Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> The Last Whole Earth Catalog de Stewart Brand pela Random House (1971)
>>> Segredos De Pai Para Filho- Como a perseverança a ousadia e a Fe Podem.. Administração de Reinaldo Morais pela Connect (2019)
>>> O Egito dos Grandes Faraós de Christian Jacq pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Whole earth epilog de Vários autores pela Point (1974)
>>> Ideias Para Revolucionar Sua Vida -Admistração de Alan G. Robinson e outro pela Gente (2005)
>>> 5 S Praticando os Cinco Sensos - Administração de Reginaldo P. Lapa e outros pela Qualitymark (2012)
>>> Lição de Vida de Paulo Alexandre Barbosa pela Canção Nova (2010)
>>> Geração de Valor - Compartilhando Inspiração - Administração de Flavio Augusto da Silva pela Sextante (2014)
>>> Guia dos Parques Municipais de São Paulo de Assessoria de Comunicação Svma pela Prefeitura Municipal Sp (2010)
>>> A escolhida (O Doador de Memórias – Livro 2) de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Orbita del ballet nacional de cuba/1948-1978 de Miguel cabrera pela Orbre (1978)
>>> Passaporte Para O Inferno de Célhia de Lavarène pela Francis (2008)
>>> Apoliom - O destruidor está Solto de Tim Lahaye & Jerry B Jenkins pela United Press (2000)
>>> Histoire générale des religions - introduction générale primitifs ancien orient indo - européens de Maxine Gorce e Raoul Mortier pela Maxine Gorce e Raoul Mortier (1951)
>>> Recursos Minerais da região amazônica de Clara Martins Pandolfo pela Spvea (1955)
>>> Pérola Imperfeita: A História e as Histórias na Obra de Adriana Varejão de Lilia Moritz Schwarcz pela Companhia das Letras (2014)
>>> Seu Sami Hilal Sami Hilal de Hilal Sai Hilal pela Vale (2008)
>>> São Paulo de Piratininga - de Pouso de Tropas a Metrópole de José Alfredo Vidigal e Pontes pela Terceiro Nome (2003)
>>> Cadernos Cidade de São Paulo: Avenida Paulista de Instituto Cultural Itau pela Ici (1902)
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 9/8/2016
Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6300 Acessos



Em seu sétimo livro de poesia, Nós, os dinossauros”, editado pela Patuá, André Luiz Pinto nos reserva uma tensão difícil de solucionar. O encontro da poesia com a reflexão sobre sua própria existência e, como se não bastasse, com a “questão social”, que soma-se ao “problema” do próprio sistema da poesia.

Esta questão, tanto séria quanto nebulosa para a arte, já foi enfrentada por T. W. Adorno e Walter Benjamin, dois dos mais importantes teóricos do século XX. Adorno em seu ensaio “Lírica e sociedade” e Benjamin, ao estudar Baudelaire, quando aproveitou para refletir sobre o mercado de trabalho literário de sua época.

Segundo Benjamin, “o poeta sabia bem a situação do literato: como flaneur ele vai ao mercado para olhá-lo, mas no fundo procura um comprador. Livros e prostitutas se assemelham: ambos têm seu tipo de homens, que vivem às suas custas e os atormentam. Quem escreve livros se oferece ao mercado como uma prostituta; quem escreve sobre livros, vive às custas deles como um gigolô. O poeta lírico oferece a sua própria intimidade no mercado: poderá devassá-la quem quiser e pagar o preço. Uma resenha literária serve para difundir um livro, isto é, para que ele seja mais vendido: faz parte do processo de propaganda. A crítica literária geralmente faz o mesmo, só que não sabe disso”. (Flavio Kothe)

No caso de Adorno, “a lírica é vista como expressão do individual íntimo, livre e oposto à práxis. Afirma que a expressão do individual na lírica deve transcender duplamente o individual: pelo mergulho nele, descobrindo o subjacente, o ainda não captado nem realizado no social; e pela expressão, encontrando através da forma uma participação no universal. O poema acaba se tornando o sonho de uma sociedade diversa da existente, que é entendida como sendo fria, opressiva, inimiga e estranha. Nesta, o poder de coisificação é visto como sendo tão grande que ele não pode mais ser dourado por nenhuma aura lírica.” (Flavio Kothe)

A poesia de André Luiz navega nessas águas turbulentas. Nela se apresentam o social, a crise da poesia, do poeta (e seu leitor) e o desencantamento do mundo. Ou seja, uma crise infindável.

A questão que se coloca é: como resolver esse problema, não deixando a poesia de ser, antes de tudo, poesia? Nenhum leitor sério de poesia consegue ler uma poesia que seja simplesmente um panfleto político ou uma espécie de confessionário sebento de dores que não transcendam o individual.

Salvaguardar a autonomia da arte em relação ao mundo ou à sociedade é o dever do artista. Mas como realizar essa tarefa? Quando sabemos que o engajamento não passa, muitas vezes, de falta de talento, qual a saída para a poesia se opor à sociedade?

Dar uma orientação à arte é traí-la. Comentar o social (apenas tematicamente) num poema também. Seria cair no discurso programático, que é parte do mundo ordinário da linguagem, diferente da poesia, que se apossa do mundo recusando-o justamente ali, onde o jogo é claramente definido enquanto linguagem comum.

Picasso não fez um tratado sociológico sobre “Guernica”, ao contrário, pôs-se a destruir a possibilidade de uma linguagem comprometida com o real. Destruiu na própria forma a possibilidade de um entendimento objetivo da “realidade” histórica de Guernica. Se não fosse pelo título da obra quem saberia que ela trata de Guernica? A desarticulação da forma traduziu uma vontade de romper com uma realidade objetiva que traduziria o mundo que possibilita a desumanização do homem na guerra (ou como condição ontológica do próprio homem).

André Luiz sabe que a arte é a promessa da felicidade que se esfacela. Por isso seus versos dizem que “a poesia/ não há/ de vingar”. A moeda do mercado é quem está organizando os “nichos” de sua existência. Os próprios poetas enterrarão a poesia: “o pior já foi confirmado”. Está consumado.

A crítica percorre vários poemas, desde a ironização dos saraus onde o poeta ou a marca de relógio não se diferenciam mais, até a (des)compostura do poeta que se veste "com estilo": “a echarpe, aliás,/ caiu super bem na noite/ de autógrafos”.

O elemento irônico é constante nos poemas de André Luiz. É pisoteando na má fé dos fatos sociais que ele aponta a saída, essa promessa frustrada de felicidade, como no poema de versos picoteados e/ou entrecortados “Nikita”: “dizia/ com o picolé na mão/ adoro/ tragédias/ tarados/ & promessas/ quando vou/ às festas/ de meu pai/ nos leilões/ imagino/ mst/ invadindo/ deto/ nando/ a festinha/ dos/ barões/ bois premiados/ agora/ servem/ de churrasco/ no prato/ das crianças/ “não me/ queira mal/ é que eu só desejo/ o pior”/ dizia/ enquan/ to/ chupava/ picolé saindo/ da boate/ aindademanhã”.

Às vezes alguns poemas caem inesperadamente como uma bomba no nosso colo, como é o caso de “Sobrenome”, onde transcende-se o elemento individual (como na exigência de T. W. Adorno) em nome de uma “dor do mundo”, comum a todos, fruto da dialética das relações de força entre os humanos.



O elemento social aparece na poesia de André Luiz em vários poemas. Mas esse “social” não é a denúncia simples da violência sobre os oprimidos, mas a resposta enigmática da resistência quase surreal das imagens da poesia, como em Zumbi: “zumbi, a estátua/ uma cabeça que mesmo depois de cortada/ continua a encarar/ os algozes.”



O fato da poesia de André Luiz se fazer crítica, no sentido de ser uma operação da linguagem como “écriture”, em oposição à fala ordinária, de não se render ao discurso do óbvio nem do sumariamente ideológico, torna essa criação necessária e potente.

A poesia de André Luiz tem nos alimentado com a beleza, sem deixar de nos dar, também, o gosto amargo de sua relação com o mundo.

Por isso, ele aposta na imagem dos dinossauros ainda resistentes. Desde Homero, aqui estamos (nadando contra a utopia autoritária da República de Platão). Atravessamos a história da humanidade. O ocaso se anuncia. Mas os dinossauros resistem. Sempre resistem. Não é esse o caso do livro de André Luiz?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
05. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Resenha Esportiva
Nelson Motta
Benvira
(2014)



Legitimacao Democratica do Poder Judiciario no Novo Cpc
Gisele Mazzoni Welsch
Revista dos Tribunais
(2016)



Projeto Radix Geografia 8ºano
Valquiria / Beluce
Scipione
(2013)



Alice no País das Maravilhas - Clássicos Incríveis Disney
Culturama
Culturama
(2016)



O Que é Sociologia - Coleção Primeiros Passos 57
Carlos Benedito Martins
Brasiliense
(2007)



El Camino del Comunismo: Documentos del 22º Congreso del Pcus
N. Jruschov e Outros (capa Dura)
Ediciones Lenguas Extranjeras
(1961)



Autoridade e Participação
C a de Medina e Pedro Ribeiro de Oliveira
Vozes (petrópolis Rj)
(1973)



Das Firmas ou Razões Comerciais
José Xavier Carvalho de Mendonça
Minelli
(2008)



Brasil Terra de Todos os Santos
Marilu Torres
Panda Books
(2014)



Quetzalcóatl et Guadalupe: La Formation de La Conscience National
Jacques Lafaye
Gallimard
(1974)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês