O romance da desilusão | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA INCENTIVA A ARTE NA REGIÃO COM O GRANJA CULTURAL
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
>>> Companhia de Danças de Diadema apresenta Antropo100 - De Cascudo a Eros no Teatro Clara Nunes com i
>>> Tem flamenco e árabe entre os espetáculos do Mo Li Hua de graça e online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
>>> Analisando o Amazon Prime
Mais Recentes
>>> A Reconstrução da sociedade de Walter Lippmann pela Livraria Itatiaia (1961)
>>> Livro - Anita Bocadura - Coleção Moral da História de Mariangela Bueno pela Callis (2010)
>>> Portugal e Seus Filhos de Giacomo Ammirato pela Forense (1970)
>>> O velho homem de Nali de Jesus de Souza pela Age (2010)
>>> Entendendo Slavoj Zizek: Um Guia Ilustrado de Christopher Kul-Want & Piero pela LeYa (2012)
>>> Scrum e PMBOK Unidos no Gerenciamento de Projetos de Fábio Cruz pela Brasport (2014)
>>> A tragédia brasileira de Sérgio Sant'Anna pela Guanabara (1987)
>>> Livro - Borba, o Gato de Ruth Rocha pela Salamandra (2009)
>>> La Direccion de Empresas y Maquiavelo de Antony Jay pela Ediciones Destino (1967)
>>> História do cerco de Lisboa de José Saramago pela Companhia de Bolso (2011)
>>> Livro - Histórias de Tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Globo (2009)
>>> Livro - Ode a uma Estrela de Pablo Neruda pela Cosacnaify (2009)
>>> Gerência de Configuração com Puppet de Aécio dos Santos Pires pela Novatec (2017)
>>> Marketing em ambiente digital de André Miceli e Eduardo Maróstica pela Fgv Ide (2019)
>>> Psicoanalisis Del Espiritu de Heinrich Racker pela Editorial Nova (1957)
>>> A senhorita Simpson de Sérgio Sant'Anna pela Companhia das letras (1989)
>>> Livro - Hora de Aventura Apresenta Marceline e as Rainhas do Grito de Gran Moore pela Panini Books (2014)
>>> A Convidada de Simone de Beauvoir pela Difusão Européia do Livro (1956)
>>> Something wicked this way comes de Ray Bradbury pela Orion books (2015)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1998)
>>> Coroas de Glória, Lágrimas de Sangue de Emilia Viotti da Costa pela Companhia das Letras (1998)
>>> Coleção Eu Sou o Número Quatro - 7 Volumes de Pittacus Lore pela Intrínseca (2011)
>>> Teach Yourself the Unix C Shell in 14 Days (muito bom) de James C. Armstrong / David Ennis pela Sams (1994)
>>> Livro - The Lost World - Dominoes Two de Arthur Conan Doyle pela Oxford University Press (2007)
>>> The Secure Shell: The Definitive Guide de Daniel J. Barrett; Richard E. Silverman pela O'Reilly (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 6/8/2002
O romance da desilusão
Bruno Garschagen

+ de 13500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"A ambulância celeste arrastada por uma constelação de chagas/ aguarda o tinir da espada na gaiola./ Oh retirai seus ossos desse veículo banal,/ A manhã está voando com as asas de sua idade/ E uma centena de cegonhas pousa na mão direita do sol". Dylan Thomas.

Frederick Henry, o protagonista de "Adeus às armas", de Ernest Hemingway se esquiva do perfil de herói e está longe de ser um anti-herói. Não impressiona pela coragem na angustiante atmosfera da Primeira Grande Guerra; não irrita com nenhuma soberba; não incomoda com cinismo; não perturba com frases cunhadas a bala. Nada de gestos marcantes. Um simples motorista de ambulância que desacredita do amor.

Henry detesta a guerra com o mesmo impulso com que os padres evitam as mulheres. Rejeita contatos íntimos que avancem além do sexo. Satisfaz-se com prostitutas. Até encontrar abrigo no colo afável de uma enfermeira inglesa. Temendo qualquer envolvimento que lhe traga sofrimento maior que estar numa grande batalha, evita até a última gota de conhaque se apaixonar. Desse personagem menor Hemingway abre flancos para colocar sob holofotes Catherine Barkley, a mulher que tira o romance da banalidade de sentimentalismo inóspito à beira do front.

A bela Catherine é amável e hiperbólica. Age devagar à maneira dos felinos: mia delicadamente para atrair atenção, se enrosca na parte do corpo que estiver mais próxima e lambe asperamente as mãos. Impressiona o jeito submisso com que ela conduz a relação para deixar vergões no coração de Henry. Em pouco tempo ele teve que rasgar palavras ao vento que agrediam o amor nos tempos de guerra. Dessa paixão a conduzir a obra, desencontro, deserção, encontro e tragédia.

"Adeus às armas" é o segundo livro de Hemingway, o escritor norte-americano, nascido em Oak Park, Illinois, em 1899, que fez fama de sedutor, apaixonado por armas, batalhas de qualquer ordem e que se matou da forma grave que tanto admirava. Ao lado de William Faulkner, alterou a forma de escrever literatura. Nada de rebuscamentos barrocos ou parnasianos. O estilo passou a ser seco como uma rolha sem uso. O mais importante passou a ser a história, o enredo, as personagens, algumas tiradas. Ao feno rompantes estilísticos. Edmund Wilson achava o romance comovente. "Talvez nenhum outro livro tenha fixado tão bem a estranheza da vida militar para um americano durante a guerra".

Lançado em 1929 e considerado o melhor sobre a Primeira Grande Guerra, o livro traz a marca que Hemingway carregaria pelas outras obras - de maior quilate como, por exemplo, "O Velho e o Mar", "Por quem os sinos dobram" e "O sol também se levanta". Os diálogos entre Henry e o militar italiano Rinaldi, a tentativa de ajudar um soldado com hérnia de disco que não queria retornar à batalha, a descrição da explosão de uma granada que o feriu na perna e a deserção após a morte de seu tenente no campo de batalha, parecem ter sido forjadas pelos anjos da guarda do front - que abriam os peitos para abrigarem seus protegidos -, pelo realismo.

O escritor escreveu o que viu - também foi ferido em combate, em 1918: o texto é belíssimo e raros são aqueles que se valem das analogias certas. "Comi o meu último pedaço de queijo e bebi mais um gole de vinho. Ouvi de novo aquela tossida e depois chuh- chuh- chuh- chuh - e depois um clarão, como se fosse uma fornalha de alto-forno aberta, e um estrondo, e um branco que logo passou a vermelho e rolou como levado pelo vento. Procurei respirar, mas a respiração não me vinha e me senti arrancado de mim mesmo e distante, muito, muito distante, e todo o tempo um corpo solto ao vento. Saí de mim mesmo completamente e sabia que estava morto, mas que era um equívoco pensar que teria morrido de vez, completamente. Depois flutuei, e, em vez de sumir, senti que voltava a mim. Respirei e voltei a mim, de fato".

Não muito afeito ao bom-humor, mesmo assim Hemingway coloca Henry (reparem que o sobrenome do protagonista parece ser uma abreviação do seu próprio nome) numa situação engraçada, daquelas que quase valem a vida. Internado num hospital para se recuperar do ferimento na perna, pede ao porteiro que lhe traga um barbeiro. Na esperança de obter algumas informações sobre a guerra tenta dialogar com o profissional nascido na Itália. Cada pergunta é rebatida com uma resposta quase monossílaba em tom agressivo. Sem entender, Henry indaga que diabo havia de errado ao que o barbeiro, indignado, vocifera que não conversaria com o inimigo. "Cuidado! A navalha pode cortá-lo", ameaça o barbeiro que pensou estar executando seu serviço num soldado austríaco. Chamado para explicar se se tratava de um maluco, o porteiro caiu na gargalhada e contou a história para ele, que não achou a mínima graça em ter passado segundos sendo alvo tão fácil.

Catherine é uma mulher hiperbólica. Exagera no amor; na sinceridade de suas convicções; no desconforto por estar grávida. "Quer dizer que nada a aflige", pergunta Henry. "Só a idéia de nos separarem. Minha religião é você. - Está bem. Mas eu me caso com você no dia em que você quiser. - Querido, não fale como se precisasse me devolver a condição de moça honesta. Sou uma mulher honesta. Não me envergonho de algo que só me dá felicidade e orgulho".

Estrangeira num ambiente inóspito, Catherine amava com a irresponsabilidade que a guerra exigia. Qualquer ponto de partida era somente um ponto de partida. Todos estavam sujeitos às interrupções de um gole de vinho, de uma mordida no queijo ou de um beijo apaixonado. Qualquer prazer era extraído a fogo de um segundo de felicidade espremido num canto da alma. O terror das explosões, os ferimentos, as mortes se tornavam fatos corriqueiros de um dia que poderia não descerrar. "Não me toque", murmurou Catherine para Henry logo após um parto complicado que a levaria à morte. "Pobre querido. Toque-me o quanto quiser", completou ela com um sorriso. A despedida da esposa e do filho não é comovente. É morbidamente densa, sem pieguismo. "Era como se eu estivesse me despedindo de uma estátua", refletiu ao sair do hospital.

"Adeus às armas" é o romance da desilusão: a história de um casal que descobre com os estilhaços das granadas que nenhuma paixão de guerra resta impune sob um campo de batalha.

Para ir além






Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 6/8/2002


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Diário impertinente - 19/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/6/2007
13h30min
Senhor Garschagen (gosto deste sobrenome. Não é meio judeu?, nada contra por favor, inclusive gosto dos rituais religiosos dos judeus). Bem, fiquei muito satisfeito com sua última correspondência. Mas o fundamental é que estou tomando conhecimento da sua literatura, e como estamos gostando (estamos porque os amigos estão lendo e gostando, e discutindo, o jornalista Bruno Garschagen - e como tem artigos por todos os lados, leio o blog, o digestivo e outros). O que me encanta é sua ironia e humor - fundamentais na boa literatura). Sou professor de história e geografia - porque não havia opção as fiz, mas na realidade meu gosto é literatura, jornalismo, filosofia. Do que mais gosto? Os clássicos, li D. Quixote, Crime e cstigo e tantos outros. Marguerite Yourcenar li tudo, é muito elegante (literatura elegante, bem formada - temas nobres e bem desenvolvidos como "Memorias de Adriano", Thomas Mann, li - 2 vezes A Montanha Mágica - acredita?
[Leia outros Comentários de luizf delellis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Só é Gordo Quem Quer
João Uchôa Jr
guanabara
(1986)



Lisboa 1939 - 1945 Guerra nas Sombras
Neil Lochery
rocco
(2012)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1980)



Para Gostar de Ler - Contos Brasileiros 3 - Volume 10 / 18ª Ed
Aluísio Azevedo e Outros
Ática
(2008)



365 Piadinhas para Crianças
Vários Autores
Girassol
(2007)



No Início Não Havia Bob
Meg Rosoff
Galera Record
(2015)



Don Quichotte - Ilustré por Gwen Keraval
Cervantes
Magnard Jeuhesse
(2011)



Mensagem Transcendental dos Mestres Biblicos
Luciano
Ibrex
(1976)



Livro - Projeto História 13: Cultura e Cidade
Da Editora
Educ
(1996)



Profecias do Pai Rico - 1ª Edição - Revista e Atualizada
Robert T. Kiyosaki
Alta Books
(2017)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês