Por que é preciso despistar a literatura | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil pré-estreia Atos com Antonio Pitanga nesta segunda (19/11)
>>> TV Brasil apresenta programação temática na Semana da Consciência Negra
>>> Baterias Brasileiras do Sesc Belenzinho apresenta shows com Pupillo e Curumin
>>> Refúgios Musicais do Sesc Belenzinho apresenta banda de haitianos Surprise
>>> Avesso - O Musical aborda conflito de gerações em musical jovem de fortes emoções
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Emagrecer sem sofrer? Isso é papo de revista
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Negrinha e os donos do sentido
>>> AC/DC com Bon Scott
>>> Filosofia de boteco
>>> Mar de Gente, de Ivaldo Bertazzo
>>> Cassionei Niches Petry
>>> A barata na cozinha
>>> O desafio de publicar
Mais Recentes
>>> Revista nintendo world--29. de Conrad pela Conrad
>>> Revista nintendo world--27. de Conrad pela Conrad
>>> Revista nintendo world--47. de Conrad pela Conrad
>>> Revista nintendo world--25. de Conrad pela Conrad
>>> Historia 2 - Projeto Buriti - Ensino Fundamental de Equipe Editora Moderna pela Moderna (2007)
>>> Revista nintendo world--187--captain toad treasure tracker de Case pela Case
>>> Revista nintendo world--5--1999--dicas,truques e codigos. de Conrad pela Conrad
>>> Geografia - Homem & Espaço - 7º Ano de Elian Alabi Lucci e Anselmo Lazaro Branco pela S M Edições (2018)
>>> Revista nintendo world--9--star wars--episodio 1. de Conrad pela Conrad
>>> Quem me roubou de mim? de Pe. Fábio de Melo0 pela Planeta (2014)
>>> Revista nintendo world--17--as melhores 2000 dicas,truques e codigos. de Conrad pela Conrad
>>> Geografia - Aprender Juntos - Ensino Fundamental 3º ano de Leda Leonardo da Silva pela S M Edições (2010)
>>> Madalena (novela) de Cristiane Dantas pela Mec (2006)
>>> Revista nintendo world--53--segura essa!.--2003-dicas,truques e codigos. de Conrad pela Conrad
>>> Revista nintendo world--34--jogamos o gamecube!. de Conrad pela Conrad
>>> Revista nintendo world--45--resident evil. de Conrad pela Conrad
>>> Revista nintendo world especial--1--quake ii. de Conrad pela Conrad
>>> Os Cinco Demônios de Camila S. Aguirre pela Novos Talentos (2015)
>>> Diário De Um Zumbi Do Minecraft - Trocando De Corpo de Herobrine Books pela Sextante (2015)
>>> Cobras em compota (contos) de Índigo pela Mec (2006)
>>> Coleção Da Série Conspiracy 365 - janeiro a Dezembro de Gabrielle Lord pela Fundamento (2016)
>>> Conspiracy 365 - Livro 12 Dezembro - Fuga Final de Gabrielle Lord pela Fundamento (2018)
>>> Léo, o pardo (biografia) de Rinaldo Santos Teixeira pela Mec (2006)
>>> Conspiracy 365 - Livro 11 Novembro - Surpresa de Gabrielle Lord pela Fundamento (2016)
>>> O conteúdo poítico da sociologia de Leon Bramson pela Fundo de Cultura (1961)
>>> Conspiracy 365 - Livro 10 Outubro - Novidade Chocante de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> Família composta (teatro) de Domingos Pellegrini pela Mec (2006)
>>> Conspiracy 365-livro 08 Agosto-o Pesadelo Se Torna Realidade de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> Conspiracy 365 - Livro 06 Junho - Caça Ao Tesouro de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> Conspiracy 365 - Livro 04 Abril - Contra O Relógio de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> Conspiracy 365 - Livro 02 Fevereiro - Em Busca Da Verdade de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> Conspiracy 365 - Livro 01 Janeiro - O Enigma Dos Desenhos de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> As Upanishads de Carlos Alberto Tinôco pela Ibrasa (1996)
>>> A Doutrina Secreta - Volume 1 - Cosmogênese de H.P. Blavatsky pela Pensamento (2017)
>>> Conspiracy 365 - Livro 09 Setembro - Quebra-cabeças de Gabrielle Lord pela Fundamento (2018)
>>> Conspiracy 365 - Livro 05 Maio - Entre Quatro Paredes de Gabrielle Lord pela Vergara e Riba (2015)
>>> Diário De Um Banana 13 Batalha Neval - Capa Dura de Jeff Kenney pela Vergara e Riba (2018)
>>> A Era Da Loucura de Michael Foley pela Alaúde (2011)
>>> As Cinco Habilidades Essenciais do relacionamento de Dale Carnegie pela Nacional (2011)
>>> Como fazer amigos e influenciar pessoas de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2003)
>>> Conspiracy 365 - Livro 07 Julho - Maldição De Família de Gabrielle Lord pela Fundamento (2015)
>>> Os Mitos da Felicidade de Sonja Lyubomirsky pela Odisséia (2013)
>>> Projeto Felicidade de Gretchen Rubin pela Best Seller (2009)
>>> Escolha Ser Feliz de Stephanie Dowrick pela Sextante (2011)
>>> Cure Suas Mágoas e Seja Feliz de Fernando Vieira filho pela Barany (2012)
>>> Cure Suas Mágoas e Seja Feliz de Fernando Vieira filho pela Barany (2012)
>>> A Boa Vida de Alex Rovira pela Sextante (2008)
>>> O Monge que Vendeu Sua Ferrari de Robin Sharma pela Fontanar (1997)
>>> O Médico Jesus de José Carlo De Lucca pela Intelítera (2010)
>>> A Arte da Imperfeição de Brené Brown pela Novo conceito (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/9/2010
Por que é preciso despistar a literatura
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3500 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Nada como abrir a caixa de mensagens (no computador, no celular ou mesmo aquela incrustada no muro de casa) e ler uma boa notícia. É um evento, uma delícia, um suspiro aliviante. Risinhos caem pelos cantos da boca. Um ventinho sopra a franja de que tem. Ah! (E este "ah" tem que ter "H".) Como a vida é boa.

E outro dia, não faz muito tempo, abri um e-mail cheio dessas delicinhas. Era o organizador do livro Como se não houvesse amanhã (Record, 2010, 160 págs.), o corajoso e empreendedor carioca Henrique Rodrigues, dando a boa nova. Em poucas e intensas linhas, dizia ele que o livro já ia para a terceira edição (rapidíssimo para uma obra de literatura escrita por jovens autores contemporâneos) e que fora aprovado pelos professores, ou seja, figuraria nas listas a serem lidas nas salas de aula, por alunos sedentos por contos.

De uma só tacada, a feliz editora dona do passe da coletânea deveria imprimir aí mais de quinze mil exemplares da obra para ser vendida ao governo e chegar aos professores. Estes, por sua vez, devem arrancar de seus lumes criativos as melhores atividades possíveis para que os alunos leiam mesmo o material e curtam a relação música/conto proposta ali.

Melhor alinhavar isto direito. É que Como se não houvesse amanhã é uma coletânea de contos de autores contemporâneos (todos vivos, diga-se de passagem). Os contos são inspirados (às vezes mais, às vezes menos do que isso) em músicas da banda Legião Urbana, uma das mais marcantes do rock nacional das últimas décadas. Cada autor, a convite do organizador, escolheu um hit (ou menos hit) e arranjou seu método de escrever um conto baseado na canção. Houve quem pinçasse logo "Eduardo e Mônica", faixa de trabalho do álbum Dois, conhecida até mesmo dos filhos (quiçá netos) da geração que curtiu o lançamento do vinil de capa bege nos anos 1980. É claro que os contos que se inspiraram em canções dessa estirpe são mais citados nas matérias de revistas e jornais.

Outros autores atacaram de músicas de fã, ou seja, aquelas que o grande público não conheceu, mas que tocaram nas vitrolas dos fãs de carteirinha. É o caso de "Andréa Dória", que escolhi por me lembrar dos momentos de emoção que a letra me provocava e das infinitas frases copiadas nas agendas e nos diários.

Que articulações um projeto assim sugere aos professores (mais de quinze mil) e suas salas de aula? Por que a literatura anda precisando destas fantasias ou destes outros trajes? Ou ela sempre precisou?

Para se ter uma ideia, Henrique Rodrigues anda recebendo e-mails de professores que vêm lhe contar da adesão dos alunos à leitura da obra. Depoimentos de leitores apaixonados pela Legião, antes a Urbana, agora a de autores que ali estão, como se tocassem novamente, com outros instrumentos, aquelas canções que Renato Russo disparava por aí. Como se não houvesse amanhã conquistou não apenas a terceira edição, mas o primeiro lugar na escolha dos professores, deixando em segundo um Nelson Motta. E mais: desbancando top hits como Manoel de Barros e Stanislaw Ponte Preta.

Como poderíamos ler esse acontecimento? É claro: não apenas como uma trilha que liga leitores a livros, o que já é, sem dúvida, ótimo, mas como uma trilha tortuosa que faz esse milagre aí. Explico: tortuosa porque somos um país de poucos livros por cabeça/ano. Para que a média suba um pouquinho, é preciso juntar todo tipo de leitura no mesmo bolo, o que não é incomum nas pesquisas sobre o tema, mesmo em outros países. Lemos jornais, revistas, quadrinhos, a Bíblia, o Corão, os Vedas, flyer, panfleto, e-mail e livros (de autoajuda, de receitas e de literatura, desde que ela se pareça com outra coisa). É isso?

Se somos um país de poucos livros/cabeça/ano, por que é que somos uma das maiores potências editoriais do mundo? É isso mesmo. Coisa de quinto ou oitavo lugar, a depender de quem fez a pesquisa. Como é que pode? Mas pode. É que o governo compra a maior parte dos livros e os distribui aos leitores (quase leitores, pseudoleitores, semileitores, megaleitores, hiperleitores, hipoleitores etc.). É mais ou menos como aquela cobra que come o próprio rabo. Mas até que funciona. Pelo menos os professores podem escolher os livros que acham mais bacanas e levá-los para as salas de aula. Ou emprestá-los aos alunos. Ou produzir mais contos sob a influência destes. Ou pensar projetos com foco na música (e a literatura pega os adolescentes de assalto). Pelo menos isto: a escola continua funcionando como um forte (e quase solitário) espaço no qual as pessoas têm seus rudimentos de cultura literária (alguns diriam letramento literário).

Ao menos as esferas do governo implementam planos como o Biblioteca do Professor ou projetos que visam a forçar essa rede livro-leitor-leitura, que deveria ser um ciclo infinito (e nem sempre é). E por que eu disse "ao menos"? Porque, como todo mundo não se cansa de dizer, em média, o professor brasileiro não tem o melhor salário do mundo. Comprar livro fica depois, bem depois, de pagar as contas.

Até que Como se não houvesse amanhã também não é dos livros mais caros do planeta. Na Livraria Cultura, ele custa R$ 32,90, mas sai, na promoção, por R$ 26,32. Como não bebo cerveja, preciso consultar alguém para ver como fica a conversão: isso dá umas dez ou doze cervejas, dependendo do boteco? É por aí. Questão de decidir o que é melhor para o momento.

O que os jovens leitores querem com este livro? O que o professor vislumbrou? Aposto que o raciocínio foi algo assim: "vou articular os contos às canções e meus alunos ficarão mais interessados" ou, em toscas palavras, "eba, vou poder enganar a moçada. Pensam que vão ouvir música, mas estarão lendo".

Mas o fato é que há quem realmente goste do livro, inclusive entre a garotada. No meio da multidão, eis que uma menina aponta a bela narrativa baseada em "Quando o sol bater na janela do seu quarto". Ou em "Pais e filhos", um quase blues que emociona. E um outro leitor, mais proficiente, posta em seu blog um exercício literário inspirado no livro. Ele percebe a falta da canção "Índios" e dá sua contribuição.

Mas minha questão não passa de uma digressão. Meu título não é bem uma pergunta (e seria retórica, se fosse). É apenas um desses pensamentos que passam rapidinho e se vão. É preciso despistar a literatura, vesti-la com canções, fantasias, adornos, badulaques, apetrechos, penduricalhos, maquiagens, berloques, máscara e touca ninja. Afinal, ninguém quer parar para contemplar, ouvir mentalmente a leitura dos textos literários. Dói menos quando a leitura se parece com outra coisa.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
02. Uma de nós de Marilia Mota Silva
03. Cachorros e Lágrimas de André Simões
04. Meus encontros e desencontros com Daniel Piza de Rafael Lima
05. A decadência do herói de André Graciotti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Palavrão também é gente - 26/2/2010
04. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/9/2010
01h16min
Estas estatísticas de livros per capita são puro engodo. Sem diferenciar os diversos nichos que geram publicações, obras paradidáticas acabam sendo registradas como obra literária. Literatura tem alguma relação com livro, mas seu limite é o propósito. Outra questão interessante é se o autor deve escrever motivado pelo mercado leitor ou deve buscar conformar a sua obra? Escrever em cima das demandas criadas por um projeto editorial é uma coisa, conformar uma peça literária baseando-se no apetite leitor fica parecendo clichê de um certo escritor que dá expediente na Academia Brasileira de Letras...
[Leia outros Comentários de Dudu Oliveira]
6/9/2010
13h07min
Ana, ótimo artigo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Henrique Rodrigues ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA TRAMA PERFEITA (2ª ED.) NOVA ORTOGRAFIA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
SAIVA
(2009)
R$ 17,90



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
EDIOURO
(2003)
R$ 9,00



MISTÉRIOS ORIENTAIS
JIM HICKS
ABRIL LIVROS
(1994)
R$ 10,00



O PODER DA AFINIDADE
GARY ZUKAV
LAFONTE
(2012)
R$ 20,61



FILHO DAS SOMBRAS
JULIET MARILLIER
BUTTERFLY
(2013)
R$ 23,00



BUDAPESTE
CHICO BUARQUE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 18,00



BUSINESS MODEL YOU
TIM CLARK
ALTA BOOKS
R$ 32,32



LUTA DE CLASSES: ENTREVISTA A DAVID BARSAMIAN
NOAM CHOMSKY
ARTMED
(1999)
R$ 36,00



O MONTE CINCO
PAULO COELHO
OBJETIVA
R$ 8,65



BAT PAT - O CAVALEIRO ENFERRUJADO
ROBERTO PAVANELLO
FUNDAMENTO
(2014)
R$ 32,00





busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês