Copacabana-Paulista-Largo das Forras | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O soldado absoluto
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Entrevista com Daniel Piza
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Tin-tin!
>>> Cartas, de Antônio Vieira
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Cartas de Kafka a Felice Bauer, por Elias Canetti
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
Mais Recentes
>>> Comunicação Alternativa e Movimentos Sociais na Amazonia Ocidental de Pedro Vicente Costa Sobrinho (Autografado) pela Ed. Univ. Ufpb; João Pessoa (2001)
>>> Emoções Amazônicas: Guia Fotográfico-... dos Ecossistemas Amazônicos de Francisco Ritta Bernardino pela Photoamazonica (1998)
>>> Reumatismo e Artrite: Tratamento Médico e Cuidados Caseiros... de John H. Bland pela Ibrasa (1962)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> Mosaico Crítico: Ensaios Sobre Literatura Contemporânea de Georg Otte - Silvana Pessôa de Oliveira/ Org. pela Autêntica/ Belo Hte. (1999)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> Liga da Justiça "A Guerra da Trindade" de Geoff Johns pela Panini Books (2017)
>>> Star Wars "Episódio IV: Uma Nova Esperança" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Terras do Sem Fim de Jorge Amado pela Martins (1964)
>>> Star Wars "Episódio V: O Império Contra-Ataca" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Star Wars: Ascensão da Força Sombria; Trilogia Thrawn Livro 2 de Timothy Zahn pela Panini Books (2018)
>>> Superman "Universo DC Renascimento" Vol. 2 de K. Perkins pela Panini Books (2018)
>>> The Walking Dead: Segurança Atrás das Grades de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Direito e Relações Internacionais de Vicente Marotta Rangel pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> O Cão: 1000 Perguntas, 1000 Respostas de Théo Gygas pela Discubra (1987)
>>> Follow Up do Recém-Nascido de Alto Risco de Sonia Maria B. Lopes e José Maria de A. Lopes pela Medsi (1999)
>>> The Walking Dead: Os mais íntimos desejos Vol. 4 de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Torneio de Campeões "Coleção Histórica" de Marvel pela Panini Books (2017)
>>> Escalpo "Edição de Luxo" Livro 2 de Jason; Aaron pela Panini Books/ Vertigo (2018)
>>> Batman "O príncipe encantado das Trevas" Livro 1 de Marini pela Panini Books (2018)
>>> Universo X de Marvel pela Panini Books (2018)
>>> Fábulas 1 - Edição de Luxo de Bill Willinghan pela Panini Books (2018)
>>> O Incrível Hulk - Planeta Hulk de Greg Pak pela Panini Books (2018)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Ediouro (1972)
>>> O Cachorrinho Samba na Floresta de Maria José Dupré pela Ática (1987)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Assistência Integrada ao Recém-Nascido de Cléa Rodrigues Leone e Daisy Maria Rizatto Tronchin pela Atheneu (1996)
>>> Centro Cirúrgico: Aspectos Fundamentais Para Enfermagem de Terezinha Ghellere pela Ufsc (1993)
>>> Técnicas de Pesquisa de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (1999)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Imensa Asa Sobre o Dia de Antônio Mariano pela Dinâmica (2005)
>>> Este Padre Escapou das Garras do Papa!!! de Aníbal Pereira Reis pela Edições Caminho de Damasco (1976)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> Programado Para Aprender de H. Ronald Pulliam e Christopher Dunford pela Zahar (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1986)
>>> Didática e Psicologia: Crítica ao Psicologismo na Educação de Maria Mercedes Capelo Alvite pela Edições Loyola
>>> O Pensamento Vivo de Gandhi: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1985)
>>> Da Sua Vida & dos Seus Negócios de Clóvis Mezzomo pela C. Mezzomo (1998)
>>> As Batalhas do Castelo de Domingos Pellegrini pela Moderna (1991)
>>> O Diário Roubado de Régine Deforges pela Klick (1998)
>>> James Dean por Ele Mesmo - Edição Ilustrada de James Dean/ Estudo: Edgar Morin (e Outros) pela Martin Claret (1994)
>>> Contato Imediato com Criação de Propaganda de Julieta de Godoy Ladeira pela Global (1997)
>>> Vida, Caminho & Destino - Missão Vórium de Edson Luiz Pocahi pela Novo Século (2016)
>>> Relaxe... e Viva Feliz de Núbia Maciel França e Haroldo J. Rahm pela Edições Loyola (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/2/2006
Copacabana-Paulista-Largo das Forras
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3100 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Ana Elisa Ribeiro num trem pras estrelas

Meu pai conheceu o mar quando já era adulto. Quando eu era adolescente, ele sempre contava de uma sua estada no Rio de Janeiro, capital, quando andou pelas praias famosas sozinho e passou pelas esquinas onde ficavam Vinícius e Tom. Também meu pai, muito mineiro, sempre contava, com muito maior ênfase, que dessa feita, na maravilhosa cidade, tivera a infeliz idéia de levar um sapato novo. O couro ainda duro e a sola inflexível deixaram-lhe os pés machucados, o que desviou a atenção do moço mineiro para os próprios calcanhares. Mas, ainda que esta lembrança podomaníaca sempre sobressaísse em relação a Copacabana, meu pai sempre encerrava o assunto afirmando: o Rio de Janeiro é muito bonito.

Para muitos e muitos mineiros, ver o mar é parte dos feitos de alguém, inclusive digno de se constar na biografia. Ver o mar é parte da lenda pessoal. Quando isso acontece, deve-se registrar, com segurança, a data e reter, com certa lentidão, todas as percepções e sensações que o evento suscitar. Ver o mar pela primeira vez é digno das anotações das listas de "primeiras vezes". Estão lá a primeira transa, o primeiro beijo, a primeira namorada, o primeiro carro e a primeira vez que se viu o mar. O imaginário do mineiro carrega esse evento com certo maravilhamento, muito diverso do ar de intimidade com que o nascido nas orlas fala e convive com a água.

O Brasil é um país imenso, isso todos nós sabemos desde crianças. Mesmo que não se saia muito do lugar, olhando um mapa-múndi e por comparação, é possível verificar que nosso país é muito maior do que a maioria dos países do mundo inteiro. É sabido que temos uma imensa costa languidamente virada para o Oceano Atlântico, com águas frias e quentes, para todos os gostos. Pensando na demografia, é sabido, ao menos nos livros de Geografia, que a maior parte das capitais, assim como da população, habita próximo à orla. O interior é muito menos habitado, assim como são poucas as capitais firmadas longe do mar.

Fazendo um tour histórico bem precário, é possível ainda afirmar que das poucas capitais que se encontram no interior do Brasil, grande parte foi "plantada", ou seja, construída para ser pólo administrativo de um governo, parte de um plano político consciente e pouco aleatório. É só mirar as histórias de Belo Horizonte, Palmas e de nossa capital federal.

As outras capitais crescidas longe do mar têm ao menos um rio a que remontar suas memórias. Belo Horizonte, não. As histórias de rios que os belo-horizontinos contam são muito diferentes daquelas tão ricas contadas pelos ribeirinhos do São Francisco ou do Paraíba do Sul. Os rios e as águas, portanto, são parte do imaginário coletivo dos mineiros, mas nunca nos mesmos sentidos.

Assim como a água faz parte dos eventos de uma comunidade, as montanhas também podem fazer. Como será que um mineiro percebe as montanhas? O que é um "morro" para um carioca? E para um belo-horizontino?

Certa vez estive em Campinas e senti imensa dificuldade em me localizar em determinado bairro. Tudo porque um nativo explicou-me como chegar a um lugar chamando de "ladeira" algo que jamais mereceria esse nome em Minas, em qualquer das Minas Gerais. Também numa visita a Campos dos Goytacazes disseram-me, com certo orgulho: "esta é a parte alta da cidade". Enregelei-me quando, lá de "cima", não vi nada que se parecesse com um "lá embaixo", e percebi que tudo eram questões conceituais.

A Paulista foi, para mim, uma imensa decepção quando deparei com uma avenida plana. Quando atravessei de um lado a outro do Masp, não podia ver-lhe os arredores em forma de lagartos, como acontece na minha imensa Afonso Pena. No Natal, a avenida principal do centro de Belo Horizonte se transforma numa imensa cadeia de luzes favorecida pelos ângulos.

De um lado menos iluminado, tenho certeza de que a Avenida do Contorno faz parte da lenda urbana de todos os belo-horizontinos. Onde já se viu uma avenida que servia de cerca a uma cidade inteira? E quase todos nós pulamos a cerca e moramos fora dela. Se éramos periferia, agora somos centro. Mas o que anda no imaginário de quem sempre esteve dentro da Avenida do Contorno?

Em Tiradentes, cidade dos arredores de São João Del-Rei, interior ex-aurífero das Minas Gerais, também estive a pensar no imaginário da comunidade, em contraste com o meu, claro. À parte das condutas mais sérias da pesquisa etnográfica, fiquei ali uns poucos dias tentando entender o que deve significar "longe" e "perto" para aquelas pessoas. Antes disso, o que seria, para eles, uma "ponte".

Belo Horizonte não tem pontes. A primeira ponte que conheci foi o Viaduto das Almas, na BR-040, saída para o Rio. Uma curva altíssima que causa um número incontável de acidentes de carro entrou no meu imaginário como algo necessariamente ruim. Mais tarde, conheci a extraordinária ponte Rio-Niterói. E então era tarde demais para entender que "ponte", em cidades do interior, costuma ser pouco mais que dois metros de passadiço entre um lado e outro de um riozinho ou de um córrego. Quando me indicaram que a pousada ficava do outro lado da ponte, tive que me manter atenta e ter "olhos de ver ponte", para não me perder pelo caminho.

A Maria Fumaça que leva de Tiradentes a São João Del-Rei, e vice-versa, também me deixou esse gosto legendário na boca. Fiz questão, com meu marido, de não fazer apenas um passeio turístico que soasse idiota, como tantos soam. Quisemos, ambos, empregar o trem para a partida, na hora mesma de ir embora, como faziam as pessoas da época de ouro das ferrovias no Brasil. De mala e cuia, cansados e suados, chegamos à estação, compramos o bilhete, ouvimos o apito, andamos por dentro dos vagões, escolhemos um assento e "pegamos o trem". Muito impressionante andar àquela velocidade e pensar que até mesmo "rápido" e "depressa" são relativos ao tempo, ao imaginário possível a uma geração ou a uma comunidade. Estávamos numa Maria Fumaça, máquina a vapor considerada o maximum tecnológico para várias gerações, algo que mudou a relação das pessoas com a distância, o tempo e a saudade. Até mesmo as oportunidades andaram de trem um século atrás. (Interessante ler Peter Burke e Asa Briggs, Uma história social das mídias).

Estávamos nas janelas de um trem a vapor, andando a uma velocidade que nos parece pouco mais do que humana, vendo a mata remanescente, as serras, as curvas infinitas, ouvindo o barulho dos mecanismos das rodas, os trilhos, a brita ao redor, o apito, quando me apercebi das casas e das populações que vivem à beira das linhas de trem.

Está aí mais uma situação do imaginário de muitos brasileiros. Se uns olham pela janela de manhã e vêem mar, outros vêem rio, outros, ainda, vêem trilhos. Para aquele que ouve, todos os dias, o apito do trem, a espera não é o inferno. Aquelas comunidades estão ali, paradas em relação aos vagões, e talvez, para muitos deles, a lenda seja, um dia, pegar o trem e zarpar. Para outros, talvez a lenda seja ver alguém chegar, de retorno ou de forasteiro. Que venha para ficar, ou apenas para mudar o que parecia inerte. Dar um sopro de vida e ir embora.

À passagem do trem, as pessoas na beira dos trilhos, da rua ou das janelas, acenavam tchaus ora alegres, ora tristes. As mulheres pareciam manter as mesmas poses nas janelas. Escoradas nos parapeitos, davam tchaus preguiçosos. As crianças que brincavam na rua, interrompidas pelo trem, faziam da milésima passagem da locomotiva um evento festivo. Davam tchaus renovados, sorriam, pulavam e rodopiavam ao som ritmado da máquina à vapor.

No imaginário daquelas pessoas, o que será um trem? O que deve ser um trem para o mineiro, morador do interior de um país imenso, entrecortado por trilhos e de onde se podem ver tantas locomotivas de passagem? E para o carioca? O que será o trem? Talvez para este seja mais importante a estação do trem. Para os mineiros, a estação pode ser apenas o intervalo entre uma saída e uma chegada, sabe lá com quanto mais ou menos de alegria e tristeza.

E os meninos que brincam perto da linha do trem? O que pensam? Como soltam pipa? Se para meu filho um trem é um brinquedo cheio de rodas e cores, para aqueles guris da estrada de Tiradentes o trem traz, leva e corta as pernas das crianças que não obedecem às cuidadosas mães.

O que está no imaginário de um paulistano? O que é a lenda coletiva de uma população? Numa metrópole, o que faz parte dos eventos legendários? Um ritmo, uma velocidade, um hábito. A água, o trem, a montanha, os conceitos de alto, baixo, perto, longe, saída, chegada, amizade, respeito... todos podem ser vários. E são. Basta pegar a Maria Fumaça de Tiradentes a São João e viver com fé aquele momento. Uma lenda muito diversa da que se pode ter andando de carro sobre viadutos de concreto.


Ana Elisa Ribeiro
Tiradentes, 15/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
03. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2006
08h54min
Sou leitor assíduo dos seus textos. E sou um mineiro tímido, desses que adoram o biombo do silêncio. Não é preciso dizer que gosto muito do que você escreve. Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
15/2/2006
19h45min
Sou mineira, nascida em Belo Horizonte, e tive muito prazer em ler seu texto - sensível, fluente, encantador. Meu enteado, paulistano, hoje com 20 anos, quando tinha 10, ouvia minhas histórias sobre a vida em Minas Gerais e, certa vez, contou-me que seu grande sonho era conhecer um cavalo. Mal pude acreditar no que me dizia. Mas era verdade. Ele jamais tinha visto um. Penso que não tenha se deparado, até hoje, com um cavalo.
[Leia outros Comentários de Rina]
17/2/2006
17h21min
Ana, querida, estava lendo textos informativos e, de repente, deparei com o seu ... memorialista, afetivo, caudaloso, um doce remanso onde retomei o prazer da leitura. Tão bom, tão encantador, tão competente, tão acurado, tão... ah, sei lá! Só lendo mesmo e se deixar levar pelas sutis correntezas da tua emoção de cronista brasileira. Eu agradeço.
[Leia outros Comentários de daniel santos]
28/2/2006
16h01min
Se alguém se perde, o trem acha. Se alguém é levado, o trem traz de volta. Se alguém quer se perder de alguém, pula do trem. Se alguém quer achar outrem, pula no trem. Se algúém se acha sem direção, ouve o apito do trem. Se alguém quer perder a direção, perde o trem. É trem pra tudo que é trem. E foi por causa dum trem que eu achei e perdi uma pessoa maravilhosa... Belo texto.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MANDARINS DA REPUBLICA - ANATOMIA DOS ESCÂNDALOS DA ADMINISTRAÇÃ...
JOSÉ CARLOS DE ASSIS
PAZ E TERRA
(1984)
R$ 11,76



NO VERAO, A PRIMAVERA
LUCILIA DE ALMEIDA PRADO
MELHORAMENTOS
R$ 8,00



MODERNA GRAMÁTICA EXPOSITIVA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA
ARTUR DE ALMEIDA TÔRRES
FUNDO DE CULTURA
(1966)
R$ 39,00
+ frete grátis



DIREITO PENAL PARA UNIVERSITÁRIOS E CONCURSANDOS - CONCEITOS, HISTÓRIA
ESTANISLAU FRAGOSO BATISTA
FORENSE
(1996)
R$ 19,28



TESTES PARA ADMISSÃO EM EMPRESAS E EMPREGOS PÚBLICOS
JEAN GOBET
EDIOURO
(1985)
R$ 5,60



JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA -13 EDIÇAO
ATHOS GUSMÃO CARNEIRO
SARAIVA
(2004)
R$ 18,50



O RETORNO DE HOOLIGAN
NORMAN MANEA
AMARILYS
(2012)
R$ 20,00



DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS
ARCHÉ INTERDISCIPLINAR Nº 27 VOL. 9 DE 2000
UNIV CÂNDIDO MENDES
(2000)
R$ 18,82



365 BENÇÃOS - TEXTOS BÍBLICOS....
MAX LUCADO
THOMAS NELSON
(2007)
R$ 39,90
+ frete grátis



CRESCER É PERIGOSO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1986)
R$ 4,06





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês