O romance da desilusão | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
Mais Recentes
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
>>> Revista Mente e Cérebro – Ano XVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 6/8/2002
O romance da desilusão
Bruno Garschagen

+ de 8300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"A ambulância celeste arrastada por uma constelação de chagas/ aguarda o tinir da espada na gaiola./ Oh retirai seus ossos desse veículo banal,/ A manhã está voando com as asas de sua idade/ E uma centena de cegonhas pousa na mão direita do sol". Dylan Thomas.

Frederick Henry, o protagonista de "Adeus às armas", de Ernest Hemingway se esquiva do perfil de herói e está longe de ser um anti-herói. Não impressiona pela coragem na angustiante atmosfera da Primeira Grande Guerra; não irrita com nenhuma soberba; não incomoda com cinismo; não perturba com frases cunhadas a bala. Nada de gestos marcantes. Um simples motorista de ambulância que desacredita do amor.

Henry detesta a guerra com o mesmo impulso com que os padres evitam as mulheres. Rejeita contatos íntimos que avancem além do sexo. Satisfaz-se com prostitutas. Até encontrar abrigo no colo afável de uma enfermeira inglesa. Temendo qualquer envolvimento que lhe traga sofrimento maior que estar numa grande batalha, evita até a última gota de conhaque se apaixonar. Desse personagem menor Hemingway abre flancos para colocar sob holofotes Catherine Barkley, a mulher que tira o romance da banalidade de sentimentalismo inóspito à beira do front.

A bela Catherine é amável e hiperbólica. Age devagar à maneira dos felinos: mia delicadamente para atrair atenção, se enrosca na parte do corpo que estiver mais próxima e lambe asperamente as mãos. Impressiona o jeito submisso com que ela conduz a relação para deixar vergões no coração de Henry. Em pouco tempo ele teve que rasgar palavras ao vento que agrediam o amor nos tempos de guerra. Dessa paixão a conduzir a obra, desencontro, deserção, encontro e tragédia.

"Adeus às armas" é o segundo livro de Hemingway, o escritor norte-americano, nascido em Oak Park, Illinois, em 1899, que fez fama de sedutor, apaixonado por armas, batalhas de qualquer ordem e que se matou da forma grave que tanto admirava. Ao lado de William Faulkner, alterou a forma de escrever literatura. Nada de rebuscamentos barrocos ou parnasianos. O estilo passou a ser seco como uma rolha sem uso. O mais importante passou a ser a história, o enredo, as personagens, algumas tiradas. Ao feno rompantes estilísticos. Edmund Wilson achava o romance comovente. "Talvez nenhum outro livro tenha fixado tão bem a estranheza da vida militar para um americano durante a guerra".

Lançado em 1929 e considerado o melhor sobre a Primeira Grande Guerra, o livro traz a marca que Hemingway carregaria pelas outras obras - de maior quilate como, por exemplo, "O Velho e o Mar", "Por quem os sinos dobram" e "O sol também se levanta". Os diálogos entre Henry e o militar italiano Rinaldi, a tentativa de ajudar um soldado com hérnia de disco que não queria retornar à batalha, a descrição da explosão de uma granada que o feriu na perna e a deserção após a morte de seu tenente no campo de batalha, parecem ter sido forjadas pelos anjos da guarda do front - que abriam os peitos para abrigarem seus protegidos -, pelo realismo.

O escritor escreveu o que viu - também foi ferido em combate, em 1918: o texto é belíssimo e raros são aqueles que se valem das analogias certas. "Comi o meu último pedaço de queijo e bebi mais um gole de vinho. Ouvi de novo aquela tossida e depois chuh- chuh- chuh- chuh - e depois um clarão, como se fosse uma fornalha de alto-forno aberta, e um estrondo, e um branco que logo passou a vermelho e rolou como levado pelo vento. Procurei respirar, mas a respiração não me vinha e me senti arrancado de mim mesmo e distante, muito, muito distante, e todo o tempo um corpo solto ao vento. Saí de mim mesmo completamente e sabia que estava morto, mas que era um equívoco pensar que teria morrido de vez, completamente. Depois flutuei, e, em vez de sumir, senti que voltava a mim. Respirei e voltei a mim, de fato".

Não muito afeito ao bom-humor, mesmo assim Hemingway coloca Henry (reparem que o sobrenome do protagonista parece ser uma abreviação do seu próprio nome) numa situação engraçada, daquelas que quase valem a vida. Internado num hospital para se recuperar do ferimento na perna, pede ao porteiro que lhe traga um barbeiro. Na esperança de obter algumas informações sobre a guerra tenta dialogar com o profissional nascido na Itália. Cada pergunta é rebatida com uma resposta quase monossílaba em tom agressivo. Sem entender, Henry indaga que diabo havia de errado ao que o barbeiro, indignado, vocifera que não conversaria com o inimigo. "Cuidado! A navalha pode cortá-lo", ameaça o barbeiro que pensou estar executando seu serviço num soldado austríaco. Chamado para explicar se se tratava de um maluco, o porteiro caiu na gargalhada e contou a história para ele, que não achou a mínima graça em ter passado segundos sendo alvo tão fácil.

Catherine é uma mulher hiperbólica. Exagera no amor; na sinceridade de suas convicções; no desconforto por estar grávida. "Quer dizer que nada a aflige", pergunta Henry. "Só a idéia de nos separarem. Minha religião é você. - Está bem. Mas eu me caso com você no dia em que você quiser. - Querido, não fale como se precisasse me devolver a condição de moça honesta. Sou uma mulher honesta. Não me envergonho de algo que só me dá felicidade e orgulho".

Estrangeira num ambiente inóspito, Catherine amava com a irresponsabilidade que a guerra exigia. Qualquer ponto de partida era somente um ponto de partida. Todos estavam sujeitos às interrupções de um gole de vinho, de uma mordida no queijo ou de um beijo apaixonado. Qualquer prazer era extraído a fogo de um segundo de felicidade espremido num canto da alma. O terror das explosões, os ferimentos, as mortes se tornavam fatos corriqueiros de um dia que poderia não descerrar. "Não me toque", murmurou Catherine para Henry logo após um parto complicado que a levaria à morte. "Pobre querido. Toque-me o quanto quiser", completou ela com um sorriso. A despedida da esposa e do filho não é comovente. É morbidamente densa, sem pieguismo. "Era como se eu estivesse me despedindo de uma estátua", refletiu ao sair do hospital.

"Adeus às armas" é o romance da desilusão: a história de um casal que descobre com os estilhaços das granadas que nenhuma paixão de guerra resta impune sob um campo de batalha.

Para ir além






Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 6/8/2002


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Anauê - 21/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/6/2007
13h30min
Senhor Garschagen (gosto deste sobrenome. Não é meio judeu?, nada contra por favor, inclusive gosto dos rituais religiosos dos judeus). Bem, fiquei muito satisfeito com sua última correspondência. Mas o fundamental é que estou tomando conhecimento da sua literatura, e como estamos gostando (estamos porque os amigos estão lendo e gostando, e discutindo, o jornalista Bruno Garschagen - e como tem artigos por todos os lados, leio o blog, o digestivo e outros). O que me encanta é sua ironia e humor - fundamentais na boa literatura). Sou professor de história e geografia - porque não havia opção as fiz, mas na realidade meu gosto é literatura, jornalismo, filosofia. Do que mais gosto? Os clássicos, li D. Quixote, Crime e cstigo e tantos outros. Marguerite Yourcenar li tudo, é muito elegante (literatura elegante, bem formada - temas nobres e bem desenvolvidos como "Memorias de Adriano", Thomas Mann, li - 2 vezes A Montanha Mágica - acredita?
[Leia outros Comentários de luizf delellis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ
THEREZINHA BITTENCOURT E VITOR LIMA RAIMUNDO
ODORIZZI
(2011)
R$ 10,00



TEM AQUELA DO...
CHICO ANÍSIO
CÍRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 8,38



SOMBRAS QUE ASSOMBRAM - O EXPRESSIONISMO NO CINEMA ALEMÃO
SESC
SESC
(2013)
R$ 7,27



NOVAS GEOPOLÍTICAS
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
CONTEXTO
(2011)
R$ 18,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



FILHOTES - OS CUIDADOS NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA DO SEU CÃO
SCOTT MILLER
MANOLE
(2008)
R$ 25,00



EXEGESE DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL-04 VOLUMES-CRÍTICA-INTER-JUR 9429
ANTONIO PEREIRA BRAGA
MAX LIMONAD
R$ 143,00



OS SEIS LIVROS DA REPÚBLICA - LIVRO SEGUNDO - 1ª EDIÇÃO
JEAN BODIN
ÍCONE
(2011)
R$ 34,95



O CRIME DO PADRE AMARO
EÇA DE QUEIRÓS
W. BUCH
(2009)
R$ 14,90



OS EXTRATERRESTRES - OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA ?
HEBER CASAL SÁENZ
PLANETA
(2005)
R$ 12,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês