Um Furto | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
>>> Envolturas
Mais Recentes
>>> Teoria Geral Do Processo de Candido Rangel Dinamarco pela Malheiros Editores / Juspodivm (2008)
>>> Chekisty Historia Da Kgb de Dziak, John J, pela Imago (1998)
>>> Principios Basicos Do Saneamento Do Meio de Anesio Rodrigues de Carvalho pela Senac (2005)
>>> Aprenda Inglês Sem Mestre de Maria margarida morgado pela Presença (2009)
>>> Mestre Kim - Cidadão do Mundo de Yong Min Kim e Janir Hollanda pela Daedo (2016)
>>> Livro de Ouro do Yoga de Andre De Rose pela Ediouro (2019)
>>> O homem mais rico da Babilônia de George S Clason pela HarperCollins (2020)
>>> A Mesa com Carybé. O Encantamento dos Sabores e das Cores da Bahia de Solange Bernabó pela Senac Nacional (2007)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J. K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Regulamentos de Tráfego Aéreo - Vôo Visual de Plínio Jr pela Asa (1996)
>>> Chronos: Viajantes do Tempo Volume I de Rysa Walker pela Darkside (2017)
>>> Homem-Aranha: Tormento de Todd McFarlane pela Panini Comics (2013)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 5 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 6 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (seleção) pela Objetiva (2001)
>>> O Casamento de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (2016)
>>> O Colecionador de Borboletas de Cecília Mouta pela Novo Século (2012)
>>> O Modelo Toyota: 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do Mundo de Jeffrey K. Liker pela Bookman (2005)
>>> Ela Que Não Está de Daniel Senise pela Cosac & Naify (1998)
>>> Anjos da Neve de James Thompson pela Record (2013)
>>> Assistentes Virtuais Inteligentes e Chatbots de Leôncio Teixeira Cruz pela Brasport (2018)
>>> Linguagem Do Corpo. Beleza E Saude de Cristina Cairo pela Mercuryo Jovem (2007)
>>> Todos Os Nomes de José Saramago pela Planeta Deagostini (2003)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela Principis (2019)
>>> Cozinha Mágica de Márcia Frazão de Marcia Frazão pela Prestigio (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 11/6/2018
Um Furto
Ricardo de Mattos
+ de 43500 Acessos

Os ladrões de bens particulares passam a vida na prisão e acorrentados; aqueles de bens públicos, nas riquezas e nas honrarias” (Catão).

No final da tarde de ontem, quatro de junho de 2018, eu acompanhava a companheira dos meus dias em suas compras num supermercado. Andávamos aqui e ali e reparei num rapaz. Ele vestia shorts e jaqueta. Olhei seus pés e reparei que estavam imundos, calçando chinelos igualmente sujos. No conjunto, equiparava-se aos inúmeros moradores de rua que vejo por aqui. Não sou hipócrita, caro leitor, portanto reconheço o alerta íntimo. Entretanto, como as redes sociais apresentam diversos vídeos de pessoas bem vestidas furtando bolsas em restaurantes e produtos em farmácias, segui com a Lily e suas compras. Sequer comentei algo com ela.

Realizando o típico roteiro feminino que, representado graficamente resulta em novelo embaraçado, acabamos por entrar numa seção. De onde eu estava, tornei a ver o rapaz uma seção adiante. Entre o corredor que paramos e o que ele estava, apenas um corredor transversal. A reta entre nós e ele garantiu-me visão desimpedida. Lily verificava produtos de limpeza e o rapaz mexia nas prateleiras de produtos de higiene masculina. De repente, comento com ela: “Isto tinha que acontecer na minha frente mesmo...”. Ela virou-se para saber o que eu falava e completei: “Aquele rapaz acabou de tirar produtos da prateleira e enfiar dentro da jaqueta”.

O que fazer, caro leitor? Correr atrás dele pelo estabelecimento gritando “peguem o ladrão”? Fazer todo um alvoroço, talvez conseguindo sua apreensão por algum segurança e a revelação de seu furto? Ou “seus furtos”? Chamar a atenção sobre mim e garantir cinco minutos de fama como herói de supermercado? Estimular comentários como “o mundo está perdido”, ou, “eles fazem isso para trocar por droga”? Nada... Ele saiu e nós seguimos.

Daqui a pouco deitarei para dormir e continuarei com a consciência tranquila. Passei a ser um defensor de ilícitos? De forma alguma. Fosse um sobrinho ou amigo e eu agiria de outra forma. Um sobrinho estaria sob minha responsabilidade e eu não o permitiria dizer que realizou furtos com minha leniência. Um amigo que expressasse dificuldade a ponto de aceitar a possibilidade da subtração indevida receberia de mim a oferta daquilo que precisasse. Todavia, o que fazer com o rapaz que furtou? Nada. Nunca encontramo-nos antes e, caso isto ocorresse, não há garantia que algo dito ou falado por mim tirasse-o “do mal caminho”. Não nos encontraremos mais, ou isto dificilmente ocorrerá, de forma que nenhuma relevância terá mencionar um ato abrigado pelo pretérito. Que ele siga no encadeamento de suas escolhas.

Ele poderia ter escolhido não furtar? Poderia. Sinto muito, caro leitor, mas não aceito falar que ele é um “fruto do meio”, um “resultado do ambiente”. O homem possui o livre arbítrio justamente para decidir o que fazer em cada uma das situações de sua vida. Ele não teve que furtar. Ele furtou. Contudo, minutos de permanência num estabelecimento comercial e o testemunho da ação lamentável não são suficientes para traçar um perfil que releve quais decisões ele encadeou em sua jornada existencial até chegar ali. Ele trocaria o produto furtado por alguma substância entorpecente, como certamente alegaria algum experto de ocasião? Como saber? Seguindo-o?

Dominado por algum segurança e revelado seu ato, seria liberado sob xingamentos ou detido até a polícia vir busca-lo? Receio que me seria vexaminoso sair do supermercado com a compra feita e vê-lo acossado em algum canto. Talvez o pó de café de marca diferente da habitual, comprado para experimentar, resultasse numa beberagem amarga. “Por isso que o país está perdido! As instituições não são respeitadas, os vagabundos são protegidos e o crime acaba compensando”, poderá alegar aquele senhor saudoso da época em que os trens cumpriam seus horários. “Compensa não”, respondo. Crime é feio. Degrada o humano. Não quero cometer crimes e não quero que pessoas próximas cometam-nos. Mexesse o rapaz da jaqueta preta com alguma criança, ou avançasse contra a integridade física de quem quer que seja, então sim, eu interviria como possível e ele que se virasse com as consequências.

Digito esta coluna em meu quarto, à escrivaninha coberta com livros queridos, descobertos e adquiridos um por um. Ouço uma seleção das músicas de Jean-Baptiste Lully. O rapaz da jaqueta preta estará onde? Dormindo em algum canto da cidade, a céu aberto, sob o frio crescente? Em algum moquifo? Providenciando o reencarne de outro indivíduo que precisará superar dificuldades inimagináveis para sobreviver? Não é desgraça suficiente? É preciso agravar o que já é lastimável e transferi-lo para um moquifo oficial, gradeado e irrelevante para sua “recuperação”? Alguma ordem seria restabelecida?

Caro leitor, declaro-me apolítico, mesmo que isto repugne suas convicções. Uma das atribuições da Administração Pública é gerir e preservar o patrimônio público. Todas as informações que nos chegam das diversas fontes indicam que este patrimônio não está sendo gerenciado dignamente, seja qual for a pessoa acusada de promover que isto ocorra, seja qual for o partido político envolvido. Partidarismo político, no Brasil, limita-se a situação e oposição: uma quer que a outra saia para então poder fazer exatamente aquilo de que a acusa. Não acredito na descoberta de verdades e no esclarecimento categórico de quem fez o que. Enquanto isso, a sociedade padece com a inexistência de Educação e de Saúde. Padece da redução dos valores a artigos de perfumaria teórica e submetidos ao relativismo raso. Impotente perante um status abrangente, serei eu a bancar o herói às custas de um miserável?


Ricardo de Mattos
Taubaté, 11/6/2018

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
02. Fazer conta de cabeça e a calculadora de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
03. Um Furto - 11/6/2018
04. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
05. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cálculos do Mecânico Ajustador
Américo Yoshida
Loren
(1979)



Livro - World English 3 Workbook - Com Cd
Kristin Johannsen
National Geographic Learning
(2015)



Discursos Em Tres Congresos
Fidel Castro
Politica
(1982)



Gestão Estratégica na Saúde
Sanmya Feitosa Tajra
Saraiva
(2006)



Hard Times
Charles Dickens
Oxford
(2008)



Uns Papéis Que Voam
Flávio J. Cardozo
Ftd
(2003)



Jean Claude Bernardet - uma Homenagem
Maria Dora Mourão; Maria do Rosário Caetano
Imesp
(2007)



Redação para Concursos (2009)
Vabessa Freitas
Universo dos Livros
(2009)



Os Forasteiros - Volume 1. Coleção Série Deuses e Guerreiros
Michelle Paver
Intrinseca
(2014)



A Democracia Grega 2ª Edição (1989)
Martin Cezar Feijó, Oswaldo Sanches Sequetin
Atica
(1988)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês