A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 21/6/2016
A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3600 Acessos

Um dos escritores mais profícuos da literatura brasileira contemporânea, Marcelo Mirisola acaba de lançar, pela Editora 34, seu novo romance: A Vida Não Tem Cura. Autor de uma dezena de romances, alguns livros de crônicas e uma peça de teatro, sua obra se diferencia totalmente da literatura para freiras ou para quem gosta de pensar delicadamente ou de forma “politicamente correta” (caso bastante comum hoje em nossos meios literários e intelectuais).

Nesse novo romance, uma certeza: a literatura de Mirisola não tem cura. Sua ácida reflexão sobre a realidade, sobre o desastre que é a existência e os descaminhos das utopias pessoais ou sociais, não deixa dúvida: o escritor, a cada dia, coloca seus leitores mais próximos da porta do Inferno de Dante: "Lasciate ogni speranza, voi che entrate" (“Deixai toda esperança, ó vós, que entrais”).

Uma novidade no novo romance de Mirisola é sua abertura para a alegoria. Um livro, portanto, menos gosmento, ou sem a porra ressecada que costuma invadir boa parte de suas páginas. Mais abstrato, por isso, mesmo que ainda penetre o cotidiano sadomasoquista do casal que é o centro do livro. Dessa vez invoca uma situação mais panorâmica. A partir de um casamento entre dois jovens, risivelmente selado nada menos que com a compra de um par de tênis All Star vermelho, o autor nos faz mergulhar no fracasso de uma geração nascida viúva de um dos seus ídolos: a banda de rock Legião Urbana.

Sua escrita (pois não se pode falar em Mirisola sem falar de sua escrita), tem a velocidade própria do nosso tempo (como é exigida por Italo Calvino em suas “Seis propostas para o próximo Milênio”). Lê-se esse romance, de 85 páginas, em duas sentadas. Se seus personagens não são apresentados dentro de um fundo psicológico-existencial-social tão complexos, é porque, para Mirisola eles são seres que vivem como pessoas de existências sociais e psicológicas brutas (ou brutalizadas ou que se brutalizam), perdidos na velocidade do vazio de sua situação. O fato curto e grosso de suas existências é o que delimita sua essência psicossocial, logo a literatura de Mirisola não vê a possibilidade de injetar num casal que se aliança comprando pares de All Star vermelhos algo além daquilo que simboliza sua decrepitude juvenil.

De que se trata afinal a narrativa? Da alegoria de uma geração, que vai se traduzir nos rumos (ou descaminhos) da história de um casal, Gui e Natasha, que se conheceram durante um show de uma banda cover do Legião Urbana, quando ele tinha 15 anos e ela 16, tiveram depois uma filha, chamada Clarinha, ele era professor de matemática delivery, com sonho de fazer Letras um dia, enquanto o dela era ter uma franquia da Cacau Show.

Enquanto ela tinha uma profissão, ele cuidava da casa: “levava Clarinha pra dentista, pra escola, pras festinhas, para onde Natasha mandava”. Além “de ensinar equação do segundo grau pra filhindo de papai”. Prisioneiros do próprio imbróglio-vida a que pertencem, ao lugar que ocupam em relação um ao outro ou na forma de vida em que se meteram, não conseguem ir além das circunstâncias que, se quisermos traduzir em termos hegelianos, não é outra que a da dialética do senhor e do escravo.

Só há senhores, segundo explica Hegel, porque alguém foi submetido a condição de escravo. O ser senhor está, portanto, associado a uma ação e acorrentado a grilhões que o definem e o caracterizam, tornando-o, de fato, o verdadeiro cativo, preso a uma condição da qual não tem como se libertar.

É o caso de Natasha, o senhor da relação, “que sempre foi austera, quase militar com as obrigações profissionais que assumia” e, com Gui, tentando manter as mesmas prerrogativas autoritárias que se impõe na condição de escrava de si mesma.

Natasha, não sei se Mirisola pensou nisso, é o nome de uma letra de outro ídolo dessa geração perdida, o Capital Inicial. Ela é a menina de “cabelo verde, tatuagem no pescoço”, que, vivendo num mundo prestes a acabar, “só quer dançar”. Fruto da “revolução molecular”, da “micro-revolução do desejo”, da “revolução feminina”, apostam em experiências bissexuais, sexo a três, música rasa, empregos inúteis, sonhos pequenos - enquanto deixam livres os ratos fazendo a festa no Planalto Central.

Frequentando shows do Legião-cover, fazendo tatuagens, frequentando Ubatuba, morando no fundo da casa da mãe do namorado, conhecendo amantes (motoboys, gerente de vendas, supervisor de almoxarifados, tatuadores) que terminam sua existência arruinados na cracolândia, Natasha paira “acima dos amantes, como se fosse um urubu sobrevoando a carniça produzida por ela mesma”.

Ele, o masoquista da relação, o escravo, vive sob a mescla de um sentimento de pena dela, do deboche e escárnio, tendo que ouvi-la denegrir a sogra (a “velha escrota cheia de pelancas que foi corna a vida inteira”), chamando-o também de corno e inferiorizando-o por sua condição de “professorzinho de matemática delivery” e péssimo amante (“ela dizia que eu não tinha pegada”).

Avançando para o desastre pessoal, como resultado de sua existência de fracassado, Gui destrói tudo à sua volta, não tendo outra conclusão sobre seu destino: “Não sobrou nem o azul do céu, apenas a grande fúria do mundo”. Depois de tocar fogo no pôster de Renato Russo, decaindo até não ter dinheiro nem para um conhaque, mergulha no submundo da prostituição infantil e termina seus dias se redimindo num centro de cura para travestis e gays de uma igreja evangélica.

Difícil abrir as entranhas desse romance numa resenha. Ao alegorizar, Mirisola cria uma representação que nunca se fecha totalmente, não totaliza, só trabalha com fragmentos de uma realidade estilhaçada. Sua obra é serial, pluralista, polissêmica, aberta. Ela diz uma coisa para exprimir outra. Ela, portanto, é uma cifra, um enigma aberto a infinitas significações. Informalidade, desordem, casualidade, indeterminação de resultados é seu modus operandi.

Se Mirisola quer anunciar uma reflexão sobre uma geração, como eu suponho, ele produz na forma do romance a própria coisa. O romance é em si a realidade social captada e evocada como aparição. Ele não “fala” no sentido da linguagem ordinária, mas traduz de maneira gestual, na configuração íntima de sua escritura, a problemática da sociedade: o romance é a resposta objetiva às constelações sociais objetivas, quando cada opção formal é um reagir à sociedade.

O romance não é, portanto, um comentário, mas a coisa em si; não uma reflexão, mas uma compreensão; não uma interpretação, mas a coisa a ser interpretada.

E o personagem Gui encarna essa realidade do romance, na indeterminação de sua existência, de uma geração que não passou de um vulto: “Vou falar de vultos. Da minha vida que foi um vulto...”.


A ilustrações do texto foram gentilmente cedidas pelo autor das obras, o artista Danillo Villa.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/6/2016


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ODISSÉIA
HOMERO
OTTO PIERRE EDITORES
(1980)
R$ 9,99



O POÇO DO VISCONDE
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
R$ 12,00



CONEXÕES COM A HISTÓRIA VOL, 2 - DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA AO SÉCULO XIX
ALEXANDRE ALVES
MODERNA
(2010)
R$ 7,80



URUPÊS
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1955)
R$ 12,00



ESTADO ATUAL DA TERAPÊUTICA DA LEPRA
LAURO DE SOUZA LIMA
MINIESTERIO EDUCAÇÃO E SAUDE
(1953)
R$ 288,17



EYES OPEN 4 - WORKBOOK
VICKI ANDERSON
CAMBRIDGE
(2015)
R$ 90,00



ESTUDAR - VERBO INTRANSITIVO?
PAULO AFONSO CARUSO RONCA
EDESPLAN
(1996)
R$ 7,90



CHOQUE DE TROPICALISMO - CINEMA E TV
NEWTON CANNITO
NVERSOS
(2013)
R$ 19,00



PENSÃO RISO DA NOITE
JOSÉ CONDÉ
PRODUÇÃO CONJUNTA
(1973)
R$ 10,00



DIÁRIO DE UMA MAE VERDADEIRA
DANIELA BARROS
BB
(2012)
R$ 5,00





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês