Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Terça-feira, 1/3/2016
Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2900 Acessos


"A única virtude que minha história tem é que de fato ocorreu". (G. C. Infante)



Eu a conheci aos 16 anos. Nós nos apaixonamos imediatamente. Tínhamos uma turminha bem animada, que se reunia para tomar vinho barato, tocar violão, ler Fernando Pessoa e fumar uns baseados.

Vivíamos numa cidade do interior de Minas Gerais. Muitas igrejas, muita fofoca, muita vigilância moral. A terra das beatas é algo muito próximo ao inferno para um jovem. Não bastasse a vigilância da família, os olhos de todos os cidadãos sobre nós era de condenação. Jovens com cabelos chegando ao ombro e com uma predisposição a nadar contra a correnteza, éramos suspeitos: “Não te vi na missa da manhã hoje, meu filho!”.

Aos 16 anos, depois de alguns troca-trocas, amar algumas bananeiras e desejar a própria irmã e suas amigas tomando sol de biquíni no quintal, descobri o amor nos lábios doces daquela menina com cara de sapeca, com um riso indescritível, que tocava violão e gostava de poesia.

Primeiro andamos de mãos dadas, depois nos beijamos e nos beijamos, depois nos tocamos nas partes do corpo que eram proibidas. Enquanto o calor subia, as fofocas também esquentavam na pequena cidade cheia de igrejas. No entanto, não nos apavoramos, éramos puros, amantes de coração, portanto livres para ir até o fim.

Nos divertíamos em grupo inicialmente. O violão mal tocado passava de mão em mão, como o baseado e a garrafa de vinho vagabundo. Alegres e plenos de poesia e música, nos separávamos do bando ao ir para casa. Eu a levava até o portão de casa, os beijos não queriam mais parar. Porque dividir o que nasceu para ficar junto? Chegando a hora de se recolher, ia cada um para sua casa, triste e feliz. Amanhã tem mais. Tem mais vida.

O sino das igrejas nos acordava bem cedo. Um poema para meu amor, preciso escrever, escrever, escrever. À noite trocávamos nossos poemas amassados, guardados o dia todo no bolso, lidos, relidos, corrigidos.

Estudávamos à noite. Acabava a aula, cada um trazia seu vinho, seu livro de poesia e era só encontrar um baseado. Cada um do grupo tirava sua pequena contribuição do bolso e o resto era fácil. De mãos dadas com meu amor, minha felicidade corria aquelas ruas de paralelepípedo de uma cidade cheia de igrejas do interior de Minas Gerais.

Para correr dos olhos vigilantes, descobrimos a escadaria do cemitério como ponto de encontro para a música, histórias de terror e poesia. O violão alimentava nossos corações com canções de Lô Borges, Beto Guedes e Milton. Além dos meus beijos, não é meu amor?

- “Nos vemos amanhã pessoal, vamos ficar namorando um pouco mais aqui, sob os cuidados das almas penadas”.

E foram tantos beijos (e mãos que invadiam a camisa e a calça e a minissaia e o perfume se misturava e nos apertávamos mais e mais e não conseguíamos parar de nos beijar nos esfregar e nos declarávamos apaixonados e nos amassávamos e nos desejávamos), que decidimos, por fim, entrar no cemitério. Não era fácil o acesso a um motel. Era impossível. Naquela cidade de igrejas por todo lado, olhos vigilantes e censores, pais quadrados e falta de dinheiro para tudo e nem carro tínhamos, como poderíamos ficar sozinhos? Só o cemitério era de graça (para nós, não para os mortos).

Entramos, afinal não se pode fugir do desejo de fusão amorosa. E o mais lindo túmulo era, para nosso deleite, o do poeta Alphonsus de Guimarães. Ele não iria se importar, comentamos. Ao contrário, ele teria assunto no céu ou no inferno para mais um poema simbolista.

Limpei o túmulo, que reluzia em sua negritude sob a luz de uma lua nova. Tirei minha camisa e forrei o mármore negro que, em seguida, viu deitar sobre ele a nudez total de uma menina de 17 anos. Não éramos mais virgens ao passar da meia-noite. Atravessamos as ruas da cidade mais felizes e brilhantes que um cometa, mais felizes do que um poeta quando encontra a palavra justa. Havíamos encontrado nossa morada do amor. E era ali que passávamos a maior parte de nossas noites juntos.

E também foi ali, um ano depois, sentado sobre o mesmo túmulo, que ouvi de sua boca a pior notícia de minha vida: “Não quero mais, vamos acabar com isso”. Porque? “Vamos nos despedir fazendo amor pela última vez”. Eu a penetrei chorando, com um rio de minhas lágrimas lambuzando o seu rosto e os seus seios. “Por favor, entenda, não quero mais, não dá mais...”.

Desci aquelas ruas sozinho, o coração trespassado por uma lâmina de aço, penetrante, dolorosa e amarga, enquanto a observava indo para casa também sozinha, com seus delicados passos que faziam sua minissaia balançar para lá e para cá. Um poema de dor para meus olhos.

Em casa, entrei no quarto do meu pai, abri o armário e do bolso de seu terno retirei a arma que eu sempre soube que estava ali. O meu Werther estava aberto sobre a mesa, era o alimento poético para meus dias de amor felizes e tristes como todo amor. Depositei sobre ele a arma. Peguei algumas folhas de papel e escrevi a minha história de amor, que dediquei a ela. Quando acabei, lá pelas 5 da manhã, acordei todos em casa com o barulho do tiro, que atravessou meu coração.

Toda a cidade ficou sabendo e se comoveu com a história, narrada no texto que apareceu na manhã seguinte impressa no jornalzinho local. Lido, lido, lido. O neto do poeta, um homem sensível às histórias de amantes, sugeriu que eu fosse sepultado no túmulo do amor. Toda a cidade aplaudiu a iniciativa. E assim foi feito.

Ela, a amada, inconsolável, passou a andar como uma louca pela cidade, corroída com a minha morte, à beira da insanidade e também da decisão final. Todos aguardavam atentos pelo desfecho, pois percebiam que o abismo a espreitava. Por isso, o túmulo era limpo diariamente, à espera do corpo da jovem que ali poderia encontrar a sua paz de espírito e seu amado perdido.

Enquanto a cidade esperava do lado de lá, eu esperava do lado de cá, no reino dos mortos, pelo reencontro.



(A imagem é obra do artista Elias Layon, feita especialmente para ilustrar o conto)


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
02. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
03. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
04. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
05. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




4 PS DA OAB 2ª FASE. PRÁTICA ADMINISTRATIVA
ANDRÉ DEL CISTIA RAVANI E BRUNO A. A. DE ALMEIDA
RIDEEL
(2015)
R$ 37,90



PENA DE MULTA SUBSTITUTIVA NO CONCURSO DE CRIMES
VERA REGINA BRAGA DE ALMEIDA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1997)
R$ 22,00



CIÊNCIAS HUMANAS E CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL PARA PROFISSIONAIS
JEAN - LOUIS GÉRARD ALI AIT ABDELMALEK
INSTITUTO PIAGET
(1999)
R$ 97,78



RSE 2º ANO ENSINO MÉDIO 2ª EDIÇÃO
VÁRIOS AUTORES
RSE
(2012)
R$ 16,90



CUPIDO E PSIQUÊ E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SÉRGIO DE VASCONCELLOS
OBJETIVO
R$ 4,00



O FEITICO DA ILHA DO PAVAO
JOÃO UBALDO RIBEIRO
NOVA FRONTEIRA
(1997)
R$ 12,00



SOI NMOSFET CANAL DELTA - CORRENTE DE FUGA EM ALTAS TEMPERATURAS
MARCELLO MARCELINO CORREIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



A CURA PELA ENERGIA DAS MÃOS
STARR FUENTES
MADRAS
(2017)
R$ 28,90



DIREITO TRIBUTÁRIO INTERPRETADO
IVES GANDRA DA SILVA MARTINS
CEJUP
(1985)
R$ 5,00



NOÇÕES DE PSICOLOGIA
IAGO PIMENTEL
MELHORAMENTOS
(1965)
R$ 10,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês