Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/8/2016
Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos



Em seu sétimo livro de poesia, Nós, os dinossauros”, editado pela Patuá, André Luiz Pinto nos reserva uma tensão difícil de solucionar. O encontro da poesia com a reflexão sobre sua própria existência e, como se não bastasse, com a “questão social”, que soma-se ao “problema” do próprio sistema da poesia.

Esta questão, tanto séria quanto nebulosa para a arte, já foi enfrentada por T. W. Adorno e Walter Benjamin, dois dos mais importantes teóricos do século XX. Adorno em seu ensaio “Lírica e sociedade” e Benjamin, ao estudar Baudelaire, quando aproveitou para refletir sobre o mercado de trabalho literário de sua época.

Segundo Benjamin, “o poeta sabia bem a situação do literato: como flaneur ele vai ao mercado para olhá-lo, mas no fundo procura um comprador. Livros e prostitutas se assemelham: ambos têm seu tipo de homens, que vivem às suas custas e os atormentam. Quem escreve livros se oferece ao mercado como uma prostituta; quem escreve sobre livros, vive às custas deles como um gigolô. O poeta lírico oferece a sua própria intimidade no mercado: poderá devassá-la quem quiser e pagar o preço. Uma resenha literária serve para difundir um livro, isto é, para que ele seja mais vendido: faz parte do processo de propaganda. A crítica literária geralmente faz o mesmo, só que não sabe disso”. (Flavio Kothe)

No caso de Adorno, “a lírica é vista como expressão do individual íntimo, livre e oposto à práxis. Afirma que a expressão do individual na lírica deve transcender duplamente o individual: pelo mergulho nele, descobrindo o subjacente, o ainda não captado nem realizado no social; e pela expressão, encontrando através da forma uma participação no universal. O poema acaba se tornando o sonho de uma sociedade diversa da existente, que é entendida como sendo fria, opressiva, inimiga e estranha. Nesta, o poder de coisificação é visto como sendo tão grande que ele não pode mais ser dourado por nenhuma aura lírica.” (Flavio Kothe)

A poesia de André Luiz navega nessas águas turbulentas. Nela se apresentam o social, a crise da poesia, do poeta (e seu leitor) e o desencantamento do mundo. Ou seja, uma crise infindável.

A questão que se coloca é: como resolver esse problema, não deixando a poesia de ser, antes de tudo, poesia? Nenhum leitor sério de poesia consegue ler uma poesia que seja simplesmente um panfleto político ou uma espécie de confessionário sebento de dores que não transcendam o individual.

Salvaguardar a autonomia da arte em relação ao mundo ou à sociedade é o dever do artista. Mas como realizar essa tarefa? Quando sabemos que o engajamento não passa, muitas vezes, de falta de talento, qual a saída para a poesia se opor à sociedade?

Dar uma orientação à arte é traí-la. Comentar o social (apenas tematicamente) num poema também. Seria cair no discurso programático, que é parte do mundo ordinário da linguagem, diferente da poesia, que se apossa do mundo recusando-o justamente ali, onde o jogo é claramente definido enquanto linguagem comum.

Picasso não fez um tratado sociológico sobre “Guernica”, ao contrário, pôs-se a destruir a possibilidade de uma linguagem comprometida com o real. Destruiu na própria forma a possibilidade de um entendimento objetivo da “realidade” histórica de Guernica. Se não fosse pelo título da obra quem saberia que ela trata de Guernica? A desarticulação da forma traduziu uma vontade de romper com uma realidade objetiva que traduziria o mundo que possibilita a desumanização do homem na guerra (ou como condição ontológica do próprio homem).

André Luiz sabe que a arte é a promessa da felicidade que se esfacela. Por isso seus versos dizem que “a poesia/ não há/ de vingar”. A moeda do mercado é quem está organizando os “nichos” de sua existência. Os próprios poetas enterrarão a poesia: “o pior já foi confirmado”. Está consumado.

A crítica percorre vários poemas, desde a ironização dos saraus onde o poeta ou a marca de relógio não se diferenciam mais, até a (des)compostura do poeta que se veste "com estilo": “a echarpe, aliás,/ caiu super bem na noite/ de autógrafos”.

O elemento irônico é constante nos poemas de André Luiz. É pisoteando na má fé dos fatos sociais que ele aponta a saída, essa promessa frustrada de felicidade, como no poema de versos picoteados e/ou entrecortados “Nikita”: “dizia/ com o picolé na mão/ adoro/ tragédias/ tarados/ & promessas/ quando vou/ às festas/ de meu pai/ nos leilões/ imagino/ mst/ invadindo/ deto/ nando/ a festinha/ dos/ barões/ bois premiados/ agora/ servem/ de churrasco/ no prato/ das crianças/ “não me/ queira mal/ é que eu só desejo/ o pior”/ dizia/ enquan/ to/ chupava/ picolé saindo/ da boate/ aindademanhã”.

Às vezes alguns poemas caem inesperadamente como uma bomba no nosso colo, como é o caso de “Sobrenome”, onde transcende-se o elemento individual (como na exigência de T. W. Adorno) em nome de uma “dor do mundo”, comum a todos, fruto da dialética das relações de força entre os humanos.



O elemento social aparece na poesia de André Luiz em vários poemas. Mas esse “social” não é a denúncia simples da violência sobre os oprimidos, mas a resposta enigmática da resistência quase surreal das imagens da poesia, como em Zumbi: “zumbi, a estátua/ uma cabeça que mesmo depois de cortada/ continua a encarar/ os algozes.”



O fato da poesia de André Luiz se fazer crítica, no sentido de ser uma operação da linguagem como “écriture”, em oposição à fala ordinária, de não se render ao discurso do óbvio nem do sumariamente ideológico, torna essa criação necessária e potente.

A poesia de André Luiz tem nos alimentado com a beleza, sem deixar de nos dar, também, o gosto amargo de sua relação com o mundo.

Por isso, ele aposta na imagem dos dinossauros ainda resistentes. Desde Homero, aqui estamos (nadando contra a utopia autoritária da República de Platão). Atravessamos a história da humanidade. O ocaso se anuncia. Mas os dinossauros resistem. Sempre resistem. Não é esse o caso do livro de André Luiz?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SERTANEJO - 2 VOLUMES - CAPA DURA
JOSÉ DE ALENCAR
INSTITUTO DE DIV. CULTURAL
R$ 11,00



O PRISMA DAS MIL FACES
EURÍPEDES KÜHL/ P/ ESPÍRITO: CLAUDINEI
FONTE VIVA/ BELO HORIZONTE
(2002)
R$ 42,90



LITERATURA COMENTADA CAETANO VELOSO
CAETANO VELOSO
ABRIL
(1981)
R$ 4,00



ENCICLOPÉDIA AGRÍCOLA BRASILEIRA - VOLUME 3
ARISTEU MENDES PEIXOTO JULIO S. INGLEZ DE SOUZA
EDUSP
(2000)
R$ 85,00
+ frete grátis



UMA HISTÓRIA NO SEU TEMPO ANTOLOGIA SCORTECCI
SCORTECCI
SCORTECCI
(2007)
R$ 14,93



PREDICTABLY IRRATIONAL: THE HIDDEN FORCES THAT SHAPE OUR DECISIONS
DAN ARIELY
HARPER COLLINS PUBLISHERS
(2008)
R$ 40,00



REORGANIZAR A SOCIEDADE
COMTE
ESCALA
(2000)
R$ 44,91



A AVENTURA HUMANA ENTRE O REAL E O IMAGINÁRIO
MILTON GRECO
PERSPECTIVA
(1984)
R$ 15,00



A VIDA PRIVADA E OUTRAS HISTÓRIAS
HENRY JAMES
NOVA ALEXANDRIA
(2001)
R$ 15,00



A CHAVE MESTRA DAS RIQUEZAS
NAPOLEON HILL
RECORD
(1995)
R$ 30,00





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês