Michael Moore e o grande mentecapto | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 16/8/2004
Michael Moore e o grande mentecapto
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Tem-se um impasse ao ver Fahrenheit 11 de Setembro: acreditamos em Michael Moore, um documentarista oriundo da pequena Flint, Michigan, e chegado numa polêmica ou em George W. Bush, oriundo do Texas e atual presidente dos Estados Unidos da América? Desde já, respondo: fico com o primeiro.

Mentiroso, tendencioso, manipulativo. Adjetivos dirigidos ao filme, até certo ponto com alguma razão. Moore é exagerado, manipula imagens e sons para fazer crer sua tese de que o presidente Bush venceu fraudando uma eleição e que é um tremendo idiota a conduzir a maior nação do mundo. Mas, pelo que se viu e ainda se vê, ele tem razão.

Após Tiros em Columbine, que levou o Oscar de melhor documentário no ano passado e rendeu a Michael Moore um tremendo discurso anti-bush para milhões de espectadores, esse gordinho simpático - o protótipo do looser e nerd, que os americanos adoram definir, rotulando aqueles que não se encaixam entre os medíocres - o diretor resolveu pegar pesado em sua empreitada contra Bush e seus capangas ultraconservadores. Se neste ele usava o massacre na escola de Columbine (dois garotos entraram na escola com armas e metralharam alunos e professores) para denunciar a criação de um estado permanente de pânico e medo por parte da mídia e governo, o que justificaria a excessiva taxa de portes de armas dos civis americanos e o imenso lucro da indústria bélica, em Fahrenheit 11 de Setembro Moore denuncia explicitamente o presidente Bush e suas relações promíscuas com empresas petrolíferas e a família Bin Laden, além de sua incapacidade intelectual de governar um país. Seu ponto é claro: Bush causou a catástrofe de 11 de setembro, mentiu quando da invasão do Iraque e é incapaz de defender o povo americano.

O maior mérito de Moore num país como os Estados Unidos, pregadores da liberdade e da democracia pelo viés da violência e dominação, é exatamente romper com a autocensura e com o ufanismo cego e irracional que tomou conta de todos. Fahrenheit prova que os Estados Unidos é um país de idiotas governado por um idiota-mor que tem todo o aparato da mídia (e do Congresso e da população amedrontada) para fazer de todos full-time idiotas. Moore é o cavaleiro errante solitário que corre rumo ao inimigo. Sabe que sua vitória seria a de todo o país, mas faz de sua busca um tanto quixotesca seu próprio meio e estilo de vida. No fundo, é como a citação de George Orwell lembrada no filme, na guerra não é possível haver vitória, apenas derrotas. Com Bush, a derrota é certa. Perdem todos, Estados Unidos e todo o mundo. Ganham Bush, sua trupe petroleira e os terroristas, que conquistam cada vez mais motivos para atacar o país.

Michael Moore é genial como um ser midiático e em Fahrenheit 11 de Setembro ele dá uma aula do que é cinema. Cinema é a arte da manipulação, tornar crível uma história através de imagens e sons. Ele sabe manipular com primor as emoções e o raciocínio de quem vê seu filme. Une diversas cenas, recorta outras, faz trucagens nelas, insere uma trilha sonora cabível com seu interesse (geralmente músicas que refletem seu ponto de vista ou uma trilha instrumental que cria a atmosfera do suspense ou da comédia) e nos entrega um material rico em informação de conteúdo e de linguagem. Um Bush absolutamente imbecil nasce de suas colagens: um ser humano desprezível, babaca ao extremo, aproveitador e irresponsável filhinho de papai que recebeu do céu a presidência da república.

A montagem é o grande lance de Fahrenheit 11 de Setembro depois de sua extensiva pesquisa. É através dela (como tudo no cinema) que o efeito de sentido é percebido no espectador, é ela que constrói o sentido que seu autor quer dar ao que fez. Não há edição imparcial, assim como não há jornalismo totalmente imparcial. Esse dogma já é logo de cara desconstruído e assumido por Michael Moore, que explicita sua aversão e condenação a George W. Bush e sua política. Essa tomada de posição, fácil em se tratando de Bush (podem ver que aqui, neste texto, eu também tomo desde o início uma posição contrária a Bush), pode gerar dois sentimentos: maior aproximação do espectador e conseqüente simpatia por sua postura, ou sua execração pela distância ideológica. E, dentro disso, deve-se ter dois cuidados: no primeiro caso, não crer em tudo que se é dito e confirmado para não cair no mero assentimento acrítico, no segundo para não fechar os olhos - por questões de orgulho, antipatia pessoal (sim, Michael Moore tem milhares de detratores), de partido ou patriotismo idiota - para uma realidade que se torna nociva a todo o mundo e beira o autoritarismo fascista.

Há cenas excepcionais em Fahrenheit 11 de Setembro - umas esclarecedoras, outras ingênuas e manipulativas ao extremo. Vemos diversas vezes Bush fazer comentários diante das câmeras, sempre com uma piadinha infame para fazer rir jornalistas e convidados de plantão; pela repetição, Moore coloca Bush como um grande mentiroso (as razões pra invasão ao território de Saddam Hussein - iminente ameaça e posse de armas de destruição em massa - não existem) ao invadir o Iraque, mas erra ao contextualizar o Iraque como uma nação em paz e inofensiva (a união de uma narração em off sobre um Estado perigoso, repleto de armas e às vésperas de atacar os EUA contrastam com imagens de civis iraquianos brincando, soltando pipa e festejando um casamento); as ligações da família Bush e o vice-presidente com o petróleo e os árabes parecem incontestáveis, e é sensacional a montagem da invasão do Iraque com Bush e sua turma caracterizados num filme de faroeste. Mas duvidosas são as informações de que Bush passou quase metade de seus primeiros meses de mandato de férias...

Muitos se perguntam como um filme desses venceu o Festival de Cannes e usam tal premiação para atacar o próprio festival (tornou-se anti-americano, uma richa França versus EUA, dizem). A resposta é simples: há a urgência para se detonar Bush da Casa Branca. Há tempos o cinema não era tão político como foi agora. Colocar Fahrenheit 11 de Setembro nos holofotes era o meio de se protestar contra um governo autoritário fantasiado de libertário. E a França é o espaço do cinema político em que nasceram as vanguardas dessa arte e influenciaram diversos cinemas em todo o mundo. É o cinema francês que faz frente ao hollywoodiano, ícone do imperialismo americano.

Afinal, o que pensar após assistir a Fahrenheit 11 de Setembro? É Bush tudo aquilo que Michael Moore diz? É George W. Bush o grande mentecapto pintado pelo filme? Não sei quanto a vocês, mas, antes e depois de ver Fahrenheit, tenho a nítida impressão de que Moore mente menos que Bush... Muito menos...


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 16/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Furto de Ricardo de Mattos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
04. O holismo conformado de David Butter
05. American Horror Story: Asylum de Duanne Ribeiro


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2004
14h08min
Bem, que o filme é exagerado e até certo ponto manipulador é fato inconteste. Porém acredito que cumprindo o papel de resistência o filme se faz claro, pois o exagero e os grandes acentos são necessários para dizer o elementar. É um grito que não se ecoa em vão.
[Leia outros Comentários de Martinho Junior]
1/9/2004
17h33min
Vc leu o Stupid White Men? O livro conta com detalhes a manipulação das eleições nos EUA e dá mtas outras informações. No final tem a lista de reportagens (que é imensa) onde o Moore se baseou p/ criar sua teoria. Ele não podia colocar tudo isso no filme, mas era necessário atingir as pessoas que não leram o livro e fazê-las acreditar no q ele disse.
[Leia outros Comentários de Karen Rodrigues]
3/9/2004
03h24min
A frase "detonar Bush da Casa Branca" é por demais bondosa. Preferiria "detonar Bush e sua quadrilha", literalmente. Moore praticou uma indiscutível boa ação, merecendo assim ser absolvido por qualquer eventual exagero. O que está em jogo é "apenas" o triunfo do fascismo ou, se preferirem dramatizar, a sobrevivência da civilização.
[Leia outros Comentários de Walter Del Picchia]
6/9/2004
14h09min
Moore não se deu conta de que o seu porcumentário só fez bem ao Bush: exatamente 11 pontos acima de Kerry. O hipopótamo de estimação dos democratas parece um elefante - onde pisa f*** tudo... O nosso stupid fat man acha que ganhar em Cannes é prova de inteligência.
[Leia outros Comentários de LuísAfonsoAssumpção]
13/9/2004
13h19min
Moore se superou neste documentário. Fico feliz por existir pessoas como Moore, que diante de toda essa conturbação não se cala e abaixa a cabeça, ele mostra toda sua indignção, e por um acaso o faz bem!
[Leia outros Comentários de Lorena]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ADEUS À MULHER SELVAGEM
HENRI COULONGES
DIFEL
(1979)
R$ 6,90



O LIVRO DAS MARAVILHAS - RESPOSTAS A PERGUNTAS DE CRIANÇAS - 1ª ED.
BÍBLIA / JORGINHO
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL
(2002)
R$ 9,40



TUDO SOBRE DROGAS: NICOTINA
JACK E. HENNINGFIELD
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 5,00



MENSAGEIRO DE SANTA RITA - ABRIL Nº387
NÃO INFORMADO
NÃO INFORMADA
(1965)
R$ 10,00



PÂNTANO DE SANGUE
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(2014)
R$ 53,00



FUNDAMENTOS DA DIALÉTICA DA HISTÓRIA
V. PODOSSETNIK / A. SPIRKINE
ARGUMENTOS
(1966)
R$ 11,00



A MELHOR DIETA PARA VOCÊ
CAROLINE JONES
SEXTANTE
(2016)
R$ 6,90



A CLASSIFICAÇÃO DOS HUMANOS
HOMOSAPIENS ESCRITORUM E EDUARDO DURVAL
RQV
(2005)
R$ 9,80



LIMITES DO SOFRIMENTO
SILAS MALAFAIA
GOSPEL
R$ 6,00



ANGEL SANCTUARY 2
KAORI YUKI
PANINI COMICS
(2006)
R$ 12,00





busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês