Assunto de Mulher | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/10/2015
Assunto de Mulher
Marilia Mota Silva

+ de 3000 Acessos

Um amigo meu, jovem ainda, disse outro dia que o feminismo atrapalha as mulheres porque "elas eram mais felizes sendo apenas mães e donas-de-casa". Com notável autoridade sobre o assunto, ele se referia a elas, como um bloco único, em que diferenças individuais não contam.

Disse-lhe que feminismo não obriga a mulher a trabalhar fora de casa; apenas defende seu direito de fazer isso. Porque nesse mundo em que o dinheiro é o valor supremo, se ela quiser ter alguma autonomia, ser dona de sua vida, deve ter renda própria e ser capaz de garantir o seu sustento.

Meu amigo fez esse comentário sem malícia, no contexto de um papo sobre casamento e crise de meia-idade.

No entanto, a condescendência de sua opinião sobre o que convém a meio mundo reflete o enraizado sistema de casta em que vivemos e reflete também um movimento que se vem observando ultimamente: o recrudescimento da luta contra as mulheres.

Um relatório das Nações Unidas, de março deste ano, apresentado pelo Secretário Geral Ban Kimoon, fala de de um "alarmante aumento dos níveis de violência física e sexual contra as mulheres". Seria necessário uma ação conjunta das nações do mundo para combater essa forma de epidemia que nos atinge a todos e compromete as gerações futuras.

Mas não vou falar aqui da violência física, de casos emblemáticos como o da jovem paquistanesa que levou um tiro na cabeça por pleitear educação para as meninas; do infanticídio de meninas; da prostituição forçada; a lista de crimes cometidos contra as mulheres é longa e mais ou menos conhecida. Quero falar do combate sutil, da sabotagem diária, das pressões culturais, econômicas e psicológicas que recaem sobre as mulheres, inclusive em países que se consideram civilizados.

Nos Estados Unidos, por exemplo, tem aumentado o número de mulheres altamente qualificadas e bem sucedidas profissionalmente que abandonam tudo para cuidar dos filhos. Essas tem sorte porque, sendo ricas e casadas com homens tão bem sucedidos quanto elas, puderam escolher. No entanto, quando os filhos forem para a faculdade, e elas quiserem retomar a carreira profissional, vão ter que competir com os que estiverem começando, isso se conseguirem emprego.

Já as mulheres menos educadas, com renda média ou baixa, não tem escolha, e enfrentam desafios diários incontornáveis. As escolas aqui costumam ter muitos dias livres (reunião de professores, de atualização) fora os dias de neve e feriados. Onde deixar as crianças nesses dias? Além disso, a presença dos pais é requerida nos múltiplos eventos da escola: teatro, concertos, feiras, assim como sua ajuda 'voluntária' nessas atividades.

De seu lado, os empregadores costumam ignorar a existência de vida fora do trabalho, como se os empregados fossem seres avulsos no mundo, e não existissem famílias, crianças ou pais idosos. Algumas empresas, por exemplo, tem um sistema de turnos: o empregado tem que ficar à disposição, pronto a comparecer quando chamado, muitas vezes em cima da hora. Quem tem criança em casa nem se candidata. Só recentemente, algumas dessas empresas (Abercrombie & Fitch, Williams-Sonoma, Gap, Starbucks) começaram a mudar essa prática.

Em pleno século 21, com todos os avanços da tecnologia, em um país que se orgulha de seus valores, de sua democracia, com uma economia forte e instituições sólidas, as empresas ainda ignoram a existência da família. E a criança ainda é considerada problema da mulher. Ninguém fala se os pais falham nos cuidados com os filhos. É sempre a mulher. Assim como não falam da responsabilidade do homem quando discutem o aborto. Nada a ver com eles! Como se fetos surgissem por geração espontânea.

Acredito que o patriarcalismo arraigado - nas mulheres também, talvez até mais profundamente - e a mentalidade de business people sejam as causas da falta de flexibilidade das empresas e de uma cultura que ignora a vida familiar; família não se mistura com business, família é território das mulheres; em casa elas são mais felizes, diria meu amigo, brasileiro aliás. Afinal, quem vai abrir mão de seus privilégios de casta?

Como disse a escritora Nell Scovell, em um artigo no NYT (aqui) sobre a diminuição acentuada da presença feminina na criação de comédias na tevê:

"A desigualdade entre homem e mulher é como uma infecção bacteriana: o paciente está no segundo dia de antibiótico, os sintomas melhoram, a febre baixa, mas ele não pode se considerar curado. É preciso continuar com o tratamento, senão a doença volta.

"A desigualdade entre gêneros ainda está em nossa corrente sanguínea, e quando nós paramos de combatê-la, a bactéria se multiplica."

Esqueçamos ética, solidariedade, justiça, compaixão, afeto. Falemos de interesse.

Me parece evidente que interessa à sociedade que todas as crianças tenham as melhores condições possíveis para se desenvolver bem, com saúde emocional e física. Elas são nossos melhores recursos, são nosso futuro, os médicos que vão nos atender, os fabricantes de alimentos e remédios, os juízes, artistas, inventores, cientistas, e políticos. Nessa luta para manter o status quo, a criança e o futuro também saem prejudicados. E ainda há quem se espante com o crescente nível de insanidade no mundo.


Marilia Mota Silva
Washington, 7/10/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait
03. Twitter: A Crítica Como Vocação de Regina Lacerda
04. Um Lugar para Fugir Antes de Morrer de Adriane Pasa
05. Desglobalização de Luiz Rebinski Junior


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
03. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015
05. Pendurados no Pincel - 18/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês