Iniciantes, de Raymond Carver | Alysson Oliveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
35192 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/2/2010
Iniciantes, de Raymond Carver
Alysson Oliveira

+ de 7500 Acessos

"Eu gosto quando há algum sentimento ou sensação de ameaça num conto. Acredito que é bom ter um pouco de ameaça. Por exemplo, é bom para o fluxo. Deve haver tensão, um sentimento de que algo iminente, de que algumas coisas estão incansavelmente em movimento, ou então, o que é mais comum, simplesmente não é uma história", escreveu o norte-americano Raymond Carver num ensaio publicado no New York Times Book Review, em 1981.

As ideias expressas nesse texto vão exatamente ao encontro da obra composta apenas de contos, publicada em uma carreira precocemente encerrada com sua morte aos 50 anos, em 1988. Em torno de duas décadas, Carver se tornou um mestre do conto norte-americano. Suas narrativas, personagens e paisagens se confundem com a cultura norte-americana herdeira da geração de 1968. Suas influências vão desde o escritor russo Anton Tchekhov ― tanto na forma como no conteúdo, abordando a vida das pessoas comuns ― passando pelos poetas Wordsworth e Colleridge ― que pregavam o uso da linguagem cotidiana ― até o pintor Edward Hopper e seus retratos pictóricos da desolação.

Carver não experimentou a fama, que veio apenas após sua morte. Em vida, ficou conhecido como o escritor de textos curtos, histórias simples, protagonizadas por pessoas à margem da sociedade, enfrentando problemas como alcoolismo, falta de trabalho e de perspectivas ― tudo embalado pela melancolia. O rótulo de minimalista, no entanto, ele abominava.

A publicação de Iniciantes (Companhia das Letras, 2009, 304 págs.) ― que já chegou ao Brasil, Inglaterra, entre outros, mas ainda inédito nos EUA, por questões legais ― joga uma luz diferente sobre a obra de Carver. O livro é resultado do esforço de sua viúva, a poeta Tess Gallagher, e do casal de acadêmicos William L. Stull e Maureen P. Carroll, que há anos estudam os originais de um dos livros mais famosos do contista, What we talk about when we talk about love, publicado em 1981, depois de uma revisão de seu editor, o renomado Gordon Lish.

O que vem à tona nas novas ― na verdade velhas ― versões dos contos é um trabalho assustador. Alguns dos textos sofreram perda de mais de 75% nas mãos do editor, como "Cadê todo mundo?" e "Uma coisinha muito boa". Na essência, todas as versões parecem manter a marca de Carver, mas a questão é: até que ponto essa tal marca seria realmente dele?

O conto que intitula as duas coletâneas ― o título What we talk about when we talk about love foi mudança de Lish ― pode ser visto com outras alterações no site da revista norte-americana New Yorker. São as mais variadas mudanças, desde léxicas até no desfecho das narrativas, e no nome dos personagens. A posição de Carver também é controversa. Em cartas examinadas pelos pesquisadores, com alguns trechos também disponíveis no site da revista, o escritor aprovava com entusiasmo as mudanças do editor para, mais tarde, pedir a suspensão da publicação do livro. Conforme ele explica, o motivo é que muitas pessoas ― inclusive escritores renomados e amigos seus, como Tobias Wolff, Richard Ford e sua mulher ― viram os originais e sabem que aqueles contos não foram escritos daquela forma. E isso parecia o envergonhar.

Lish ignorou o pedido e transformou Carver numa celebridade literária. Depois vieram outras coletâneas ― Cathedral é a mais famosa delas ― e um livro de contos selecionados pelo próprio autor e seu editor na época, Gary Fisketjon, no mesmo ano da morte do escritor. Essa seleção inédita no Brasil, chamada Where i'm calling from, traz alguns textos na versão editada por Lish ― ou seja, com a benção de Carver.

Apenas o início
Iniciantes é uma obra singular na literatura de Carver. Nela, enfim, encontramos o verdadeiro escritor, com suas qualidades e defeitos ― pois as de What we talk about when we talk about love são compartilhadas com Lish. É prazeroso e frustrante, ao mesmo tempo. Em "Uma coisinha muito boa", um dos contos mais celebrados do autor, há originalmente um flashback de quatro páginas no meio da história que quebra, desnecessariamente, o fluxo da narrativa. A versão do livro de 1981, porém, é 78% mais curta do que a planejada pelo autor ― que acabou publicada em uma revista em 1982, e um ano mais tarde na coletânea Catedral. Essa nova/velha versão, no entanto, não trazia o flashback.

Em Iniciantes há o mesmo Carver que busca exatamente "a tensão, um sentimento de que algo iminente, de que algumas coisas estão incansavelmente em movimento". Seus contos são habitados por personagens no limite de seus momentos. Um jovem casal encontra móveis e objetos espalhados por um jardim. Acreditam ser uma venda, testam algumas coisas ― como a cama ― e, por fim, depois de passarem um tempo com o dono da casa, compram algumas coisas. Mas nunca fica claro se ele realmente estava vendendo tudo aquilo, ou se, simplesmente, depois de ter sido abandonado pela esposa e filhos colocou, literalmente, a casa ao avesso, vivendo do lado de fora.

O final original de "Uma coisinha muito boa", tão redentor quanto doloroso e poético, acabou ficando de fora da primeira versão do conto, que é muitas páginas mais curto. É preciso muita coragem para chegar aonde ele chega com esse texto, sem cair na pieguice ou no grotesco.

Se a mão de Lish pesou nesse caso, em outros trouxe a leveza e a contenção que transformou Carver praticamente numa marca literária. A publicação de Iniciantes é, para o bem e para o mal, um evento literário. Carver sempre falou das pequenas coisas, da vida simples. Seu estilo não era tão minimalista quanto se passou a acreditar. Mas as pessoas de vida instável e ameaçada sempre estiveram lá ― tal qual seu criador gostava.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na Revista Paradoxo. Alysson Oliveira mantém o blog Letras e fotogramas.

Para ir além






Alysson Oliveira
São Paulo, 15/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O primeiro assédio, na literatura de Marta Barcellos
02. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
03. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
04. Isto não é um trote de Marta Barcellos
05. Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Alysson Oliveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O OITAVO DIA DA SEMANA
NELSON DE OLIVEIRA
TRAVESSA DOS EDITORES
(2005)
R$ 22,70



O PROBLEMA DA REALIDADE OBJETIVA -2ª EDIÇÃO
DJACIR MENEZES
EDIÇÕES TEMPO BRASILEIRO
(1971)
R$ 10,00



NUNCA DESISTA DE SEUS SONHOS
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2004)
R$ 9,90



CONECTE HISTÓRIA 1
SARAIVA
SARAIVA
(2011)
R$ 15,00



HISTÓRIAS BÍBLICAS EM QUEBRA-CABEÇAS
SBB
SBB
(2010)
R$ 13,90
+ frete grátis



ACTA LITERÁRIA
VÁRIOS AUTORES
ACADEMIA FORTALEZENSE DE LETRA
(2005)
R$ 18,00



O MUNDO E BARBARO
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2008)
R$ 7,19



POESIA
ÁLBUM DE AMOR VOL. 15 COL UNIVERSITARIA POESIA
UNIVERSITÁRIA
(1997)
R$ 31,88



PSICOLOGIA
ADOLESCENTES, PRAGMÁTICAS DA ABORDAGEM PSICOTERAPÊUTICA
QUARTETO
(1999)
R$ 35,77



A MULHER DAS MARAVILHAS
ALBERTO BEVILACQUA
MARCO ZERO
(1980)
R$ 7,90





busca | avançada
35192 visitas/dia
1,3 milhão/mês