Um Furto | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA INCENTIVA A ARTE NA REGIÃO COM O GRANJA CULTURAL
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
>>> Companhia de Danças de Diadema apresenta Antropo100 - De Cascudo a Eros no Teatro Clara Nunes com i
>>> Tem flamenco e árabe entre os espetáculos do Mo Li Hua de graça e online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
>>> Analisando o Amazon Prime
Mais Recentes
>>> A Reconstrução da sociedade de Walter Lippmann pela Livraria Itatiaia (1961)
>>> Livro - Anita Bocadura - Coleção Moral da História de Mariangela Bueno pela Callis (2010)
>>> Portugal e Seus Filhos de Giacomo Ammirato pela Forense (1970)
>>> O velho homem de Nali de Jesus de Souza pela Age (2010)
>>> Entendendo Slavoj Zizek: Um Guia Ilustrado de Christopher Kul-Want & Piero pela LeYa (2012)
>>> Scrum e PMBOK Unidos no Gerenciamento de Projetos de Fábio Cruz pela Brasport (2014)
>>> A tragédia brasileira de Sérgio Sant'Anna pela Guanabara (1987)
>>> Livro - Borba, o Gato de Ruth Rocha pela Salamandra (2009)
>>> La Direccion de Empresas y Maquiavelo de Antony Jay pela Ediciones Destino (1967)
>>> História do cerco de Lisboa de José Saramago pela Companhia de Bolso (2011)
>>> Livro - Histórias de Tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Globo (2009)
>>> Livro - Ode a uma Estrela de Pablo Neruda pela Cosacnaify (2009)
>>> Gerência de Configuração com Puppet de Aécio dos Santos Pires pela Novatec (2017)
>>> Marketing em ambiente digital de André Miceli e Eduardo Maróstica pela Fgv Ide (2019)
>>> Psicoanalisis Del Espiritu de Heinrich Racker pela Editorial Nova (1957)
>>> A senhorita Simpson de Sérgio Sant'Anna pela Companhia das letras (1989)
>>> Livro - Hora de Aventura Apresenta Marceline e as Rainhas do Grito de Gran Moore pela Panini Books (2014)
>>> A Convidada de Simone de Beauvoir pela Difusão Européia do Livro (1956)
>>> Something wicked this way comes de Ray Bradbury pela Orion books (2015)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1998)
>>> Coroas de Glória, Lágrimas de Sangue de Emilia Viotti da Costa pela Companhia das Letras (1998)
>>> Coleção Eu Sou o Número Quatro - 7 Volumes de Pittacus Lore pela Intrínseca (2011)
>>> Teach Yourself the Unix C Shell in 14 Days (muito bom) de James C. Armstrong / David Ennis pela Sams (1994)
>>> Livro - The Lost World - Dominoes Two de Arthur Conan Doyle pela Oxford University Press (2007)
>>> The Secure Shell: The Definitive Guide de Daniel J. Barrett; Richard E. Silverman pela O'Reilly (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 11/6/2018
Um Furto
Ricardo de Mattos

+ de 41700 Acessos

Os ladrões de bens particulares passam a vida na prisão e acorrentados; aqueles de bens públicos, nas riquezas e nas honrarias” (Catão).

No final da tarde de ontem, quatro de junho de 2018, eu acompanhava a companheira dos meus dias em suas compras num supermercado. Andávamos aqui e ali e reparei num rapaz. Ele vestia shorts e jaqueta. Olhei seus pés e reparei que estavam imundos, calçando chinelos igualmente sujos. No conjunto, equiparava-se aos inúmeros moradores de rua que vejo por aqui. Não sou hipócrita, caro leitor, portanto reconheço o alerta íntimo. Entretanto, como as redes sociais apresentam diversos vídeos de pessoas bem vestidas furtando bolsas em restaurantes e produtos em farmácias, segui com a Lily e suas compras. Sequer comentei algo com ela.

Realizando o típico roteiro feminino que, representado graficamente resulta em novelo embaraçado, acabamos por entrar numa seção. De onde eu estava, tornei a ver o rapaz uma seção adiante. Entre o corredor que paramos e o que ele estava, apenas um corredor transversal. A reta entre nós e ele garantiu-me visão desimpedida. Lily verificava produtos de limpeza e o rapaz mexia nas prateleiras de produtos de higiene masculina. De repente, comento com ela: “Isto tinha que acontecer na minha frente mesmo...”. Ela virou-se para saber o que eu falava e completei: “Aquele rapaz acabou de tirar produtos da prateleira e enfiar dentro da jaqueta”.

O que fazer, caro leitor? Correr atrás dele pelo estabelecimento gritando “peguem o ladrão”? Fazer todo um alvoroço, talvez conseguindo sua apreensão por algum segurança e a revelação de seu furto? Ou “seus furtos”? Chamar a atenção sobre mim e garantir cinco minutos de fama como herói de supermercado? Estimular comentários como “o mundo está perdido”, ou, “eles fazem isso para trocar por droga”? Nada... Ele saiu e nós seguimos.

Daqui a pouco deitarei para dormir e continuarei com a consciência tranquila. Passei a ser um defensor de ilícitos? De forma alguma. Fosse um sobrinho ou amigo e eu agiria de outra forma. Um sobrinho estaria sob minha responsabilidade e eu não o permitiria dizer que realizou furtos com minha leniência. Um amigo que expressasse dificuldade a ponto de aceitar a possibilidade da subtração indevida receberia de mim a oferta daquilo que precisasse. Todavia, o que fazer com o rapaz que furtou? Nada. Nunca encontramo-nos antes e, caso isto ocorresse, não há garantia que algo dito ou falado por mim tirasse-o “do mal caminho”. Não nos encontraremos mais, ou isto dificilmente ocorrerá, de forma que nenhuma relevância terá mencionar um ato abrigado pelo pretérito. Que ele siga no encadeamento de suas escolhas.

Ele poderia ter escolhido não furtar? Poderia. Sinto muito, caro leitor, mas não aceito falar que ele é um “fruto do meio”, um “resultado do ambiente”. O homem possui o livre arbítrio justamente para decidir o que fazer em cada uma das situações de sua vida. Ele não teve que furtar. Ele furtou. Contudo, minutos de permanência num estabelecimento comercial e o testemunho da ação lamentável não são suficientes para traçar um perfil que releve quais decisões ele encadeou em sua jornada existencial até chegar ali. Ele trocaria o produto furtado por alguma substância entorpecente, como certamente alegaria algum experto de ocasião? Como saber? Seguindo-o?

Dominado por algum segurança e revelado seu ato, seria liberado sob xingamentos ou detido até a polícia vir busca-lo? Receio que me seria vexaminoso sair do supermercado com a compra feita e vê-lo acossado em algum canto. Talvez o pó de café de marca diferente da habitual, comprado para experimentar, resultasse numa beberagem amarga. “Por isso que o país está perdido! As instituições não são respeitadas, os vagabundos são protegidos e o crime acaba compensando”, poderá alegar aquele senhor saudoso da época em que os trens cumpriam seus horários. “Compensa não”, respondo. Crime é feio. Degrada o humano. Não quero cometer crimes e não quero que pessoas próximas cometam-nos. Mexesse o rapaz da jaqueta preta com alguma criança, ou avançasse contra a integridade física de quem quer que seja, então sim, eu interviria como possível e ele que se virasse com as consequências.

Digito esta coluna em meu quarto, à escrivaninha coberta com livros queridos, descobertos e adquiridos um por um. Ouço uma seleção das músicas de Jean-Baptiste Lully. O rapaz da jaqueta preta estará onde? Dormindo em algum canto da cidade, a céu aberto, sob o frio crescente? Em algum moquifo? Providenciando o reencarne de outro indivíduo que precisará superar dificuldades inimagináveis para sobreviver? Não é desgraça suficiente? É preciso agravar o que já é lastimável e transferi-lo para um moquifo oficial, gradeado e irrelevante para sua “recuperação”? Alguma ordem seria restabelecida?

Caro leitor, declaro-me apolítico, mesmo que isto repugne suas convicções. Uma das atribuições da Administração Pública é gerir e preservar o patrimônio público. Todas as informações que nos chegam das diversas fontes indicam que este patrimônio não está sendo gerenciado dignamente, seja qual for a pessoa acusada de promover que isto ocorra, seja qual for o partido político envolvido. Partidarismo político, no Brasil, limita-se a situação e oposição: uma quer que a outra saia para então poder fazer exatamente aquilo de que a acusa. Não acredito na descoberta de verdades e no esclarecimento categórico de quem fez o que. Enquanto isso, a sociedade padece com a inexistência de Educação e de Saúde. Padece da redução dos valores a artigos de perfumaria teórica e submetidos ao relativismo raso. Impotente perante um status abrangente, serei eu a bancar o herói às custas de um miserável?


Ricardo de Mattos
Taubaté, 11/6/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé de Marilia Mota Silva
03. E você, já disse 'não' hoje? de Adriana Baggio
04. Convite ao 'por quê?' de Edson Vitoretti
05. Poesia em zona de perigo: Donizete Galvão de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
03. Um Furto - 11/6/2018
04. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
05. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Só é Gordo Quem Quer
João Uchôa Jr
guanabara
(1986)



Lisboa 1939 - 1945 Guerra nas Sombras
Neil Lochery
rocco
(2012)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1980)



Para Gostar de Ler - Contos Brasileiros 3 - Volume 10 / 18ª Ed
Aluísio Azevedo e Outros
Ática
(2008)



365 Piadinhas para Crianças
Vários Autores
Girassol
(2007)



No Início Não Havia Bob
Meg Rosoff
Galera Record
(2015)



Don Quichotte - Ilustré por Gwen Keraval
Cervantes
Magnard Jeuhesse
(2011)



Mensagem Transcendental dos Mestres Biblicos
Luciano
Ibrex
(1976)



Livro - Projeto História 13: Cultura e Cidade
Da Editora
Educ
(1996)



Profecias do Pai Rico - 1ª Edição - Revista e Atualizada
Robert T. Kiyosaki
Alta Books
(2017)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês