O Véu, de Luis Eduardo Matta | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A discreta crise criativa das novelas brasileiras
>>> Um post sem graça
>>> Política em perguntas
>>> Os Estertores da Razão
>>> Encontro com Marina Silva
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Mais Recentes
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Cascão 360 - Outubro/2000 - Uma Folha De Jornal, Mil Idéias na cabeça de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Chico Bento 354 - Agosto/2000 - O Fenômeno de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Magali 185 - Julho/1996 - Gato De Guarda - Editora Globo de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Ed & Lorraine Warren Lugar sombrio de Carmen Reed e AL snedeker & Ray Garton pela Darkside (2021)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> A cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2014)
>>> Eram os Deus Astronautas? de Erich von Daniken pela Edições Melhoramentos (1977)
>>> Pequena Filocalia - O Livro Clássico da Igreja Oriental de Vários Autores pela Paulus (1985)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> Búfalo - Zodíaco Chinês de Catherine Aubier pela Pensamento (1982)
>>> Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia. de José de Souza Martins pela Livros Tecnicos (1977)
>>> Luz Emergente - A Jornada da Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (1993)
>>> Os homens dos Pés Redondos de Antônio Torres pela Francisco Alves (1973)
>>> Maça Profana de Wellington Soares pela The Books (2003)
>>> Teologia do Novo Testamento de George Eldon Laad pela Juerp (1985)
>>> Colette - Uma Biografia de Allan Massie pela Casa Maria (1989)
>>> Enigmas Bíblicos Revelados de Ernesto Barón pela Ceg (1998)
>>> Salvador de Sá e aluta pelo Brasil e Angola 1602-1686 Vol. 353 de C. R. boxer pela Ed. da usp (1973)
>>> Relações da Psicanálise com analistas, instituições e pacientes de David Zimmermann pela Artes Médicas (1988)
>>> Os Africanos no Brasil Vol. 9 de Nina Rodrigues pela Companhia Ed. Nacional (1997)
>>> Na Colméia do inferno - 1ª coleção veredas de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX de Pierre verger pela Corrupio (1992)
>>> Ao passar das caravanas ciganas de Valéria Sanchez Silva Contrucci pela Zenda (1995)
>>> O Jesus Histórico de Otto Borchert pela Sociedade religiosa edições vida nova (1985)
>>> Contra a Maré: Watchman Nee de Angus Kinnear pela Clc (1989)
>>> Encontro Com a Morte de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Por uma sociologia do protestantismo brasileiro de Vários autores pela Umesp (2000)
>>> Liberdade e Exclusivismo: ensaios sobre os batistas ingleses de Zaqueu Moreira de Oliveira pela STBNB edições (1997)
>>> Teologia Oriental: A identidade das igrejas orientais católicas no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalum Vol. III de Thodoro Corrêa de Oliveira pela Gráfica (2009)
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
>>> Um Time Muito Especial de Jane Tutikian pela Atual (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 12/1/2010
O Véu, de Luis Eduardo Matta
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 7200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Recentemente, causou grande comoção na mídia e nos círculos mais informados a visita ao Brasil do líder político iraniano Mahmoud Ahmadinejad. Como é sabido, o líder iraniano é autor de inúmeras declarações polêmicas que, entre outras coisas, questionam a existência do Holocausto, bem como sugerem a destruição do Estado de Israel. Por esse motivo, depois de George W. Bush, Ahmadinejad é o que mais se aproxima de inimigo público n° 1 do mundo. No Brasil, embora em menor escala, sua visita provocou alguma agitação junto à opinião pública. E, de fato, já faz algum tempo que os intelectuais, jornalistas e até mesmo outras entidades internacionais anseiam pela troca de regime político teocrata no Irã. Após 30 anos da Revolução Iraniana, as fissuras no tecido social são visíveis, mesmo para quem não presta tanta atenção no tabuleiro da política e das relações internacionais correlatas ao imbróglio do Oriente Médio. À sua maneira, Luis Eduardo Matta, com seu novo thriller, O Véu (Primavera Editorial, 2009, 560 págs.), atenta para essas e outras questões na obra que chegou há pouco às livrarias.

O Véu é o sétimo livro de Luis Eduardo Matta. E se em obras anteriores (Conexão Beirute Teerhan; Ira Implacável) o debate estava centrado no âmbito do terrorismo e da intriga internacional, desta vez o autor investe em uma abordagem que foge da leitura mais fria dessa discussão e envolve o leitor em torno de uma história que lida com outro ambiente, mais sofisticado e não menos relacionado às subjetividades: o mundo da arte. Aqui, novamente, o autor desenvolve uma espécie de assinatura, já que, em 120 Horas (Planeta, 2005), a narrativa tinha como pano de fundo o mundo da alta costura.

Dessa maneira, entre as relações internacionais e o universo das artes plásticas, em O Véu os personagens são tragados para uma espiral de acontecimentos que não dão trégua ao leitor. Para quem espera de um thriller apenas uma fórmula pronta no que tange à sua estrutura formal, há de se surpreender tanto com o desenrolar da narrativa, quanto com a maneira que o autor propõe um novo olhar para uma das tensões mais quentes dentro do embate intelectual na sociedade contemporânea. Assim, para além do relato de suspense sobre o terrorismo internacional, existe, em paralelo, a discussão acerca de como o intelectual vê a contemporaneidade e de como pode ser nocivo o entendimento literal de certas propostas associadas ao ideal da razão.

Enredo, texto e tecido
Ao livro, portanto: dividido em três partes, O Véu traz a história de Lourenço Monte Mor, jovem e promissor artista, que, com sensibilidade à flor da pele, é capaz de se deixar levar por uma paixão proibida. Absorto, Lourenço se dedica ainda mais ao trabalho e elabora o quadro que dá o título ao livro, uma peça aterradora que mostra uma deslumbrante mulher com o corpo coberto apenas por um véu, provocando a ira dos religiosos mais radicais, atiçando a sanha de grupos terroristas que se sentiram perjurados pela obra, além de causar grande repercussão da classe artística. Quem é a mulher representada no quadro? Por que a obra arrastará atrás de si não somente os personagens diretamente relacionados à trama ― como é o caso de Lourenço Monte Mor, Anibal Monte Mor e Araci Quintanilha ― mas também outras figuras misteriosas, que aparentemente não estão ligadas à obra ― tais como Mohsen Khajepour, Jaffar Jalaipour e Mitra Rahmani, cujas personalidades são tão complexas quanto distintas? Descortinado, "O Veu", de Lourenço Monte Mor, desencadeia toda uma série de acontecimentos que se desdobram nos demais capítulos do livro.

Os linguistas mais afeitos à origem das palavras gostam sempre de lembrar que os termos "tecido" e "texto" remetem à mesma estrutura. Não por acaso, sustentam os teóricos, assim como um bom tecido, um bom texto se fundamenta, essencialmente, pela sua articulação, coerência e coesão, que dependem, no caso de um thriller, da capacidade criativa do autor. Em O Véu, a costura do texto se baseia não apenas no aspecto verossímil das cenas, dos ambientes e da temática ― o mundo da arte relacionado ao terrorismo internacional. Antes, a obra consegue vida própria no âmbito da ficção porque constrói um arcabouço narrativo que sustenta a longo prazo as inúmeras reviravoltas da história. Dito de outra maneira, muito embora seja um romance de ficção, há momentos em que o leitor acompanha as passagens como se aqueles acontecimentos fossem verdadeiros. Todavia, diferentemente de uma reportagem jornalística, a história consegue se estabelecer no plano da ficção graças ao seu andamento que não perde o ritmo.

Exemplo disso se dá em uma das principais passagens da obra, quando o autor estabelece uma ponte com as manifestações do Irã logo após as eleições naquele país em meados de 2009. É o momento em que Mitra Rahmani, uma intelectual que desafia o senso comum do ocidente a respeito do entendimento que as próprias iranianas têm acerca daquele regime, procura incessantemente por seu marido, Jaffar Jalaipour, que, naquele momento, havia sido acusado de ser um traidor do governo. Toda essa ambientação é pertinente, pois consegue mostrar que nem todos os iranianos são alienados ou fanáticos (como destaca certa tendência do noticiário) que não se importam com o que acontece por ali. Nesse aspecto, o livro se destaca por apresentar um cenário sociopolítico diferente do que se costuma imaginar fora de lá.

Nesse sentido, para além dos elementos de ação que compõem a narrativa, a obra também propõe um debate acerca das razões que podem levar ao terror. Aqui, ao contrário do que se possa imaginar, o autor não tenta justificar as motivações de uma facção terrorista, mas se estabelece uma hipótese ao apresentar as teses extremadas que se travestem de conceitos intelectualizados. E o leitor descobre que a ideia de banalidade do mal não se justifica apenas com os quadros mais brutos, mas, também, nas camadas mais sofisticadas, que, muitas vezes, trazem consigo o semblante de serenidade, temperança e moderação. Demasiadamente humano, o comportamento de algumas das cabeças mais brilhantes da sociedade também servem ao mal, o que é uma lástima, mas é a um só tempo verossímil e verdadeiro.

A política do thriller
Como escritor, no entanto, Luis Eduardo Matta não toma partido desta ou daquela causa. Isto é, seu livro não funciona como peça de proselitismo político, ideológico ou religioso de quem quer que seja. De um lado, porque, antes de qualquer coisa, trata-se de uma obra de ficção, que, por acaso, toma emprestado da realidade alguns elementos factuais. Por outro, a narrativa traz consigo o contraponto desta visão extremada na figura de diversos personagens, como a já citada Mitra Rahmani e Araci Quintanilha. Não se trata, obviamente, de modelos de heroínas da literatura, mas encarnam ideais mais próximos à pluralidade e à convivência pacífica com a diferença, com o outro. Há que se notar, a propósito, que, tal como nos livros anteriores, Luis Eduardo Matta concede às mulheres as personagens mais ricas. De sua parte, os personagens masculinos, quase de forma previsível, tendem mais ao vício do que à virtude, o que não necessariamente chega a surpreender no que se refere ao comportamento.

Ainda assim, chama a atenção a força existente no antagonista, cuja identidade fica encoberta por boa parte da história. O que salta aos olhos, mais até do que as perversidades, é a capacidade de o ser humano racionalizar o mal, tornando-o justificável com base em uma crença religiosa e, o que é mais perigoso, num delírio da razão. É, por que não?, um alerta para os tempos que seguem, quando a ordem e o discurso atentam, em uníssono e não sem motivo, para o problema das religiões. Todavia, há de se lembrar que, também a ideologia, é capaz de manifestar o que os instintos mais primitivos; afinal, quantos não foram os mortos, para citar o século XX, devido à causa da política? Em O Véu, essa questão, ainda que de forma subjacente, é trazida à tona no ápice do livro.

Por todas essas questões, o novo livro de Luis Eduardo Matta, lançado pela Primavera Editorial, não apenas cumpre o que promete ao propiciar ao público uma leitura saborosa, mas, também, propõe uma reflexão acerca do vasto mundo contemporâneo e de seus pensamentos, muitas vezes, imperfeitos.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 12/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
02. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
03. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro
04. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro
05. Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo de Duanne Ribeiro


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
03. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
04. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
05. Teoria da Conspiração - 10/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/1/2010
14h08min
Fabio, o livro de Luis Matta queima em minhas mãos, aguardando as férias para devorá-lo. E a sua resenha só atiçou essas labaredas. Manter a atenção por 560 páginas, usando de todos os recursos que se espera para um livro de suspense, não é tarefa fácil, mas algo que vem sendo feito com maestria por Luis. Parabéns a você pela resenha e ao Luis pelo ótimo livro que ofereceu aos seus leitores. Abs.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
31/1/2010
18h03min
Ótima resenha, consegue reunir e destacar os pontos relevantes da obra, que de fato proporciona reflexões e entretenimento. É interessante observar a metáfora: um véu encobre o verdadeiro Irã, em que mulheres trabalham, estudam, pensam, opinam, mas, aos olhos do Ocidente, é apenas um país "atrasado". Parabéns ao autor do livro e ao do artigo.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Televisão - a Vida pelo Vídeo
Ciro Marcondes Filho
Moderna
(1988)
R$ 5,00



O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviços na era digital (edição revista e ampliada)
Ricardo Antunes
Boitempo
(2020)
R$ 69,00



Teoria e Metodologia (dossiê)
Revista Tempo, Nº 2, Vol 1 - 1996
Relume Dumará
(1996)
R$ 31,28



Exame da Oab Segunda Fase - Área Trabalhista
Agostinho Zechin Pereira
Saraiva
(2007)
R$ 8,38



Seresta Mineira
Lar de Paula
Lar de Paula
R$ 40,00



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)
R$ 15,00



O Jornalismo Canalha
José Arbex Jr
Casa Amarela
(2003)
R$ 20,00



Sciencia Sexual Contribuições para o Seu Estudo Virgindade
Asdrubal Antonio D Aguiar
Livraria Teixeira
(1924)
R$ 106,61



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)
R$ 11,00



Doze Capítulos Sobre Escravizar Gente e Governar Escravos
Roberto Guedes, Denise Demétrio
Mauad
(2017)
R$ 49,00





busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês