Um Furto | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lula e a imprensa
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> O tempo de Paulinho da Viola
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Mapas Históricos Brasileiros de Grandes Personagens de Nossa História pela Abril Cultural (1973)
>>> Geografia Ilustrada Brasil Volume 1 de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Brasil Volume 1 de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Volume 3 de Abril pela Abril Cultural (1972)
>>> Hammond´s World Atlas and gazetteer de Caleb D. Hammond pela C. s. Hammond & Co., Nem York (1951)
>>> Cidade Signos de um Novo Tempo a São Paulo de Ramos de Azevedo de Maria Aparecida Toschi Lomonacoq pela 5 (1975)
>>> Grandes Personagens da Nossa História - Cronologia de Jurandir dos Santos pela Jurandir dos Santos (1970)
>>> The maritime gallery at mystic seaport de Vários Autores pela Modern Marine Master (2000)
>>> Thesouro da Juventude - Vol. 14 de Vários Autores pela W. M. Jackson
>>> O Eterno Verão do Reggae de Carlos Albuquerque pela 34 (1997)
>>> Palácio da Justiça - São Paulo de José Renato Nalini pela Assessoria de Comunicação (1989)
>>> Umc - Omec - Universidade de Mogi das Cruzes de Regina Coeli Bezerra de Melo Nassri pela Lís (2002)
>>> Daee - uma Autarquia Em Desenvolvimento. de Secretaria de Obras e do Meio Ambiente pela Secretaria de Obras e do Meio Ambiente (1982)
>>> Fernando de Noronha de Giovanni Urizio pela Banco Sudameris Brasil (1995)
>>> Resgate Cultural - Estrada Real de Sebrae Minas Geraes pela Sebrae/ Mg (2006)
>>> A Biografia Kelly Slater Pipe Dreams de Kelly Slater - Jason Borte pela Gaia (2004)
>>> Dossiê Iphan 1 de Círio de Nazaré pela Iphan (2006)
>>> Ilhas do mundo - volta aos paraísos de Paulo Ferreira pela Volta ao mundo (1997)
>>> Os Últimos Dias de Stefan Zweig de Laurent Seksik pela Gryphus (2015)
>>> 40 Anos uma sinfonia em verde de Varios Autores pela Keren kayameth lelsrael (1960)
>>> Marketing no Varejo de Eliane Doin e Edson Paes Sillas pela Ibpex (2010)
>>> O Investimento Português no Brasil - História e Atualidade de Henani Donato e Luiz Felipe Lampreia pela Camara Portuguesa de Comercio (2003)
>>> Zum 11 -revista de fotografia de Ims pela Ims (2016)
>>> The Last Whole Earth Catalog de Stewart Brand pela Random House (1971)
>>> Segredos De Pai Para Filho- Como a perseverança a ousadia e a Fe Podem.. Administração de Reinaldo Morais pela Connect (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 11/6/2018
Um Furto
Ricardo de Mattos

+ de 28600 Acessos

Os ladrões de bens particulares passam a vida na prisão e acorrentados; aqueles de bens públicos, nas riquezas e nas honrarias” (Catão).

No final da tarde de ontem, quatro de junho de 2018, eu acompanhava a companheira dos meus dias em suas compras num supermercado. Andávamos aqui e ali e reparei num rapaz. Ele vestia shorts e jaqueta. Olhei seus pés e reparei que estavam imundos, calçando chinelos igualmente sujos. No conjunto, equiparava-se aos inúmeros moradores de rua que vejo por aqui. Não sou hipócrita, caro leitor, portanto reconheço o alerta íntimo. Entretanto, como as redes sociais apresentam diversos vídeos de pessoas bem vestidas furtando bolsas em restaurantes e produtos em farmácias, segui com a Lily e suas compras. Sequer comentei algo com ela.

Realizando o típico roteiro feminino que, representado graficamente resulta em novelo embaraçado, acabamos por entrar numa seção. De onde eu estava, tornei a ver o rapaz uma seção adiante. Entre o corredor que paramos e o que ele estava, apenas um corredor transversal. A reta entre nós e ele garantiu-me visão desimpedida. Lily verificava produtos de limpeza e o rapaz mexia nas prateleiras de produtos de higiene masculina. De repente, comento com ela: “Isto tinha que acontecer na minha frente mesmo...”. Ela virou-se para saber o que eu falava e completei: “Aquele rapaz acabou de tirar produtos da prateleira e enfiar dentro da jaqueta”.

O que fazer, caro leitor? Correr atrás dele pelo estabelecimento gritando “peguem o ladrão”? Fazer todo um alvoroço, talvez conseguindo sua apreensão por algum segurança e a revelação de seu furto? Ou “seus furtos”? Chamar a atenção sobre mim e garantir cinco minutos de fama como herói de supermercado? Estimular comentários como “o mundo está perdido”, ou, “eles fazem isso para trocar por droga”? Nada... Ele saiu e nós seguimos.

Daqui a pouco deitarei para dormir e continuarei com a consciência tranquila. Passei a ser um defensor de ilícitos? De forma alguma. Fosse um sobrinho ou amigo e eu agiria de outra forma. Um sobrinho estaria sob minha responsabilidade e eu não o permitiria dizer que realizou furtos com minha leniência. Um amigo que expressasse dificuldade a ponto de aceitar a possibilidade da subtração indevida receberia de mim a oferta daquilo que precisasse. Todavia, o que fazer com o rapaz que furtou? Nada. Nunca encontramo-nos antes e, caso isto ocorresse, não há garantia que algo dito ou falado por mim tirasse-o “do mal caminho”. Não nos encontraremos mais, ou isto dificilmente ocorrerá, de forma que nenhuma relevância terá mencionar um ato abrigado pelo pretérito. Que ele siga no encadeamento de suas escolhas.

Ele poderia ter escolhido não furtar? Poderia. Sinto muito, caro leitor, mas não aceito falar que ele é um “fruto do meio”, um “resultado do ambiente”. O homem possui o livre arbítrio justamente para decidir o que fazer em cada uma das situações de sua vida. Ele não teve que furtar. Ele furtou. Contudo, minutos de permanência num estabelecimento comercial e o testemunho da ação lamentável não são suficientes para traçar um perfil que releve quais decisões ele encadeou em sua jornada existencial até chegar ali. Ele trocaria o produto furtado por alguma substância entorpecente, como certamente alegaria algum experto de ocasião? Como saber? Seguindo-o?

Dominado por algum segurança e revelado seu ato, seria liberado sob xingamentos ou detido até a polícia vir busca-lo? Receio que me seria vexaminoso sair do supermercado com a compra feita e vê-lo acossado em algum canto. Talvez o pó de café de marca diferente da habitual, comprado para experimentar, resultasse numa beberagem amarga. “Por isso que o país está perdido! As instituições não são respeitadas, os vagabundos são protegidos e o crime acaba compensando”, poderá alegar aquele senhor saudoso da época em que os trens cumpriam seus horários. “Compensa não”, respondo. Crime é feio. Degrada o humano. Não quero cometer crimes e não quero que pessoas próximas cometam-nos. Mexesse o rapaz da jaqueta preta com alguma criança, ou avançasse contra a integridade física de quem quer que seja, então sim, eu interviria como possível e ele que se virasse com as consequências.

Digito esta coluna em meu quarto, à escrivaninha coberta com livros queridos, descobertos e adquiridos um por um. Ouço uma seleção das músicas de Jean-Baptiste Lully. O rapaz da jaqueta preta estará onde? Dormindo em algum canto da cidade, a céu aberto, sob o frio crescente? Em algum moquifo? Providenciando o reencarne de outro indivíduo que precisará superar dificuldades inimagináveis para sobreviver? Não é desgraça suficiente? É preciso agravar o que já é lastimável e transferi-lo para um moquifo oficial, gradeado e irrelevante para sua “recuperação”? Alguma ordem seria restabelecida?

Caro leitor, declaro-me apolítico, mesmo que isto repugne suas convicções. Uma das atribuições da Administração Pública é gerir e preservar o patrimônio público. Todas as informações que nos chegam das diversas fontes indicam que este patrimônio não está sendo gerenciado dignamente, seja qual for a pessoa acusada de promover que isto ocorra, seja qual for o partido político envolvido. Partidarismo político, no Brasil, limita-se a situação e oposição: uma quer que a outra saia para então poder fazer exatamente aquilo de que a acusa. Não acredito na descoberta de verdades e no esclarecimento categórico de quem fez o que. Enquanto isso, a sociedade padece com a inexistência de Educação e de Saúde. Padece da redução dos valores a artigos de perfumaria teórica e submetidos ao relativismo raso. Impotente perante um status abrangente, serei eu a bancar o herói às custas de um miserável?


Ricardo de Mattos
Taubaté, 11/6/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres de Jardel Dias Cavalcanti
02. Saudosismo de Rennata Airoldi


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
03. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
04. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008
05. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



Para Filosofar Volume Unico Ensino Medio
Cassiano Cordi e Outros
Scipione
(2013)



O Mestre das Harpias
Luiz Antonio Aguiar
Ftd
(1997)



O Sequestro do Metrô
John Godey
Círculo do Livro



Consentimento ao Imposto e Eficiência Tributária
Luciano Gomes Filippo
Jurua
(2012)



Quatro Contos
Edgar Allan Poe / Washington Irving / O. Henry ...
Sol



As Núpcias de Julião
Gilberto Namur
Diário Popular
(1997)



1808-2008: Itamaraty: Dois Séculos de História Volume 2 (1979-2008)
Flávio Mendes de Oliveira Castro e Outro (volume 2
Fundação Alexandre de Gusmão
(2009)



Chega de Rolo Eu Quero um Namoro
Sergio Savian
Certas Palavras
(2003)



Vie de Lénine - Tomo 1
Louis Fischer
Edition 1018
(1971)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês