Eu quero é rosetar | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poder da idéia
>>> A cidade e as serras
>>> A falta de paciência com o cinema
>>> Feliz aniversário, envelheço na cidade
>>> Antonio Candido
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
Mais Recentes
>>> Einstein e o Universo Relativístico (lacrado) de José Cláudio Reis, Marco Braga, Jairo Freitas pela Atual (2019)
>>> Adornos do Brasil Indígena - Resistências Contemporâneas de Vários Autores pela Sesc
>>> O Eclipse da Melancolia de Marcio Aquiles pela Patuá (2018)
>>> 1434 - o Ano Em Que uma Magnífica Frota Chinesa Velejou... (lacrado) de Gavin Menzies pela Bertrand Brasil (2010)
>>> Cozinha Regional Brasileira - Amazônia de Abril Coleções pela Abril (2009)
>>> Termodinâmica de Gilberto Ieno / Luiz Negro pela Cw (2004)
>>> King S Ransom de Ed Mcbain pela Oxford University Press (2000)
>>> De Tudo Que Eu Vi (lacrado) de Paulo César de Oliveira pela José Olympio (2019)
>>> O Show é Você (lacrado) de Clovis Tavares pela Integrare (2009)
>>> Juventude Em Viena - uma Autobiografia de Arthur Schnitzler pela Record (2015)
>>> O Ano Vermelho de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2017)
>>> Fundamentos Técnicos e o Sistema Nacional de Biossegurança Em Biotecno de Pedro Canisio Binsfeld pela Interciência (2015)
>>> Brasil Atlântico - um País Com a Raiz na Mata de Vários Autores pela Mar de Ideias (2010)
>>> The Winged Tiger Comics & Stories - 1999 de Phil Yeah pela Não Consta
>>> O Cliente por um Fio de Marcelo Rissato pela Nobel (2004)
>>> A Segunda Dama de Irwing Wallace pela Nova Cultural (1985)
>>> Partir da Infância - Diálogos Sobre Educação de Paulo Freire, Sérgio Guimarães pela Paz & Terra (2011)
>>> Diarios do Vampiro - o Retorno: Almas Sombrias de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Curso de Processo Penal de Fernando Capez pela Saraiva (1999)
>>> Os Novos 52- a Sombra do Batman N°8 de Dc Comics pela Panini
>>> Segurança Pública e Ministério Público (lacrado) de Lia de Souza Siqueira pela Lumen Juris (2017)
>>> Poderes Paranormais - Como a Ciência Explica a Parapsicologia de Diane Hennacy Powell pela Nova Era (2011)
>>> Livro dos Editoriais 20 Anos de Ibccrim pela Ibccrim (2012)
>>> O Guardião Invisível de Dolores Redondo pela Record (2014)
>>> A Christmas Carol - Level 4 de Charles Dickens pela Penguin Readers (2002)
COLUNAS >>> Especial Carnaval

Terça-feira, 12/2/2002
Eu quero é rosetar
Bruno Garschagen

+ de 7400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Todo carnaval é a mesma chatice. Se não fosse o feriadão a nos livrar do flagelo bíblico que é o trabalho, esta época do ano não passaria da modorrenta e tradicional comemoração dos bárbaros. Haja álcool e charuto para agüentar desfile de escola de samba na tevê, a turma do funk explodindo os alto-falantes dos carros, musica de axé (seja lá o que isso signifique) e falsos sorrisos de satisfação.

Aliás, não há nada que represente tão bem a felicidade do que o canibal, digo, carnaval brasileiro. É aquela festança toda, neguinho gastando os tubos, soltando cheque pré-datado aos quatro cantos — que nunca serão cobertos ou, se cobertos, babau o bife da semana —, gargalhando no maior nível possível de decibéis para disputar com o trio elétrico, enfim, aquele rompante de alegria com prazo de validade: a quarta-feira de cinzas, que não poderia ter recebido um nome melhor.

Por isso considero Aristóteles um grande sujeito. Dizia que ao ser humano é muito melhor o bem-estar, pela constância do sentimento de prazer, do que a felicidade, composta de fagulhas breves e pequenas cócegas.

Desde criança ouço a tal previsão, exata como matemática, de que o ano só começa depois do carnaval. Nunca falha. Isso nos leva a uma outra previsão altamente temerosa e praticamente infalível, como a de que terminando fevereiro, inexoravelmente, entraremos sem pudor no mês de março: quem precisar de alguma coisa em 2002 vai ter que se mudar para o Japão. Porque, depois da festa, o país envereda pelo estresse da Copa do Mundo (com esses “craques” e o tal de Chimarrão, haja Lexotan) e, em seguida, na curiosa torcida nas eleições: que venha o menos pior (essa frase em espanhol deve soar bem pacas).

Para não ser tão rabugento — e, nesse caso, seria absolutamente indispensável — o bacanal, digo carnaval, além dos dias de ócio contemplativo, suscita belas imagens. A simbiose de calor, música frenética (e inaudível), dança e álcool, libera as mulheres de todos os pruridos. Pecado capital? Só em marchinha de carnaval. A turma feminina sai às ruas com algumas tiras de tecido e tornam qualquer ambiente mais agradável... e quente!

Deixemos esses comentários de lado, para não cair no machismo barato — vala em que todos os homens, não raro, caem ao tentar descrever a libido. Já que escrevi sobre marchinha de carnaval e, aproveitando o aniversário de morte do Francis (gostaria de saber quem foi o mágico que inventou essa comemoração funesta), sinto saudades do tempo em que aquelas musiquinhas eram cantadas nas ruas. Bem, sentir falta é uma figura de linguagem barata, porque dos anos 30 aos 60 eu nem pretendia entrar neste mundo de desejos ilimitados para realizações limitadas (com a devida licença de meu caro Schopenhauer). É uma saudade desencarnada, creio. Sabe, aquele papo de ter vivido em outras épocas e encarnado nesta atual. Se for verdade, acho que vivi, pelo menos, na Europa Iluminista e nos anos 30 nos EUA. Sinto como se tivesse passeado na companhia de Voltaire e de ter bebido horrores com a tropa do Hotel Algonquin. A brasileirada se esbaldando no carnaval e este pretensioso signatário feliz até o último gole de uísque na prosa com Edna Saint Vincent Milay, Dorothy Parker, Edmund Wilson, John dos Passos. Ah!, se Paris era uma festa os EUA daquela década eram um desbunde!

Muito embora a mente viaje sem visto, não devo esquecer da condição de estar preso ao presente "in real time". O que significa dizer que quando este texto for lido meu presente já será passado por culpa da ampulheta e o leitor estará num futuro próximo — o que, quase equivale a uma nova dimensão espaço-temporal, sacaram? Espero, pois não tenho condições de elaborar certas explicações.

Se vocês nada entenderam de minha análise sobre o carnaval, não esquentem, porque eu me perdi no segundo parágrafo. E, para encerrar de forma triunfal meu arrazoado, me vem à cabeça uma música que nem é da festa popular, mas o refrão é um primor de originalidade: "não me importa que a mula manque/ o que eu quero é rosetar".

Para não dizer que...

Uma situação interessante do carnaval de rua é a mudança que vem ocorrendo no perfil da festa nas últimas décadas. Se antes a folia tinha um caráter eminentemente popular, a onda agora é ficar com a patota isolado do populacho pelas cordas dos blocos ou nos camarotes.

...não falei das flores

Em Salvador (BA) os blocos ganham horrores encarcerando a classe média e os novos ricos (os velhos também) nos abadás — aquela roupinha ridícula que identifica quem pagou. O único trio famoso que continua tocando para o baixo clero é o de Armandinho, Dodô e Osmar. Com patrocínio da prefeitura (sempre na última hora), o trio dos irmãos filhos do falecido Osmar tenta manter a festa popular. O resto vai na base do "farinha muita meu pirão vem com acarajé".

De qualquer forma, não suporto os trios nem a turma que vai atrás deles. É preferível ser um morto (não Caetano Veloso?) a um moribundo que vai atrás do caminhão amplificado. E tenho dito.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 12/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O turista imobiliário de Marta Barcellos
02. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
03. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
04. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP de Elisa Andrade Buzzo
05. O Muro de Palavras de Pedro Bidarra


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002


Mais Especial Carnaval
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2002
13h09min
São incríveis e verdadeiras todas estas palavras. Parabéns pela "coragem" de escrever este texto!
[Leia outros Comentários de Clóvis Hostin]
6/3/2002
10h22min
Carnaval, festa da carne-seca, da carne-de-sol, da canícula, da canelada e do pincel, na acepção oriental da palavra. Claridade: No carnaval os machos que se vestem de mulher.Gostei muito escutar Cristina Buarque cantando Wilson Batista, de escutar Nelson Sargento, Nei Lopes e Olívia cantando Araci de Almeida, através dos seus discos - foram antídotos para o festival de sons pasteurizados, ruins mesmo, que a televisão expelia. Carnaval de camarote, festa do rosbife. Gosto mesmo é de uma cachacinha... Parabéns pelo texto, Bruno... (Galdino)
[Leia outros Comentários de Galdino Moreira Neto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rotas de Colisão um Tecnothriller Vertiginoso
Chris Hejmanowski
Jangada
(2014)



Nu sem Amuleto
José Fonseca Fernandes
José Olympio
(1968)



Mecânica Vetorial para engenheiros dinânica 2
Ferdinard P. Beer
Mcgraw Hill
(1980)



O Enigma das Pirâmides
Alvarez Lopez
Hemus
(1978)



Iluminação Cotidiana Como Ser Um Guerreiro Espiritual No Dia A Dia - Esoterico
Yeshe Chodron
Gaia



Morte e Suicídio Uma Abordagem Multidisciplinar
Evaldo A. D'Assumpção e Outros
Vozes
(1984)



Negócios e Prazer Harlequin Paixão Edição 177
Negócios e Prazer
Harlequin Books
(2010)



Clique a Clique - Baixando Programas da Internet - Livro + Dvd N04
Equipe Abril
Abril
(2011)



O Dossie Iscariotes
Marcos Losekann
Planeta
(2006)



A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)





busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês