Café-com-leite | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> The Secret Passage Stage 4 - A2 de Paloma Bellini pela Hub (2011)
>>> Pluralidade como corolário da liberdade sindical de Cláudio Cesar Grizi Oliva pela Ltr (2011)
>>> Pela Moldura da Janela de Lourdinha Leite Barbosa pela Topbooks (2011)
>>> Administração Financeira de A. a Groppelli e Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2010)
>>> Client/server Architecture de Alex Berson pela Mc Graw Hill (1992)
>>> Caso Em Família de Rex Stout pela Francisco Alves (1977)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Sessenta Anos Passados: Estórias de um Médico Não Especialista de Affonso Renato Meira pela Scortecci (2016)
>>> The New Direct Marketing: How to Implement a Profit-driven... de David Shepard Association pela Irwin Professional Pub (1998)
>>> A Graça da Coisa- 25ªedição de Martha Medeiros pela L&pm Editores (2013)
>>> Metapesquisa Em Comunicação - o Interacional e Seu Capital Teórico.. de Maria Ângela Mattos pela Sulina (2018)
>>> Linguagem e Persuasão - 8ªrevista e Atualizada de Adilson Citelli pela Atica (2004)
>>> O Melhor da Super de Alexandre Versignassi pela Abril (2013)
>>> Psicologia Educacional de Nelson Piletti pela Ática (2008)
>>> O que é Pesquisa em Educação? de Potiguara Ácacio pereira pela Paulus (2005)
>>> Quando a graça de Deus nos toca de PR. Marcio Valadão pela Igreja batista da alagoinha (2009)
>>> Os Grandes Mitos da Feminilidade de Iwonka Blasi pela Record Rosa dos Tempos (1996)
>>> Andanças de Oroncio Vaz de Arruda Filho pela Nobel (1987)
>>> Curso de Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Manole (2010)
>>> Novo Codigo de Processo Civil ao Alcance de Todos de Marcelo Fonseca Guerreiro; Larissa Moreira Zottis pela Ltr (2016)
>>> Comentário ao Regime Processual Experimental de Luis Filipe Brites Lameiras pela Almedina (2007)
>>> Manual de Direito Processual do Trabalho. de Acordo Com o Novo Pcp de Mauro Schiavi pela Ltr (2016)
>>> Bate-papos Educacionais na Internet de Erisana Célia pela Appris (2019)
>>> Motivación 360 de David Fischman / Lennia Matos pela Gestion 2000 (2014)
>>> O Saber e Seus Embates de Cesar Augusto Battisti; Joao Antonio pela Sulina (2016)
COLUNAS >>> Especial Politicamente Incorreto

Segunda-feira, 14/5/2001
Café-com-leite
Daniela Sandler
+ de 6100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Quando vim morar nos Estados Unidos, uma das primeiras coisas que me espantaram foi o clima de "patrulha ideológica" que permeia todos os aspectos da vida por aqui: da piada que se conta entre amigos aos temas de estudo na universidade. No Brasil essa história de politicamente correto nunca pegou, a não ser como motivo de piada (exceção feita a alguns movimentos militantes que adotaram o discurso e o jargão, no mais das vezes sem refletir sobre seu significado no contexto brasileiro).

Aqui não. Fala-se o tempo inteiro em direitos das minorias, "identity politics" (luta pela afirmação identitária de grupos, por exemplo, mulheres, homossexuais, negros, "chicanos"), reconhecimento das identidades individuais, e por aí vai. O feminismo, que começou como a justa reivindicação de direitos políticos, econômicos e sociais para as mulheres, virou receptáculo de toda sorte de rancores, no mais das vezes pessoais. Um dia eu estava dirigindo com umas amigas canadenses. Levei uma fechada de uma mulher numa via de alta velocidade e, no susto, soltei: "Só podia ser mulher"! O carro gelou, minhas amigas ficaram quietas, e eu percebi na hora que havia cometido uma gafe quase imperdoável.

Comecei a me policiar o tempo inteiro. Pelo menos, pensava, eu também vou ter meus direitos como minoria respeitados. Deve haver um lado bom no politicamente correto. Se essa atitude corresponde a uma visão libertária da sociedade, em que há abertura para a ação e os direitos de todos, o que pode haver de errado?

Bom, politicamente correto não é nada disso. Não é democrático, não é libertário, e - pior - é movido por preconceito, ignorância e rancor. Os afro-americanos, por exemplo (termo p.c. para negros) - ninguém aqui quer saber se você é racista. Você é branco, você é mau. O clima é quase hostil. Claro que há exceções, especialmente na universidade, mas de uma forma geral - e mesmo nos ambientes acadêmicos - há uma dinâmica de reconhecimento/aliança entre iguais e hostilidade aos demais. Eu fiquei espantada de ver, na universidade, grupos compostos somente por alunos negros. Também não é raro ver bandos de gente loira de olho claro. Mulato, moreno, aqui não existe...

Eu, como branca, senti o politicamente correto como a vingança dos oprimidos: não o desejo de emancipação, mas de trocar de posição com os opressores. Da mesma forma aconteceu em relação a opções sexuais. Pela primeira vez na vida, eu, heterossexual, me vi como minoria! No meu departamento, sei lá por quê, a maioria dos homens e mulheres é gay. No começo achei o máximo o fato de todo mundo se assumir sem muitos problemas, até eu perceber que eu estava sendo vítima de discriminação! O reconhecimento dos "iguais" funciona como uma senha - você é gay, você é automaticamente incluído. Você é straight (hetero), você tem de provar que, apesar disso, você é legal.

Há exceções? Claro. Quase todos os meus (bons) amigos gays são totalmente contra o politicamente correto. Os mais hostis são também aqueles que rezam pela cartilha de "política de identidade", traduzida, no caso, por disciplinas acadêmicas com o nome de "Queer Studies" e "Gender Studies".

Já estava certa de que o politicamente correto não tinha nada de correto, até o belo dia em que parei no sinal vermelho ao lado de uma reluzente BMW (eu estava dirigindo o meu Chevrolet 91). Ao volante, um jovem negro, vistoso, bonito, elegante. Essa cena não tem nada de incomum por aqui, e foi exatamente isso que me ocorreu naquela hora. Negros com carros novos, belas casas, bons empregos - isso se vê a toda hora por aqui. Na universidade em que faço pós (com bolsa integral e ajuda de custo), os alunos de graduação pagam quase 30.000 dólares por ano. Há quase tantos alunos negros quanto brancos. Quantos alunos negros havia na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, onde me formei? Eu me lembro de dois - dois estudantes de intercâmbio africanos. Dois em quase mil alunos.

Fiquei pensando: alguma coisa deve haver de correto nesse sistema em que, apesar dos preconceitos, do histórico de escravidão, das desigualdades, há possibilidade de ascensão social e material (o que, no sistema capitalista, se traduz em emancipação…) A luta pelo reconhecimento dos direitos dos negros, historicamente intensa e mobilizada por aqui, está na raiz tanto da conquista de direitos materiais quanto do politicamente correto, que apareceu depois, como uma de suas ramificações.

O politicamente correto, por aqui, não é o anti-racismo - é o racismo exacerbado, o direito de ser racista estendido às vítimas de discriminação. Os Estados Unidos são terrivelmente racistas. E não estou falando só desse racismo "de vingança". Os brancos são racistas, as pessoas não se misturam, os loiros ficam cada vez mais loiros, não há mulatos, morenos, meio-termo; não há ambigüidades, transição, indefinição. O politicamente correto é xiita, injusto, muitas vezes imbecil; mas, por outro lado, os Estados Unidos precisam disso para controlar a violência "intrínseca" da sua sociedade. Se existe o politicamente correto, é porque existe algo de incorreto a ser controlado. Às vezes, ouço comentários ou piadas que escapam ao controle e penso como isso aqui seria sem esse tipo de "patrulha". Basta ver o que é que os opositores do politicamente correto têm a dizer. A maioria desses opositores corresponde à ala mais conservadora, exclusivista, injusta e discriminatória da sociedade norte-americana. Criticam o politicamente correto não pelos direitos que ele tolhe: para eles, o problema são os direitos que ele fez possível.

Bom, se é essa a alternativa, prefiro a patrulha ideológica...

Por fim, fiquei pensando no Brasil. A gente tem um povo todo misturado, e dizer que se tem um pé na cozinha virou moeda social (vocês devem se lembrar do FHC…). Tudo bem, na FAU não havia negros, mas havia um montão de mulatos, de gente com ascendência indígena, negra, européia, quatrocentona… a gente cresce junto, tudo igual e tudo diferente ao mesmo tempo. Aqui nos EUA, os morenos são imediatamente "classificados" (como negros ou hispânicos). Há racismo no Brasil, mas não há um décimo da hostilidade aberta e onipresente daqui.

Não sei até que ponto a miscigenação no Brasil compensa a discriminação velada, pela qual os negros acabam sendo também os pobres. Não sei se a rigidez social dos EUA, a ausência de mistura e a hostilidade aberta funcionaram, dialeticamente, como motivação para as lutas de emancipação. Mas o meu lado otimista me diz que os dois países teriam muito a aprender um do outro - aprender das conquistas e também dos defeitos -, e que, nessa história de politicamente (in)correto, nada é totalmente claro e definido como, digamos, preto no branco...


Daniela Sandler
Rochester, 14/5/2001

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
02. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. Minha biblioteca de sobrevivência de Julio Daio Borges
04. E Benício criou a mulher... de Gian Danton
05. Deixa se manifestar de Vicente Escudero


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001
05. Mas isso é arte??? - 29/8/2001


Mais Especial Politicamente Incorreto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/6/2002
12h41min
OI DANIELA SANDLER, ESTOU NO 3 PERIODO DE JORNALISMO ELI SOBRE SUA MATERIA SOBRE O POLITICAMENTE CORRETO.ACONTECE QUE ACHEI O MAXIMO COMO VOCE SE COLOCOU DIANTE DE TAL ASSUNTO.GOSTARIA QUE SE POSSIVEL VOCE ME ENVIASSE MAIS SOBRE O MESMO.TENHO UM TRABALHO PRA ENTREGAR NA UNIVERSIDADE SOBRE " O QUE É O POLITICAMENTE CORRETO COMO E ONDE SURGIU,SE É UMA QUESTAO DE ETICA,ENFIM CONTO COM SUA AJUDA TA. BEIJINHOS. SYNNARA RECIFE,05/06/2002.
[Leia outros Comentários de SYNNARA RODRIGUES ]
14/6/2002
11h36min
SOi Daniela Sandler,estou no 3 período de comunicação social, lê e gostei muito da sua matéria do politicamente correto, gostaria de ficar recebendo por e-mail qualquer "assunto" na ária que estou estudando. Um abraço.Andréa Karla Recife-15/06/2002
[Leia outros Comentários de AndréaKarlaSantana ]
12/9/2006
03h11min
Ola! Estava lendo a historia do "Digestivo Cultural" e acabei na pagina do seu texto! Estou fazendo faculdade de jornalismo nos EUA ha' 7 meses e ja' tinha reparado em td o que vc disse, mas nunca tinha achado expressoes para descrever o "movimento" que aqui funciona "inconscientemente". Muito bom! Abraco
[Leia outros Comentários de Paulina Vespasiano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teoria da Norma Jurídica
Norberto Bobbio
Edipro
(2005)



Meu Romeu
Leisa Rayven
Globo Livros
(2015)



Inplantnewsperio International Journal - V-1 Nº 3 Abril-maio 2016
Vm Cultural
Vm Cultural



A Comissão de Valores Mobiliários e os Principais Instrumentos
Julio Ramalho Dubeux
Sergio Antonio Fabris
(2006)



Vivo
Anita Ganeri
Melbooks
(2007)



Dreamweaver 8
Silvana Tauhata Ynemine
Visual Books
(2006)



Dao de Jing O Livro do Tao
Laozi
Mantra
(2017)



Dc Comics Coleção de Graphic Novels - um Milhão: Parte 1
Varios Autores
Dc Comics



Total Hydronic Balancing
Robert Petitjean
Tour & Andersson AB
(2004)



Hobbes - Leviathan uma Visão Teológica
E. B. F. Midgley
Nermann
(1988)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês