Arquitetura de informação | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 11/12/2001
Arquitetura de informação
Rafael Lima

+ de 6900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Duas ou três coisas que eu sei sobre internet
Textos pequenos, frases curtas; poder de síntese. Clareza, concisão e conteúdo. Todas as recomendações que se fazem relativas ao estilo de redação para internet não tem nada de diferente comparadas à linguagem jornalística moderna. Na maioria dos espaços da rede ocupados pelo mundo corporativo, não é possível distinguir seus produtos analógicos dos correspondentes virtuais. Um grande erro. Enquanto o suporte do jornal ainda é o papel, bidimensional, e na maior parte, monocromático, a internet se vale da multimídia: cabem numa homepage todas as formas de dados digitalizados: imagens (em movimento ou não), sons, texto. Só por aqui já seria possível perceber o tamanho da distância entre os meios de comunicação e a internet, meio de todos os meios, mas é imprescindível anotar esta diferença: apenas na internet existe o diálogo direto e franco com consumidor, espectador ou leitor na relação de um-para-um com o criador, o "fornecedor de conteúdo". Aqui mesmo no Digestivo o leitor pode discordar do que eu falo e me desmoralizar no formulário ali embaixo. Agora, vá escrever uma carta para o cineasta criticando seu filme - é esperar sentado que ele vá exibir os seus termos projetados na tela ao fim da sessão, seguidos pela resposta dele...

Essa abundância de informação querendo mostrar as pernas - informação quer liberdade - cria outro problema que os mesmos portais corporativos também não souberam resolver: como articular essa massa de dados. A tendência nos portais de notícias tem sido a de enxergar a internet como um jornal na tela, ou pior, como rádio na tela do monitor, talvez porque a gerência desses portais tem sido entregues a jornalistas de nome e carreira - gente que domina a prática jornalística, no entanto, mal e mal tem intimidade com computador, que dirá internet, a qual cismam colocar sob a luz de alguma analogia, quando a internet é que deveria ser o paradigma. A divisão de assuntos em categorias estanques, como se não houvesse interação entre eles, é o sintoma mais claro dessa falta de intimidade - algo não sentido pelas alcatéias de pós-adolescentes nerds que cresceram vendo televisão e jogando videogame, portanto com altas reatividade sensorial e capacidade de lidar com enormes quantidades de dados não processados, os verdadeiros surfistas do ciberespaço.

Por exemplo, se você entra na "programação da cidade" do site de um jornal procurando pelo espetáculo da Intrépida Trupe, simplesmente não encontra, porque o que eles fazem não pode ser enquadrado nas categorias estanques de dança, teatro ou circo: é uma fusão, uma mistura nova entre elas, e como os 15 baluartes sentados em torno da mesa na hora que criaram as categorias não se lembraram das exceções, e como a programação visual da página não permite variações, o que acontece é que você simplesmente não encontra o local nem o horário das apresentações da Intrépida Trupe, a menos que utilize o mecanismo de busca do próprio jornal. Navegabilidade não é só colocar um botão [próxima] ao lado de um [voltar] embaixo da página. Separar os assuntos em categorias estanques engessa demais a mobilidade do leitor dentro do espaço virtual, custo exagerado que se paga para acelerar seu acesso às reportagens.

Internet é hipertexto, é fazer links - e compor um texto com links é muito diferente de apenas escrever um texto onde, ocasionalmente, serão adicionados hyperlinks. Nas duas alcunhas pelas quais a rede ficou mais conhecida (internet e World Wide Web) existe o conceito de rede, seja em net, rede, como as que cobrem as traves de futebol, seja em web, teia, que nem a da aranha. O que caracteriza uma rede (ou teia) são os nós, pontos comuns que aparecem quando dois fios se cruzam; no espaço virtual, um nó corresponde a um link, e é onde/quando pode-se mudar de caminho, de página, de parágrafo. Um hipertexto bem composto, ou seja, com links bem colocados, apresenta um problema interessante: como manter o leitor concentrado até o fim do texto, sem deixá-lo fugir por um dos links, saracotear aqui e ali entre os escombros do terremoto de informação e acabar esquecendo de voltar para terminar o que tinha começado a ler (mesmo problema de um escritor de romance policial, que não pode impedir a leitora de ler antes o final)? A resposta é simples: não há como. O link subverte a hierarquia tradicional de percepção de informação da leitura de página ocidental, da esquerda para direita e de cima para baixo; o leitor segue o que lhe interessar mais. Pelo lado do "fornecedor de conteúdo", fica mais fácil enriquecer um texto ao adicionar links para temas específicos de seu texto explorados com mais detalhe do que seu espaço ou conhecimento ou direito permitem, ao custo do compartilhamento de dados. Corolário intrigante: se, pela lei de ouro, "temos total direito àquilo que criamos totalmente", o direito autoral fica em maus lençóis toda vez que se fizer link para algum texto alheio. Um "fornecedor de conteúdo" pode ignorar solenemente os hyperlinks e os textos alheios e continuar redigindo, desenhando ou editando como se para uma revista mensal, mas estará arriscado a ser posto a nu muito mais facilmente, dado o imenso manancial de opiniões e dados na internet. Num espaço onde a diversidade de vozes impera, é muito difícil se fazer ouvir só pelo volume do som.

Ainda não se "inventou" uma maneira não hierarquizada de distribuir informação relacionada a um mesmo tema, e a essa tarefa de selecionar e dispor na tela o que se quer apresentar, equilibrando forma & conteúdo com um determinado objetivo, é que a plebe ignara chama de arquitetura de informação. O que há mais próximo são as listas de discussão (newsgroups) e os blogs, que aglutinam a opinião de uma ou mais pessoas sobre um círculo de assuntos sem hierarquia e limite aparentes, mas cuja unidade, com o passar do tempo, fica cada vez mais evidente (no caso dos newsgroups, o limite é predeterminado). Ainda que sejam excelentes mecanismos de geração e armazenamento de dados, os dois ainda pecam em um ponto: como acessar apenas a informação relativa a um tópico específico? Como encontrar aquele arquivo que você sabe que tem sua resposta, mas está perdido em algum lugar do seu HD ou alguma U.R.L. não anotada? Os search tools, Altavista, Google, Yahoo, atacaram esse problema fazendo uma janelinha a partir de onde se digita(m) palavra(s)-chave, mas eu li uma idéia que resolveria o problema: associar a cada arquivo de dados - ilustração, planilha, memória de cálculo, etc. - além de seu tipo (.doc, .jpg, .xls) um número de palavras-chave conceituais: "casa", "alimentação", "cinema", "pelada" e na hora de fazer a busca, o usuário apenas combinaria os filtros desejados em cada busca: "computador, procure-me todas as fotos de mulher pelada com seios grandes". O mecanismo serviria inclusive serviria para descobrir redundâncias no sistema: ao ver que todas as fotos salvas no CD eram de mulheres peitudas, o usuário descobriria que é provavelmente um fetichista, e passaria a se focar em outras formas anatômicas.

Claro, isso tudo é especulação, e o próprio fato desse texto ter sido composto sem links é uma prova de que a maioria ainda prefere ver sua informação já lavadinha, separada, desossada e embalada para consumo ao invés de catucar atrás dela.

Nota: Li a idéia desse mecanismo de busca orientado por meta-dado num blog há algum tempo atrás, não sei quando, não me lembro onde, não anotei. Se foi você quem teve essa idéia e leu esse texto, identifique-se que e será incluído de bom grado aqui no texto. A idéia não é minha, mas é muito boa :)


Anotações para um futuro bate-boca
- E vê pára com esse negócio de 'positivo' e 'negativo' que eu não tenho cara de pilha, para ficar procurando polaridade!

Thomas Edison perde
Enfim revelado: A Coisa (the It), a invenção que iria revolucionar os conceitos de transporte e energia no meio urbano era, na verdade, apenas um super patinete. Mas quem já usou sabe que revolucionário mesmo é o Mussumgrapher.

If I was a frog
I'm a Pixie Frog!
O Sapo-boi africano é um dos maiores sapos da África do Sul. Geralmente, eles vivem em pastos, perto de poças de lama. Quando ameaçados, estes sapos enchem-se como balões para assustar o intruso! Na estação seca, eles se enfiam no solo. Esses caras comem pencas de insetos grandes, peixes, ratos, lagartos e até mesmo outros sapos.
Que tipo de sapo você é ?


Lamúrias (ou: tentativa frustrada número 457 de tentar virar cult, nem que seja na marra)
atollo rulez!! Tudo bem, mas o que eu queria mesmo é fazer storyboards como Bill Plympton. Era desenhar naquele estilo abstrato do Mario AV. Bolar logotipos como Tom-B. Desenhar histórias em quadrinhos como Jules Feiffer. Passar uma tarde inteira lendo a ficção científica do Moebius, e de noite dançar ao som de Fela Anikulapo-Kuti & África '70. E largar tudo para brincar com aqueles bloquinhos da Atollo.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 11/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
02. Novos velhos e lagostas de Carla Ceres
03. Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio de Marcelo Spalding
04. O naufrágio é do escritor de Vicente Escudero
05. Comunicado importante: TV mata! de Pilar Fazito


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/12/2001
17h14min
Rafael, Muito bom, meu caro. Só uma coisa: Há um meio de trazer de volta o leitor, mesmo que ele fuja por um dos links (dos sapinhos, por ex): Escrever tão bem que ele (leitor) queira ler seu artigo até o fim...Viu? A "fidelidade" depende (quase sempre) da "qualidade". Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
12/12/2001
09h16min
Obrigado, Ana, mas escrever muuuuito bem só vai ajudar a prender a atenção do leitor; não impedir que ele saia pulando de link em link. Estou falando de gente com atenção absolutamente dispersa, ou antes, concentrada em mil coisas ao mesmo tempo. Encontra-se muita gente assim mexendo com internet. Em termos de televisão, seria aquela pesssoa que fica mudando de canal incessantemente com o controle remoto, e parece que acompanha todos os programas ao mesmo tempo. Aposto que você conhece o tipo...
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
12/12/2001
13h52min
Sim, Rafael, eu conheço o tipo. Mas neste caso é patológico, né? Nada a fazer...Porém, mesmo os mais "normais" podem ser "perdidos" para um link se seu texto não está mais interessante...A propósito, gosto muito quando vc escreve sobre Internet, sempre tem algo interessante a acrescentar...Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
12/12/2001
18h14min
Patológico, Ana, somos nós que precisamos desses casos patológicos para absorver, filtrar e separar as erupções de informação que nos cercam, pois são os que melhor conseguem lidar com elas... E entenda isso: "perder" o leitor em um link não é problema na Internet. No duro, está mais para uma solução. Isso aqui não é uma Tv a te empurrar o que você quer e o que você não quer ver.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
12/12/2001
18h28min
É, Rafael, acho que vc tem razão. Este pessoal parece estar muito mais adaptado à esta realidade. Cada um, com seu próprio critério, separando o joio do trigo e indo por aí, surfando, como dizem...Pra acompanhá-los eu precisaria de slow motion...Ah, e a comparação com a TV é perfeita...Aqui, vc faz o seu caminho...THANKS GOD!...Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORTUNA DE GASPAR (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CONDESSA DE SÉGUR
DO BRASIL
R$ 10,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
OBJETIVO
R$ 6,00



DE OLHO NA MORTE E ANTES
FERNANDO FORTES
ATELIÊ EDITORIAL
(2012)
R$ 22,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY
A. S. HORBNY
OXFORD
(2000)
R$ 30,00



ALICE PARA SEMPRE
ELTON LICKS
BESOUROBOX
R$ 26,00



FISIOLOGIA CELULAR
DAVID LANDOWNE
MCGRAW HILL ARTMED
(2006)
R$ 67,00



NEW ENGLISH 900 BOOK 1
COLLIER MACMILLAN INTERNACIONAL
ENGLISH LANGUAGE SERVICES
(1978)
R$ 15,00



IL NUOVO DOMANI
MAEVE BINCHY
SPERLING & KUPFER
(1998)
R$ 50,00
+ frete grátis



SÓ O AMOR É REAL
BRIAN L. WEISS
ALAMANDRA
(1996)
R$ 4,00



CRIME E CASTIGO
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 28,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês