A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gullar no Ofício
>>> Qualidade de vida
>>> A excelência do espírito
>>> O paulistano cordial
>>> É possível conquistar alguém pela escrita?
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> John Fante: literatura como heroína e jazz
>>> Imprensa em 2002
>>> Oswald de Andrade e o homem cordial
>>> Computadores, iPads e colheres de pau
Mais Recentes
>>> Arte brasileira de Circulo do Livro pela Circulo do Livro (1988)
>>> Galeria Nacional - Londres de Enciclopédia dos Museus pela Melhoramentos (1969)
>>> The Bolshoi Ballet de Yuri Slonimsky pela Foreign (1990)
>>> Gênios da Pintura: Veronese 21 de Luís Carta e Outros pela Abril Cultural (1967)
>>> Frank Lloyd Wright - Volume 1 de Gianluca Gelmini pela Folha de São Paulo (2011)
>>> Censo Cultural - São Paulo 1990 : Interior e Litoral de Secretaria de Estado da Cultura pela sec de Estado da Cultura (1990)
>>> 1000 Desenhos para quem não sabe desenhar - um verdadeiro dicionário de desenhos de Jean Arestein pela Ediouro grupo coquetel (1989)
>>> Madeira : Raiz do Brasil de Renato Brunello pela Caixa Cultural (2003)
>>> O Chamado da Floresta de Jack London pela Atica (1995)
>>> Que Azar, Godofredo! de Alexandre Azevedo pela Atual (1989)
>>> Dingono, o Pigmeu de Rogério Andrade Barbosa pela Melhoramentos (1997)
>>> É Difícil de Entender, Vô! de Nelson Albissú pela Atual (1993)
>>> The World God Made de Alyce Bergey pela Arch (1965)
>>> The True Story of Romeo and Juliet Stage 4 de Eduardo Amos pela Moderna (1997)
>>> Alfabetto - Autobiografia Escolar de Betto pela Atica (2002)
>>> O Portão Vermelho Romance Duma Terra Distante de Lin Yutang pela Pongetti (1958)
>>> Hidroterapia e Outros Tratamentos Naturais de Antônio Natanael de Paiva pela Casa (2003)
>>> Aventura na Serra do Mar de Fernando José de Souza pela Casa Publicadora Brasileira (1905)
>>> 24 Estudos de Execução Fácil para Piano de Pozzoli pela Ricordi (2000)
>>> Hanon o Pianista Virtuoso de A Schott pela Ricordi (1984)
>>> Sete Povos das Missoes de Walter Vetillo; Eduardo Vetillo pela Cortez (2012)
>>> Iniciação ao Violão Volume II de Henrique Pinto pela Ricordi (2000)
>>> Grandes Compositores e Suas Histórias de Hannelore Bucher pela Bucher (2004)
>>> Exercícios de Teoria Elementar da Música de Osvaldo Lacerda pela Ricordi (2000)
>>> A Técnica Diária do Pianista de E. Pozzoli pela Ricordi (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 21/6/2016
A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4200 Acessos

Um dos escritores mais profícuos da literatura brasileira contemporânea, Marcelo Mirisola acaba de lançar, pela Editora 34, seu novo romance: A Vida Não Tem Cura. Autor de uma dezena de romances, alguns livros de crônicas e uma peça de teatro, sua obra se diferencia totalmente da literatura para freiras ou para quem gosta de pensar delicadamente ou de forma “politicamente correta” (caso bastante comum hoje em nossos meios literários e intelectuais).

Nesse novo romance, uma certeza: a literatura de Mirisola não tem cura. Sua ácida reflexão sobre a realidade, sobre o desastre que é a existência e os descaminhos das utopias pessoais ou sociais, não deixa dúvida: o escritor, a cada dia, coloca seus leitores mais próximos da porta do Inferno de Dante: "Lasciate ogni speranza, voi che entrate" (“Deixai toda esperança, ó vós, que entrais”).

Uma novidade no novo romance de Mirisola é sua abertura para a alegoria. Um livro, portanto, menos gosmento, ou sem a porra ressecada que costuma invadir boa parte de suas páginas. Mais abstrato, por isso, mesmo que ainda penetre o cotidiano sadomasoquista do casal que é o centro do livro. Dessa vez invoca uma situação mais panorâmica. A partir de um casamento entre dois jovens, risivelmente selado nada menos que com a compra de um par de tênis All Star vermelho, o autor nos faz mergulhar no fracasso de uma geração nascida viúva de um dos seus ídolos: a banda de rock Legião Urbana.

Sua escrita (pois não se pode falar em Mirisola sem falar de sua escrita), tem a velocidade própria do nosso tempo (como é exigida por Italo Calvino em suas “Seis propostas para o próximo Milênio”). Lê-se esse romance, de 85 páginas, em duas sentadas. Se seus personagens não são apresentados dentro de um fundo psicológico-existencial-social tão complexos, é porque, para Mirisola eles são seres que vivem como pessoas de existências sociais e psicológicas brutas (ou brutalizadas ou que se brutalizam), perdidos na velocidade do vazio de sua situação. O fato curto e grosso de suas existências é o que delimita sua essência psicossocial, logo a literatura de Mirisola não vê a possibilidade de injetar num casal que se aliança comprando pares de All Star vermelhos algo além daquilo que simboliza sua decrepitude juvenil.

De que se trata afinal a narrativa? Da alegoria de uma geração, que vai se traduzir nos rumos (ou descaminhos) da história de um casal, Gui e Natasha, que se conheceram durante um show de uma banda cover do Legião Urbana, quando ele tinha 15 anos e ela 16, tiveram depois uma filha, chamada Clarinha, ele era professor de matemática delivery, com sonho de fazer Letras um dia, enquanto o dela era ter uma franquia da Cacau Show.

Enquanto ela tinha uma profissão, ele cuidava da casa: “levava Clarinha pra dentista, pra escola, pras festinhas, para onde Natasha mandava”. Além “de ensinar equação do segundo grau pra filhindo de papai”. Prisioneiros do próprio imbróglio-vida a que pertencem, ao lugar que ocupam em relação um ao outro ou na forma de vida em que se meteram, não conseguem ir além das circunstâncias que, se quisermos traduzir em termos hegelianos, não é outra que a da dialética do senhor e do escravo.

Só há senhores, segundo explica Hegel, porque alguém foi submetido a condição de escravo. O ser senhor está, portanto, associado a uma ação e acorrentado a grilhões que o definem e o caracterizam, tornando-o, de fato, o verdadeiro cativo, preso a uma condição da qual não tem como se libertar.

É o caso de Natasha, o senhor da relação, “que sempre foi austera, quase militar com as obrigações profissionais que assumia” e, com Gui, tentando manter as mesmas prerrogativas autoritárias que se impõe na condição de escrava de si mesma.

Natasha, não sei se Mirisola pensou nisso, é o nome de uma letra de outro ídolo dessa geração perdida, o Capital Inicial. Ela é a menina de “cabelo verde, tatuagem no pescoço”, que, vivendo num mundo prestes a acabar, “só quer dançar”. Fruto da “revolução molecular”, da “micro-revolução do desejo”, da “revolução feminina”, apostam em experiências bissexuais, sexo a três, música rasa, empregos inúteis, sonhos pequenos - enquanto deixam livres os ratos fazendo a festa no Planalto Central.

Frequentando shows do Legião-cover, fazendo tatuagens, frequentando Ubatuba, morando no fundo da casa da mãe do namorado, conhecendo amantes (motoboys, gerente de vendas, supervisor de almoxarifados, tatuadores) que terminam sua existência arruinados na cracolândia, Natasha paira “acima dos amantes, como se fosse um urubu sobrevoando a carniça produzida por ela mesma”.

Ele, o masoquista da relação, o escravo, vive sob a mescla de um sentimento de pena dela, do deboche e escárnio, tendo que ouvi-la denegrir a sogra (a “velha escrota cheia de pelancas que foi corna a vida inteira”), chamando-o também de corno e inferiorizando-o por sua condição de “professorzinho de matemática delivery” e péssimo amante (“ela dizia que eu não tinha pegada”).

Avançando para o desastre pessoal, como resultado de sua existência de fracassado, Gui destrói tudo à sua volta, não tendo outra conclusão sobre seu destino: “Não sobrou nem o azul do céu, apenas a grande fúria do mundo”. Depois de tocar fogo no pôster de Renato Russo, decaindo até não ter dinheiro nem para um conhaque, mergulha no submundo da prostituição infantil e termina seus dias se redimindo num centro de cura para travestis e gays de uma igreja evangélica.

Difícil abrir as entranhas desse romance numa resenha. Ao alegorizar, Mirisola cria uma representação que nunca se fecha totalmente, não totaliza, só trabalha com fragmentos de uma realidade estilhaçada. Sua obra é serial, pluralista, polissêmica, aberta. Ela diz uma coisa para exprimir outra. Ela, portanto, é uma cifra, um enigma aberto a infinitas significações. Informalidade, desordem, casualidade, indeterminação de resultados é seu modus operandi.

Se Mirisola quer anunciar uma reflexão sobre uma geração, como eu suponho, ele produz na forma do romance a própria coisa. O romance é em si a realidade social captada e evocada como aparição. Ele não “fala” no sentido da linguagem ordinária, mas traduz de maneira gestual, na configuração íntima de sua escritura, a problemática da sociedade: o romance é a resposta objetiva às constelações sociais objetivas, quando cada opção formal é um reagir à sociedade.

O romance não é, portanto, um comentário, mas a coisa em si; não uma reflexão, mas uma compreensão; não uma interpretação, mas a coisa a ser interpretada.

E o personagem Gui encarna essa realidade do romance, na indeterminação de sua existência, de uma geração que não passou de um vulto: “Vou falar de vultos. Da minha vida que foi um vulto...”.


A ilustrações do texto foram gentilmente cedidas pelo autor das obras, o artista Danillo Villa.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/6/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
02. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
03. Noturno para os notívagos de Ana Elisa Ribeiro
04. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
05. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lições de Princesa
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



O Bonde e a Linha - um Perfil de J. Carlos
Cássio Loredano
Capivara
(2002)



Exploring the Earth and the Cosmos
Isaac Asimov (capa Dura)
Crown Publishers
(1982)



Assistência Jurídica no Processo Penal: Garantia para a Efetivida
Berenice Maria Giannella
Revista dos Tribunais
(2002)



A Cor da Poesia
Gladis Lacerda
Oficina
(2001)



Pierre Verger - Fotografias para Não Esquecer
Roberto Linsker - Pierre Verger
Terra Virgem
(2009)



Grupos y Sociedad: Iniciacion a La Psicosociologia de los Grupos
Michel Cornation
Tiempo Nuevo (caracas)
(1969)



Le Jardin Dacclimatation
Yves Navarre
Flammarion
(1980)



As Equilibristas
Bruna Gasgon
Jardim dos Livros
(2012)



Minha gravidez dia a dia - 365 dias de um ano muito especial
demian sterman ; mariano rozenberg
Vergara & Riba
(2013)





busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês