O beatle George | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/2/2011
O beatle George
Luiz Rebinski Junior

+ de 6700 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Não é preciso ser nenhum aficionado pelo quarteto de Liverpool para deduzir que John Lennon e Paul McCartney foram os gênios que levaram os Beatles à posição de maior banda de rock que já pisou ― e provavelmente pisará ― neste planeta. Talvez genial não seja um adjetivo definitivo para a dupla, mas transitório. Em suas carreiras solo, nem Paul nem John fizeram álbuns à altura dos melhores momentos dos Beatles ― ainda que tenham construído carreiras exuberantes, mas infinitamente menores quando em perspectiva à história musical do grupo. Coube ao coadjuvante da banda esse papel.

George Harrison fez o mais fantástico ― e genial ― álbum-solo gravado por um Beatle. All things must pass é daqueles álbuns apaixonantes, que não se consegue largar até que a música comece a encher o saco, não pelo conteúdo, claro, mas pela exaustiva repetição. Todo mundo conhece a história de monopólio da dupla Lennon-McCartney sobre as composições e principais decisões do grupo. O que alijava os outros dois integrantes de qualquer participação mais incisiva na banda, tendo como missão nada além do que executar o que a dupla principal criava. Ainda assim, All things must pass não é uma superação de um músico mediano que passou quase uma década burilando suas músicas enquanto apenas executava pérolas criadas por mentes mais geniais que a sua.

Mesmo com a presença castradora da dupla Lennon-McCartney, Harrison emplacou alguns dos sons mais interessantes ― e maduros musicalmente ― do repertório dos Beatles, o que inclui "Love you too", de Revolver, "Within you without you", de Sgt. Pepper's, e "While my guitar gently weeps", do White Álbum. Três canções fantásticas, que enriqueceram musicalmente a banda. Isso sem falar de hits poderosos como "Here comes the Sun", "I need you" e "Something", a música mais regravada dos Beatles depois de "Yesterday". O que quer dizer que All thing must pass não foi o que se pode chamar de golpe de sorte. Em 1970, o ano da separação dos Beatles, os quatro integrantes da banda lançaram discos separadamente. Paul compôs uma obra-prima ― "Maybe i'm amazed" ― que rivaliza com suas composições de maior sucesso, mas, no geral, seu disco de estreia não é tão bom. Lennon fez Plastic Ono band, um disco amargo com bons momentos ("God", em que Lennon diz: "eu não acredito nos Beatles, só acredito em mim", e "Mother", mais uma canção que tentava exorcizar fantasmas do passado). E Ringo... Bem, Ringo lançou um álbum (ou melhor, dois) inexpressivo, com diversas regravações.

Na faixa-título de All thing must pass, George canta que "tudo deve passar/ nada na vida pode durar pra sempre/ então, devo seguir meu caminho/ e encarar um novo dia". Depois que os Beatles se separaram, tudo que seus ex-integrantes diziam era interpretado como uma resposta velada às antigas rusgas. Isso pode até fazer algum sentido no caso de Harrison, mas All things must pass é muito mais um grito de independência do que dedo em riste. Harrison finalmente estava livre para colocar suas canções à prova não mais dos companheiros de banda, mas do público, e, principalmente, de si próprio.

O que poderia ser melhor para um jovem oriundo do subúrbio de Liverpool (uma cidade portuária e à época decadente) do que ser um Beatle na fervilhante década de 1960? No final da década em que os Beatles emergiram para o sucesso, Harrison queria qualquer coisa, menos continuar sendo um besourinho, ainda que o cabelo e a barba crescidas já tivessem expulsado a ingenuidade dos anos de formação. Harrison e Lennon foram os responsáveis pela interrupção dos shows dos Beatles a partir de 1966. Estavam de saco cheio da beatlemania e acreditavam que os shows não contribuíam em nada para o aperfeiçoamento deles como músicos. Uma meia verdade que ajudava a disfarçar o incômodo real: os rapazes não se suportavam mais. "Não conseguia me relacionar com mais ninguém. Nem mesmo [...] com meus amigos, minha mulher, ninguém!", disse George, em 1983, a Geoffrey Giuliano, um dos muitos biógrafos dos Beatles.

Ainda assim, com um clima pouco amistoso, a banda teve fôlego para fazer álbuns genias, como Sgt. Pepper's e o famoso White Álbum, nos anos que restaram até McCartney se adiantar a Lennon, que foi persuadido pelo colega a não revelar sua saída do grupo antes do lançamento de Let It be, e avisar ao mundo que estava deixando a banda ― uma mágoa que Lennon levou para o caixão.

Por mais traumático que tenha sido para milhares de fãs, o fim dos Beatles era a carta de alforria que George e John tanto sonhavam. É incrível pensar como uma coisa tão fantástica ― a existência dos Beatles ― se tornou um fardo para aqueles que mais usufruíram de suas benesses. Mas, mais incrível ainda, é acreditar que os Beatles viviam em um permanente estado de vazio existencial, principalmente John e George. E acabar com a banda talvez tenha sido a melhor maneira de encontrar algo que preenchesse esse vazio. Daí os Beatles saírem em voo solo fazendo discos e mais discos.

All things must pass, nesse sentido, parece ter tido o efeito de uma superdose de Prozac em Harrison. O disco é todo sentimento. Um misto de melancolia e fé no futuro ronda o álbum todo, especialmente em músicas como "Isn't it a pity?", "Let it down", "Run of the Mill" e "Beware of darkness", canções que, isoladas, fariam de qualquer disco um clássico atemporal. Mas o álbum triplo de Harrison (o primeiro da história do rock), ainda tinha a maravilhosa faixa-título, "All things must pass", capaz de emocionar um ogro, e o insuperável cover de "If not for you", de Bob Dylan. Além de canções mais ensolaradas, como a evocação do blues em "Plug me in" e o tributo à fé oriental em "My sweet lord", a música que, de alguma forma, eclipsou o disco todo. A canção, sem dúvida, é linda, mas, executada de forma isolada e repetitiva, pode dar a falsa impressão de que All thing must pass é uma compilação de mantras Hare Krishna. Impressão que é logo dissipada nos primeiros acordes de "Wah-Wah", o rockão folk orquestrado que vem logo depois de "My sweet lord".

Em uma entrevista para o lançamento do projeto The Beatles Anthology, em 1995, ao ser indagado sobre sua carreira solo, Harrison diz ao entrevistador, com um sorriso irônico no rosto, que nunca teve uma carreira fora dos Beatles, que não promovia seus álbuns, não cantava em programas de rádio ou tevê e dificilmente excursionava. Harrison nunca conseguiu fazer um álbum que superasse All thing must pass (e poderia?), mas criou álbuns fantásticos nos anos posteriores, como Dark horse (que daria nome à sua própria gravadora) e Living in the material world. Além de ter participado dos dois discos do Traveling Wilburys no final dos anos 1980 (a banda que formou com Bob Dylan, Roy Orbison e Tom Petty).

Ainda assim, Harrison parece nunca ter se recuperado da experiência de ter participado dos Beatles. Sua reclusão em Friar Park, onde sofreu um atentado de um maluco esquizofrênico, era uma atitude compatível à sua personalidade, mas, pelo que se lê nas entrevistas que Harrison concedeu depois da separação dos Beatles, ter participado da maior banda de rock de todos os tempos não seria uma escolha tão fácil caso pudesse ter traçado seu destino.

Nota do autor
Este texto foi inspirado pela leitura de "O mistério em George Harrison", presente no livro Ponto Final, a imperdível coletânea de ensaios sobre os anos 1960, do jornalista Mikal Gilmore.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 23/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quinze anos conversando com os leitores de Luis Eduardo Matta
02. Em defesa do mar de informação de Julio Daio Borges
03. Desconstruindo Marielza de Andréa Trompczynski
04. A Ditadura e seus personagens (II) de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/2/2011
12h09min
Apesar de composto de regravações, "New York City", de John Lennon, foi brilhante, e "Band on the Run", na minha opinião, perfeito. Talvez eu diga isso por "fui" contra a maré. Conheci primeiro os Beatles separados, para descobrir, ainda criança, vendo "Help" na antiga TV-E, hoje TV Brasil, que Lennon & McCartney eram os gênios de Liverpool. Não, não minimizo George. Penso que ele e Ringo eram o contraponto, os "garçons" que serviam não somente a segunda guitarra e a bateria. Mas nenhuma é ou foi perfeita. Por outro lado, nenhuma outra esteve tão perto da perfeição.
[Leia outros Comentários de Claudio Pereira]
26/2/2011
14h20min
"All Things Must Pass" é mesmo uma proeza - sincero, catártico, modesto. É uma experiência religiosa para mim, e olha que eu sou ateu. De certa forma, é meu disco predileto de toda a carreira dos Beatles, solo ou não. Mas que "Apple Jam" é um saco, é. hahaha
[Leia outros Comentários de Junior Martuchelli]
27/12/2011
13h25min
Quem está lendo isso no final de 2011 não pode perder o documentário do Martin Scorsese sobre o George Harrison. É simplesmente sensacional.
[Leia outros Comentários de Juca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês