O Tigrão vai te ensinar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Barsa versus o Google
>>> Sobre a mulher que se faz de vítima
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
Mais Recentes
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2001
O Tigrão vai te ensinar
Rafael Lima
+ de 61200 Acessos

Os primeiros sinais começaram há algum tempo: todo final de semana monzas com insulfilm no vidro passavam, os alto-falantes pulsando no caminho da praia. Fernanda Abreu e Paula Toller citaram no Rock in Rio. Capa na Veja Rio. No final de semana de 18/02, sem saudar a platéia nem pedir passagem, o Funk Carioca tomou de assalto a avenida, sendo atração principal de todos os programas de sábado e domingo na televisão, além da matéria principal do Caderno B no JB. O carnaval, a uma semana de começar, via-se ameaçado de invasão pelo bonde do tigrão.

O ritmo que vem sendo chamado de "funk carioca" se compõe principalmente de músicas nascidas nos subúrbios da Avenida Brasil, desde a década de 80, cuja batida está mais para o chamado Miami Bass do que para a sonzeira que George Clinton, James Brown e aquele artista outrora chamado Prince faziam. Não é de hoje que se ouve esse som por aí, ainda que sempre pelos meios não oficiais de divulgação: um radinho de pilha na feira, o auto-falante de um carro na rua, num baile no morro. Sempre criado sem técnica musical, sem instrumentos convencionais, e com refrões de fácil assimilação e grande impacto, próprios para incendiar os bailes, principais pontos de audição dos funks.

Não é difícil encontrar motivos para a tardia assimilação dos funkeiros pela mídia. Não haveriam ídolos que centralizassem a atenção, dada a miríade de gravações baratas - os grandes nomes eram o DJ Malboro, e a dupla capitã do Furacão 2000, Rômulo Costa e a mãe loira Verônica, na verdade produtores e empresários. E, como diz aquele refrão: "É música de preto, música de favelado, mas quando toca ninguém fica parado", não havia a formatação necessária para se adequar à estética da classe média, a mesma que separa a Rede Globo de Sívio Santos e Ratinho.

A grande força dessa onda veio da soma da aceitação popular com a legitimação emprestada pelo setor da classe média intelectual, em comportamento amplamente criticável, quando se observa a tristeza cultural que reveste as composições. A aceitação do funk como um produto cultural relevante é filha do ressentimento das nossas eternas viúvas de 68, intelectuais de esquerda que ainda não descobriram que os CPCs da UNE acabaram e se vêem no direito de endossar qualquer movimento cultural popular apenas porque... é popular, por sua origem e eco na classe proletária, o que só evidencia aquilo que o Daniel Piza chama de "a doença infantil do pop-ulismo", a ilusão de que uma obra de arte tem mais valor apenas porque consegue atingir um público maior.

Enquanto expressão artística, o funk carioca pode ser atacado tanto quanto qualquer outra manifestação popular que peque pela falta de uma lapidação que a torne mais palatável para os ouvidos da classe média. Seu grande mérito estaria na capacidade de recriar a linguagem, essa imensa capacidade carioca de inventar - e exportar para todo o país - gírias, de emprestar novos sentidos, de reformar palavras e reinventar a sintaxe, ainda que se registre um empobrecimento claro na perda das conjugações verbais e na concordância nominal. Às vezes essa pobreza linguística atinge o nível do absurdo, como naquela estrofe em que a palavra "demais" é rimada, dois versos depois, com a palavra... "demais"! Mas a força comunicativa fica óbvia quando se vê a torcida do Flamengo, no Maracanã, que hoje é a grande academia onde se recicla a língua (mais do que a feira, a televisão, o jornalismo ou a própria Academia, ocupantes dessa posição em outros tempos), utilizando refrões do funk em seus gritos de guerra: "Tá dominado! Tá tudo dominado!", "Ah, eu tô maluco!".

O ponto aqui não é negar esse mérito comunicativo dos funkeiros ou tentar desmontá-los pelo falta de sofisticação de suas músicas. O alerta a ser feito é o erro que há em enxergar neles o resultado da evolução natural, que vem, por exemplo, de Edu Lobo: se há 30 anos os responsáveis pela introdução das questões sociais na música eram os filhos da classe média (Chico Buarque, Vandré), hoje, os verdadeiros representantes de uma "arte engajada" vêem do que as estatísticas do IBGE chamam de classe C, D e E; são os MCs, e nunca deve ser minorado o fato de que a música é também uma das minguadas tentativas de ascensão social a que os jovens daquelas classes tem acesso.

Se o que atraía elogios no jovem Chico Buarque era uma sensibilidade que o permitia se colocar na pele de pedreiros, prostitutas ou traidores, o que chama a atenção nos funks do Rio de Janeiro é essa qualidade quase documental de registrar as idiossincrasias de um cotidiano sem esperança, banhado numa ótica marginal repleta de humor, lascívia, opressão e ilegalidade. Uma manifestação popular fortíssima, mas que nem de perto tem a universalidade e a riqueza de outras representações igualmente populares, tais como a Banda de Pífanos de Caruaru ou as crônicas musicais de Noel Rosa.

Provavelmente a maior prova de força desta manifestação tenha sido, em pleno carnaval, conseguir romper a cadeia hereditária do axé, que, vitaminado pelo jabá das gravadoras, todo ano - há 8 consecutivos - inventava uma novidade (a última, As Meninas, nem se ouviu nesse ano). Quando se considera que os funks são feitos por gente com baixa ou nenhuma escolaridade ou informação musical, gravados em estúdios de fundo de quintal, reproduzidos em cópias de baixa qualidade que são vendidas em barracas de camelô, a invasão se torna ainda mais digna de interesse. É claro que agora o interesse é da Sony que a vendagem seja expressiva, mas talvez agora seja mais fácil ver que o poder das majors não é tão totalizante assim como se dizia.

Em tempo: tchuthuca é uma mulher bonita; tigrão é o masculino de tchutchuca; popozuda é a mulher gostosa; demorou (ou formou) tem o mesmo sentido que valeu!, fechado!; bonde é uma turma; agora essas eu duvido que qualquer um acertaria: martelo é o orgão genital masculino, mandar pressão é o praticar o ato sexual e passar cerol na mão é lubrificar o pênis com saliva. Aparar pela rabiola até agora ainda não descobri.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 12/3/2001

Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Física. Contexto & Aplicações - Volume 1
Varios Autores
Scipione
(2011)



O Presente do Meu Grande Amor - Doze Histórias de Natal
Stephanie Perkins
Intrínseca
(2014)



A Reforma Trabalhista na Visão da Ajd Análise Crítica
Laura Rodrigues Benda
Casa do Direito
(2018)



A Grande Pirâmide
Tom Valentine
Nova Fronteira
(1976)



Livro Infanto Juvenis Sai pra Lá!
Ana Terra
Larousse do Brasil
(2008)



Mireille - Capa Dura - Raro
Frédéric Mistral / G. Nick Ilustrador
Librairie Delagrave
(1932)



Irmãos Unidos
Francisco Cândido Xavier / Vários Espíritos
Geem
(1988)



À Noite
Helga Bansch
Fisicalbook
(2017)



Private - Suspeito nº 1
James Patterson
Arqueiro
(2013)



Livro Literatura Brasileira Em Câmara Lenta
Renato Tapajós
Carambaia
(2022)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês