Pendurados no Pincel | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
Mais Recentes
>>> Eu sou Macuxi e outras histórias de Julie Dorrico pela Caos e Letras (2019)
>>> As festas no Brasil colonial de José Ramos Tinhorão pela 34 (2000)
>>> Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária de Marilena Chaui pela Fundação Perseu Abramo (2000)
>>> Jetstream - pre-intermediate A- Student's Book & Workbook -c/Audio CD de Jane Revell - Mary Tomalin pela Helbling (2015)
>>> Jetstream - intermediate- Student's Book de Jeremy Harmer - Jane Revell pela Helbling (2015)
>>> Araribá Plus Geografia 8 de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2020)
>>> Tudo sobre cinema de Philip Kemp (Editor geral) pela Sextante (2011)
>>> Insta English 1 - Student's Book & Workbook de Emma Heyderman - Fiona Mauchline e outros pela Macmillan (2019)
>>> Cara, Cadê o Meu País? de David S. Moore pela Francis (2004)
>>> História da igreja católica de Philip Hughes pela Dominus (1962)
>>> Diário de Bordo de Noé de Francesca Bosca pela Ftd (2007)
>>> A 3ª Visão de Lobsang Rampa pela Record
>>> Guardiao Sete - O Chanceler do Amor de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> 200 Crônicas escolhidas de Rubem Braga pela Círculo do livro
>>> Na Praia e no Luar, Tartaruga quer o Mar de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo: Para Prevenção e Tratamento da Artrite de Peter D'Adamo e Catherine Whitney pela Campus (2004)
>>> As duas vidas de Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1977)
>>> O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2008)
>>> Teláris Arte 7 de Eliane Pougy - André Vilela e outros pela Ática (2019)
>>> Por amor a Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1983)
>>> Adestramento Inteligente de Alexandre Rossi pela Cms (2004)
>>> Aumente o Poder do Seu Subconsciente Para Vencer o Medo e a Ansiedade de Dr. Joseph Murphy pela Nova Era (2006)
>>> Eles não Usam Black-tie de Gianfrancesco Guarnieri pela Civilização Brasileira (2018)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/3/2015
Pendurados no Pincel
Marilia Mota Silva

+ de 3700 Acessos

Um senhor já velho, de cabelos ralos e espinha curvada, entrou decidido na Livraria da Travessa e foi direto ao caixa. Queria saber se a Travessa teria interesse em comprar sua coleção da Enciclopédia Britânica, completa e bem conservada.

O caixa olhou o homem como se o visse em meio ao fog do túnel do tempo. Quando recobrou a fala disse apenas não...não, não interessava. O homem virou as costas, ferido pelo olhar do outro, mas o rapaz recuperou-se em tempo e sugeriu: - A Biblioteca Nacional talvez se interesse; algum colecionador...

Quanto valeria hoje uma boa enciclopédia? Dificilmente valeria alguma coisa já que não há demanda. No entanto, esse era um bem precioso há não muito tempo.

* * *

Ana herdou dos pais a casa em que viveram a vida toda. Junto com a casa, os serviços de prata e porcelana inglesa, móveis de jacarandá, arcas, oratórios, orgulho da família há gerações. Desesperou-se: o que fazer com aquilo?

Tentou empurrar alguma coisa para a filha. A menina não aceitou nem um samovar de prata. - Quem vai manter isso polido? Móveis também não. Sua casa era "Ikea", funcional e simples, e melhor ainda, ela não se importaria de deixar tudo pra trás, quando se mudasse. Aconselhou a mãe a doar a museus a prataria antiga e os móveis, a quem se interessasse. Ana relutava: seria como apagar a memória de seus pais, a tradição e história, a saga da família. Adiou a decisão por alguns anos, até que se desfez de tudo, e foi um alívio! Menos bagagem, mais vida.

* * *

A casa própria sempre foi a pedra fundamental do sonho americano. Os últimos anos, no entanto, registram uma queda consistente no interesse dos jovens pela casa própria. Preferem alugar o imóvel a fazer um financiamento que os manterá na coleira dos bancos por décadas a fio.

* * *

Outra tendência que vem ganhando momento: morar em casas bem pequenas. As casas espaçosas de subúrbio vem perdendo posições no interesse do americano. Com menos espaço para guardar coisas, compra-se menos, o aquecimento e refrigeração não custam tanto, a vida fica melhor, mais simples, dizem os que fizeram essa escolha.

* * *

A taxa de casamentos tem diminuido e a dos divórcios aumentado. Estudiosos tentam definir que tipo de contrato poderia ser feito para um casal que quisesse formar família. Tempo de duração, tarefas, direitos e responsabilidades. O róseo romantismo agoniza. Requiescat in pace.

* * *

Quase metade (47%) das mulheres americanas, em idade de reproduzir, não tem filhos. Parte delas decidiu que não quer ser mãe, ponto. Outra parte congelou os óvulos para a eventualidade de desejarem procriar depois da menopausa. E o terceiro grupo, as mais jovens, ainda tem tempo para pensar no assunto.

* * *

Por todo lado, há sinais de que o mundo, como o conhecemos, desaparece sob nossos pés, como as calotas polares, nesse longo verão de nosso descontentamento.

Essa lista poderia seguir por várias páginas, que os exemplos são muitos. Vou lembrar só mais um:

O Estado Nacional, que marcou o começo da Idade Moderna, está enfraquecendo como contraste em fotografias velhas. As fronteiras se diluem, formam-se blocos de países, mas não é só isso.

Uma superestrutura abraçou o globo, sem fazer alarde. Dessa vez, os bárbaros é que fomos invadidos, e sem catapulta ou drone, sem um tiro:

Google, Apple, Facebook, Amazon, Alibaba, Uber, Netflix, Airbnb, Coursera, sem falar no capital financeiro, ignoram fronteiras; seu mercado é o planeta. E esse processo está apenas começando.

No Brasil colonial, D. João, o Astuto, proibia a construção de estradas entre as províncias. Impedindo a comunicação, o pequeno Portugal pôde manter seu domínio sobre um país incontáveis vezes maior que ele.

Hoje estradas virtuais conectam cada canto do planeta. E nas nuvens de Sillicon Valley está o olho que tudo vê e tudo sabe: hábitos, interesses, dados pessoais, o local em que cada um se encontra. Nunca antes na história desse planeta o poder se concentrou de tal maneira e em tão poucas mãos. E sem armas, sem industria bélica.

Estamos como nesses filmes-catástrofe em que o chão se parte sob nossos pés, o vulcão explode, o mar se eleva e, como se não bastasse, nuvens compactas de insetos escurecem o sol.

Ou como nos cartoons, quando a casa treme, a escada cai e o gato continua no ar, pendurado no pincel, segundos antes de se despencar.

Fases de transição: Quem se arrisca a sugerir como estaremos em vinte anos? Ou mesmo dez.



Marilia Mota Silva
Washington, 18/3/2015


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
03. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015
05. Pendurados no Pincel - 18/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Agonia de uma Oração
Michael Bruckner
imago
(2002)



Bastidores da Mediunidade
Emanuel Cristiano
allan kardec
(2004)



São Marcos de Palestra Italia
Celso de Campos Jr
Realejo
(2011)



Livro - Os Filhos Vêm do Céu
John Gray
Rocco
(2003)



As Boas Mulheres da China: Vozes Ocultas
Xinran
Companhia das Letras
(2007)



Hei de Vencer
Arthur Riedel
Pensamento
(1999)



Redes Solidárias
Maria Tereza Maldonado
Saraiva
(2009)



Na Minha Cadeira Ou na Tua?
Juliana Carvalho
Terceiro Nome
(2010)



O Brilho da Estrela
Danielle Steel
Altaya Record
(2001)



O Código da Bíblia
Michael Drosnin
cultrix
(1997)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês