A biblioteca pública mais violada do mundo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/9/2004
A biblioteca pública mais violada do mundo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O que é o paraíso para você? Há quem imagine um lugar de clima ameno cheio de freezers de cerveja. Há quem pense num campo de futebol cheio de paquitas afoitas pelas beiradas. Também já ouvi descrições que mais me lembram o inferno. Ou aquelas monótonas, em azul e branco.

A descrição de paraíso que mais me chamou a atenção foi a de certo escritor, que disse haver livros, prateleiras e bibliotecas nesse lugar de prazeres. Curioso que isso não me tenha entusiasmado muito, a ponto de querer apenas isso na vida (ou depois), mas a idéia de haver livros num lugar sem preocupações me deixou um sorriso acautelado na boca.

As bibliotecas foram inventadas para arquivar e conservar obras escritas, evitar que fossem traçadas pelo tempo, pela falta de cuidado, pelos insetos, pela química da tinta com o papel. São lugares meio sagrados, onde circulavam, em princípio, apenas as pessoas que tinham algum dinheiro e eram consideradas leitores autorizados de certas obras admiradas ou proibidas.

Quando os livros eram manuscritos (copiados a mão por escribas nem sempre leitores), pequeníssima parcela da população podia ter acesso a eles. Eram considerados parte da riqueza e até do espólio de alguém. Depois da imprensa de Gutenberg, apesar da disseminação das obras e da relativa facilidade de replicá-las, os livros continuaram artefatos de acesso restrito.

Também outra tecnologia era restritíssima ao grande público: a leitura. Ler não era ensinado massivamente, as pessoas nem sempre iam às escolas (nem preciso iniciar meu discurso sobre as mulheres...) e não se lia em praça pública. Daí que os primeiros gabinetes de leitura fossem particulares, acessíveis apenas a um grupelho de cavalheiros discutidores de temas profundos.

Até que as bibliotecas se tornassem públicas e as obras pudessem ser emprestadas gratuitamente, passou-se muita história. Até que as pessoas fossem massivamente alfabetizadas, passou-se mais história. E mesmo com tanta água correndo embaixo dessa ponte, as bibliotecas continuam sendo o local de diversão preferido de oito entre dez traças.

Por que será que as bibliotecas públicas ainda chamam mais atenção pela arquitetura do que pelo que contêm? Aqui em Belo Horizonte, temos uma belíssima biblioteca projetada por Niemeyer. E parece que é esta última característica que faz dela algo admirável, mais do que o fato de conter ela inúmeras obras, muitas vezes antigas e raras.

E dentro das bibliotecas, em vez de se estipular apenas o silêncio sisudo e respeitoso da praxe impensada, por que não armar circos de declamação de contos e poesias? Talvez fosse um bom lugar para se empreender a leitura de textos silenciados pelas capas fechadas. Também antes de serem sepulcros de páginas, os gabinetes de leitura eram escritórios onde se lia em voz alta. Os contos orais foram registrados pelo papel, mas também podiam fazer o percurso inverso. Das páginas claras podiam ganhar vozes e inflexões. Ganhar nova vida, alternadamente com a leitura silenciosa, esta também uma tecnologia inventada pela mente humana e aprendida por aqueles que queriam ler em segredo, tomar de assalto livros pornográficos sem serem repreendidos.

Num evento de literatura, numa destas noites de inverno, presenciei uns poetas lendo poemas para um público que lotava pequenas arquibancadas. Não era prova de colégio e nem conferia prêmios em dinheiro. Era apenas um evento ao qual muitas pessoas compareceram por livre e espontânea vontade. Os poetas convidados foram pagos para estar lá, numa maravilhosa demonstração de respeito e profissionalismo, considerando-se que escrever também seja trabalho.

A platéia daqueles poetas ouvia os poemas em silêncio, mas não esta falta de som boquiaberta e pouco cefálica. Um silêncio pensante, borbulhante e ativo. E quando um poema chegava ao fim, havia aplausos e assobios, como eu só havia visto em shows de bandas de rock.

Oralizar textos escritos tem sido tarefa para quem tem aves na língua. Mas podia ser de qualquer um, a qualquer momento, em querendo... E as bibliotecas, repito, podiam ser os cantos dessa atividade tão retroalimentada: leio o que escrevo, escrevo o que ouço, etc.

E conta-me um amigo, o poeta recém-liberto Affonso Uchoa, que tem um amigo que veio para a capital, oriundo de uma cidade muito pequena no interior das Minas Gerais (só quem mora aqui sabe o que significa morar em Minas Gerais). E a cidade era mesmo de mil e poucos habitantes, sufocada entre montanhas, como quase tudo aqui. E o garoto era grande demais para aquela pequenez. Fizeram-lhe uma vaquinha para juntar dinheiro e mandar o menino para a capital, onde, presumia-se, teria mais condições de ter seu gênio bem-aproveitado.

O garoto veio, ficou uns dias passando fome e frio, fez vestibular na Universidade Federal, conseguiu moradia estudantil, deixou os cabelos crescerem, entrou para o curso de Belas Artes, fez orgulho na cidadezinha. E contam que ele era o maior frequentador daquela mínima biblioteca pública municipal. Ia lá quase todos os dias, pegava livros que ninguém lia ou leria, levava para casa as obras universais. E a menina que lá trabalhava, sempre à-toa, muito estranhava quando aquele garoto esquisito vinha devolver-lhe os livros. Disse-me Affonso Uchoa que a recepcionista chegou mesmo a perguntar ao amigo: Por que você devolve essas obras? Pode ficar com elas. Ninguém vai ler isso não. E olhava nos olhos do guri com um quê de estranhamento e horror.

Eis a história da biblioteca pública mais violada do mundo.

quem manda nascer no inverno?

o garoto deixou o útero quente e veio sentir um frio de quase 10 graus. Embora as pessoas vivam aconselhando que ele tome sol, desça para a frente do prédio, dê voltas na pracinha, seja exposto aos raios delicados de antes das 10 da manhã e depois das 4 da tarde, também é unânime que não se deve expor um bebê ao frio rigoroso. pois então fica ele sem sol e sem fixação de vitamina importante. por mim, acho que já firma bem as perninhas e não terá dessa espécie dramática de problema. mas toma vitamina por via oral e não conhece de perto o sol nas vistas. mas para acabar com o problema, colocamos no berço um sol de pelúcia, muito simpático e risonho. De cores vivas, chama a atenção do guri, que passou a brincar com o solzinho de mentira.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 8/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os bastidores de Psicose de Gian Danton
02. À primeira estrela que eu vejo de Ana Elisa Ribeiro
03. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa de Marcelo Spalding
04. Na toca dos leões de Gian Danton
05. A revolução de saber das coisas de Marta Barcellos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/9/2004
09h27min
Sou leitor assíduo desta coluna, por tratar de um assunto de meu interesse. Não só por isso, mas também pela maneira de como a autora escreve. Hoje se fala muito da falta de gosto pela leitura, principalmente com referencia aos jovens. Dentre as coisas que podemos fazer: valorizar a oralidade do texto. Sinto que quando lemos em voz alta o texto tem outra conotação, parece que marca mais. Trabalho com venda de livros e, desde 2005, com educação (ensino fundamental). Minha livraria fica ao lado de uma casa lotérica, na principal rua da cidade. Disponho os livros infantis, em um display próximo a porta. Constantemente, vejo crianças sendo arrastadas pelos pais. Mas um caso me chamou mais atenção: a criança pediu que a mãe comprasse um livrinho, a mãe deu um categórico "não", e convenceu a criança a comprar uma “raspadinha”. Após raspar e não obter premio nenhum, a criança disse: viu bem que eu queria um livrinho? A mae disse: deixa de besteira, livro não serve para nada. Então meus caros, essa e' a nossa realidade...
[Leia outros Comentários de Douglas]
18/9/2004
20h10min
"Ontem nasci, hoje vivo, amanhã morrerei". Por que viver senão para obter conhecimento deste mundo complexo em que vivo? Quão prazeroso é o "saber", não há êxtase maior do que aquele que sinto quando aprendo algo novo. E o livro então? Propagador respeitoso de conhecimento não existe maior e nunca existirá. Como amo os livros, amo tanto sua matéria quanto sua alma.
[Leia outros Comentários de winston alegranci]
20/9/2004
17h37min
Ana Elisa, a respeito de seu texto sobre a Biblioteca, achei interessante e quero lhe dizer que pertenço a um grupo literário cuja sede é numa biblioteca municipal, ali ele foi fundado e ali temos uma sala construída pelo secretário municipal do continente, cujo termo de cessão e uso assinamos dia 10 de setembro de 2004, valendo por 5 anos. Sim, os poetas do grupo apresentam em voz alta suas produções e sim aplaudimos e nos admiramos com os textos. Vale lembrar que o Grupo de Poetas Livres fundado em 13 de abril de 1998, tem Projetos simples que deram certo. Somente ainda não sensibilizamos os livreiros. Mas isto já é outra história. Um abraço, Maura
[Leia outros Comentários de maura soares]
20/9/2004
21h27min
Livro é vida! É verdade, o texto é muito sugestivo- nas páginas dos livros vivemos intensamente (quem leu Júlio Verne e Monteiro Lobato na infância sabe do que falo). E Biblioteca pode ser um lugar morto ou vivo, dependendo dos que a organizam e controlam- se querem que ela irradie luz ou a tratam como um tesouro só seu, com egoísmo!
[Leia outros Comentários de Amorim]
22/9/2004
17h14min
Os governos tem culpa, a sociedade tem culpa, os secretários de cultura tem culpa, mas nós os BIBLIOTECÁRIOS também temos culpa pelas bibliotecas públicas estarem vazias. Infelizmente, nós que organizamos e as dirigimos nos pautamos pelo silêncio e ordem.... Mas os tempos estão mudando, amigos! Há várias bibliotecas públicas efervescentes! Com saraus, apresentações de textos entre outras atividades. Novos profissionais, como eu, tenho 29 anos, estão chegando para acabar com o marasmo e para dizer: local de leitura, local de revolução! Pois todas as revoluções partiram de pensadores e pessoas que viram em outras histórias, que é possível mudar! E essa história hoje e já há algum tempo se encontra nos livros! O profissional deve mudar sua posição e a sociedade também! É preciso ver que lendo desenvolvemos algumas habilidades úteis para o futuro, como criatividade e imaginação, portanto, vamos lutar por bibliotecas vivas, onde teremos cabeças vivas em nossa sociedade.
[Leia outros Comentários de William]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O RITUAL MUSGRAVE E OUTRAS AVENTURAS
SIR ARTHUR CONAN DOYLE
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 5,00



85 ANOS DE CULTURA HISTÓRIA DA SOCIEDADE DE CULTURA ARTÍSTICA
IVAN ÂNGELO
STUDIO NOBEL
(1998)
R$ 15,00



SABERES E FAZERES EDUCACIONAIS: REFLEXÕES E EXPERIÊNCIAS EM TORNO
BARTOLINA RAMALHO CATANANTE (ORGS)
SERIEMA
(2016)
R$ 45,28



A VINGANÇA DE SMILEY
JOHN LE CARRE
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00



RAMSÉS SOB A ACÁCIA DO OCIDENTE
CHRISTIAN JACQ
BERTRAND BRASIL
(2000)
R$ 10,00



DOZE CONTOS PEREGRINOS
GABRIEL GARCÍA MÁRQUES
RECORD
(2008)
R$ 10,00



A ARTE DA GUERRA - OS TREZE CAPÍTULOS ORIGINAIS
SUN TZU
JARDIM DOS LIVROS
(2017)
R$ 27,90



A ESTRATÉGIA E O CENÁRIO DOS NEGÓCIOS
PANKAJ GHEMAWAT
BOOKMAN
(2007)
R$ 25,00



ANÁLISE DAS ORGANIZAÇÕES
JOSEPH A. LITTERER
ATLAS
(1970)
R$ 9,99



A CIDADE DO SOL
KHALED HOSSEINI
NOVA FRONTEIRA
(2010)
R$ 10,80





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês