Cartas a um jovem escritor | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SENTENÇA DISCUTE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E TRAZ CRÍTICA AO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eucanaã Ferraz
>>> Um século de paixão pela arte
>>> Meus melhores discos de 2008
>>> O guia do consumidor de livros
>>> Unsigned and independent
>>> Os Insones, de Tony Belloto
>>> 27 de Agosto #digestivo10anos
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Filosofia cai no gosto popular
>>> Bailes & Festas
Mais Recentes
>>> Exu tiriri de Helio Doganelli Filho pela Anubis (2017)
>>> Exu, pomba-gira e seus axés de Evandro Mendonça pela Anubis (2011)
>>> Fala Zé Pelintra de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2016)
>>> Melhor do que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2010)
>>> Projeto Araribá Geografia 7ª Série de Vário Autores pela Moderna (2006)
>>> Feitiços de quimbanda de Evandro Mendonça pela Anubis (2019)
>>> Feitiços, magias e mirongas de Evandro Mendonça pela Anubis (2019)
>>> Morte: uma luz no fim do túnel de Hernani Guimarães Andrade pela Jornalística Fe (1999)
>>> Gira dos animais de Luzia Contim pela Anubis (2019)
>>> A Corte e o Mundo de Andréa Slemian, João Paulo G. Pimenta pela Alameda (2008)
>>> Renascido Livro-Jogo de Carlos Klimick pela Akrito
>>> Questionário de Cadão Volpato pela Iluminuras (2000)
>>> O guardião dos mares de Amanda Paulino Batista pela Anubis (2012)
>>> Epifanias de James Joyce pela Iluminuras (2012)
>>> Poesias Completas - Poesia de Joao Cabral de Melo Neto pela Jose Olympio (1979)
>>> Ilê axé umbanda de Evandro Mendonça pela Anubis (2011)
>>> Laroiê exu capa-preta de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2019)
>>> O Gozo Feminino de Maria Escolástica pela Iluminuras (1995)
>>> Laroiê exu caveira de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2019)
>>> Código Penal Militar de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1999)
>>> Jacques Lacan - uma Biografia Intelectual de Oscar Cesarotto, Marcio Peter de Souza Leite pela Iluminuras (2001)
>>> Laroiê exu da meia-noite de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Jacques Lacan - uma Biografia Intelectual de Oscar Cesarotto, Marcio Peter de Souza Leite pela Iluminuras (2000)
>>> Laroiê exu das sete encruzilhadas de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Laroiê exu tiriri de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Eumeswil - Romance - Literatura de Ernst Junger pela Guanabara (1977)
>>> Laroiê exu tranca-ruas de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Atlas Geográfico Escolar de Pedro Sérgio Valcanaia (Coord.) pela Brasileitura
>>> Segurança e Saúde no Trabalho: NRs 1 a 36 Comentadas e Descomplicadas de Mara Queiroga Camisassa pela Método (2015)
>>> Laroiê exu veludo de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Laroiê pombogira cigana sete saias de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> O evangelho e a diversidade das culturas de Paul G. Hibert pela Vida Nova (1999)
>>> Laroiê pombogira Maria Molambo de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Laroiê pombogira Maria Padilha de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Laroiê pombogiras ciganas de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> Os Numeros do Jogo Por que tudo o que v esta erradooce sabe sobre futebol - Esporte de Chris Anderson & David Sally pela Schwarcz (2009)
>>> O livro de ouro da Umbanda de Ortiz Belo De Souza pela Anubis (2019)
>>> As Plantas Curam de Alfons Balbach pela Vida Plena (1993)
>>> O livro de ouro dos orixás de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2017)
>>> Meditação, autoconhecimento e dicas para o diálogo de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2016)
>>> Mensagens dos guias de Umbanda de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2016)
>>> Segurança e Saúde no Trabalho: NRs 1 a 36 Comentadas e Descomplicadas de Mara Queiroga Camisassa pela Método (2017)
>>> Mitologia dos orixás de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2014)
>>> No reino dos caboclos de Ademir Barbosa Junior pela Anubis (2015)
>>> Tia Magi ensina o abracadabra de Terence Blacker pela Melhoramentos (2002)
>>> Umbanda sob a ótica da neurolinguística de Marcio Martins pela Anubis (2019)
>>> Kit Trilogia orixás na Umbanda de Varios pela Anubis (2019)
>>> Kit Trilogia liturgia de Umbanda de Varios pela Anubis (2019)
>>> Kit Trilogia literatura umbandista de Varios pela Anubis (2019)
>>> Cozinha de Estar receitas praticas para receber - Culinaria de Rita Lobo pela Paralela (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/1/2008
Cartas a um jovem escritor
Marcelo Spalding

+ de 13000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O título é bom, ótimo, mas não é meu nem da minha coluna, e sim de um interessante livro escrito por Mario Vargas Llosa, Cartas a um jovem escritor (Elsevier, 2006, 188 págs.). A obra faz parte de uma coleção que vai desde Cartas a um jovem chef até Cartas a um jovem herdeiro, passando por um livro com cartas a jovens políticos escrito por Fernando Henrique Cardoso. Mas esqueçamos o caráter comercial da coleção, que não prejudica o ensaio de Llosa e talvez até explique alguns comentários superficiais.

Já nas primeiras páginas, o romancista pergunta: por que dedicaria seu tempo a algo tão efêmero e quimérico ― a criação de realidades fictícias ― aquele que está intimamente satisfeito com a realidade real, com a vida que leva? "A ficção", dirá então Llosa, "é uma mentira que encobre uma verdade profunda, é a vida que não foi, a que os homens e mulheres de determinada época quiseram levar e não levaram, precisando, por isso, inventá-la".

Adiante, o peruano irá lembrar a frase de Flaubert de que a escrita é uma bela vocação que nos absorve a tal ponto que não escrevemos para viver, e sim vivemos para escrever, para logo a seguir afirmar que "o escritor se alimenta de si mesmo", ponderando, porém, que "embora o ponto de partida da invenção de um romancista seja o que ele viveu, esse não é, nem pode ser, o ponto de chegada".

Particularmente, como jovem escritor e, mais ainda, com a mínima autoridade de professor de oficina de criação literária de uma universidade aqui de Porto Alegre, digo que o livro já vale por esses dois capítulos iniciais. Não que as considerações de Llosa sejam novas, mas ele começa as cartas com a pergunta mais sensível àqueles que escrevem: por que escrever? Escreve-se por vocação, escreve-se por vaidade, escreve-se por ganância? Para que escrever, criar realidades em vez de vivê-las, pôr mais um livro no mercado e batalhar insanamente para que outros o leiam?

Lançadas as perguntas, Vargas Llosa não as responde, prefere dar conselhos mais técnicos e objetivos, focando-se sempre na construção do romance, o que não é comum, pois normalmente as poéticas contemporâneas são feitas para o conto. Ao longo das doze cartas, abordará o estilo, o narrador, o espaço, o tempo, os níveis de realidade, as guinadas, o subtexto, a verossimilhança e outros conceitos teóricos que todo escritor, mesmo que rejeite a academia, deveria conhecer, pois nada mais são do que suas ferramentas de trabalho.

Sempre citando exemplos, de Joyce a Monterrosso, nos mostra como cada elemento formal interfere sobremaneira no "poder de persuasão" de um texto, tornando-o mais ou menos inesquecível. Não se pode separar forma e conteúdo, insistirá o romancista, e se romances como Dom Quixote e Moby Dick são bons é graças à eficácia de sua forma, pois a maneira como se conta e o que se conta, nesses romances, formam uma unidade indestrutível.

Como o leitor já deve ter percebido, Vargas Llosa se concentrará no texto, na concepção de romance como arquitetura, esquema narrativo, chegando a afirmar que nenhum romancista obteve sucesso fulminante, todos foram frutos de anos de disciplina e perseverança. E nesse sentido é interessante notar como a concepção de literatura, e, por conseguinte, do papel do escritor, mudou ao longo de cem anos.

Entre 1903 e 1908, Rainer Maria Rilke, considerado o melhor poeta de língua alemã do século XX, trocou cartas com um jovem que pedia juízo sobre sua obra e essas cartas hoje estão publicadas em Cartas a um jovem poeta (livro que não é mencionado em nenhum momento por Vargas Llosa mas que provavelmente serviu de inspiração para os organizadores da coleção Cartas a um jovem...). Em suas cartas, Rilke começa dizendo-se impedido de comentar a obra alheia, mas sugere que falta personalidade ao poeta, chegando a perguntar se ele TEM mesmo que escrever. A partir daí, passa a dar muitos conselhos para o jovem Kappus, todos eles relacionados à vida do rapaz, insistindo que ele deve viver mais, aprender com a tristeza, ler menos crítica literária. Não há uma carta sequer dedicada às questões formais, como em Vargas Llosa.

Mais do que opção estética de um e outro, esse fato demonstra como a literatura transformou-se ao longo de um século, apagando muito da influência do romantismo e recebendo muita influência da sociedade industrial, da cultura de massa, da tecnologia crescente. Já não se fala em inspiração, muito menos em musa-inspiradora, mas em trabalho, muito trabalho, disciplina, atenção. Mais do que criador, o escritor contemporâneo deve ser um construtor, um arquiteto capaz de aliar sensibilidade artística e estruturação quase matemática.

Não que o estilo não seja importante, pelo contrário. Vargas Llosa dedicará um capítulo inteiro ao tema, onde afirma que "não é possível ser um romancista sem ter um estilo coerente e necessário, e visto que você deseja tê-lo, busque e encontre o seu estilo lendo bastante, mas (...) procure fugir das reproduções mecânicas dos padrões e ritmos da escrita de terceiros, pois se você não for capaz de desenvolver um estilo pessoal, aquele que mais convém ao que você pretende contar, suas histórias dificilmente conseguirão se embeber do poder de persuasão que as fará viver". Mas esse estilo não nasce de uma hora para outra, é uma conquista. E precisa ser lapidado.

Por essas e outras reflexões, nada como levar para as férias esse livrinho de Vargas Llosa. Talvez muitos cheguem ao final constrangidos pelo que até então tenham escrito, mas também isso é parte do amadurecimento profissional de um escritor, inevitável àqueles que desejam ir além de leitores-amigos e blogs engraçadinhos.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 31/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Casa do Saber no Rio de Janeiro de Luis Eduardo Matta


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2008
19h41min
Uma série de reflexões bem consideradas. Mas, por que será que quem consegue ser considerado escritore, tende a querer desestimular quem escreve e não tem tal status ou está começando?
[Leia outros Comentários de Edson B. de Camargo]
7/2/2008
22h23min
Gostei mais do livro de Rilke; Vargas Llosa é bastante previsível, inicia sugerindo que é preciso ter nascido para escrever, possuir características específicas de personalidade para conseguir ser um escritor, ter vocação, tendência, inclinação, depois passa a falar em trabalho e disciplina, que costumam ser conselhos de escritores-jornalistas, acostumados a regras e padrões textuais; que são importantes, sem dúvida, para a construção literária, mas a sensação que fica é a de ilusão: há uma promessa de aprendizado acessível a todos, bastando para isso conhecer as regras e se disciplinar em um trabalho contínuo, que requer muito esforço e atenção. Porém, você só conseguirá bons resultados se tiver vocação, o que ninguém ensina, mas isso fica em segundo plano quando o autor fala da técnica, da possibilidade de se dominar os recursos necessários à construção dos textos. Afinal, escrever é vocação ou é trabalho? Vale mais ter conhecimentos ou sensibilidade? Depende do escritor?
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
16/8/2008
13h59min
Escrever é o exercício, ler é o alimento. Sou ex-viciado, ex-vagabundo, ex-presidiário, ex-marido, porém também sou estudante, escritor e espectador do mundo imaginário que crio, abastecido por vivências e leituras. Escrever é a forma que achei de deixar de ser escravo do sistema avassalador atual. E blablablá... Escrevo para ser lido e manter-me vivo virtualmente na mente do leitor. Ler é um diálogo, uma eterna comunicação.
[Leia outros Comentários de Ósi Luís]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INCRÍVEL POLÍTICA NACIONAL DE INFORMÁTICA
J. C. MELO
NÃO INFORMADO
(1982)
R$ 40,00



FRANKENSTEIN
MARY SHELLEY
FAROL HQ
(2012)
R$ 22,17



MEU DOMINGO COM CRISTO A-2
PE JOSÉ GERALDO RODRIGUES
SANTUÁRIO
(1986)
R$ 5,00



O LUAR NA AVENIDA DA FÉ
GINA B. NAHAI
GERAÇÃO
(2001)
R$ 16,40
+ frete grátis



ATIRE NO PIANISTA
DAVID GOODIS
CIRCO DE LETRAS
(1984)
R$ 8,00



SHARDIK
RICHARD ADAMS
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,90



HISTÓRIA FINANCEIRA DE MINAS GERAIS EM 70 ANOS DE REPÚBLICA VOLUME II
ANTÔNIO LUIZ DE BESSA
ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO
(1981)
R$ 9,90



IVANHOÉ - COLEÇÃO GRANDES AVENTURAS
WALTER SCOT
ABRIL
(1979)
R$ 6,90



PRESTES COM A PALAVRA. UMA SELEÇÃO DAS PRINCIPAIS ENTREVISTAS DO LÍDER COMUNISTA
DÊNIS DE MORAES
LETRA LIVRE
(1997)
R$ 15,00



MANUAL DE ALCANTARILLAS Y DRENAJE
ARMCO INTERNATIONAL
ARMCO INTERNATIONAL
(1939)
R$ 12,00





busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês