Traição em cem atos | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Terça-feira, 12/12/2006
Traição em cem atos
Luiz Rebinski Junior

+ de 4000 Acessos

Nova edição de A vida como ela é... traz os contos de Nelson Rodrigues que deram origem a filmes, peças de teatro e séries de TV

Mil novecentos e cinqüenta foi um ano ruim para Nelson Rodrigues. Após deixar o emprego que tinha nos Diários Associados, o escritor fica à deriva no jornalismo nacional, tendo como ganha-pão apenas trabalhos esporádicos no Jornal dos Sports, periódico do irmão Mário Filho.

Nessa época Nelson já tinha escrito alguns dos textos mais emblemáticos de sua carreira, tal como Vestido de Noiva (1943) e Dorotéia (1949). Além disso, alcançara um enorme sucesso com as histórias assinadas por Suzana Flag, seu primeiro pseudônimo feminino, em um dos jornais da família Chateaubriand. Mesmo assim o jornalista enfrentava, como ao longo de toda a sua vida, altos e baixos que colocavam o sustento de sua família em perigo.

Mas a sorte de Nelson começa a mudar quando Samuel Wainer lhe oferece espaço no getulista Última Hora. Nasce aí A vida como ela é..., uma coluna em que o dramaturgo escrevia pequenas histórias de ficção. A coluna, que durou dez anos no jornal de Wainer (1951-1961), foi editada em 1961 e virou peça de colecionador. Agora, depois de 45 anos da primeira edição compacta, com 100 contos - em 1992 a Companhia das Letras editou em dois volumes [1 e 2] as histórias de Nelson, escolhidas por Ruy Castro -, a editora Agir coloca na praça novamente o tomo em uma edição de luxo. Esse, segundo a Agir, é o primeiro da série de livros que vai resgatar a obra em prosa do maior nome do teatro brasileiro.

Bem como as colunas assinadas na pele de Suzana Flag e Myrna, A vida como ela é... rapidamente se tornou um grande sucesso. Diz a lenda que Wainer sugeriu o nome de "Atire a primeira pedra" para o espaço e que os textos de ficção fossem baseados em algum fato real veiculado no jornal do dia. Porém Nelson aos poucos foi esquecendo do trato com o patrão e em pouco tempo já bolava histórias que não tinham nada a ver com as notícias factuais do Última Hora.

Os Contos
Entre o trágico e o cômico, os contos de A vida como ela é... (Agir, 2006, 512 págs.) trazem à tona toda a carga de pequenos e grandes dramas e tragédias que assolavam a vida do carioca médio na primeira metade do século 20. Cronista mordaz e sarcástico, Nelson destila seu veneno em histórias curtas que sempre revelam um lado - moralmente, é claro - desconhecido de gente recatada e fidedigna da sociedade do Rio de Janeiro.

Obcecado por tragédias familiares - certamente não por acaso, já que a história de sua própria família é carregada de dramas -, a cada conto Nelson revela as faces mais obscuras do ser humano. No final das contas, entre parricídios, assassinatos, incestos e suicídios, tudo gira em torno de um tema central: a traição. De uma forma ou de outra, há sempre alguém traindo ou sendo traído nas histórias pouco convencionais do dramaturgo. Tudo praticamente acontece em torno do núcleo familiar, uma instituição tão temida e respeitada quanto a igreja nos idos dos anos 1950.

Em A vida como ela é... há espaço para todos os tipos. Do funcionário público infiel, passando pela moça recatada que no final se revela depravada, até culminar no pai de família honrado e distinto que mantém relações pouco ortodoxas com a própria filha. A galeria de personagens de Nelson Rodrigues é infinita e sempre surpreendente. Às "granfinas" da alta sociedade, juntam-se uma horda de pequenos trambiqueiros e malandros que ajudam a moldar uma cidade singular.

Tendo que escrever em um espaço limitado, Nelson criava histórias curtas, sempre com começo meio e fim, mas que mantinham o ritmo e a "pegada" do velho safado. O final surpreendente, próprio do conto enquanto gênero literário, é um elemento constante na literatura do escritor. Afinal, é justamente essa característica que valeu a Nelson Rodrigues a fama de devasso, reacionário e outros adjetivos pouco lisonjeiros. Mas o fato é que sua escrita é genial não apenas porque choca pura e simplesmente o leitor/espectador, mas porque consegue tal resultado falando de coisas absolutamente simples, capazes de desestabilizar, nas mesmas proporções, gente das mais variadas espécies. Ao contar histórias sobre adultério, Nelson fala de uma situação que atormentava o homem de 50 anos atrás e que continua a infernizar a vida do cidadão urbano dos grandes centros hoje em qualquer parte do planeta. Ou seja, os temas universais com que trabalhava, aliados à sua inconfundível forma de narrar, davam ao que ele escrevia uma força imensa, capaz de pegar pelo pé qualquer leitor, seja ele iniciado ou não nas questões rodriguianas.

Além disso, os contos de A vida como ela é... são muito visuais, quase cinematográficos. Não é à toa que muitas das histórias da coletânea foram adaptadas para o cinema e a televisão, como é o caso de A dama do lotação, filmada por Neville de Almeida.

Criador de uma prosa singular e inconfundível - objetivo de dez entre dez autores que têm algum tipo de pretensão literária -, Nelson parece ter conseguido congelar o tempo por meio de sua escrita. Cada conto é um pedaço da história de um Rio de Janeiro suburbano e provinciano que já não existe mais, mas que insiste em sobreviver apenas nas linhas do dramaturgo. É impossível ler os contos de A vida como ela é... e ao final não ter a certeza de que os costumes, vícios e tradições dos anos 1950 eram exatamente aqueles "inventados" por Nelson. Os nomes sisudos (Aaraão, Odésio), as gírias ("granfa", "essa cara", "batata") e as rotinas hoje pouco usuais parecem perfeitos aos dramas contados em ritmo acelerado.

É fato que para os mais desavisados os cem contos da nova edição de A vida como ela é... podem parecer cansativos, haja vista a obsessão do autor em escrever sobre os desejos mais reles, porém inevitáveis, do ser humano. No entanto, é bom que se diga que Nelson Rodrigues não seria o grande escritor que é se escrevesse, agisse e pensasse de outra forma. Nelson faz parte de um seleto grupo de escritores que já nasceram com voz própria e que, por conta disso, puderam se dar ao luxo de trilhar sempre o mesmo caminho. E o caminho de Nelson é a traição, o adultério, a falsidade, o desejo reprimido e a falsa moral de uma sociedade hipócrita. Foi assim em tudo que escreveu, do teatro à prosa. Nelson criou um estilo de narrativa sem igual que se confunde com sua própria imagem e vice-versa.

Mais do que boas histórias bem escritas, os contos em questão ajudam a entender por que Nelson Rodrigues, além de grande escritor e figura inigualável, é considerado um desbravador da mente humana, capaz de trazer à tona os sentimentos e anseios mais obscuros - e comuns - do homem, seja ele rico ou pobre, feio ou bonito, ético ou não. As histórias de A vida como ela é..., cada uma delas, são como pequenos clássicos que ajudam a deixar isso mais claro.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Etapas em combustão de Fabio Gomes
02. A proposta libertária de Gian Danton
03. A feira ao longe de Elisa Andrade Buzzo
04. Moda em 20 textos de Adriana Baggio
05. A Onda, de Dennis Gansel de Ana Seffrin


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
05. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês