O Tigrão vai te ensinar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
49039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inscrições abertas para o Concurso de Roteiros e Argumentos do 11º FRAPA
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em Itaguaí, Mangaratiba, Angra dos Reis e Paraty (RJ)
>>> Festival de Teatro de Curitiba para Joinville
>>> TIETÊ PLAZA INAUGURA A CACAU SHOW SUPER STORE
>>> A importância da água é tema de peças e oficinas infantis gratuitas em Vinhedo (SP)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
Colunistas
Últimos Posts
>>> Barracuda com Nuno Bettencourt e Taylor Hawkins
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
Últimos Posts
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
>>> Humanidade do campo a cidade
>>> O Semáforo
>>> Esquartejar sem matar
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que mais falta acontecer?
>>> Turbulências
>>> 453 – São Paulo para gregos e troianos
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Ao Portal Galego da Língua
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Porteño, Milonguero y Varón
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Livre talento, triste exílio, doces brasileiros
Mais Recentes
>>> Livro - O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo (2013)
>>> Morte no seminário de P. D. James, pela Companhia das Letras (2002)
>>> A Sacerdotisa de Avalon 411 de Marion Zimmer Bradley pela Rocco (2002)
>>> Livro - Crescer não destruir - Cinco maneiras de implementar na sua empresa uma nova dinâmica de crescimento de Robert M. Tommasko pela Campus (1997)
>>> Das Novas Guerras: Fenomenologia dos Conflitos Armados de Reis Friede; Flávio Combat pela Biblioteca do Exército (2019)
>>> Livro - Jeff Koons: Conversations With Norman Rosenthal de Norman Rosenthal; Jeff Koons pela Thames & Hudson (2009)
>>> Harry Potter e a Câmara Secreta: 2 de J.K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Enquanto a noite não chega 411 de Josué Guimarães pela L&Pm Editores (1978)
>>> As Mentiras de Locke Lamora de Scott Lynch pela Arqueiro (2014)
>>> Livro - A Árvore do Ioga - A eterna sabedoria do ioga aplicada à vida diária de B. K. S. Iyengar pela Globo (2001)
>>> Livro - Matemática Financeira (com + de 600 Exercícios Resolvidos e Propostos) de Washington Franco Mathias e José Maria Gomes pela Atlas (2009)
>>> Corinthians. É Preto no Branco de Washington Olivetto (Autor), Nirl Beirão (Autor) pela Ediouro (2023)
>>> Tininho o Folgado 411 de Pedro Bloch pela Companhia Nacional (1984)
>>> O homem magro de Dashiell Hammett pela Companhia das Letras (2002)
>>> Livro - Os Homossexuais e a Aids - Sociologia de uma Epidemia de Michael Pollak pela Estação Liberdade (1990)
>>> A Nudez do Grão Duque 411 de Luiz Gonzaga pela Companhia Nacional (1984)
>>> Os detetives do Prédio Azul: Primeiros casos de Flávia Lins E Silva pela Pequena Zahar (2020)
>>> Jornada de Esperança de Brian Aldiss pela Abril (1982)
>>> O Homem sem Nome 411 de Ibiapaba Martins pela Companhia Nacional (1984)
>>> Livro - Parem de Matar-me - o Planeta Em Perigo de Ernest E. Snyder pela Nacional (1978)
>>> Livro - Nós, Mulheres - Volume 9 de Silva Bruno Securato pela Oficina do Livro (2010)
>>> Obrigado Doutor 411 de Mário Donato pela Companhia Nacional (1984)
>>> Livro - Que Loucura! de Woody Allen pela L&pm Editores (2023)
>>> Teatro da Juventude 2 411 de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (1984)
>>> Recomeços de Danielle Steel (Autor), Aulyde Soares Rodrigues (Tradutor) pela Record (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2001
O Tigrão vai te ensinar
Rafael Lima
+ de 60500 Acessos

Os primeiros sinais começaram há algum tempo: todo final de semana monzas com insulfilm no vidro passavam, os alto-falantes pulsando no caminho da praia. Fernanda Abreu e Paula Toller citaram no Rock in Rio. Capa na Veja Rio. No final de semana de 18/02, sem saudar a platéia nem pedir passagem, o Funk Carioca tomou de assalto a avenida, sendo atração principal de todos os programas de sábado e domingo na televisão, além da matéria principal do Caderno B no JB. O carnaval, a uma semana de começar, via-se ameaçado de invasão pelo bonde do tigrão.

O ritmo que vem sendo chamado de "funk carioca" se compõe principalmente de músicas nascidas nos subúrbios da Avenida Brasil, desde a década de 80, cuja batida está mais para o chamado Miami Bass do que para a sonzeira que George Clinton, James Brown e aquele artista outrora chamado Prince faziam. Não é de hoje que se ouve esse som por aí, ainda que sempre pelos meios não oficiais de divulgação: um radinho de pilha na feira, o auto-falante de um carro na rua, num baile no morro. Sempre criado sem técnica musical, sem instrumentos convencionais, e com refrões de fácil assimilação e grande impacto, próprios para incendiar os bailes, principais pontos de audição dos funks.

Não é difícil encontrar motivos para a tardia assimilação dos funkeiros pela mídia. Não haveriam ídolos que centralizassem a atenção, dada a miríade de gravações baratas - os grandes nomes eram o DJ Malboro, e a dupla capitã do Furacão 2000, Rômulo Costa e a mãe loira Verônica, na verdade produtores e empresários. E, como diz aquele refrão: "É música de preto, música de favelado, mas quando toca ninguém fica parado", não havia a formatação necessária para se adequar à estética da classe média, a mesma que separa a Rede Globo de Sívio Santos e Ratinho.

A grande força dessa onda veio da soma da aceitação popular com a legitimação emprestada pelo setor da classe média intelectual, em comportamento amplamente criticável, quando se observa a tristeza cultural que reveste as composições. A aceitação do funk como um produto cultural relevante é filha do ressentimento das nossas eternas viúvas de 68, intelectuais de esquerda que ainda não descobriram que os CPCs da UNE acabaram e se vêem no direito de endossar qualquer movimento cultural popular apenas porque... é popular, por sua origem e eco na classe proletária, o que só evidencia aquilo que o Daniel Piza chama de "a doença infantil do pop-ulismo", a ilusão de que uma obra de arte tem mais valor apenas porque consegue atingir um público maior.

Enquanto expressão artística, o funk carioca pode ser atacado tanto quanto qualquer outra manifestação popular que peque pela falta de uma lapidação que a torne mais palatável para os ouvidos da classe média. Seu grande mérito estaria na capacidade de recriar a linguagem, essa imensa capacidade carioca de inventar - e exportar para todo o país - gírias, de emprestar novos sentidos, de reformar palavras e reinventar a sintaxe, ainda que se registre um empobrecimento claro na perda das conjugações verbais e na concordância nominal. Às vezes essa pobreza linguística atinge o nível do absurdo, como naquela estrofe em que a palavra "demais" é rimada, dois versos depois, com a palavra... "demais"! Mas a força comunicativa fica óbvia quando se vê a torcida do Flamengo, no Maracanã, que hoje é a grande academia onde se recicla a língua (mais do que a feira, a televisão, o jornalismo ou a própria Academia, ocupantes dessa posição em outros tempos), utilizando refrões do funk em seus gritos de guerra: "Tá dominado! Tá tudo dominado!", "Ah, eu tô maluco!".

O ponto aqui não é negar esse mérito comunicativo dos funkeiros ou tentar desmontá-los pelo falta de sofisticação de suas músicas. O alerta a ser feito é o erro que há em enxergar neles o resultado da evolução natural, que vem, por exemplo, de Edu Lobo: se há 30 anos os responsáveis pela introdução das questões sociais na música eram os filhos da classe média (Chico Buarque, Vandré), hoje, os verdadeiros representantes de uma "arte engajada" vêem do que as estatísticas do IBGE chamam de classe C, D e E; são os MCs, e nunca deve ser minorado o fato de que a música é também uma das minguadas tentativas de ascensão social a que os jovens daquelas classes tem acesso.

Se o que atraía elogios no jovem Chico Buarque era uma sensibilidade que o permitia se colocar na pele de pedreiros, prostitutas ou traidores, o que chama a atenção nos funks do Rio de Janeiro é essa qualidade quase documental de registrar as idiossincrasias de um cotidiano sem esperança, banhado numa ótica marginal repleta de humor, lascívia, opressão e ilegalidade. Uma manifestação popular fortíssima, mas que nem de perto tem a universalidade e a riqueza de outras representações igualmente populares, tais como a Banda de Pífanos de Caruaru ou as crônicas musicais de Noel Rosa.

Provavelmente a maior prova de força desta manifestação tenha sido, em pleno carnaval, conseguir romper a cadeia hereditária do axé, que, vitaminado pelo jabá das gravadoras, todo ano - há 8 consecutivos - inventava uma novidade (a última, As Meninas, nem se ouviu nesse ano). Quando se considera que os funks são feitos por gente com baixa ou nenhuma escolaridade ou informação musical, gravados em estúdios de fundo de quintal, reproduzidos em cópias de baixa qualidade que são vendidas em barracas de camelô, a invasão se torna ainda mais digna de interesse. É claro que agora o interesse é da Sony que a vendagem seja expressiva, mas talvez agora seja mais fácil ver que o poder das majors não é tão totalizante assim como se dizia.

Em tempo: tchuthuca é uma mulher bonita; tigrão é o masculino de tchutchuca; popozuda é a mulher gostosa; demorou (ou formou) tem o mesmo sentido que valeu!, fechado!; bonde é uma turma; agora essas eu duvido que qualquer um acertaria: martelo é o orgão genital masculino, mandar pressão é o praticar o ato sexual e passar cerol na mão é lubrificar o pênis com saliva. Aparar pela rabiola até agora ainda não descobri.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 12/3/2001

Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Northstar 2 Reading & Writing 4th Edition
Natasha Haugnes, Beth Maher
Pearson
(2015)



Organizações Modernas
Amitai Etzioni
Pioneira
(1967)



A Gloriosa Oportunidade da Igreja
Jerry R. Odell
Graça
(2001)



Songs of Innocence and of Experience
William Blake e Richard Wilmott
Oxford University Press
(1990)



Sexo na Cabeça
Luis Fernando Veríssimo
Objetiva
(2002)



Uma Solução Ao Por-Do-Sol (ótimo estado)
Carol Orsborn
Cultrix
(1995)



Os Sentimentos. Amor, Alegria, Tristeza, Medo ...
Malgorzata Strzalkowska
Salvat
(2011)



Livro - Guia De Escrita - Como Conceber Um Texto Com Clareza Precisão E Elegância
Steven Pinker
Contexto
(2018)



Aprendendo A Conviver Com Quem Se Ama - Coleção Auto-Estima
Neale Donald Walsch
Sextante
(2006)



Fogo frio
Dean R. Koontz
Círculo do livro
(1991)





busca | avançada
49039 visitas/dia
1,2 milhão/mês