopolita dos campi.

Há as esposas, ambas incumbidas de zelar pela imagem de mulheres que têm de ser vistas independentes, donas de si e, mais do que nunca, capazes de deixar sua marca nesse frontispício anedótico que é a falta de vergonha na cara da humanidade quando tira, de todos, os direitos que gênero, posição social e tradição negaram-NOS.

(Nosotros somos todos nosotros, e todos temos gosto de frango caso um urso, por desgosto, viesse a nos comer com chimi-churri.)


Não há gênero. Não há pele. Não há dinheiro. Há esse magnífico rio que é Sobre a beleza, com seu grotão de vida que nos escapa, e escapa sem que nada possa ser feito a fim de se medir o coar do tempo.

E, de personagens, há os filhos, adolescendo em meio ao lusco-fusco do trânsito intenso da idade, enquanto a maturidade, para ser anexada à correria, aguarda atrás da porta. É tanto o rapazinho Levy, à espera de reconhecimento, quanto a jornada de Zora, a menina que, naquela revolta à deriva, luta-bravamente-como-uma-garota-niilista.

Ficamos assim: começa tudo no início, veja você, logo na primeira página, e vale a pena atravessar todas as que vêm em seguida, umas após as outras, até que o ponto final chega, láááááá adiante, na página 442.

Dobrado o Cabo das Tormentas, ou o Cabo da Boa Esperança (depende de como você vê um Ipê florido), tudo parecerá como antes – mas a gente já sabe que o importante é o durante, né? – e, por isso, segundo a segundo, enquanto a magia acontece, o atravessar é uma luz brilhando sem fim acima daquele morro, jorrando lume sem parar, que nem aquela luzinha verde, intermitente, que fez de Gatsby um joguete do destino, feito Romeu, ou feito você e eu, Mandiopã.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 19/12/2023

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gilberto Gil, revisitado de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2023
01. Obra traz autores do século XIX como personagens - 24/1/2023
02. Ultratumba - 25/7/2023
03. Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar - 10/10/2023
04. Rabhia: 1 romance policial moçambicano - 23/5/2023
05. Xingando semáforos inocentes - 19/12/2023


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Paleontologia Básica
Josué Camargo Mendes
Universidade de São Paulo
(1988)



O Mundo Em 2050
Laurence C. Smith
Campus
(2023)



Livro Literatura Estrangeira Theodora
Jack Oleck
Mm
(1972)



Marketing de Relacionamento
Ian Gordon
Futura
(1999)



O Gordo contra os Pedófilos 506
João Carlos Marinho
Global
(2001)



Mobimento: Educação e Comunicação Mobile
Wagner Merije
Peirópolis
(2012)



Gestão sem medo - Como ser feliz no mundo Corporativo
Alfredo Assumpção
Scortecci
(2011)



CRM - Customer Relationship Management
Stanley A. Brown
Makron Books
(2001)



Livro Direito Tributação no Comercio Eletrônico à Luz da Teoria Comunicacional do Direito
Daniela de Andrade Braghetta
Quartier Latin
(2003)



Os gêmeos
Rosamond Smith
Circulo do Livro
(1987)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês