Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
Mais Recentes
>>> National Geographic Brasil Nº 233 - Edição Especial de Diversos Autores pela National Geographic (2019)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 215 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Mulheres Apaixonadas de D. H. Lawrence pela Nova Cultural (2003)
>>> Homens e cousas do Império de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1924)
>>> Servidores Illustres do Brasil de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1930)
>>> A Guerra do Pacífico de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1925)
>>> Mallet: o Patrono da Artilharia de Joaquim Victorino Portella Ferreira Alves pela Biblioteca do Exército (1979)
>>> Os Patronos das Forças Armadas de General Olyntho Pillar pela Biblioteca do Exército (1981)
>>> História Diplomática do Brasil de Hélio Vianna pela Biblioteca do Exército (1958)
>>> História Militar do Brasil de Leopoldo de Freitas pela Livraria Magalhães (1911)
>>> Presença de Alberto Torres (Sua vida e Pensamento) de Barbosa Lima Sobrinho pela Civilização Brasileira (1968)
>>> Alberto Torres e sua obra de A. Saboia Lima pela Companhia Ed. Nacional (1935)
>>> A Internacional do Dinheiro de Adolfo Coelho pela Livraria Clássica (1935)
>>> Anatomia Humana -tomo 3 [ idioma espanhol]Angiologia -Neurologia - Estesiologia de M.Prive N. Lisenkov V.Bushkovich pela Mir Moscou (1986)
>>> Servidão Humana de W. Somerset Maugham pela Círculo do Livro (1986)
>>> 4. A Ditadura Encurralada: O Sacerdote e o Feiticeiro de Elio Gaspari pela Intrínseca (2014)
>>> 1001 Filmes para Ver Antes de Morrer de Steven Jay Schneider pela Sextante (2010)
>>> Bush na Babilônia: A Recolonização do Iraque de Tariq Ali pela Record (2003)
>>> Espionologia: O Livro Completo da Espionagem de Ian Andrew; Anne Yvonne Gilbert; Outros pela Brinque Book (2010)
>>> Barão de Mauá: O Empreendedor de Gilberto Maringoni pela Aori (2007)
>>> El Mejor Medicamento Eres Tú: La Salud Está En Tus Manos de Frédéric Saldmann pela Aguilar (2014)
>>> O presidente Campos Salles na Europa de Tobias Monteiro pela F. Briguiet & Cia. (1928)
>>> As ideias de Alberto Torres de Alcides Gentil pela Companhia Ed. Nacional (1932)
>>> Recueil de discours prononcés au Parlement d'Angleterre de William Pitt & Charles James Fox pela Chez Le Normant (1819)
>>> Antidepresivos Naturales: Una Solución Alternativa al Gran Problema de Este Tiempo de Lucía Oliveira pela Ediciones Lea (2008)
>>> A Verdadeira Dieta Anticâncer de David Khayat pela Lua de Papel (2012)
>>> En Un Abrir y Cerrar de Boca: Historias de Problemas Gordos de Máximo Ravenna pela Ediciones B (2010)
>>> Grandes Católicos de Rev. Pe. Claude Williamson pela Globo (1943)
>>> Curso Básico de Teologia de Antônio Mesquita Galvão pela Pão e Vinho (2003)
>>> Guia politicamente incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Síndrome do Estrangeiro de Málu Balona pela Editares (2006)
>>> Geographia Sentimental de Plínio Salgado pela José Olympio (1937)
>>> Chama Crística de Norberto Peixoto pela Do Conhecimento (2001)
>>> Obra Escolhida de Descartes pela Difusão Europeia do Livro (1962)
>>> O Lado Difícil Das Situações Difíceis de Ben Horowitz pela WMF Martins Fontes (2020)
>>> Medida provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza (1990)
>>> Autenticidade Consciencial de Tony Musskopf pela Editares (2012)
>>> Perdão: Opção Cosmoética de Seguir em Frente de Vera Tanuri pela Editares (2016)
>>> Criação de Delores Pires pela Do autor (1989)
>>> O castelo nos Pirineus de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (2010)
>>> Um Caso Muito Sujo de Shirley Souza pela Paulus (2011)
>>> Astronauta de Brinquedo de Marcelo Miguel pela Paulista (1995)
>>> A Vida Cética de Pirro de Gabriela G. Gazzinelli pela Loyola (2009)
>>> Karl Marx - Biografia de P. N. Fedosseiev (e outros) pela Avante (Lisboa) e Progresso (Moscou) (1983)
>>> Meus devaneios poéticos de Darcy Arruda Miranda pela Do Autor (1984)
>>> Poeta, mostra a tua cara de Berecil Garay pela Toazza (1992)
>>> Nós Nus de Ione França pela Do autor (1989)
>>> Evolução de Alejandro Roldán pela Editorial Atlântida S. A. (1958)
>>> O bom filho a casa torra de Leila Miccolis pela Edicon (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 7/4/2020
Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1800 Acessos



Tradutor, poeta e ensaísta, Oleg Andréev Almeida nasceu em 1971 na Bielorrússia (uma das repúblicas ocidentais da então União Soviética), estudou as letras francesas na Escola Central das Línguas Estrangeiras em Moscou (1989-1992). Mudou-se para o Brasil em julho de 2005, vindo a naturalizar-se Brasileiro em 2011.

Lançou seu primeiro poema em português, Pouco importa, pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores / CBJE em 2007, e seu primeiro livro, romance poético Memórias dum hiperbóreo, pela Editora 7 Letras em 2008. Publicou os livros de poesia Quarta-feira de Cinzas e outros poemas (2011) e Antologia cosmopolita (2013) pela Editora 7 Letras (Rio de Janeiro); Desenhos a lápis (2018) pela Editora Scortecci (São Paulo).

Traduziu do francês O esplim de Paris: pequenos poemas em prosa, e outros escritos de Charles Baudelaire (Martin Claret: São Paulo, 2010), Os cantos de Bilítis de Pierre Louÿs (Ibis Libris: Rio de Janeiro, 2011), O eterno Adão de Jules Verne e Um outro mundo de Joseph Henry Rosny Aîné (ambos na coletânea Das estrelas ao oceano: Contos de ficção científica. Martin Claret: São Paulo, 2019).

Traduziu do russo, entre outros, Canções alexandrinas de Mikhail Kuzmin (Arte Brasil: São Paulo, 2011); Para a Martin Claret traduziu as seguintes obras de Dostoiéviski, Diário do subsolo; O jogador; Crime e castigo; Memórias da Casa dos mortos; Humilhados e ofendidos; Noites brancas e O eterno marido. De Tolstói traduziu: A morte de Ivan Ilitch e outras histórias [Sonata a Kreutzer e O padre Sêrgui] e Anna Karênina. Também traduziu Pequenas tragédias de Alexandr Púchkin. Elaborou, por encomenda da Editora Martin Claret, a coletânea de contos clássicos russos, publicados em 3 volumes.

Tem como livros prediletos: Marília de Dirceu de Tomás Antônio Gonzaga, O Romanceiro Cigano de Federico García Lorca, As Flores do Mal de Charles Baudelaire, Sonetos de William Shakespeare,Mamãe e a Bomba de Nêutron de Evguêni Yevtuchenko, Pequenas tragédias de Alexandr Púchkin entre muitos outros. Seu lema de vida é: Vivere militare est (Sêneca).

Abaixo entrevista que Oleg Almeira nos deu gentilmente por e-mail:


JARDEL: Qual sua trajetória para tornar-se tradutor profissional?

OLEG ALMEIDA: Formado em Letras, aos 21 anos de idade, já vislumbrava uma possível carreira tradutória, ainda mais que a escola russa de tradução era considerada, inclusive pelos seus desafetos, uma das melhores do mundo. Na década de 90, quando fiquei empregado no setor comercial, deixei o antigo sonho em segundo plano; aliás, traduzi alguns textos técnicos para as empresas com que estava colaborando. Feitas as contas, só me dediquei profissionalmente à tradução literária aqui no Brasil. A editora Martin Claret, que me tem contratado desde 2009, facilitou muito essa escolha.

JARDEL: Você tem feito traduções do russo para o português, enfrentando autores como Dostoiévski, Tolstói, Púchkin, dentre outros. Também uma coleção de contos russos, com variados autores. Fale um pouco sobre essa tarefa homérica, que inclui a tradução de volumes densos como Anna Karênina, de Tolstói.

OLEG ALMEIDA: “Tarefa homérica”? Essa é ótima! Realmente, a tradução de Anna Karênina, a mais recente e, talvez, a melhor que fiz até hoje, acabou exigindo 14 meses de trabalho árduo; Crime e castigo foi traduzido em cerca de um ano. Cheguei também a participar, vez por outra, de vários projetos ao mesmo tempo, lamentando então que o dia tivesse apenas 24 horas. Imagine alguém que traduz Anna Karênina pela manhã e revisa uma nova versão de Notre-Dame de Paris à tarde... E isso sem contar meus escritos autorais, como poemas, ensaios, artigos de feitio acadêmico, etc.



JARDEL: Já existem traduções dos autores russos citados acima e que você também traduziu. Você vê alguma diferença particular entre a tradução que você faz e as já existentes?

OLEG ALMEIDA: De fato, as mais diversas obras russas foram transpostas para o português, em particular pelos “magnificent three” (Boris Schnaiderman, Paulo Bezerra e Rubens Figueiredo), mas, infelizmente, não estou em condição de comentar a respeito delas. Jamais leio as traduções dos concorrentes diretos para não me submeter, nem que seja por mero acaso, a nenhuma influência sua. Quanto aos critérios gerais que norteiam meu próprio trabalho, são simples: fidelidade e autenticidade. Há quem interprete, se não reescreva, o autor traduzido e quem dialogue, se não polemize, com ele, mas esse não é meu costume. Sempre me atenho aos princípios da “vertente tecnologicamente precisa”, a qual se instaurou na União Soviética, nos anos 1920-30, e depois foi suplantada, tanto naquele país como no mundo inteiro, pela “vertente criativa”, mais livre em tratar o conteúdo e, máxime, a forma dos textos literários.

JARDEL: Segundo Henti Meschonnic, “a tradução é o melhor posto de observação sobre as estratégias de linguagem”. Sendo assim, traduzindo Tolstói e Dostoiévski você adentra profundamente o universo da linguagem desses autores. Você poderia comentar sobre a diferença estética entre eles?

OLEG ALMEIDA: A escrita de Dostoiévski é prolixa, caótica, não raro desprovida de qualquer harmonia: dá para ver que seus famosos romances foram compostos às pressas, literalmente “ao correr da pena”, com pouca lapidação estilística. Não se deve esquecer, nem por um minuto, que Dostoiévski se viu, durante a vida toda, perseguido pelos credores e pressionado pelos editores inescrupulosos, tendo de entregar manuscritos “para ontem” e de resgatar os pertences de sua família que penhorava sistematicamente a fim de suprir as necessidades básicas dela; caso contrário, surge a tentação de “polir” suas obras, de remodelá-las naquele português correto e bonito de Machado de Assis. No que concerne a Tolstói, digamos que sua prosa se encontra sob um forte influxo da língua francesa, o que não é de admirar, pois ele a usava desde criança com plena desenvoltura, a par da maioria dos fidalgos russos de sua época. Ao analisar o original de Anna Karênina, percebi que traduzir esse livro significaria estabelecer algum tipo de equilíbrio razoável entre os três idiomas patentes ou subentendidos nele: o russo convencional do século XIX, o francês culto, falado pela elite do Império Russo, e o português castiço, por um lado relativamente próximo do contexto histórico em que o romance de Tolstói foi concebido, mas, por outro lado, nem tão próximo assim, para não espantar o futuro leitor brasileiro. Como está vendo, o tradutor não se limita a repetir o que o autor disse, mas também procura compreender o que ele teria pensado antes de dizê-lo.

JARDEL: Além de autores russos, você também traduziu franceses como Baudelaire e Pierre Louÿs. Como é, sendo russo, enfrentar também como tradutor essa outra língua e, ainda, traduzindo a poesia de Baudelaire?



OLEG ALMEIDA: Diria que é mais fácil lançar uma ponte linguística entre o português e o francês, graças a inúmeras afinidades óbvias e implícitas desses idiomas, do que entre o português e o russo, bem diferentes em todos os sentidos. Além do mais, tenho uma profunda ligação pessoal com o francês: algo que remonta à minha infância, que envolve minhas emoções íntimas, sabe? Aliás, a primeira tradução minha, aceita e publicada, em 2010, pela Martin Claret, foi a dos “petits poèmes en prose” de Baudelaire. Parece que não se acreditava muito, àquela altura, que eu fosse apto a lidar com o russo, dado a caráter “hermético” dele. Até agora me perguntam, às vezes, se porventura não traduzo os clássicos russos por interposição do francês.

JARDEL: Qual a diferença para você entre traduzir poesia e romance?

OLEG ALMEIDA: Uma tradução “tecnologicamente precisa” é viável em prosa, mas pode levar a resultados catastróficos em poesia, sendo o valor intrínseco de um conto ou um romance proporcional, sobretudo, ao alcance de sua letra, isto é, da história narrada, e o de um poema, ao de seu espírito, à mágica daqueles recursos verbais de que se vale quem o escreve.

JARDEL: A ideia do “tradutor como traidor” para você se refere mais à poesia ou ao romance? Já que na poesia as particularidades linguísticas saltam aos olhos (rima, métrica, aliteração), seria ela a traída?

OLEG ALMEIDA: É claro que à poesia, porquanto aquela mágica que acabei de mencionar, com seus aspectos imateriais, oníricos, transcendentais, prevalece nela sobre toda e qualquer narrativa. A poesia não entretém nem ensina, mas comove, perturba, inspira de modo inconsciente, e seu tradutor precisa ter isso em vista.

JARDEL: Além de tradutor você é poeta. Qual o grau de importância para sua poesia o fato de você ser tradutor?

OLEG ALMEIDA: Para mim, a tradução literária tem sido uma verdadeira “musculação mental”, um exercício sofisticado que me ajuda a aperfeiçoar meu próprio estilo. Tolstói e Balzac, Flaubert e Turguênev, Búnin e Mérimée, Verlaine e Pasternak são meus colegas e professores virtuais: todos os dias aprendo um bocado de coisas úteis com eles.

JARDEL: Você tem conhecimento sobre as traduções de Maiakóvski e outros poetas russos pelos irmãos Augusto de Campos e Haroldo de Campos? Como as avalia?

OLEG ALMEIDA: Conheço algumas dessas traduções, sim, e o Maiakóvski dos irmãos Campos me parece firmemente encaixado nos moldes da prosódia e da mentalidade nacionais, ou seja, bastante abrasileirado. Acho plausível afirmar que não são traduções em estrita acepção do termo, mas antes releituras artísticas, ou melhor, recriações dos poemas em questão. Não obstante, tiro meu chapéu para a coragem e o virtuosismo indiscutível dos irmãos Campos. Eu mesmo não ousaria traduzir Maiakóvksi, e não por falta de habilidade nem por excesso de humildade, mas pura e simplesmente porque, nesta cabeça minha, ele grita demais em russo e, quando arranha o português, para de gritar e se queda falando em voz baixa. Sou como aquele rei persa que disse, instado a ouvir um homem capaz de imitar o canto de rouxinol: “Já ouvi o rouxinol mesmo cantar”.

JARDEL: O tradutor de poesia é visto como traidor, dadas as especificidades da poesia, que são praticamente impossíveis de serem reproduzidas em outra língua. Como você vê as ideias de Augusto de Campos e Haroldo de Campos, que na tradução de poesia propõem - como resposta a essa impossibilidade - uma espécie de “transcriação” do poema (e até “transluciferação”), exigindo do tradutor de poesia a “recriação” do poema original e não apenas uma tradução do “conteúdo”? Exigência essa que pede atenção sobre todos os planos da linguagem: o fonético, o sintático, o semântico, o prosódico.

OLEG ALMEIDA: Seria difícil não concordar com essa opinião corrente ainda na primeira metade do século XIX, quando Vassíli Jukóvski recompunha, com formidável mestria, as baladas de Walter Scott e Friedrich Schiller no intuito de familiarizar o leitor russo com elas. Reler um poema escrito em russo ou em francês, repensá-lo de acordo com as normas léxico-gramaticais da língua portuguesa, recriá-lo, por fim, de maneira que corresponda ao espírito do original, sim... mas com uma ressalva crítica: evitar grandes adaptações, exceto se forem imprescindíveis, deixando intactas, na medida do possível, as peculiaridades espaço-temporais dele, por mais estranhas que sejam. Os lápti do camponês russo não são exatamente alpercatas nem sabots, e Mademoiselle não é apenas uma “senhorita” solteira, mas ainda, em se tratando, por exemplo, de um texto antigo, uma mulher casada que não pertence à nobreza, ou então pertence a ela sem ter título, a primeira princesa de sangue, quer dizer, a filha do irmão ou tio do rei, e até mesmo a guilhotina. Cumpre ao tradutor, posto que “traia” por necessidade, buscar aquela aurea mediocritas de Horácio que possa justificar as consequências da “traição” poética com um bem maior. Nisso consiste o principal desafio que ele enfrenta no caso.



JARDEL: Para terminar, o tradutor de literatura é bem pago no Brasil? Como é feito esse pagamento, por lauda, por obra?

OLEG ALMEIDA: Estou a mil léguas de ser rico ou, no mínimo, abastado: minha tarefa diária se resume em manter as contas rotineiras em ordem. Não saberia caracterizar o mercado livreiro do Brasil como um todo, pois a Martin Claret é a única editora interessada em recorrer aos meus serviços profissionais, mas já fui pago por lauda e por obra. São coisas definidas pela negociação e, queiramos ou não, vinculadas à conjuntura econômica. Os píncaros da poesia, segundo Púchkin, não distam das bancadas do escritório...

Para ir além:

Visitem o site do poeta e tradutor Oleg Almeida:
https://sites.google.com/site/olegalmeida


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/4/2020


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
03. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020
04. A poesia de Carol Sanches - 12/5/2020
05. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CLARICE BEAN TEM UM PROBLEMA
ISA MARA LANDO; LAUREN CHILD
ATICA
(2005)
R$ 24,90



SECRETS
DANIELLI STEEL
A DELL BOOK
(1985)
R$ 16,00



UMA PAIXÃO EM PRETO E BRANCO: ATLETICOS 100 ANOS
ROBERTO DRUMMOND
LEITURA
(2007)
R$ 8,00



BEL- AMI
GUY DE MAUPASSANT
VICTOR CIVITA
(1981)
R$ 25,90



O DEUS DA CÓLERA
MAX OLIVIER LACAMP
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1970)
R$ 15,00



O OUTRO LIVRO DAS MARAVILHAS
FRANCISCO FERREIRA DE LIMA
EDIOURO
(1998)
R$ 29,99



FUNDAMENTOS DE MARKETING - MARKETING PARA EXCUTIVOS
JOSÉ MARIA CAMPOS MANZO E WALTER CUNTO
ZAHAR
(1982)
R$ 6,90



RAH, O MENSAGEIRO DO SÉTIMO RAIO
LUCI GUIMARÃES WATANABE
ATUAL
(2005)
R$ 8,14



THE APOSTLE - 1091
SHOLEM ASCH
MACDONALD LONDON
(1952)
R$ 10,00



COMO TOMAR POSSE NA BENÇÃO - 5ª EDIÇÃO
R. R. SOARES
GRAÇA EDITORIAL
(1997)
R$ 7,00





busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês