Manet no Rio de Janeiro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/1/2003
Manet no Rio de Janeiro
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 9100 Acessos

"Neste país, todos os negros são escravos e têm um aspecto embrutecido. O poder que os brancos exercem sobre eles é extraordinário. Tive a oportunidade de visitar um mercado de escravos: espetáculo bastante revoltante para nós. Os negros vestem, em geral, uma calça e, por vezes, uma blusa curta de pano grosseiro, não lhes sendo permitido, dada a sua condição de escravos, o uso de sapatos. As negras andam nuas da cintura para cima, portando algumas vezes um lenço atado ao pescoço, que cai sobre o peito. Em geral são feias, ainda que tenha visto algumas bem bonitas. A maioria se arruma com muito gosto: umas usam turbantes, outras arranjam os cabelos crespos com muita arte e todas vestem umas saias decoradas com enormes folhos".

Está é a descrição que Manet, então com 17 anos, faz sobre os negros do Rio de Janeiro, durante sua estadia na cidade, no ano de 1849, e que faz parte de uma coleção de cartas que comentaremos a seguir.

Manet tinha plena consciência de que uma tela não espelha a realidade, mas sim o artifício do artista. Por isso, pintou o retrato de seu amigo Émile Zola como se fosse uma natureza morta. O que ele buscava ao pintar um aspargo sobre a mesa ou Zola lendo era uma mesma coisa: trazer para dentro da própria pintura uma reflexão sobre o fazer artístico. Dessa forma, lançou as bases para a pintura moderna.

Mas não é este Manet, o fundador da pintura moderna, que nos interessa neste momento. Estamos nos encontrando agora com o jovem Manet, aos 17 anos, navegando rumo ao Rio de Janeiro, em viagem marítima. Esse encontro tornou-se possível porque a editora José Olympio publicou, em tradução de Jean Marcel Carvalho França, o livro Viagem ao Rio: cartas da juventude - 1848-1849, de Edouard Manet.

Trata-se de um conjunto de cartas escritas pelo artista durante a viagem e estadia no Rio de Janeiro. A edição do livro é caprichosa, delicada, trazendo além das cartas alguns desenhos que o próprio Manet fez durante a viagem e ilustrações de outros artistas referentes à cidade do Rio de Janeiro (paisagens, retratos de monumentos, cenas cotidianas e de trabalho escravo).

Nascido em Paris a 23 de janeiro de 1832, Manet descendia de uma respeitável família burguesa. O seu interesse pelo desenho remonta aos 13 anos. Para tentar dissuadi-lo a abandonar a idéia de ser pintor, em 1848 seu pai lhe propôs a escolha entre o serviço público e a carreira militar. Após fracassar nos exames para a Escola Naval, Manet acabou embarcando no navio-escola Havre e Guadalupe. No ano seguinte desembarcou no Rio de Janeiro, onde passou algumas semanas enchendo seu caderno de desenho com esboços e croquis (este era um hábito que jamais abandonaria, sendo um dos seus maiores prazeres errar pelas ruas de Paris com seu bloco de desenho em punho).

As cartas datam do período que vai de dezembro de 1848 a abril de 1849. Segundo a biógrafa Beth Archer Brombert, no seu livro Edouard Manet: rebelde de casaca, nota-se nestas cartas "um total domínio da sintaxe, facilidade de linguagem e uma complexidade de observação e sentimentos". A autora chega mesmo a dizer que "embora não ter trazido nenhuma foto da selva, a sua descoberta da luz tropical e sua vivência física do mar foram registrados com tal vivacidade que, muito tempo mais tarde, determinariam o modo como ele iria pintar a luz e a água".

As cartas, em sua maioria endereçadas à sua mãe, assemelham-se a um diário, onde são relatados os acontecimentos triviais cotidianos no navio. As descrições são marcadas por uma riqueza de detalhes e de observações, como que desejando trazer para sua família os mínimos detalhes da viagem.

Algumas descrições são eminentemente pictóricas: "Esta noite o mar esteve mais fosforescente que de costume, o navio parecia atravessar lâminas de fogo; foi muito bonito." Outras revelam o tédio infernal de alguns momentos do percurso sobre o oceano: "Parece-me que se passaram meses desde o embarque. Apenas céu e água, sempre a mesma coisa; é tão estúpido."

Ao ancorar no Rio de Janeiro, na baía de Guanabara, descreve o sentimento de alívio: "A esta altura, conheço bem os truques do ofício e por dois meses nem sentirei mais os pequenos sofrimentos por que passa o aprendiz de marujo; vamos finalmente beber água fresca e não mais comer, todo dia, carne salgada."

Ao contrário de Claude Lévi-Strauss, que detestou a baía de Guanabara, Manet amou-a ("a baía, como disse, é encantadora"), ficando quase uma semana admirando-a do navio, sem poder descer.

Suas observações iniciais da cidade são deliciosas de se ler: "Após o almoço, eu e meu amigo saímos para percorrer a cidade, que é de tamanho considerável, mas conta com ruas muito estreitas. Para um europeu com o mínimo de senso artístico, o Rio de Janeiro tem um aspecto bastante peculiar. Pelas ruas vêem-se somente negros e negras, pois os brasileiros saem pouco, e as brasileiras, menos ainda. As mulheres podem ser vistas somente quando vão à missa ou depois do jantar. Ao entardecer, quando aparecem nas suas janelas. Nessa ocasião, é possível olhá-las sem nenhum impedimento. Durante o dia, ao contrário, se por acaso alguma delas é avistada na janela e percebe que está sendo observada, imediatamente se retira."

Manet não deixou de reparar nas brasileiras, como se pode ver no comentário seguinte: "as brasileiras são, em geral, muito bonitas. Seus olhos e cabelos são magnificamente negros. Todas penteiam-se à chinesa, saem às ruas descobertas [sem véus] e, tal como nas colônias espanholas, vestem-se com uma roupa muito leve, que não estamos acostumados a ver."

As mulatas, evidentemente, foram elogiadas pelo jovem Manet: "cerca de três quartos da população são compostos por negros e mestiços, os quais são muito feios, salvo exceções encontradas entre as negras e as mulatas. As mulatas, a bem da verdade, são quase todas bonitas".

A condição escrava do negro não deixa de ser descrita: "No Rio, todos os negros são escravos e o tráfico é aí vigoroso." Sobre os brasileiros o comentário talvez não agrade ao leitor (a menos que a carapuça lhe sirva): "quanto aos brasileiros, são preguiçosos e parecem não ter muita energia."

A fama, universalmente divulgada até hoje, de que todas as brasileiras são putas é corrigida por Manet: "No tocante às brasileiras, são muito distintas e não merecem a reputação de levianas que têm na França. Ninguém pode ser mais recatada e mais tola do que uma brasileira".

A cidade do Rio não recebe elogios - a não ser que o olhar de um artista se detenha sobre ela: "a cidade, ainda que feia, tem, aos olhos de um artista, um caráter peculiar". Já a paisagem que cerca a cidade lhe toca profundamente: "os arredores da cidade são incomparavelmente bonitos, nunca vi uma natureza tão bela."

Além destas descrições aparecem nas cartas referências às chuvas torrenciais que cobrem o Rio de Janeiro, ao carnaval, à milícia ("a milícia local chega a ser cômica") e aos meios de transporte da população da época.

Mais do que um documento histórico ou antropológico, estas cartam têm um sabor especial, uma delicadeza de comentário (típicos de uma mente artística?) que beira, por vezes, o pictórico e o literário. Esse é, talvez, seu maior valor.

As cartas, em geral acabam nos conquistando, mesmo quando sabemos que o Rio acaba por ser um local limitado ao artista que deseja de pronto fugir dali: "Agora que já conheço o Rio a fundo, anseio ardentemente retornar à França e, o mais cedo possível, reencontrar os meus".

Dada a situação atual do nosso país, talvez, se fôssemos à França, o nosso comentário seria da mesma natureza do de Manet: "Cheguei na França, não desejo mais voltar ao Brasil".


Para saber mais:

Existe na biografia de Manet, escrita por Beth Archer Brombert (editada no Brasil pela editora Record), um interessante capítulo, denominado "Em alto mar" (cap. 2), sobre a viagem de Manet ao Rio.





Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 13/1/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Livrarias de Ricardo de Mattos
04. Educando as velhas gerações de Carla Ceres
05. Teoria dos jogos perdidos de Vicente Escudero


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli - 21/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Trapo
Cristóvão Tezza
Record
(2018)



-30
Donald Harstad
Le Cherche Midi
(1996)



General Chemistry
Linus Pauling
Dover
(1988)



The Maine Woods
Henry D. Thoreau
Yale University Press
(2009)



Metodologia de Projetos: uma Ferramenta de Planejamento
Heloísa Lück
Vozes
(2003)



O Herdeiro das Sombras
Sinval Medina
Mandarim
(2001)



Livro Cabeça de Vento
Meg Cabot Natalie Gerhardt
Galera Record
(2010)



Atlas Mundial - Meu Grande Livro de Perguntas
Yoyo Books
Yoyo Books
(2020)



Seu Dinheiro, Sua Decisão! 7º Ano
Silvia Azevedo
Harbra
(2018)



Reflexos do baile
Antonio callado
Paz e terra





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês