Em defesa dos cursos de Letras | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> 3 de Maio #digestivo10anos
>>> O Joca me adora
>>> A volta das revistas eletrônicas
>>> As duas divas da moderna literatura romântica
>>> Entrevista com Rogério Pereira
>>> Bafana Bafana: very good futebol e só
>>> Suspense, Crimes ... e Livros!
>>> Entrevista com Michel Laub
>>> Mensagem do Papai Noel
Mais Recentes
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Razão e Violência de R D Laing - D G Cooper pela Vozes (1976)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Principis (2021)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Decadência da Mentira e Outros Ensaios de Oscar Wilde pela Principis (2020)
>>> Histórias de Tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Turma da Mônica Contos da Carochinha de Maurício de Sousa pela Girassol (2019)
>>> Procura-se Lobo de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> Mensagem de Fernando Pessoa pela Principis (2019)
>>> A Ilha do Tesouro Em Quadrinhos de Robert Louis Stevenson pela Principis (2020)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Tronos & Ossos a Batalha Final de Lou Anders pela Jangada (2018)
>>> Tronos & Ossos o Enigma do Chifre de Lou Anders pela Jangada (2017)
>>> Tronos & Ossos Jornada no Gelo de Lou Anders pela Jangada (2016)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mojang pela Abril (1500)
>>> O Poço e o Pêndulo e Outros Contos de Edgar Allan Poe pela Lafonte (2020)
>>> O Corvo e Outros Poemas de Edgar Allan Poe pela Lafonte (2020)
>>> O Gato Preto e Outras Histórias de Edgar Allan Poe pela Lafonte (2020)
>>> A Interpretação dos Sonhos Parte I e II de Sigmund Freud pela Lafonte (2014)
>>> Manancial - Meditações Diárias 17 de Vários Autores pela Ufbb (2020)
>>> Marketing - O Que É? Quem Faz? Quais Tendências? de Carlos Frederico de Andrade pela Ibpex (2010)
>>> Manancial - Meditações Diárias 17 de Varios Autores pela Ufbb (2020)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/10/2004
Em defesa dos cursos de Letras
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Saber mais não ocupa espaço, embora dispenda tempo. É preciso, a certa altura da vida, selecionar caminhos e trilhar, da melhor forma possível, um percurso. Cada pessoa tem suas preferências e frustrações. E certamente a escola ajudou (ou atrapalhou), no mínimo, colaborou para que certas escolhas fossem feitas ou deixassem de o ser.

Mas a aprendizagem está em todos os lugares. Basta lembrar que não foi preciso freqüentar escola para aprender a falar, nem entrar em curso para operar videogame ou contratar instrutor para aulas de velocípede. Há as possibilidades oferecidas pela biologia (a forma do nosso corpo, assim como as possibilidades dele) e as dadas pela cultura, que embutem até mesmo valor e desvalor em uns conhecimentos e umas habilidades, às vezes correlatos.

Assim é que, na escola, bonito mesmo é saber matemática. Na cultura cartesiana, inteligente é quem sabe calcular; vir do menor para o maior, do mais fácil para o mais difícil. Para os behavioristas, há que treinar as pessoas e os animais que somos. Ao estímulo, uma resposta, predeterminada, claro, porque se não for aquela, há algo errado (com a pessoa, não com a instituição, por exemplo).

Nessa cultura de respostas únicas e de gabaritos precisos, sobram as pessoas que queriam gostar inadvertidamente de pintura, poesia, música (embora esta tenha as nuanças da matemática), escultura e afins. Aos "bons de história e português" sobra o limbo dos jornaizinhos de Grêmio estudantil, lidos pela minoria, amassados nas lixeiras do pátio ou servindo de piso de gaiola. Também esses jornais que oferecem, entre dez, nove páginas à discussão macro e micropolítica da vez e uma página aos poetas de plantão. Mas isso não dá camisa a ninguém, e nem medalha de honra ao mérito, como dão as olimpíadas de matemática.

Mas nem por isso se deve discriminar. E quem disse que não é bom saber matemática, física e química? Ao menos os rudimentos, já que são as cadeiras de nossa cultura escolar, separadinhas como prateleiras, como se não fossem todas conexas.

Muito me surpreende quando alguém, especialmente esclarecido ou metido a, me sai, em plena era dos estudos da complexidade e da mudança dos paradigmas mais estanques para outros mais dinâmicos e convincentes, pessoas em pleno uso das redes interconectadas em ambiente digital, usuárias de orkuts e outras ferramentas de conhecimento... mas muito me surpreende quando esses sujeitos, por vezes colunistas de revistas eletrônicas, me saem com estreitas visões funcionalistas das coisas e das pessoas e das possibilidades que coisas e pessoas, associadas, têm e oferecem.

Ao meu amigo médico, as aulas de Educação Artística não serviram para nada. Diz-me ele que, no entanto, tem a capacidade, aprendida culturalmente, de admirar um Matisse, que conheceu na escola e, mais tarde, mandou pôr em moldura para enfeitar a cabeceira da cama onde dorme. Também me diz ele que foi de suma importância saber escrever bem para, no mínimo, passar no vestibular.

Para meu amigo historiador, de quase nada serviram as aulas de Matemática, já que não faz parte de seu dia-a-dia profissional resolver equações ou pensar em limites e derivadas. Mas também disse-me ele que lida, no entanto, com uma micromatemática que o persegue no dia-a-dia doméstico, social, etc. Aquela continha do troco, da padaria, do supermercado, do caixa eletrônico.

A mim, para nada servem as aulas de Geografia, especialmente aquelas em que se decoravam nomes que nunca usei ou que serviam de intervalo entre as aulas de Português e as de Matemática (as maiores cargas horárias dos currículos escolares). Havia aulas em que o professor mandava abrir o livro, responder questões sobre Contestado ou sobre a seca no Nordeste, ou ainda algo sobre o Japão (em Belo Horizonte, onde quase não vemos orientais pelas ruas), e pronto, estava estudada a Geografia.

É com essa mesma pequenez do ensino de Histórias, Geografias e Matemáticas que se formou uma geração que pensa que esses conhecimentos são estanques e têm valores diferenciados. Não é preciso ser muito inteligente para perceber que todas essas "matérias" são escritas ou "ensinadas" em Português e que todas elas são dadas ao tratamento estatístico (matemático) e que a leitura de mapas, a percepção de entrelinhas ideológicas no tratamento da história e do passado, a análise dos sistemas químico-físicos e biológicos... que tudo isso é conectado e está em mim, em minha cultura.

Diante disso, basta incluir as outras "matérias" para repensar: a Literatura, enquanto "matéria" de escola, mesmo não sendo abordada como arte, pode o ser como fazer histórico. Foi em relação com o mundo geográfico ou histórico que cada escritor produziu sua obra. Mesmo sendo farmacêutico, médico, engenheiro... cada um deles foi capaz de, lindamente, atingir outras linguagens.

E se for abordada como arte, a literatura oferece as possibilidades, muito pessoais, da contemplação, do deslumbramento, do encantamento, da experiência estética (que pode faltar a certas pessoas). Se ela não servisse para nada (nessa pequeninha visão funcionalista), nenhum escritor teria sido preso, torturado, exilado ou calado porque disse ou deixou de dizer (mais inteligente ainda: quando disse fingindo que não dizia).

Há certos tipos de afasia ou problemas neurológicos que, alterando as possibilidades biológicas e cognitivas do corpo, não permitem que uma pessoa compreenda ironia, mentira, verdade ou metáforas. Se for este o caso, perdoa-se. Mas se não for, é mesmo certa falta de repertório.

Os desavisados ingênuos de plantão devem pensar que em uma faculdade de Comunicação Social só se aprende a ser repórter da Globo. Na mesma linha, as faculdades de História só discutem os fatos passados, as de Geografia só ensinam a ler mapas e as de Letras ficam o dia inteiro discutindo literatura.

Pois bem, mesmo sem conhecer muitas outras escolas de ensino superior (das boas e comprometidas), não sou besta de achar que os cursos oferecidos sejam tão estreitinhos e só formem pessoas estreitinhas (até porque a formação das pessoas não se dá apenas em bancos escolares). Não há só nerds cheios de espinhas nos cursos de Computação e nem apenas patricinhas de echarpe nas escolas de Psicologia. Assim como nem todo geógrafo é cheio de limites e fronteiras muito espremidinhos.

Os cursos de Letras são espaços onde se pensa a literatura em relação com muitas outras coisas, além de ser o lugar onde se repensam a língua materna, outras tantas línguas e onde se formam pessoas que vão educar nossos filhos. Nem toda estudante de letras é mal-amada e nem todas elas (e eles, diga-se de passagem!) são apaixonadas por literatura. Assim como, tenho certeza, nem todo estudante de qualquer curso é apaixonado pelo que faz.

Nas escolas, travamos contato com todo tipo de frustrado, e não apenas as pacatas professoras de literatices. Tenho certeza de já ter tido contato com uns apaixonados, de verdade, por suas matérias (incluindo a literatura). E a formação numa área como Letras, que permite a reflexão e a aprendizagem sistemática de línguas, abre um leque de possibilidades, tais como ensinar a redigir melhor em qualquer outra área, seja ela Matemática ou Geografia. (Muitos cursos oferecem cadeiras como Redação acadêmica, por exemplo, embora nem todos os alunos queiram cursá-las).

Lamento muito por quem não estudou em boa escola ou não teve a oportunidade de pensar complexamente, pensar hipertextualmente, de forma multimodal ou fazendo sinapses coordenadas e simultâneas. Tudo pode servir para tudo. Mas para quem pensa em série, se uma lâmpada não acende, as demais também estão condenadas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Freud explica de Renato Alessandro dos Santos
02. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
03. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
04. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
05. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/10/2004
02h30min
ana elisa, faz tempo que estou pra comentar suas colunas, que sempre me encantam. essa me pegou de jeito. quando eu estava no colegial, ouvi de uma colega o seguinte juízo sobre dois outros alunos: "o joãozinho, bom de história, não é inteligente de verdade, ele só é bom de decorar coisas. já o zézinho, bom de matemática, é que é inteligente, porque tem bom raciocínio, um dom natural." eu, que era boa de português, fiquei sem palavras. depois as pessoas vinham me perguntar de onde eu tirava as interpretações de texto, pois parecia tão esotérico desfiar todos aqueles significados de poemas tão pequenos - "que viagem"! hoje não ouço comentários sobre decoreba na história - as pessoas talvez reconheçam seu potencial crítico - mas comentários funcionalistas. pra que servem as humanidades? e cadê o rigor científico? infelizmente, o mundo dos salários e mercados fala essa mesma língua. mas um texto como o seu dá alegria pra continuar. abraço, daniela
[Leia outros Comentários de Daniela Sandler]
28/10/2004
08h33min
Sabe Ana, o mestre Monteiro Lobato uma vez eternizou o seguinte pensamento: "Um país é feito de homens e livros". O seu texto nos leva a refletir sobre isso, pois o Brasil somente chegará a ser uma potência quando o seu povo tiver um amplo gosto pela leitura. Será que somente uma minoria terá a capacidade de debater os assuntos que tocam o destino do país? Só que essa mesma minoria não tem força suficiente para mudar os rumos dessa nação... Na verdade, como gostaríamos que todos os brasileiros tivessem acesso a tantas boas informações sobre cultura reveladas pelos bons artigos deste site. Mas, vamos continuar acreditando. Devemos nos lembrar que mais vale a angústia da busca do que a paz da acomodação. Sucesso!
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
27/1/2012
14h27min
Quem dera, Ana Elisa, se as pessoas pensassem "as faculdades de Letras ficam o dia inteiro discutindo literatura." Elas pensam que durante o curso inteiro só estudamos gramática!Mal sabem elas que a gramática normativa (e mal sabem elas que existem outros tipos de gramática, como a descritiva) é muito discutida e criticada pelos linguistas, que respeitam a variedade, enfim...não vamos ficar, a essa altura do campeonato, dando aula aos estreitinhos, como você falou. Simplesmente eu dou o link da Faculdade de Letras para que consultem a grade curricular, vejam que em Letras não se formam apenas professores, mas editores, tradutores, pesquisadores (mal sabem as pessoas que existe também o Bacharelado!). É sério, já fiz isso e vou continuar fazendo.Minha esperança é o Manuel Carlos escrever uma novela com uma Helena formada em Letras para divulgar essas informações. E quer saber, e daí estudar o que "não serve para nada"? Eu quero é mais a "inutilidade da Arte" do que o pragmatismo.
[Leia outros Comentários de juliana galvão minas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Paixão do eu lírico - Poesias, poemas, dores e amores
João Pedro Leal
Fross
(2020)
R$ 25,00



Testes Em Educação
Heraldo Marelim Vianna
Ibrasa
(1978)
R$ 5,00



A Invasão
Dias Gomes
Civilizaçao Brasileira
(1983)
R$ 6,00



Casa de Bonecas
Henrik Ibsen
Victor Civita
(1983)
R$ 39,90



Reinventando a Si Mesmo
Luiz Calainho
Agir
(2013)
R$ 15,00



Aconteceu Ontem
Odette de Barros Mott
Atual
(1987)
R$ 12,00



Cocaina... 1a Edição - 10946
Alvaro Moreyra
Pimenta de Mello
(1924)
R$ 65,00



Madiba, o Menino Africano
Rogério Andrade Barbosa; Renato Alarcao
Cortez
(2011)
R$ 20,42



Uma Família Feliz
Durval Ciamponi
Federaçao Espirita
(2002)
R$ 10,00



Encyclopédie Visuelle de La Science-fiction
Brian Ash (direction)
Albin Michel
(1979)
R$ 158,28





busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês