O Tigrão vai te ensinar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
>>> A campanha on-line de Obama
>>> Entrevista de Emprego
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Mais Recentes
>>> Conversas Com os Mestres da Sustentabilidade de Laura Mazur; Louella Miles pela Gente (2010)
>>> Uma História dos Povos árabes de Albert Hourani pela Companhia das Letras (1995)
>>> Le Chlorure de Magnésium Malin de Alix Lefief-delcourt pela Leduc. S (2010)
>>> Rei Lear de William Shakespeare pela Lacerda (1998)
>>> Economia Brasileira: uma Introdução Crítica de Luiz C. Bresser Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> Bartleby e Companhia de Enrique Vila Matas pela Cosac & Naify (2004)
>>> Introducion a las Religiones de Australia de Mircea Eliade pela Amorrortu (1975)
>>> De Três Em Pipa de Louis Ferdinand Céline pela Assírio e Alvim (1985)
>>> Fotografia de Família Volume 6 de Editora Europa pela Europa (2017)
>>> The Big Picture B1 Pre-Intermediate - Workbook de Vários pela Richmond (2011)
>>> Great Explorers - Children de Varios Autores pela Nao Especificado (2022)
>>> Great Explorers - Children de Varios Autores pela Nao Especificado (2022)
>>> O Vendedor de Armas de Hugh Laurie pela Planeta do Brasil (2010)
>>> Dependencia e Desenvolvimento na America Latina de Fernando Henrique Cardoso; Enri Faletto pela Zahar Editores (1981)
>>> A Mulher Sexualmente Feliz de Juan Carlos Kusnetzoff pela Nova Fronteira (1988)
>>> The Curious Incident of the WMD in Iraq de Rohan Candappa pela Profile (2004)
>>> Sem Receita Ensaios e Canções de José Miguel Wisnik pela Publifolha (2004)
>>> Os Anões de Veronica Stigger pela Cosac Naif (2010)
>>> Castro de António Ferreira pela Clube de Literatura (2022)
>>> No Great Mischief de Alistair MacLeod pela M & S (2001)
>>> The Green House de Mario Vargas Llosa pela Faber and Faber (1995)
>>> River Angel de A. Manette Ansay pela Bard (1999)
>>> Of Mice and Men de John Steinbeck pela Penguin (1993)
>>> Deutschland Ein Wintermärchen de Heinrich Heine pela Fischer (1999)
>>> DeNiro`s Game de Rawi Hage pela Anansi (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2001
O Tigrão vai te ensinar
Rafael Lima

+ de 59900 Acessos

Os primeiros sinais começaram há algum tempo: todo final de semana monzas com insulfilm no vidro passavam, os alto-falantes pulsando no caminho da praia. Fernanda Abreu e Paula Toller citaram no Rock in Rio. Capa na Veja Rio. No final de semana de 18/02, sem saudar a platéia nem pedir passagem, o Funk Carioca tomou de assalto a avenida, sendo atração principal de todos os programas de sábado e domingo na televisão, além da matéria principal do Caderno B no JB. O carnaval, a uma semana de começar, via-se ameaçado de invasão pelo bonde do tigrão.

O ritmo que vem sendo chamado de "funk carioca" se compõe principalmente de músicas nascidas nos subúrbios da Avenida Brasil, desde a década de 80, cuja batida está mais para o chamado Miami Bass do que para a sonzeira que George Clinton, James Brown e aquele artista outrora chamado Prince faziam. Não é de hoje que se ouve esse som por aí, ainda que sempre pelos meios não oficiais de divulgação: um radinho de pilha na feira, o auto-falante de um carro na rua, num baile no morro. Sempre criado sem técnica musical, sem instrumentos convencionais, e com refrões de fácil assimilação e grande impacto, próprios para incendiar os bailes, principais pontos de audição dos funks.

Não é difícil encontrar motivos para a tardia assimilação dos funkeiros pela mídia. Não haveriam ídolos que centralizassem a atenção, dada a miríade de gravações baratas - os grandes nomes eram o DJ Malboro, e a dupla capitã do Furacão 2000, Rômulo Costa e a mãe loira Verônica, na verdade produtores e empresários. E, como diz aquele refrão: "É música de preto, música de favelado, mas quando toca ninguém fica parado", não havia a formatação necessária para se adequar à estética da classe média, a mesma que separa a Rede Globo de Sívio Santos e Ratinho.

A grande força dessa onda veio da soma da aceitação popular com a legitimação emprestada pelo setor da classe média intelectual, em comportamento amplamente criticável, quando se observa a tristeza cultural que reveste as composições. A aceitação do funk como um produto cultural relevante é filha do ressentimento das nossas eternas viúvas de 68, intelectuais de esquerda que ainda não descobriram que os CPCs da UNE acabaram e se vêem no direito de endossar qualquer movimento cultural popular apenas porque... é popular, por sua origem e eco na classe proletária, o que só evidencia aquilo que o Daniel Piza chama de "a doença infantil do pop-ulismo", a ilusão de que uma obra de arte tem mais valor apenas porque consegue atingir um público maior.

Enquanto expressão artística, o funk carioca pode ser atacado tanto quanto qualquer outra manifestação popular que peque pela falta de uma lapidação que a torne mais palatável para os ouvidos da classe média. Seu grande mérito estaria na capacidade de recriar a linguagem, essa imensa capacidade carioca de inventar - e exportar para todo o país - gírias, de emprestar novos sentidos, de reformar palavras e reinventar a sintaxe, ainda que se registre um empobrecimento claro na perda das conjugações verbais e na concordância nominal. Às vezes essa pobreza linguística atinge o nível do absurdo, como naquela estrofe em que a palavra "demais" é rimada, dois versos depois, com a palavra... "demais"! Mas a força comunicativa fica óbvia quando se vê a torcida do Flamengo, no Maracanã, que hoje é a grande academia onde se recicla a língua (mais do que a feira, a televisão, o jornalismo ou a própria Academia, ocupantes dessa posição em outros tempos), utilizando refrões do funk em seus gritos de guerra: "Tá dominado! Tá tudo dominado!", "Ah, eu tô maluco!".

O ponto aqui não é negar esse mérito comunicativo dos funkeiros ou tentar desmontá-los pelo falta de sofisticação de suas músicas. O alerta a ser feito é o erro que há em enxergar neles o resultado da evolução natural, que vem, por exemplo, de Edu Lobo: se há 30 anos os responsáveis pela introdução das questões sociais na música eram os filhos da classe média (Chico Buarque, Vandré), hoje, os verdadeiros representantes de uma "arte engajada" vêem do que as estatísticas do IBGE chamam de classe C, D e E; são os MCs, e nunca deve ser minorado o fato de que a música é também uma das minguadas tentativas de ascensão social a que os jovens daquelas classes tem acesso.

Se o que atraía elogios no jovem Chico Buarque era uma sensibilidade que o permitia se colocar na pele de pedreiros, prostitutas ou traidores, o que chama a atenção nos funks do Rio de Janeiro é essa qualidade quase documental de registrar as idiossincrasias de um cotidiano sem esperança, banhado numa ótica marginal repleta de humor, lascívia, opressão e ilegalidade. Uma manifestação popular fortíssima, mas que nem de perto tem a universalidade e a riqueza de outras representações igualmente populares, tais como a Banda de Pífanos de Caruaru ou as crônicas musicais de Noel Rosa.

Provavelmente a maior prova de força desta manifestação tenha sido, em pleno carnaval, conseguir romper a cadeia hereditária do axé, que, vitaminado pelo jabá das gravadoras, todo ano - há 8 consecutivos - inventava uma novidade (a última, As Meninas, nem se ouviu nesse ano). Quando se considera que os funks são feitos por gente com baixa ou nenhuma escolaridade ou informação musical, gravados em estúdios de fundo de quintal, reproduzidos em cópias de baixa qualidade que são vendidas em barracas de camelô, a invasão se torna ainda mais digna de interesse. É claro que agora o interesse é da Sony que a vendagem seja expressiva, mas talvez agora seja mais fácil ver que o poder das majors não é tão totalizante assim como se dizia.

Em tempo: tchuthuca é uma mulher bonita; tigrão é o masculino de tchutchuca; popozuda é a mulher gostosa; demorou (ou formou) tem o mesmo sentido que valeu!, fechado!; bonde é uma turma; agora essas eu duvido que qualquer um acertaria: martelo é o orgão genital masculino, mandar pressão é o praticar o ato sexual e passar cerol na mão é lubrificar o pênis com saliva. Aparar pela rabiola até agora ainda não descobri.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 12/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Nos penhascos de mármore, de Ernst Jünger de Ricardo de Mattos
03. Curriculum vitae de Bruno Garschagen


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autocad 2002 - Utilizando Totalmente 2ª Edição
Roquemar Baldam
Erica
(2002)



Verme
Carina Luft
Dublinense
(2014)



Brincadeira de Saci
Flávia Muniz
Abril Jovem



Mito Em Chamas - a Lenda do Justiceiro Mao Branca
Jose Louzeiro
Moderna
(1997)



Mickey Nº 826
Walt Disney
Abril
(2011)



Lord Jim
Joseph Conrad
Victor Civita
(1982)



Processo de Execução e Cautelar Volume 12
Marcus Vinicius Rios Gonçalves
Saraiva
(1999)



Triste Fim de Policarpo Quaresma - Serie Bom Livro ( 1987)
Lima Barreto
Ática
(1987)



Amor Adolescente
Elias Jose; Denise Rochael
Atual Didáticos
(1999)



O Gerente Minuto
Kenneth Blanchard; Spencer Johnson
Record
(1993)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês