Os contistas puros-sangues estão em extinção | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/5/2011
Os contistas puros-sangues estão em extinção
Luiz Rebinski Junior

+ de 6000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Hoje em dia o gênero conto não passa de um subproduto literário. Não digo subliteratura ― vocês nunca ouvirão isso da minha boca ―, mas subproduto mesmo, algo que se tornou limitado e se presta a um papel restrito dentro de um cenário muito mais abrangente.

No Brasil, lugar de contistas fantásticos, o conto virou apenas um trampolim para jovens autores (que vão estrear mesmo com um romance no ano seguinte) e uma vitrine para os consagrados, que vez ou outra escrevem histórias curtas a pedido de jornais e revistas, ainda que se dediquem mesmo ao romance.

Isso deve ter a ver com o que pensa o mercado editorial, que acha um erro um escritor enveredar por uma carreira de contista (palavras de uma das editoras mais importantes do País). O mercado (leitor) não quer saber de histórias curtas, os livros não vendem e uma promessa da ficção pode acabar no limbo por conta desse erro estratégico.

Quando vejo a quantidade de jovens escritores que se lançam com livros de contos, penso que isso é uma grande balela. Só aqui no Sul, há um número muito grande de jovens contistas que prometem. O jornal Rascunho mesmo, em sua edição de número 132, listou seis desses novos contistas, que reafirmaram suas crenças no futuro do gênero.

Mas, quando se olha em perspectiva, um pouco mais à frente, quando as promessas já se tornaram realidade, parece ser mesmo inevitável a mutação que transforma o contista em romancista. Dalton Trevisan e Rubem Fonseca parecem ser os únicos escritores brasileiros que ainda tem o adjetivo "contista" atrelado aos seus nomes. Sim, Fonseca é também romancista e Trevisan escreveu um romance (A Polaquinha, ao seu estilo, claro), mas ambos são reconhecidos essencialmente como mestres do conto. Essa relação estreita com o conto, no entanto, é cada vez mais rara. É difícil encontrar um escritor que lançou, nos últimos anos, três ou quatro livros de contos em sequência.

Mas o conto já contou com dias melhores. Quando Truman Capote era apenas um jovem promissor, foram os contos que fizeram dele um escritor. Nos anos 1940 e 50, Capote publicou uma grande quantidade de contos em revistas como Mademoiselle, Harper's Bazaar e Esquire. Naquela época, claro, os contos tinham bem mais importância, falavam-se deles como hoje se discutem filmes e best-sellers. Foi assim que Capote caiu na boca da crítica e do público ― e nunca mais parou de escrever contos, apesar de seus romances de sucesso.

E foi um conteporâneo de Capote o responsável por elevar o conto a um patamar ainda mais alto, em termos de prestígio editorial e crítico. Em 1978, John Cheever figurou por seis meses na lista de mais vendidos de best-sellers do New York Times com a coletânea The stories of John Cheever. O livro ainda ganhou três grandes prêmios literários, entre eles o Pulitzer.

E, lendo os contos do livro que a Companhia da Letras acaba de lançar, com o título de 28 contos de John Cheever, entende-se por que o escritor americano fez tanto barulho com um livrinho de contos.

Cheever equipara o conto àquilo que de melhor já foi feito no romance. Aquela história de que ele transcrevia a alma americana só pode ser verdade, mesmo eu não sabendo direito como é a alma americana. Mas todo mundo sabe o que é a classe média, com seus dramas sentimentais, suas contas a pagar, seus vícios, fetiches, desilusões e frustrações.

Então é isso que basta para ler e gostar de Cheever. Pois essa faixa da população mundial parece ser igual em qualquer parte do mundo ocidental, pelo menos. E Cheever vai fundo em sua radiografia. O egoísmo do ser humano floresce de suas histórias como ipês no auge da primavera. As famílias estão sempre no limiar da desintegração, quando já não se depedaçaram.

Cheever, um alcóolatra pesado, também encharcou suas histórias com gim e uísque, as bebidas oficiais da classe média americana no Pós-guerra. A guerra, ou o medo dela, ajudam a tornar ainda mais inseguros seus instáveis personagens. Cheever sabe a medida certa de cada história. O homem consegue juntar tudo de importante que um conto precisa: personagens autênticos, um bom argumento e aquele suspense que vira surpresa no final da história. Fora que o cara parece nunca errar as palavras que vão formar suas frases. Nada falta, nada sobra. É tudo na medida.

Cheever escreve em primeira ou terceira pessoa com a mesma eficiência. Se quiser ler um relato corrosivo da família americana do interior, vá direto em "Adeus, meu irmão", em que um final de semana de férias é o bastante para revelar que rusgas do passado demoram mais a cicatirzar quando há laços sanguineos na jogada. Cheever desmorona um a um os integrantes de uma família aparentemente normal: o narrador é bobo, o irmão mais novo é uma pessoa detestável e misantropo, a irmã é levemente promíscua e a mãe alcóolatra.

Mesmo sendo um escritor, digamos, realista até o cerne, Cheever deixa a mente escapulir e, não raramente, bota uma dose de surrealismo em suas histórias, como em "O enorme rádio", em que uma família consegue sintonizar as conversas de seus vizinhos. Então as ondas do rádio começam a destruir fachadas: O homem honrado e sisudo bate na mulher; a vizinha é uma fofoqueira; um convidado de uma festa rouba um diamante etc. Então o rádio trata de revelar o pior e o melhor do ser humano: demonstrações de amor, vaidade, fé e desepero.

E o ataque literário à sociedade americana continua em "Os males do gim", sobre o alcoolismo disfarçado de homens aparentemente sóbrios, "Só quero saber quem foi", sobre a safadeza de mulheres casadas, e "O general da brigada e a viúva do golfe", sobre a perversidade humana em tempos instáveis.

Cheever, como todos sabem, também escreveu romances, que inclusive lhe deram muito cartaz. Mas, assim como seu conterrâneo Raymond Carver, que se arriscou na poesia, ficou mesmo eternizado como um grande contista, sempre comparado ao russo Tchekov. O boxe sempre surge como metáfora para caracterizar a força devastadora que um bom conto pode causar no leitor. O soco literário tem a força de um nocaute. E Cheever, nesse sentido, batia forte.

Cheever, Carver, Fonseca, Bukowski e Trevisan, claro, são só alguns dos grandes contistas que apareceram nos últimos cinquenta anos (no Brasil, entre 1970 e 80 os contistas verteram aos montes). Em uma pesquisa mais minuciosa, pode-se constatar que há grandes nocauteadores por aí (lembro, agora, do cubano Pedro Juan Gutiérrez). Ainda assim, continuo com a impressão de que os contistas puros-sangues estão em extinção...

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges
02. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
03. Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade de Jardel Dias Cavalcanti
04. O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? de Julio Daio Borges
05. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? de Gian Danton


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/5/2011
15h31min
Ei, Rebinnski, provavelmente essa derrocada dos contos em termos de interesse do público/vendas é mesmo fruto do pensamento comercial das editoras, que não conseguem (ou se esforçam) para vender volumes de contos. Mas por um outro lado, os contos parecem ser menos (ou quase nada) estudados e comentados dentro das páginas de cultura e dos departamentos de Letras em geral. Na introdução desse volume do Cheever, acho muito bom aquele momento onde o Mario Sergio Conti comenta sobre o direcionamento atual dos departamentos de Letras, bastante preocupados com o "lado social" da literatura ao invés da prosa em si. Sem apoio comercial e amparo intelectual, via academia ou imprensa, é realmente complicado que os contos achem um novo lugar. Acredito que, no Brasil de hoje, temos vários bons contistas escrevendo romances - ou pelo menos tentando prolongar histórias de fôlego médio para 200 ou 300 páginas.
[Leia outros Comentários de Rodrigo Campanella]
28/5/2011
11h42min
Não são só os contistas... o próprio homem está em extinção.
[Leia outros Comentários de Rebeca]
27/1/2012
13h48min
Bem, sou contista, com três livros de contos publicados, e fui naturalmente me interessando por novelas e romances, até por decorrência de uma necessidade de um mergulho mais extenso em meus personagens. Mas reconheço que o conto perdeu a sua "aura de prestígio" realmente, e lamento. O mercado editorial é insano. Nas Letras, gênero não importa, o que importa é talento, criação. Mas o comercialismo só consegue pensar de um jeito, infelizmente...e este jeito é anti-artístico, quase sempre.
[Leia outros Comentários de francisco lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês