Em defesa dos cursos de Letras | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
>>> American Horror Story: Asylum
>>> As palmeiras da Politécnica
Mais Recentes
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 3 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 2 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Gênios da Pintura Nº 12: Van Eyck/ A Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1967)
>>> Hellraiser - The Dark Watch n° 1 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2014)
>>> Magia Das Flores - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Bosque Encantado - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Devorados de Cirilo S. Lemos, Erick Santos Cardoso, Marcio R. Gotland pela Draco (2017)
>>> Marvel Heroes: Hulk #4 (Os Heróis Mais Poderosos da Marvel) de Vários pela Salvat (2015)
>>> Arma X # 1 (Marvel) de Vários pela Panini Comics (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/10/2004
Em defesa dos cursos de Letras
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Saber mais não ocupa espaço, embora dispenda tempo. É preciso, a certa altura da vida, selecionar caminhos e trilhar, da melhor forma possível, um percurso. Cada pessoa tem suas preferências e frustrações. E certamente a escola ajudou (ou atrapalhou), no mínimo, colaborou para que certas escolhas fossem feitas ou deixassem de o ser.

Mas a aprendizagem está em todos os lugares. Basta lembrar que não foi preciso freqüentar escola para aprender a falar, nem entrar em curso para operar videogame ou contratar instrutor para aulas de velocípede. Há as possibilidades oferecidas pela biologia (a forma do nosso corpo, assim como as possibilidades dele) e as dadas pela cultura, que embutem até mesmo valor e desvalor em uns conhecimentos e umas habilidades, às vezes correlatos.

Assim é que, na escola, bonito mesmo é saber matemática. Na cultura cartesiana, inteligente é quem sabe calcular; vir do menor para o maior, do mais fácil para o mais difícil. Para os behavioristas, há que treinar as pessoas e os animais que somos. Ao estímulo, uma resposta, predeterminada, claro, porque se não for aquela, há algo errado (com a pessoa, não com a instituição, por exemplo).

Nessa cultura de respostas únicas e de gabaritos precisos, sobram as pessoas que queriam gostar inadvertidamente de pintura, poesia, música (embora esta tenha as nuanças da matemática), escultura e afins. Aos "bons de história e português" sobra o limbo dos jornaizinhos de Grêmio estudantil, lidos pela minoria, amassados nas lixeiras do pátio ou servindo de piso de gaiola. Também esses jornais que oferecem, entre dez, nove páginas à discussão macro e micropolítica da vez e uma página aos poetas de plantão. Mas isso não dá camisa a ninguém, e nem medalha de honra ao mérito, como dão as olimpíadas de matemática.

Mas nem por isso se deve discriminar. E quem disse que não é bom saber matemática, física e química? Ao menos os rudimentos, já que são as cadeiras de nossa cultura escolar, separadinhas como prateleiras, como se não fossem todas conexas.

Muito me surpreende quando alguém, especialmente esclarecido ou metido a, me sai, em plena era dos estudos da complexidade e da mudança dos paradigmas mais estanques para outros mais dinâmicos e convincentes, pessoas em pleno uso das redes interconectadas em ambiente digital, usuárias de orkuts e outras ferramentas de conhecimento... mas muito me surpreende quando esses sujeitos, por vezes colunistas de revistas eletrônicas, me saem com estreitas visões funcionalistas das coisas e das pessoas e das possibilidades que coisas e pessoas, associadas, têm e oferecem.

Ao meu amigo médico, as aulas de Educação Artística não serviram para nada. Diz-me ele que, no entanto, tem a capacidade, aprendida culturalmente, de admirar um Matisse, que conheceu na escola e, mais tarde, mandou pôr em moldura para enfeitar a cabeceira da cama onde dorme. Também me diz ele que foi de suma importância saber escrever bem para, no mínimo, passar no vestibular.

Para meu amigo historiador, de quase nada serviram as aulas de Matemática, já que não faz parte de seu dia-a-dia profissional resolver equações ou pensar em limites e derivadas. Mas também disse-me ele que lida, no entanto, com uma micromatemática que o persegue no dia-a-dia doméstico, social, etc. Aquela continha do troco, da padaria, do supermercado, do caixa eletrônico.

A mim, para nada servem as aulas de Geografia, especialmente aquelas em que se decoravam nomes que nunca usei ou que serviam de intervalo entre as aulas de Português e as de Matemática (as maiores cargas horárias dos currículos escolares). Havia aulas em que o professor mandava abrir o livro, responder questões sobre Contestado ou sobre a seca no Nordeste, ou ainda algo sobre o Japão (em Belo Horizonte, onde quase não vemos orientais pelas ruas), e pronto, estava estudada a Geografia.

É com essa mesma pequenez do ensino de Histórias, Geografias e Matemáticas que se formou uma geração que pensa que esses conhecimentos são estanques e têm valores diferenciados. Não é preciso ser muito inteligente para perceber que todas essas "matérias" são escritas ou "ensinadas" em Português e que todas elas são dadas ao tratamento estatístico (matemático) e que a leitura de mapas, a percepção de entrelinhas ideológicas no tratamento da história e do passado, a análise dos sistemas químico-físicos e biológicos... que tudo isso é conectado e está em mim, em minha cultura.

Diante disso, basta incluir as outras "matérias" para repensar: a Literatura, enquanto "matéria" de escola, mesmo não sendo abordada como arte, pode o ser como fazer histórico. Foi em relação com o mundo geográfico ou histórico que cada escritor produziu sua obra. Mesmo sendo farmacêutico, médico, engenheiro... cada um deles foi capaz de, lindamente, atingir outras linguagens.

E se for abordada como arte, a literatura oferece as possibilidades, muito pessoais, da contemplação, do deslumbramento, do encantamento, da experiência estética (que pode faltar a certas pessoas). Se ela não servisse para nada (nessa pequeninha visão funcionalista), nenhum escritor teria sido preso, torturado, exilado ou calado porque disse ou deixou de dizer (mais inteligente ainda: quando disse fingindo que não dizia).

Há certos tipos de afasia ou problemas neurológicos que, alterando as possibilidades biológicas e cognitivas do corpo, não permitem que uma pessoa compreenda ironia, mentira, verdade ou metáforas. Se for este o caso, perdoa-se. Mas se não for, é mesmo certa falta de repertório.

Os desavisados ingênuos de plantão devem pensar que em uma faculdade de Comunicação Social só se aprende a ser repórter da Globo. Na mesma linha, as faculdades de História só discutem os fatos passados, as de Geografia só ensinam a ler mapas e as de Letras ficam o dia inteiro discutindo literatura.

Pois bem, mesmo sem conhecer muitas outras escolas de ensino superior (das boas e comprometidas), não sou besta de achar que os cursos oferecidos sejam tão estreitinhos e só formem pessoas estreitinhas (até porque a formação das pessoas não se dá apenas em bancos escolares). Não há só nerds cheios de espinhas nos cursos de Computação e nem apenas patricinhas de echarpe nas escolas de Psicologia. Assim como nem todo geógrafo é cheio de limites e fronteiras muito espremidinhos.

Os cursos de Letras são espaços onde se pensa a literatura em relação com muitas outras coisas, além de ser o lugar onde se repensam a língua materna, outras tantas línguas e onde se formam pessoas que vão educar nossos filhos. Nem toda estudante de letras é mal-amada e nem todas elas (e eles, diga-se de passagem!) são apaixonadas por literatura. Assim como, tenho certeza, nem todo estudante de qualquer curso é apaixonado pelo que faz.

Nas escolas, travamos contato com todo tipo de frustrado, e não apenas as pacatas professoras de literatices. Tenho certeza de já ter tido contato com uns apaixonados, de verdade, por suas matérias (incluindo a literatura). E a formação numa área como Letras, que permite a reflexão e a aprendizagem sistemática de línguas, abre um leque de possibilidades, tais como ensinar a redigir melhor em qualquer outra área, seja ela Matemática ou Geografia. (Muitos cursos oferecem cadeiras como Redação acadêmica, por exemplo, embora nem todos os alunos queiram cursá-las).

Lamento muito por quem não estudou em boa escola ou não teve a oportunidade de pensar complexamente, pensar hipertextualmente, de forma multimodal ou fazendo sinapses coordenadas e simultâneas. Tudo pode servir para tudo. Mas para quem pensa em série, se uma lâmpada não acende, as demais também estão condenadas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
04. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
05. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/10/2004
02h30min
ana elisa, faz tempo que estou pra comentar suas colunas, que sempre me encantam. essa me pegou de jeito. quando eu estava no colegial, ouvi de uma colega o seguinte juízo sobre dois outros alunos: "o joãozinho, bom de história, não é inteligente de verdade, ele só é bom de decorar coisas. já o zézinho, bom de matemática, é que é inteligente, porque tem bom raciocínio, um dom natural." eu, que era boa de português, fiquei sem palavras. depois as pessoas vinham me perguntar de onde eu tirava as interpretações de texto, pois parecia tão esotérico desfiar todos aqueles significados de poemas tão pequenos - "que viagem"! hoje não ouço comentários sobre decoreba na história - as pessoas talvez reconheçam seu potencial crítico - mas comentários funcionalistas. pra que servem as humanidades? e cadê o rigor científico? infelizmente, o mundo dos salários e mercados fala essa mesma língua. mas um texto como o seu dá alegria pra continuar. abraço, daniela
[Leia outros Comentários de Daniela Sandler]
28/10/2004
08h33min
Sabe Ana, o mestre Monteiro Lobato uma vez eternizou o seguinte pensamento: "Um país é feito de homens e livros". O seu texto nos leva a refletir sobre isso, pois o Brasil somente chegará a ser uma potência quando o seu povo tiver um amplo gosto pela leitura. Será que somente uma minoria terá a capacidade de debater os assuntos que tocam o destino do país? Só que essa mesma minoria não tem força suficiente para mudar os rumos dessa nação... Na verdade, como gostaríamos que todos os brasileiros tivessem acesso a tantas boas informações sobre cultura reveladas pelos bons artigos deste site. Mas, vamos continuar acreditando. Devemos nos lembrar que mais vale a angústia da busca do que a paz da acomodação. Sucesso!
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
27/1/2012
14h27min
Quem dera, Ana Elisa, se as pessoas pensassem "as faculdades de Letras ficam o dia inteiro discutindo literatura." Elas pensam que durante o curso inteiro só estudamos gramática!Mal sabem elas que a gramática normativa (e mal sabem elas que existem outros tipos de gramática, como a descritiva) é muito discutida e criticada pelos linguistas, que respeitam a variedade, enfim...não vamos ficar, a essa altura do campeonato, dando aula aos estreitinhos, como você falou. Simplesmente eu dou o link da Faculdade de Letras para que consultem a grade curricular, vejam que em Letras não se formam apenas professores, mas editores, tradutores, pesquisadores (mal sabem as pessoas que existe também o Bacharelado!). É sério, já fiz isso e vou continuar fazendo.Minha esperança é o Manuel Carlos escrever uma novela com uma Helena formada em Letras para divulgar essas informações. E quer saber, e daí estudar o que "não serve para nada"? Eu quero é mais a "inutilidade da Arte" do que o pragmatismo.
[Leia outros Comentários de juliana galvão minas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANÁLISE TRIBOLOGICA DOS TECIDOS DE MALHA POR TRAMA MULTIFUNCIONAIS.
MARCOS AQUINO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CATIMBÓ - ROMANCE NORDESTINO (1271)
SABINO DE CAMPOS
ZELIO VALVERDE
(1945)
R$ 36,00



CINQUENTA TONS DE CINZA
E. L. JAMES
INTRINSECA
(2012)
R$ 35,83



JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS NA JUSTIÇA FEDERAL
AGAPITO MACHADO
SARAIVA
(2007)
R$ 25,00



GLOSSÁRIO ESOTÉRICO
TRIGUIEIRINHO
PENSAMENTO
(1994)
R$ 14,90



PSICOLOGIA DO RAPAZ
PIERRE MENDOUSSE
EDIÇÕES PAULINAS
(1962)
R$ 6,00



QUALIDADE DE VIDA E FUNÇÃO SEXUAL DE MULHERES COM E SEM INCONTINÊNCIA
KELLY FARIA UND LEILA KAUCHAKJE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



THE MARTIAN WAY
ISAAC ASIMOV
FAWCETT CREST
(1975)
R$ 13,00



PSI
OSTRANDER SCHROEDER
NÃO INFORMADO
(2019)
R$ 40,00



HISTÓRIA COMBATENTE
JOSÉ HONÓRIO RODRIGUES
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 20,00





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês