Michael Moore e o grande mentecapto | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Segunda-feira, 16/8/2004
Michael Moore e o grande mentecapto
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4300 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Tem-se um impasse ao ver Fahrenheit 11 de Setembro: acreditamos em Michael Moore, um documentarista oriundo da pequena Flint, Michigan, e chegado numa polêmica ou em George W. Bush, oriundo do Texas e atual presidente dos Estados Unidos da América? Desde já, respondo: fico com o primeiro.

Mentiroso, tendencioso, manipulativo. Adjetivos dirigidos ao filme, até certo ponto com alguma razão. Moore é exagerado, manipula imagens e sons para fazer crer sua tese de que o presidente Bush venceu fraudando uma eleição e que é um tremendo idiota a conduzir a maior nação do mundo. Mas, pelo que se viu e ainda se vê, ele tem razão.

Após Tiros em Columbine, que levou o Oscar de melhor documentário no ano passado e rendeu a Michael Moore um tremendo discurso anti-bush para milhões de espectadores, esse gordinho simpático - o protótipo do looser e nerd, que os americanos adoram definir, rotulando aqueles que não se encaixam entre os medíocres - o diretor resolveu pegar pesado em sua empreitada contra Bush e seus capangas ultraconservadores. Se neste ele usava o massacre na escola de Columbine (dois garotos entraram na escola com armas e metralharam alunos e professores) para denunciar a criação de um estado permanente de pânico e medo por parte da mídia e governo, o que justificaria a excessiva taxa de portes de armas dos civis americanos e o imenso lucro da indústria bélica, em Fahrenheit 11 de Setembro Moore denuncia explicitamente o presidente Bush e suas relações promíscuas com empresas petrolíferas e a família Bin Laden, além de sua incapacidade intelectual de governar um país. Seu ponto é claro: Bush causou a catástrofe de 11 de setembro, mentiu quando da invasão do Iraque e é incapaz de defender o povo americano.

O maior mérito de Moore num país como os Estados Unidos, pregadores da liberdade e da democracia pelo viés da violência e dominação, é exatamente romper com a autocensura e com o ufanismo cego e irracional que tomou conta de todos. Fahrenheit prova que os Estados Unidos é um país de idiotas governado por um idiota-mor que tem todo o aparato da mídia (e do Congresso e da população amedrontada) para fazer de todos full-time idiotas. Moore é o cavaleiro errante solitário que corre rumo ao inimigo. Sabe que sua vitória seria a de todo o país, mas faz de sua busca um tanto quixotesca seu próprio meio e estilo de vida. No fundo, é como a citação de George Orwell lembrada no filme, na guerra não é possível haver vitória, apenas derrotas. Com Bush, a derrota é certa. Perdem todos, Estados Unidos e todo o mundo. Ganham Bush, sua trupe petroleira e os terroristas, que conquistam cada vez mais motivos para atacar o país.

Michael Moore é genial como um ser midiático e em Fahrenheit 11 de Setembro ele dá uma aula do que é cinema. Cinema é a arte da manipulação, tornar crível uma história através de imagens e sons. Ele sabe manipular com primor as emoções e o raciocínio de quem vê seu filme. Une diversas cenas, recorta outras, faz trucagens nelas, insere uma trilha sonora cabível com seu interesse (geralmente músicas que refletem seu ponto de vista ou uma trilha instrumental que cria a atmosfera do suspense ou da comédia) e nos entrega um material rico em informação de conteúdo e de linguagem. Um Bush absolutamente imbecil nasce de suas colagens: um ser humano desprezível, babaca ao extremo, aproveitador e irresponsável filhinho de papai que recebeu do céu a presidência da república.

A montagem é o grande lance de Fahrenheit 11 de Setembro depois de sua extensiva pesquisa. É através dela (como tudo no cinema) que o efeito de sentido é percebido no espectador, é ela que constrói o sentido que seu autor quer dar ao que fez. Não há edição imparcial, assim como não há jornalismo totalmente imparcial. Esse dogma já é logo de cara desconstruído e assumido por Michael Moore, que explicita sua aversão e condenação a George W. Bush e sua política. Essa tomada de posição, fácil em se tratando de Bush (podem ver que aqui, neste texto, eu também tomo desde o início uma posição contrária a Bush), pode gerar dois sentimentos: maior aproximação do espectador e conseqüente simpatia por sua postura, ou sua execração pela distância ideológica. E, dentro disso, deve-se ter dois cuidados: no primeiro caso, não crer em tudo que se é dito e confirmado para não cair no mero assentimento acrítico, no segundo para não fechar os olhos - por questões de orgulho, antipatia pessoal (sim, Michael Moore tem milhares de detratores), de partido ou patriotismo idiota - para uma realidade que se torna nociva a todo o mundo e beira o autoritarismo fascista.

Há cenas excepcionais em Fahrenheit 11 de Setembro - umas esclarecedoras, outras ingênuas e manipulativas ao extremo. Vemos diversas vezes Bush fazer comentários diante das câmeras, sempre com uma piadinha infame para fazer rir jornalistas e convidados de plantão; pela repetição, Moore coloca Bush como um grande mentiroso (as razões pra invasão ao território de Saddam Hussein - iminente ameaça e posse de armas de destruição em massa - não existem) ao invadir o Iraque, mas erra ao contextualizar o Iraque como uma nação em paz e inofensiva (a união de uma narração em off sobre um Estado perigoso, repleto de armas e às vésperas de atacar os EUA contrastam com imagens de civis iraquianos brincando, soltando pipa e festejando um casamento); as ligações da família Bush e o vice-presidente com o petróleo e os árabes parecem incontestáveis, e é sensacional a montagem da invasão do Iraque com Bush e sua turma caracterizados num filme de faroeste. Mas duvidosas são as informações de que Bush passou quase metade de seus primeiros meses de mandato de férias...

Muitos se perguntam como um filme desses venceu o Festival de Cannes e usam tal premiação para atacar o próprio festival (tornou-se anti-americano, uma richa França versus EUA, dizem). A resposta é simples: há a urgência para se detonar Bush da Casa Branca. Há tempos o cinema não era tão político como foi agora. Colocar Fahrenheit 11 de Setembro nos holofotes era o meio de se protestar contra um governo autoritário fantasiado de libertário. E a França é o espaço do cinema político em que nasceram as vanguardas dessa arte e influenciaram diversos cinemas em todo o mundo. É o cinema francês que faz frente ao hollywoodiano, ícone do imperialismo americano.

Afinal, o que pensar após assistir a Fahrenheit 11 de Setembro? É Bush tudo aquilo que Michael Moore diz? É George W. Bush o grande mentecapto pintado pelo filme? Não sei quanto a vocês, mas, antes e depois de ver Fahrenheit, tenho a nítida impressão de que Moore mente menos que Bush... Muito menos...


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 16/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
05. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2004
14h08min
Bem, que o filme é exagerado e até certo ponto manipulador é fato inconteste. Porém acredito que cumprindo o papel de resistência o filme se faz claro, pois o exagero e os grandes acentos são necessários para dizer o elementar. É um grito que não se ecoa em vão.
[Leia outros Comentários de Martinho Junior]
1/9/2004
17h33min
Vc leu o Stupid White Men? O livro conta com detalhes a manipulação das eleições nos EUA e dá mtas outras informações. No final tem a lista de reportagens (que é imensa) onde o Moore se baseou p/ criar sua teoria. Ele não podia colocar tudo isso no filme, mas era necessário atingir as pessoas que não leram o livro e fazê-las acreditar no q ele disse.
[Leia outros Comentários de Karen Rodrigues]
3/9/2004
03h24min
A frase "detonar Bush da Casa Branca" é por demais bondosa. Preferiria "detonar Bush e sua quadrilha", literalmente. Moore praticou uma indiscutível boa ação, merecendo assim ser absolvido por qualquer eventual exagero. O que está em jogo é "apenas" o triunfo do fascismo ou, se preferirem dramatizar, a sobrevivência da civilização.
[Leia outros Comentários de Walter Del Picchia]
6/9/2004
14h09min
Moore não se deu conta de que o seu porcumentário só fez bem ao Bush: exatamente 11 pontos acima de Kerry. O hipopótamo de estimação dos democratas parece um elefante - onde pisa f*** tudo... O nosso stupid fat man acha que ganhar em Cannes é prova de inteligência.
[Leia outros Comentários de LuísAfonsoAssumpção]
13/9/2004
13h19min
Moore se superou neste documentário. Fico feliz por existir pessoas como Moore, que diante de toda essa conturbação não se cala e abaixa a cabeça, ele mostra toda sua indignção, e por um acaso o faz bem!
[Leia outros Comentários de Lorena]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GÊMEOS DA PESADA
MICHAEL KELLER
COMPANHIA NACIONAL
(2015)
R$ 10,00



HISTÓRIA MODERNA 1
ANDRÉ CORVISIER
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 39,90
+ frete grátis



UM PREÇO PELA VIDA AVENTURA AMAZÔNICA
ASSIS BRASIL
SALAMANDRA
(1990)
R$ 4,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
SARAIVA
(2008)
R$ 13,00



A ELOQUÊNCIA DOS SÍMBOLOS
EDGAR WIND
EDUSP
(1998)
R$ 45,00



O CÍRCULO DOS MAGOS
PHILIP PULLMAN / E. NESBIT / CHARLES DICKENS
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 11,00



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
ED. SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



A TÉCNICA DO DIREITO VOL 1 - TEORIA GERAL DAS AÇÕES
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 6,80



O PIANISTA DE HITLER
PETER CONRADI
JOSÉ OLYMPIO
(2017)
R$ 20,00



OS GRANDES SANTOS
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês