Chinese Democracy: grande disco | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/2/2009
Chinese Democracy: grande disco
Rafael Fernandes

+ de 9100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Avacalhado por ouvidos apressados e preconceituosos, Chinese Democracy é ótimo. É meu disco de rock do ano passado e um dos melhores álbuns do estilo dos últimos 17 anos. Comparando com os outros lançamentos do Guns N' Roses, tem mais qualidades que a dupla de Use your illusion. E talvez não tenha a urgência ou o momento do Apettite for destruction, mas é melhor elaborado, menos clichê e mais interessante musicalmente. Não é pouca coisa, mesmo levando em conta as supostas controvérsias de tempo e dinheiro na sua elaboração ― que, no final das contas, são abstraídas quando o produto final tem excelência. É perceptível que o disco é honesto e feito com tesão. Tem influências diversas com resultado sonoro atemporal, que se não é algo absolutamente novo, não encontra semelhantes na música de hoje. Os arranjos são muito bem cuidados, o instrumental é impecável e as melodias, marcantes. Parece ter sido planejado como disco, não como um punhado de canções ― a brilhante sequência "Catcher in the rye", "Scraped", "Riad n' the Bedouins" e "Sorry" e o belo final mostram isso. Foi um projeto de vida, muito bem pensado ― apesar de às vezes até demais.

Nele há um toque de megalomania. E isso é bom, num momento acomodado do rock. Outro mérito é o arrojo e a capacidade de subverter o que se esperava da banda. Apresenta ótimas canções e diversas surpresas a cada audição. Não vou deixar de admirar um artista que, com todos os seus defeitos, dificuldades e bizarrices coloque tanto sangue e paixão num projeto. Uma palavra pode definir esse disco: grande. É um grande disco, soa grande. Um fato curioso e não proposital dele é que, com as músicas novas tocadas ao vivo e com o vazamento de faixas (uma ou outra até em mais de uma versão), a evolução sonora das músicas e do disco foi acompanhada por alguns fãs. É um fato inédito, ainda que de maneira não convencional, muito menos oficial.

"Chinese democracy" abre o disco, é a faixa-título, tem o riff mais "identificável", mas não é uma boa indicação do que vem depois. As melodias são regulares e a canção não tem grandes variações. Ao menos é consistente e o arranjo caprichado ajudou a destacá-la. Se não é um começo fantástico, ao menos deixa a pulga atrás da orelha pelas faixas seguintes. O solo de guitarra, o grande achado ao lado dos vocais, é uma amostra significativa de que o nível de guitarras que vem a seguir é altíssimo, de qualidade e vanguarda. É um disco que tem solos memoráveis, sejam virtuosos ou melódicos.

"Shackler's revenge" é um rocker empolgante e direto. É pop e pesada. De estrutura simples, começa com uma patada de guitarras (sim, é guitarra, não é "eletrônica"). Baixo e bateria soam coesos, o refrão é marcante e a ponte, grudenta ― e quase dançante. Axl começa a mostrar melhor sua evolução vocal, com vozes e interpretações distintas na música, tanto num registro bem grave como no agudo. O solo, de Ron Thal, é transgressor e já é um dos meus favoritos. Assusta quem espera uma melodia reconhecível, mas é espetacular. Tem uma estrutura lógica bem definida de começo, meio e fim (para os interessados, a primeira parte também é feita numa guitarra fretless, ou sem trastes, como num violino).


Ouça um trecho de "Better"

Vejo "Better" como a melhor música já feita por qualquer formação do Guns N' Roses. Conseguiu, inclusive, desbancar algumas de minhas antigas favoritas. Começa com um riff brilhante que une dissonância a uma melodia simples. Esse início é um anticlimax para a entrada da música, uma porrada, com uma parede de guitarras de rítmica em contratempo e memoráveis e arrebatadoras linhas vocais de Axl ― é um dos melhores momentos de sua carreira. A letra tem grandes passagens como "tão agridoce essa tragédia não tem absolvição/ essa melodia dentro de mim ainda busca solução". Em seu solo principal, Buckethead dá um toque de insanidade à música. "Better" consegue ser pesada na medida certa e ainda ter um suingue irresistível. A parte final da canção reapresenta a base inicial e isso poderia soar repetitivo, mas o solo inspirador de Robin Finck (co-autor da canção), os coros e a melodia alterada dão outra dimensão à música, proporcionando um final apoteótico.

"Street of dreams" é uma música com várias alternativas e boas melodias. Vai e volta, da balada ao rock, deixando uma sensação ao mesmo tempo reconfortante e dramática ― musicalmente representa bem a resignação exposta na letra. Outro solo de Finck que é candidato a clássico: muito bem construído e de bom gosto. O competente baixista Tommy Stinson tem aqui um de seus melhores momentos, com belas e elgantes linhas baixo, com destaque à parte final, com ecos do McCartney ― era Beatles. Buckethead acompanha bem Axl no solo no desfecho da canção, dando outros contornos à boa letra.

"If the world" é a mais leve e despretensiosa canção do álbum e um caldeirão de informações: funkeada, apresenta guitarras de timbres gordos, inclui algumas batidas eletrônicas e teclados, tudo isso acompanhado de tempero oriental. É a cara do caos de referências do mundo de hoje. É descarada e irresistivelmente pop e como tal se sustenta pelo suingue e pela melodia cativante. Chris Pitman se destaca como co-autor e no instrumental, com bons teclados e um baixo com presença. Como de praxe no disco todo, Buckethead faz um ótimo solo.

Já "There was a time" é um das faixas mais densas. Sem concessões, é a mais longa do disco. Se aproxima do rock progressivo ― ainda que esteja longe disso. Pode parecer uma confusão de informações, mas há um propósito nisso tudo. Seu contexto de melodia, harmonia e instrumentação é de caos sonoro. Na letra, mais do que uma história ou rimas, há uma série de pensamentos jogados, quase desconexos ― e faz todo o sentido para a música. O arranjo todo é excepcional, numa música que evoca diferentes imagens.


Ouça um trecho de "Catcher in the rye"

O contraponto perfeito à densidade musical da música anterior é "Catcher in the rye", meio balada, meio rock, com um andamento no ponto exato ― deliciosa. Já a letra, de boas observações, vai mais fundo e fala sobre o assassino de John Lennon: "se eu soubesse que era louco teria me divertido mais". Após um pequeno interlúdio de teclados surge um solo matador de Ron "Bumblefoot" Thal, de uma fluência incrível. Há também bons vocais de apoio de Axl.

Em "Scraped" um belo arranjo vocal abre caminho para um riff que parece um carro acelerando ― uma boa mostra do trabalho de guitarra da faixa: contínuo e num vai e volta. Axl aparece duelando com ele mesmo em mais uma grande performance. O refrão empolga e fica mais interessante quando nele aparecem algumas citações do riff principal. Ron Thal faz mais um trabalho brilhante no solo, contando uma história, com interpretações distintas e observações muito bem sacadas. Usa de virtuosismo preciso, é melódico no momento certo e faz uma conclusão soberba. Grande música.


Ouça um trecho de "Riad n' the bedouins"

Com riffs esmagadores e que quase não param durante toda a música, martelando as caixas de som, "Riad n' the bedouins" soa agressiva. E ainda aparecem aqui e acolá algumas guitarras bem funkeadas. É quase um massacre de ótimas guitarras. Em seu solo Bumblefoot apresenta um bom humor raro aos guitarristas. Axl despeja todo seu vigor em frases difíceis e de grande alcance vocal ― o momento em que canta "sweet salvation" é otimo. A bateria de Brain é incisiva e variada, num arranjo que é creditado ao ótimo Josh Freese. O baixista Tommy está excelente, acompanhando as guitarras nos riffs e dando suporte ao ritmo no refrão, numa música sua em parceria com Axl.

"Sorry" é boa de ouvir, bem fluída e uma das músicas de estrutura mais simples do disco. As melodias são excelentes e no refrão há uma discreta, mas boa participação de Sebastian Bach nos coros. A letra, no início, parece ser o ponto fraco: banal, sem grandes achados. Mas quando Axl canta "Você sabe onde colocar seu 'cale a boca e cante'" ou "É mais difícil viver com a verdade sobre você do que com as mentiras sobre mim" a história ganha outro sentido. O solo é cortante, de belas melodias, com uma pegada de blues no começo e uma finalização singela, quase infantil.

As guitarras, as melodias vocais e as variações musicais entre a agressão e a serenidade são os pontos altos de "I.R.S", uma canção sobre um amor perdido que incrivelmente cita imposto de renda e FBI. Na parte final da música acontecem alguns "duelos" de bases de guitarras: uma do lado esquerdo e outra do lado direito, que dão peso e dinâmica à música. Uma boa canção, sem grandes pretensões e que faz sentido no contexto do álbum. É chover no molhado dizer que o solo de Buckethead é muito acima da média.

"Madagascar" começa quase como uma marcha fúnebre com os teclados e termina com uma variação da melodia inicial, executada com uma trompa, que dá um clima ainda mais soturno à música. O sentimento é de desencanto também na letra, que poderia ser um hino sobre todos os problemas, mudanças e demora deste disco. "This i love" parece ser uma das favoritas dos fãs e é candidata a hit. Cuidado: ela pode agarrar nos seus ouvidos sem avisar. Faz todo o sentido no conceito do álbum, é extremamente pessoal, épica (no melhor sentido), tem Axl apresentando uma melodia para poucos ― sinuosa e difícil ― e um solo de guitarra magistral. Mas não dá pra negar que tem uma boa dose de breguice, um excesso de afetação com seu arranjo pomposo demais e piano à la Broadway.


Ouça um trecho de "Prostitute"

Chegamos, então, a "Prostitute", o final ideal para o álbum. Cinematográfica, apresenta uma explosão de guitarras, em que Axl brada: "por que me dizem para agradar os que riem da minha cara?". É uma das letras mais significativas do disco, com outros bons achados, quase declarações, como "pergunte a si mesmo por que eu deveria me prostituir para viver com fortuna e vergonha". Destaque (de novo!) para a intervenção final de Buckethead, catártica, que culmina num piano acompanhado por cordas, que seguem sozinhas, dando um clima doce e plácido, como um contraponto à fúria das guitarras. A sensação final é de procurar o play para ouvir novamente esse trabalho excelente, que fica ainda melhor a cada ouvida.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 25/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alameda de água e lava de Elisa Andrade Buzzo
02. Cabelo, cabeleira de Luís Fernando Amâncio
03. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
04. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
05. Moro no Morumbi, mas voto em Moema de Julio Daio Borges


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/2/2009
10h41min
Bom texto. Eu destacaria ainda mais o trabalho dos guitarristas - afinal, qual foi o último disco a trazer tantas boas ideias em solos sem parecer querer ser moderninho?
[Leia outros Comentários de Bruno do Amaral]
25/2/2009
14h15min
Ótima resenha, parabéns. "Chinese" é o melhor álbum de rock lançado nos últimos anos, agora é aguardar para conferir ao vivo.
[Leia outros Comentários de Wesley Luiz Guimarãe]
28/2/2009
18h25min
Só uma coisa a dizer: perfeito!!! Abraço!
[Leia outros Comentários de Alexander]
28/2/2009
22h33min
Parabéns pelo texto. Sou fã do Guns, porém sou mais fã de música, e o que eles fizeram em "Scraped" foi fenomenal.
[Leia outros Comentários de Willy Lima]
1/3/2009
13h36min
Bela matéria! Chinese Democracy: it's amazing!
[Leia outros Comentários de Mystery Woman]
10/6/2011
23h32min
Acho o Chinese fantástico! Quase não lembra o que o Guns foi no passado, por isso acho que teve uma repercussão negativa. Eu que ainda não tinha nenhum cd físico do GnR, baixei, gostei e comprei na mesma semana. Lembrei de quando mostrei This I Love pra uma amiga e ela chorou, hauha.
[Leia outros Comentários de Bruna Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês