O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
>>> Maite Proença em A MULHER DE BATH
>>> Chico Amaral celebra parcerias de sua carreira
>>> Viralizando reflete sobre as videoaulas como plataforma de ensino pela internet
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Animismo
>>> Detached
>>> Direita, volver!
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
>>> Um Furto
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
>>> Mais outro cais
>>> O fim da revista Bravo!
Mais Recentes
>>> A Geometria Maçônica - Rito Escocês Antigo e Aceito
>>> Os Protocolos dos Sábios do Sião - Edições Eliseo
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos
>>> São Cipriano - O Legítimo Capa Preta
>>> Inglês para Concursos - uma abordagem prática (6ª ed.)
>>> Projeção do Corpo Astral
>>> Arquétipos da Alma - Um Guia para se Reconhecer a Matriz dos Padrões
>>> O Poder do Pentagrama
>>> O Ciclo de Lunação - Uma chave para a compreensão da personalidade
>>> Radiestesia e Saúde - Como melhorar a sua saúde através da radiestesia
>>> Religião e Ética - Cadernos Ceap
>>> Deutsch Perfekt- revista 5/2012
>>> Psicopedagogia Clínica- caminhos teóricos e práticos
>>> Do luxo ao fardo - Um estudo histórico sobre o tédio
>>> Leyendo a Euclides
>>> Buda - O templo de Jetavana Vol. XIII
>>> Buda- O retorno ao reino de Magadha Vol. XI
>>> Transmissões Cristalinas - Uma Síntese de Luz
>>> Buda- O início da jornada Vol. V
>>> Conceito Rosacruz do Cosmos
>>> Buda- Em Busca da iluminação Vol. IV
>>> Buda - O nascimento de Siddhartha Vol. II
>>> Serial Killers A anatomia do mal
>>> Bom dia Veronica
>>> Millennium 3 A Rainha do castelo de ar
>>> Millennium 2 A menina que brincava com fogo
>>> Deutsch Perfekt- 9/2012- revista
>>> A Época brasileira de Vilém Flusser
>>> Sobre o óbvio
>>> Deutsch Perfekt 4/2012- revista
>>> A Estrutura da Magia
>>> Cultura Escrita, Literatura e História
>>> Animal de estimação 1ª ed.
>>> Os Essênios e os manuscritos do mar morto
>>> Blecaute
>>> Alice - Coleção Clássicos Zahar (livro de Bolso Capa Dura)
>>> Preparados para o fim?
>>> Discipulado
>>> Vem senhor Jesus
>>> Breve História da Maçonaria
>>> Astrologia para Leigos
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 7: Fim de Século
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 6: Caminhos Cruzados
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 5: o Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 4: do Romantismo ao Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 3: O Romantismo
>>> A Bíblia Sagrada: Velho e Novo Testamento
>>> Como Conhecer a Deus: um Plano de 5 Dias
>>> De Belém ao Calvário
>>> O Reaparecimento do Cristo
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2016
O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3400 Acessos


Dedicado ao Ronald Polito, na ocasião do seu aniversário

O Centre Pompidou, em Paris, está com uma esplêndida exposição retrospectiva da carreira artística de Anselm Kiefer, oferecendo ao espectador um passeio por nada menos que 150 de suas obras. A exposição teve seu início em 16 de dezembro de 2015 e irá até 18 de abril de 2016.

A obra de Kiefer é arrebatadora, nos levando a crer que estamos diante do mais fulminante artista da contemporaneidade. Todo artista que se colocar ao seu lado será visto como uma pulga, essa é a sensação que a exposição nos transmite.

Em 1969, Kiefer irrompeu na cena artística alemã com uma série de obras controversas, visando reavivar a história da Segunda Guerra mundial e desfazer a amnésia coletiva que pesava sobre a Alemanha. Em seguida, a obra prolífica de Kiefer é marcada pelo selo da desmesura, tanto por sua monumentalidade, pela força de sua materialidade, quanto pela infinita riqueza das fontes que ela possui, usadas para investigar o passado e a memória, com indicações do sentido do presente.


É uma imersão nesse universo titânico e eminentemente reflexivo que propõe a exposição do Centre Pompidou. Apresentada de forma cronológica, ela revela a tentativa obsessiva do artista, nascido em 1945, de elaborar uma nova linguagem, poética e catártica, mergulhada na cultura germânica, na história universal, plena de pensamentos místicos e filosóficos. Kiefer convive com poetas, pensadores e escritores (Genet, Celan, Heidegger, Benjamin etc), usando suas citações como elo entre o tempo passado e o presente.

A poética das suas ruínas é construída com uma pintura que usa tinta, argila, cinzas à base de plantas e chumbo, material alquímico por excelência, que reflete a melancolia no coração do seu processo criativo.


Um dos principais poetas que influenciaram Kiefer foi Paul Celan, escritor judeu sobrevivente dos campos nazistas de extermínio. Na sua obra “Für Paul Celan: Aschenblume” (Para Paul Celan: flor de cinzas), ele faz uso de matérias perturbadoras no contexto da obra, desde trechos de poemas de Celan até cinza, palha e livros queimados. Poesia e palavras de Paul Celan assombram o trabalho de Kiefer. A citação, onipresente no trabalho do artista, se torna o instrumento da memória, unindo passado e presente. A paisagem de cor cinza com os livros carbonizados faz eco na sonoridade dos poemas de Celan, exigindo o repensar a língua alemã e o sentido da cultura após os campos de concentração. A previsão de Heinrich Heine, poeta do século 19, também ressoa gravemente na obra: "Onde se queimam livros, acabam por se queimar pessoas".


O que Kiefer propõe ao espectador de “Für Paul Celan” é que ele se defronte sensorialmente com a história a partir da monumentalidade da obra e do cheiro forte das cinzas de livros e palha queimados, pois o que o artista deseja é fazer uma sondagem em profundidade na espessura da história. Os componentes queimados presentes nesta obra (e em outras), e que invadem a sala de exposição penetrando o pulmão dos espectadores, os força, no tempo presente, a estar sensorialmente nos campos de extermínio da história, mergulhando-os na paisagem de morte e desolação que se perdeu na história (virou informação), mas que é retomado em forma de uma obra de arte como memória viva e perturbadora.


Ruína, morte e destruição não são elementos apenas do passado. Kiefer intui o presente como lugar também da devastação. E uma das obras significativas dessa exposição, nesse sentido, é a série “Lilith”. Baseada na figura mitológica da primeira mulher de Adão, protetora das cidades decaídas, em ruínas, sem futuro, também representa a figura do mal que toma conta do mundo.

A série foi inspirada num sobrevoo que Kiefer fez sobre a cidade de São Paulo, e pode servir como a metáfora das ruínas que estão reservadas à vida nas grandes metrópoles. Nesse sentido, o artista aproxima realidades históricas distantes, fazendo-as retornarem na forma de imagens como um espectro do holocausto redivivo no contexto da contemporaneidade. O cenário de fumaça e poluição que mergulha a metrópole numa indefinição total remete às obras sobre a devastação da guerra. Dos extermínios do dia a dia nas grandes metrópoles e a desumanização do homem e o rumo da humanidade em direção à devastação da natureza e sua referência aos campos de guerra, estamos numa mesma clave de desolação.

O que fica em obras monumentais como essas de Kiefer, e que são ruínas também monumentais, é a desesperança, talvez, na própria possibilidade da arte em poder produzir uma consciência feliz. Ao contrário, depois de uma exposição como essa no Centre Pompidou, todos nossos nervos são ativados, nossos músculos ficam como que desgastados: caímos em ruínas, frangalhos de nós mesmos. Estamos diante da ideia da impossibilidade da arte? Ou de sua essência, pós-holocausto, ter se convertido numa terra estéril? Será que a ideia de uma deusa tutelar e protetora do mundo profano – Lilith – seria um auto-engano interpretativo numa obra que transforma pesadas massas de tinta em cinza queimada?

A presença fantasmagórica da cidade, de seus personagens (quase em sobrevoo como o anjo da história de Klee/Walter Benjamin)- feixes de cabelo, vestimentas vazias – não seriam a descrença nesse mesmo anjo da história que redimiria o passado no presente? A possível correspondência entre Kiefer e Benjamin não me parece de mão única. Kiefer não tem em si a fé judaica nem a crença positiva do marxismo, tal como era o caso do filósofo da escola de Frankfurt.


As referências possíveis dentro das obras de Kiefer são mais assombrações do que certezas claras para o espectador. Não são pistas, ao contrário, são elementos perturbadores causados pela matéria plástica e signos verbais que nos fazem mergulhar na desolação das terras arrasadas. Fornos crematórios, florestas desérticas e incendiadas, cidades em ruínas, estradas destruídas e que levam nossa vista para o nada, livros incendiados, natureza seca... tudo remete à destruição, à morte e ao desencanto.

De todo esse horror, o que sobra? Podemos invocar as palavras do poeta Paul Celan para uma possível resposta: "Acessível, próxima e não-perdida permaneceu no meio das perdas somente isso: a linguagem".


Se o artista é a antena da raça, Kiefer está adiantando a ideia de que estamos frente a um grande colapso, bem próximo, o da existência humana e da natureza como um todo. E só ele, me parece, tem dito isso de forma tão titânica.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol
03. Shakespeare e as séries na TV de Eugenia Zerbini
04. A Marcha da Família: hoje e em 1964 de Humberto Pereira da Silva
05. Mamãe de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL FANTASMA PROVECHOSO Y OTROS CUENTOS (EM ESPANHOL) LITERATURA INGLESA)
DANIEL DEFOE
COLIHUE
(2004)
R$ 5,00



CADERNOS DO CHDD - ANO 6 - Nº 10 - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
CHDD
(2007)
R$ 8,00



LA GUERRA CIVIL ESPAÑOLA 2
HUGH THOMAS
GRIJALBO
(1978)
R$ 31,16



TEX Nº 255 - ARMADILHA MORTÍFERA
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1991)
R$ 5,67



ALEGRIA E TRIUNFO
LOURENÇO PRADO
O PENSAMENTO
R$ 7,00



PORCA MEMÓRIA - RECORDAÇÕES GASTRONÔMICAS DE UM PAR DE SUÍNOS
HASIER ETXBERRIA & DAVID DE JORGE
SENAC
(2008)
R$ 10,00



TRAPEZUNGA - UMA FÁBULA DA ABOLIÇÃO
CHICO ALENCAR
MODERNA
(1995)
R$ 12,00



HISTÓRIA DA IGREJA
D. GRANDI / A. GALLI
PAULISTAS
(1964)
R$ 34,00



PROCESSO PENAL - PARTE GERAL
ALEXANDRE CEBRIAN A. REIS / VICTOR E. RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(1999)
R$ 9,00



OS FILHOTES
MARIO VARGAS LLOSA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 15,00





busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês