O Tigrão vai te ensinar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2001
O Tigrão vai te ensinar
Rafael Lima

+ de 3500 Acessos

Os primeiros sinais começaram há algum tempo: todo final de semana monzas com insulfilm no vidro passavam, os alto-falantes pulsando no caminho da praia. Fernanda Abreu e Paula Toller citaram no Rock in Rio. Capa na Veja Rio. No final de semana de 18/02, sem saudar a platéia nem pedir passagem, o Funk Carioca tomou de assalto a avenida, sendo atração principal de todos os programas de sábado e domingo na televisão, além da matéria principal do Caderno B no JB. O carnaval, a uma semana de começar, via-se ameaçado de invasão pelo bonde do tigrão.

O ritmo que vem sendo chamado de "funk carioca" se compõe principalmente de músicas nascidas nos subúrbios da Avenida Brasil, desde a década de 80, cuja batida está mais para o chamado Miami Bass do que para a sonzeira que George Clinton, James Brown e aquele artista outrora chamado Prince faziam. Não é de hoje que se ouve esse som por aí, ainda que sempre pelos meios não oficiais de divulgação: um radinho de pilha na feira, o auto-falante de um carro na rua, num baile no morro. Sempre criado sem técnica musical, sem instrumentos convencionais, e com refrões de fácil assimilação e grande impacto, próprios para incendiar os bailes, principais pontos de audição dos funks.

Não é difícil encontrar motivos para a tardia assimilação dos funkeiros pela mídia. Não haveriam ídolos que centralizassem a atenção, dada a miríade de gravações baratas - os grandes nomes eram o DJ Malboro, e a dupla capitã do Furacão 2000, Rômulo Costa e a mãe loira Verônica, na verdade produtores e empresários. E, como diz aquele refrão: "É música de preto, música de favelado, mas quando toca ninguém fica parado", não havia a formatação necessária para se adequar à estética da classe média, a mesma que separa a Rede Globo de Sívio Santos e Ratinho.

A grande força dessa onda veio da soma da aceitação popular com a legitimação emprestada pelo setor da classe média intelectual, em comportamento amplamente criticável, quando se observa a tristeza cultural que reveste as composições. A aceitação do funk como um produto cultural relevante é filha do ressentimento das nossas eternas viúvas de 68, intelectuais de esquerda que ainda não descobriram que os CPCs da UNE acabaram e se vêem no direito de endossar qualquer movimento cultural popular apenas porque... é popular, por sua origem e eco na classe proletária, o que só evidencia aquilo que o Daniel Piza chama de "a doença infantil do pop-ulismo", a ilusão de que uma obra de arte tem mais valor apenas porque consegue atingir um público maior.

Enquanto expressão artística, o funk carioca pode ser atacado tanto quanto qualquer outra manifestação popular que peque pela falta de uma lapidação que a torne mais palatável para os ouvidos da classe média. Seu grande mérito estaria na capacidade de recriar a linguagem, essa imensa capacidade carioca de inventar - e exportar para todo o país - gírias, de emprestar novos sentidos, de reformar palavras e reinventar a sintaxe, ainda que se registre um empobrecimento claro na perda das conjugações verbais e na concordância nominal. Às vezes essa pobreza linguística atinge o nível do absurdo, como naquela estrofe em que a palavra "demais" é rimada, dois versos depois, com a palavra... "demais"! Mas a força comunicativa fica óbvia quando se vê a torcida do Flamengo, no Maracanã, que hoje é a grande academia onde se recicla a língua (mais do que a feira, a televisão, o jornalismo ou a própria Academia, ocupantes dessa posição em outros tempos), utilizando refrões do funk em seus gritos de guerra: "Tá dominado! Tá tudo dominado!", "Ah, eu tô maluco!".

O ponto aqui não é negar esse mérito comunicativo dos funkeiros ou tentar desmontá-los pelo falta de sofisticação de suas músicas. O alerta a ser feito é o erro que há em enxergar neles o resultado da evolução natural, que vem, por exemplo, de Edu Lobo: se há 30 anos os responsáveis pela introdução das questões sociais na música eram os filhos da classe média (Chico Buarque, Vandré), hoje, os verdadeiros representantes de uma "arte engajada" vêem do que as estatísticas do IBGE chamam de classe C, D e E; são os MCs, e nunca deve ser minorado o fato de que a música é também uma das minguadas tentativas de ascensão social a que os jovens daquelas classes tem acesso.

Se o que atraía elogios no jovem Chico Buarque era uma sensibilidade que o permitia se colocar na pele de pedreiros, prostitutas ou traidores, o que chama a atenção nos funks do Rio de Janeiro é essa qualidade quase documental de registrar as idiossincrasias de um cotidiano sem esperança, banhado numa ótica marginal repleta de humor, lascívia, opressão e ilegalidade. Uma manifestação popular fortíssima, mas que nem de perto tem a universalidade e a riqueza de outras representações igualmente populares, tais como a Banda de Pífanos de Caruaru ou as crônicas musicais de Noel Rosa.

Provavelmente a maior prova de força desta manifestação tenha sido, em pleno carnaval, conseguir romper a cadeia hereditária do axé, que, vitaminado pelo jabá das gravadoras, todo ano - há 8 consecutivos - inventava uma novidade (a última, As Meninas, nem se ouviu nesse ano). Quando se considera que os funks são feitos por gente com baixa ou nenhuma escolaridade ou informação musical, gravados em estúdios de fundo de quintal, reproduzidos em cópias de baixa qualidade que são vendidas em barracas de camelô, a invasão se torna ainda mais digna de interesse. É claro que agora o interesse é da Sony que a vendagem seja expressiva, mas talvez agora seja mais fácil ver que o poder das majors não é tão totalizante assim como se dizia.

Em tempo: tchuthuca é uma mulher bonita; tigrão é o masculino de tchutchuca; popozuda é a mulher gostosa; demorou (ou formou) tem o mesmo sentido que valeu!, fechado!; bonde é uma turma; agora essas eu duvido que qualquer um acertaria: martelo é o orgão genital masculino, mandar pressão é o praticar o ato sexual e passar cerol na mão é lubrificar o pênis com saliva. Aparar pela rabiola até agora ainda não descobri.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 12/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) de Renato Alessandro dos Santos
04. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
05. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARMADILHA PARA LAMARTINE
CARLOS & CARLOS SUSSEKIND
BRASILIENSE
(1991)
R$ 10,00



TRAGWERKSBERECHNUNG NACH CROSS
C. PRENZLOW
WERNER VERLAG
(1963)
R$ 40,00



ANÁLISE DO "MODELO" BRASILEIRO
CELSO FURTADO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 6,90



DEUS ESTA CONTIGO - 1ª EDIÇÃO
PADRE JOHN WOOLLEY
PENSAMENTO
(2014)
R$ 19,95



A DIETA DA PORÇÃO PERFEITA
LINDA GASSENHEIMER
PUBLIFOLHA
(2007)
R$ 15,00



MITOLOGIA GRIEGA Y ROMANA
J. HUMBERT
GUSTAVO CILLI
(1943)
R$ 24,00



SUPER REVISAO OAB - DOUTRINA COMPLETA
WANDER GARCIA
FOCO
(2014)
R$ 20,65



O PENSAMENTO VIVO DE JOHN LENNON
EIDE M. MURTA CARVALHO
MARTIN CLARET
(1986)
R$ 6,90



VISÕES
SIRON FRANCO
SIMÕES DE ASSIS GALERIA ARTE
(1998)
R$ 40,00



MINERALOLUND BRENNSTOFFNORMEN
GEANDERTE AUFLAGE
BEUTH VERTRIEB
(1972)
R$ 60,00





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês