Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/8/2002
Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro
Ricardo de Mattos

+ de 16900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

. O homem é o necessário câncer da terra

Esta afirmação encontra-se na página 266 do Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro, lançado em março último. É seu primeiro livro que leio, mas acompanho sua coluna dominical no Estadão desde a primeira, o que significa uma assiduidade de prováveis dez anos. Talvez em decorrência deste acompanhamento eu tenha adiado a leitura dos livros, pois como cronista o autor anda fastidioso, repetitivo, e tal ânimo deve ter contaminado minha disposição. Calculei até que ele morrendo, ou ganhando o Nobel, alguma editora lançaria sua Obra Completa e eu poderia então fazer uma leitura em bloco.

Entretanto, João Ubaldo Ribeiro está vivo, não ganhou o Nobel, e recebi um exemplar do Diário para ler. Sabia já da desenvoltura intelectual e cultura do escritor, e por isso mesmo impliquei-me com suas crónicas: por algum motivo ele fica aquém do que pode ir. Quando não mantém um rame-rame político, cria os terríveis diálogos "Num Boteco do Leblon", nos quais o coloquial cede ao vulgar. O seu último livro, porém, mostra o quanto o autor pode fazer, ainda que o quarto final perca o ritmo e o desfecho seja inferior ao prometido, decaindo para uma mistura de Zíbia Gasparetto e Marquês de Sade (o marquês é citado nominalmente, inclusive).

Para uso próprio, dividi a obra em 31 capítulos. A narrativa é contínua, mas a cada número de páginas há pequenas pausas no texto, nas quais incluí um número. O próprio personagem diz estar dactilografando seu livro (pág. 179), e esses intervalos dão a impressão de sua quota diária. Trata-se da autobiografia de um padre cuja vida foi orientada para o alcance de dois objectivos (mesmo o segundo tendo surgido de forma acidental no decorrer da narrativa): matar seu pai e a mulher que o desprezou. Apesar da ausência de datas, ele afirma ser proposital esta lacuna, informa ter sessenta anos completos (pág. 14), e esse dado permite-nos localizar seu nascimento na década de quarenta do século XX.

Ao ler as resenhas sobre o Diário, imaginei tratar-se de obra semelhante à Memórias do Subsolo (ou do Subterrâneo), de Dostoievski, mas enganei-me. O autor russo criou um pateta antipático, ao qual falta um serviço mais consistente a ocupar-lhe a vida. O funcionário russo teria o Padre, um virtuose do ódio, como ídolo, caso o conhecesse.

O narrador é anónimo, assim como seus pais. Os locais são precariamente definidos, e o que lhe interessa é contar sua história sem maiores dispersões. Directo e objectivo: eis seu modo de escrever. Abomina não só as entrelinhas, mas quem as procura (pág. 236). "Exige" crédito em cada facto narrado, narrativa esta entremeada de trechos nos quais se dirige sem cerimónia ao leitor, muitas vezes ofensivamente: "... se você não for realmente muito burro ou burra ..." (pág. 235).

Ao matar-lhe a mãe e trocá-la por uma madrasta de temperamento oposto seu pai desperta-lhe logo cedo tais ódio e rancor, que o parricídio não é decidido, mas descoberto como consequência natural aos maus tratos infligidos. Em sua infância, o Padre não recebia da família o tratamento que se espera. Era tido como um incómodo, alguém a que se não podia permitir vínculo algum, para não acostumar mal. Tanto fazem entre espancamentos imotivados e desrespeito moral, que aos dez anos o personagem decide ser definitivamente mau, alegando não ter a Vida apresentado-lhe motivos para agir em contrário. Antes disso, escolhe a dissimulação (no velório da mãe), mas tenho impressão de que tal raciocínio em um menino fere a verosimilhança mencionada logo nas primeiras páginas. Na velhice chega à conclusão: Bem e Mal são coisa única. Essa afirmação não é feita de acordo com o argumento vulgar tão em voga segundo o qual "o que é bom para mim pode não ser para você", nem também a historinha de "duas faces da mesma moeda". Bem e Mal são uma coisa só, e essa coisa pode nem existir, pois a conduta do Padre privilegia o Útil, opta pelo Eficaz, radicalizando os argumentos do Cardeal Mazzarino em seu Breviário dos Políticos. Este apego ao Útil permite-lhe o uso de pessoas, mesmo que nada tenha contra elas, como será demonstrado em relação ao seu colega Virgílio, no episódio da perseguição ao padre Corelli. O Útil, enfim, leva-o a aceitar o mundo em sua realidade. Não é perfeito, mas nele, as personalidades doentias como a sua encontram lugar para pleno desenvolvimento.

Dentro de casa suas primeiras vítimas são seus irmãos unilaterais, escapando-lhe a madrasta, morta no parto do segundo filho. Como as crianças eram tratadas com mamadeira, prepara-lhes o envenenamento. No duplo puericídio, dois pontos chamam a atenção. Um, é a primeira vingança directa contra seu pai, pois fê-lo sentir a mesma impotência experimentada quando menino, ao vê-lo trazer sua mãe morta sobre a sela do cavalo. Sabia ser o pai o assassino e nada podia fazer. Este vendo-se na mesma situação, pode apenas expulsar o filho de casa. Dois: o privilégio do Útil é constatado quando o vemos encarar com indiferença a prisão e morte da única empregada que o tratava bem e tentava compensar-lhe a falta materna.

Da mãe, pouco se sabe. Sua actuação é maior depois de morta, nas constantes conversas com o filho, num recurso ao fantástico. Lembro-me de do autor ter contado em crónica sobre uma visita feita a um centro espírita em certa época de sua vida, não muito distante no tempo. Gostaria de saber se teve contacto com livros de espiritismo e se foi neles que colheu subsídios para criar esta personagem. O contacto com o além reforça a solidão do Padre em meio aos terrenos, solidão apontada como irreparável, na página dez.

O parricídio é certo, mas demorado. Ocorrendo, revela-se frustrante. Tanto discursou o personagem, tanto discutiu com o espírito materno, tanto tal sombra reiterou-lhe o sucesso, que imaginamos uma cena de marcante sanguinolência. Muita pólvora foi usada, mas toda ela molhada, resultando em uma detonação falha. Faz um pouco de barulho, e só. Ao entrar no quarto paterno, vomita-lhe todo o ódio acumulado, confirma o duplo infanticídio, e informa-lhe do assassinato que se aproxima. Executa o crime sufocando o pai com um travesseiro. Está certo que havia uma lógica a seguir, a culpa a esconder, mas mesmo assim... Por isso falei da inconsistência do quarto final. Nas páginas 242/253, há a descrição pormenorizada do relacionamento do Padre com uma secretária, Dona Vilma. Da narração deste caso, com a lógica de um filme pornográfico, não se tira consequência alguma para a trama. É um excesso que poderia ser substituído por um incremento ao parricídio, ou mesmo que fosse simplesmente extirpado, não faria falta. Melhor caracterização do personagem? Não, porque àquela altura já se tem perfeita ideia a respeito dele. Ataques à Igreja Católica? Não também, pois ele avisa não ser esta sua intenção. O que incomoda, enfim, é que toda a obra foi elaborada visando este objectivo do Padre. Toda sua vida foi organizada para nada atrapalhar esta determinação.

Todavia, há uma possibilidade. Inaugura a obra o aforismo: "Não se deve confiar em ninguém". O Padre, na constante exigência de crédito, sempre lembra que o final, e só o final, pode ser falso. Se falso em relação à morte de Maria Helena, nada se perde. Se falso em relação à morte do pai, a frustração mantém-se. Se falso em relação aos dois casos (sugere que seu auto exílio na ilha pode ser falso, e ele pode ser um louco a escrever do manicómio) a obra perde seu sentido.

Já o assassinato de Maria Helena ocorreu em conformidade com o espírito doente do Padre. Esta mulher quase o faz abandonar a vida clerical, e desconfia-se que o homicídio paterno também seria afastado do plano inicial. Após ter "aberto a guarda", o Padre é rejeitado e os argumentos usados por Maria Helena parecem recolhidos pelo escritor nas ruas, de gravador em punho. Que a desforra do Padre não vire moda. Há uma breve ladainha sobre a falta de palavra que melhor descreva a cena, e se foi intenção do autor, neste ponto, realçar o desequilíbrio do sacerdote, conseguiu.

Encerra o livro a seguinte observação: "De qualquer forma, é bom lembrar que, mesmo eu morto, alguém como eu sempre poderá estar perto de você".

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 15/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
03. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/1/2010
12h23min
Acabei de ler o livro e também fiquei com a impressão de que no caso do parricídio foi muito barulho por nada. E que a primeira metade é bem superior à segunda. Começo muito bom, e final decepcionante.
[Leia outros Comentários de César Pinheiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAÇADORA DE ESTRELAS - STARGAZER
CLAUDIA GRAY
PLANETA
(2011)
R$ 14,00



ATORES AUTORES (AUTOGRAFADO POR JOANA FOMM) - 647
DOC COMPARATO (ORGANISADOR)
CLUBE DO LIVRO
(1987)
R$ 15,00



ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS
LEWIS CARROLL
COMPANHIA NACIONAL
(2008)
R$ 10,00



COMO REPARAR AVARIAS NA ESTRADA SEM SER UM ESPECIALISTA
MIGUEL DE CASTRO
PLATANO
(1994)
R$ 77,00



AR LIVRE
MAURICIO SALLES VASCONCELOS
CÓRREGO
(2017)
R$ 50,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 3 ENUM GUINE
DIVERSOS AUTORES
ZAIROL
(1998)
R$ 30,00



SENSO CRÍTICO
DAVID W. CARRAHER
PIONEIRA
(1999)
R$ 16,00



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA, VOLUME 1
SÍLVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



O ENSINO DE LINGUAS PARA A COMUNICAÇÃO
H. G. WIDDOWSON
PONTES
(1991)
R$ 20,00



ORGANIZAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA BRASILEIRA
DELGADO DE CARVALHO
RECORD
(1969)
R$ 12,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês