A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
>>> O problema do escritor
>>> Cadáveres
>>> A teoria do caos
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
Mais Recentes
>>> Justiceiro Bem-vindo de Volta, Frank Parte 2 - Coleção Oficial de Grap de Garth Ennis; Steve Dillom pela Salvat (2015)
>>> Fernando Pessoa Poemas para Crianças de Fernando Pessoa pela Martins Fontes (2007)
>>> O Homem Tecnológico - Mito e Realidade de Victor C. Ferkiss pela Zahar (1972)
>>> Shinshoku Kiss - Nº 02 de Kazuko Higashiyama pela New Pop (2004)
>>> O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Via Leitura (2018)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Atica (2008)
>>> Programas de Trabalho e Renda uma Nova Forma de Análise de Paulo Lourenço Domingues Junior pela Olho D Agua (2010)
>>> O Último Jornalista - Imagens de Cinema de Stella Senra pela Estação Liberdade (1997)
>>> Descanse Em Paz de Joyce Carol Oates pela Leya (2010)
>>> A Imagem-tempo de Gilles Deleuze pela Brasiliense (2013)
>>> Bling Ring - a Gangue de Hollywood de Nancy Jo Sales pela Intrínseca (2013)
>>> O Diário de Anne Frank de Otto H. Frank; Mirjam Pressler pela Record (2004)
>>> Eletrônica Digital de Wilson M. Shibata pela Érica (1989)
>>> Aprendendo a Conviver Com Quem Se Ama de Neale Donald Walsch pela Sextante (2006)
>>> Como não aprender inglês de Michael A. Jacobs pela Do Autor (1999)
>>> O Que é Toxicomania - Coleção Primeiros Passos de Jandira Masur pela Brasiliense (1987)
>>> Velhos e Novos Males da Saude no Brasil de Carlos Augusto Monteiro pela Hucitec (2015)
>>> Depois Que Você Morreu de Márcia Leite pela Moderna
>>> A Mulher V - Moderna, à Moda Antiga de Cristiane Cardoso pela Unipro (2011)
>>> Entre Amigas de Evelyn Holst; Sabine Reichel pela Essencia (2009)
>>> Violencias Nas Escolas - Perspectivas Historicas e Politicas de Ana Maria Eyng (org.) pela Unijui (2011)
>>> Listening Extra: A Resource Book of Multi-Level Skills Activities de Miles Craven pela Cambridge University Press (2004)
>>> Kare Kano - as Razões Dele, os Motivos Dela - Nº 08 de Masami Tsuda pela Panini / Planet Mangá (2007)
>>> Clara Nunes - Guerreira da Utopia de Vagner Fernandes pela Ediouro (2007)
>>> Introdução aos Estudos Linguisticos de Francisco da Silva Borba pela Nacional (1967)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/11/2002
A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
Ricardo de Mattos

+ de 52200 Acessos

Carlos César Arana Castaneda nasceu em 1935 no estado de São Paulo. Estudou na Argentina e partiu para Los Angeles co o intuito de estudar antropologia na Universidade da Califórnia. Na década de sessenta do século passado, iniciou no estado americano do Arizona e no mexicano de Sonora as pesquisas e aprendizados narrados em vários livros, ao que parece, de imensa repercussão. No decênio seguinte resolve omitir seus dados biográficos, mesmo gerando confusão e dúvida, dizendo-se bruxo e pregando a pouca importância do passado. Insistiu nisso a ponto de hoje desconfiar-se da sua nacionalidade, se realmente brasileira ou peruana. Morreu e 1998. Talvez minha duvida inicial a seu respeito antecipe em vinte ou trinta anos a do leitor futuro que leia aleatoriamente um livro de Paulo Coelho, sem saber da acolhida recebida do público e da crítica quando do lançamento: ele deve ser levado a sério ou não?

No meu caso, o primeiro contato deu-se com o livro A Erva do Diabo, publicado em 1968, no qual é apresentada a figura de Don Juan Matus - que não é meu parente -, guia de Castaneda. O trabalho inicial deste referia-se às plantas de uso medicinal utilizadas pelos índios daquelas localidades. Contudo, apresentado no Arizona a Don Juan, o antropólogo embrenhou-se pela gnosiologia. O título original da obra é justamente The Teachings of Don Juan.

Don Juan Matus é o nome fictício do índio yaqui originário de Sonora, México. Como o discípulo, seu passado também não é revelado além do admitido por ele mesmo. Um nome não deve ser repetido aleatoriamente, e se conhecido, gera poderes sobre o nomeado. Certa vez, li em algum lugar que o nome de Deus não seria revelado aos judeus para que estes não se julgassem com algum poder sobre Ele. Por todo o livro vemos conceitos já encontrados em outros lugares, com outros nomes ou vestes, com variados graus de aprofundamento dos estudos. Um exemplo é o perigo que o Conhecimento pode representar, já mencionado nos livros sapienciais do Velho Testamento. De fato, o Conhecimento traz consigo a Responsabilidade, e se sabemos, por exemplo, que algo deve ser feito ou deixado de fazer, tornamo-nos responsáveis, queiramos ou não, pela ação ou omissão contrária ao sabido.

Voltando a Don Juan, deve-se verificar não ser ele nenhum santo ou, naqueles dias, uma lenda viva. Posteriormente, sim, ganhou certa aura mística, quando na verdade apenas elegeu um aluno para transmitir, de forma perceptivelmente séria, antigos e importantes ensinamentos de seu povo. É bom frisar que o próprio Castaneda iniciou suas investigações com a finalidade de registra-los antes que se perdessem.

O livro divide-se em duas partes. A primeira é a seleção e organização dos ensinamentos. Conforme Castaneda, as repetições foram suprimidas e os assuntos dispostos n'um sistema, inda que violada a cronologia. É a parte mais fluente, incluindo até cenas cômicas com um cão. Na segunda parte todo o aprendizado e as conclusões são expostos cientificamente, pois deve-se lembrar da destinação universitária desta obra.

Na primeira parte, Don Juan tem por escopo levar seu aluno à aquisição de conhecimentos, aquisição esta acompanhada n'um primeiro instante por plantas alucinógenas: "No contexto específico de seus ensinamentos, dom Juan associava o uso da Datura inoxia e da Psilocybe mexicana para a aquisição do poder, um poder que ele denominava 'aliado'. Associava o uso da Lophophora williamsii à aquisição da sabedoria ou o conhecimento da maneira certa de viver". Este poder aliado e conceituado mais adiante: "Um 'aliado', disse ele, é um poder que o homem pode introduzir em sua vida para ajudá-lo, aconselhá-lo e dar-lhe a força necessária para executar atos, grandes ou pequenos, certos ou errados. Este aliado é necessário para realçar a vida de um homem, orientar suas ações e aumentar seus conhecimentos".

Peiote é o nome popular da Lophophora williamsii, um cacto do qual se extrai a mescalina, mescal ou mescalito. Esta substância é utilizada desde épocas imemoriais em rituais religiosos na América Central e Sudoeste dos Estados Unidos. Não existe no Brasil. Embora eu ainda não os tenha lido, são muito citados os ensaios de Aldous Huxley sobre sua experiência com esta droga: Portas da Percepção e Céu e Inferno.

Datura é o nome usado por várias plantas solanáceas - dicotiledôneas gamopétalas, i.e. Pétalas soldadas - consistentes em árvores e arbustos venenosos, dentre os quais destaca-se por seu maior grau o estramônio ou figueira do inferno. Nativa da América do Norte, todas as suas partes contêm quantidades significativas de atropina e escopolaminas, além dos compostos relacionados.

O cogumelo provavelmente utilizado por Don Juan é o Psylocybe mexicana, o "cogumelo sagrado", do qual se extrai a psilocina. Aproveitado nos ritos pelos nativos daquele trecho da América. No Brasil, há o Psylocybe cubensis e uma espécie do gênero Paneoulus. Todas estas plantas são chamadas "divinatórias", pois acreditavam os usuários ancestrais que elas colocavam o feiticeiro em condições de dizer o futuro. Os efeitos dos alucinógenos são os descritos por Castaneda: grande excitação cerebral, visões coloridas, sonhos agradáveis, sensações inusitadas, êxtases profundos, impressão de viver n'outro plano e algum desconforto físico ao retornar à lucidez.

O que denominamos "alucinação", Don Juan acreditava ser um "estado de realidade não comum", no qual tencionava adquirir sabedoria. Lastimável. "Alucinação" significa desvario, falta de razão; é a interpretação como real de algo irreal. Difere da ilusão por esta ser uma percepção errônea, por meio de sentidos perfeitos, de algo real - ilusão de óptica. Dispensa comentário o ato de valer-se alguém da alucinação para entender o real. Pobre ser humano, incapaz de lidar sequer com a realidade em que vive, busca outros "níveis" e mais se perde do que se esclarece. Conhecimento exige esforço e perseverança, trabalho ininterrupto e dedicado.

É relevante assinalar que Castaneda não estimulou o uso indiscriminado de qualquer alucinógeno. Se mudou de opinião, ignoro, mas na entrevista concedida à revista Veja - número 356 ano 1975 - ele afirma ser mínimo e provisório o uso dessas substâncias apenas até o aprendiz conseguir atingir sozinho o estado ou realidade procurados. Oxalá nenhum adolescente cisme de ler o livro e tentar alguma experiência por conta própria, a despeito dos detalhes fornecidos. Pode tornar-se ainda mais cretino ao invés de adquirir algum conhecimento efetivo. Perceba-se que eu não critico Don Juan, transmissor de conhecimentos ancestrais de seu povo, nem Castaneda, que ao menos nesta obra, relatou o que viu e analisou os fatos segundo o programa da instituição a que pertencia. O que observo é a atitude de algumas pessoas que, apesar das toneladas de informações disponíveis, resolvem realizar viagens de regresso doloroso ou mesmo inexistente e encastelam-se em suas fantasias. Buscam atalhos para algo que nem sabem definir numa primeira abordagem. Querem a "realidade superior", mas insistem em não reconhecer a amplitude da realidade em que estão mergulhadas.

Ao começo deste ano a mesma revista trouxe uma reportagem intitulada Literatura Tóxica, a respeito do então recém-lançado The Road Of Excess, livro de autoria do crítico inglês Marcus Boon. Nesta obra são elencados escritores que trabalhavam em estado de alienação provocada, ou eram notórios usuário de álcool e outras drogas lícitas ou ilícitas, valendo-se ou não da desculpa de buscar uma "realidade superior". Já citei, em minha coluna sobre Surrealismo, as experiências de André Breton e partidários. Há que diferenciá-los dos demais: Breton queria saber, através de experiências acompanhadas, como seria a produção artística desvinculada da razão e da lógica. Sumária a minha opinião sobre este assunto: se o indivíduo for um gênio, sê-lo-á apesar do uso de entorpecentes. Se for uma besta, continuará sendo. E com o risco de piorar.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 14/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Epitáfio do que não partiu de Luís Fernando Amâncio
02. Mamãe falhei de Luís Fernando Amâncio
03. Um Furto de Ricardo de Mattos
04. Lula, o filme de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fala Sério, Amor!
Thalita Rebouças
Rocco jovens leitores
(2007)



Proibido para Adultos - Nova York - Tudo o Que Você Sempre Quis Saber
Klay Lamprell
Globo Antigo
(2012)



Salao de Beleza - o Profissional e Voce
Maslova Teixeira Valenca e Outros
Senac
(2005)



Para que Produzais Muitos Frutos
P. Philippe
Loyola



A Última Música
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)



Como Passar na Oab!: 2. 500 Questões Comentadas
Wander Garcia
Foco Juridico
(2010)



Monografia ao Alcance de Todos
Mariana Souza; Dau Bastos; Solange Nascimento
Garamond
(2004)



Um Tigre para Malgudi
R. K. Narayan, Lea Nachbin
Guarda Chuva
(2012)



Regime jurídico dos contratos da administração
Fernando A D Rocha
Brasília Jurídica
(2000)



Seleta em prosa e Verso
Manuel Bandeira
José Olympio
(1986)





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês