Quando morre uma paixão | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/9/2014
Quando morre uma paixão
Adriane Pasa
+ de 13300 Acessos

Quando morre uma paixão morre a taquicardia. Morrem os batimentos cardíacos acima de cem por minuto. Morre a sensação de ser assaltado de repente por uma série de pensamentos idiotas.


Morre uma coisa que fazia a ligação entre o real e o imaginário. Morre a saudade. E depois morre a saudade da saudade. Morre o mito da perfeição. E vem a feiura.

Morre o teto da Capela Sistina. Morre a Vênus de Milo. Morre o ideal. Morre aquilo que faz a gente brigar com todos os nossos piores defeitos para se adaptar a algo que amamos. Morre a pompa. Morre a sabedoria.

Vem uma sensação de estar indo para o nada. A gente fica meio falso, duvidoso, frágil, mas crente que sabe tudo e mais um pouco. Crente que saiu de uma experiência de vida sem precedentes e que não podia ser melhor. A gente se sente forte e novo. Batimento cardíaco normal. Os pés no asfalto. Pescoço ereto como uma gárgula olhando a cidade de cima da catedral, dona de si, achando que assusta alguém.

Mas quando morre uma paixão, a gente não passa de um personagem perdido. Não como um Humbert de Nabokov, que mesmo diante de sua Lolita decadente, busca na memória a risada viva de uma garota que ainda ama. Mas como um andarilho sem destino. Sem obsessão. No lugar da taquicardia vem a calma e o equilíbrio de um corpo sadio. E uma mente limpa. Mas não asséptica. Sempre haverá uma sujeirinha, um vírus, uma bactéria escondida.

A gente acaba ficando atento às coisas mais delicadas, que ninguém repara, pra ver se encontra alguma coisa dentro delas. Algo que traga de volta aquela pessoa tolerante e louca, aérea e fantasiosa que a gente era quando a paixão ainda estava viva. O interesse pelos problemas do outro, que um dia amamos, fica pequeno e faz a gente pensar que não somos assim pessoas tão boas, mas pelo menos somos sãs, porque a loucura, apesar de atraente, também machuca. Somos todos inseguros e cheios de confusões no campo amoroso e sexual, ao mesmo tempo em que queremos levar nossas vidas e projetos adiante. Como no filme A Dangerous Method (O Método Perigoso, 2011), de David Cronenberg, que mostra um episódio importante na vida do jovem psicólogo Carl Jung (Michael Fassbender) quando do início de um tratamento inovador da histérica Sabina Spielrein (Keira Knigthley), sob influência de seu mestre e colega, Sigmund Freud (Viggo Mortensen). Esse episódio viria a definir os rumos da psicanálise e também mexer nas bases da vida "certinha" do genial Jung, que tinha uma vida abastada com sua rica esposa.

O nome do filme refere-se a um artigo de Freud intitulado "Observações Sobre o Amor Transferencial", publicado em 1915. No texto, o psicanalista fala sobre a delicada questão do envolvimento amoroso entre analistas e pacientes, fazendo uma provocação direta a Jung, devido a sua relação com Sabina. Este seria o "método perigoso", segundo Freud.

Jung e Freud começam um debate de teorias ao mesmo tempo em que Jung vive um romance intenso com Sabina. Uma paixão daquelas que fazem a gente sentir interesse por tudo o que existe na pessoa, que faz a gente entender o lado mais louco e sombrio que possa existir nela, porque queremos mergulhar nisso, nesse jogo de dominação e submissão que certos amores proporcionam, causando um tipo de cumplicidade profunda e aparentemente indestrutível. O que me fez lembrar também de um filme chamado Secretária (2002), de Steven Shainberg, com os excelentes James Spader e Maggie Gyllenhaal como protagonistas de uma relação nada convencional, com comportamentos sadomasoquistas. No fundo, paixão é e sempre foi cumplicidade.

Em A Dangerous Method, Keira Knigthley está fantástica no papel, pois além de conseguir demonstrar fisicamente os sintomas de seu transtorno mental, mistura-os com sensualidade à grande paixão por Jung, que precisa de um jeito ou outro, acabar.

Não precisa ser um psicanalista famoso para querer entrar na mente do objeto da nossa paixão porque é uma condição dominante. Isso, misturado aos nossos conflitos interiores, pode ser uma bomba. Acho que Jung tinha um problema ainda maior, porque eram duas obsessões em uma: a mulher amada dentro do objeto de seu importante estudo.

Mas como na vida de gente comum, um dia, tudo morre. E quando morre a paixão morre também o espaço entre a razão e a loucura. Morre o gênio. Morre a paixão pela insanidade do outro. Morre a linha torta, morre o branco da folha e o caderno pautado aparece de novo, junto com a escuta atenta e o olhar para os detalhes do cotidiano que havia sido abandonado.

E depois de um tempinho tentando se adaptar a isso tudo, como um jogador de futebol que acaba de entrar em campo, ou um escritor que acaba de sair de uma sessão de autógrafos, a gente volta pra nossa vidinha ordinária. Que passa a ser um museu que não tarda a nos mostrar novas obras de arte.

Em uma das mais belas cenas do filme A Dangerous Method, Jung diz para Sabina: "(...) o meu amor por você me fez entender quem eu sou". Acho que é isso que uma paixão faz de melhor, não importa o quanto ela dure.



Adriane Pasa
Curitiba, 22/9/2014

Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa em 2014
01. Casamento atrás da porta - 3/2/2014
02. Quando morre uma paixão - 22/9/2014
03. Eu podia estar matando, podia estar roubando - 7/4/2014
04. A firma como ela é - 7/7/2014
05. Mamilos - 10/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historia Dos Estados Unidos: Das Origens Ao Seculo Xxi
Marcus Vinicius De Morais, Sean Purdy, Luis Estevam Fernandes, Leandro Karnal
Contexto
(2021)



The Road To Middle Earth
Tom Shippey
Harper Collins
(2012)



A Personalidade Através do Desenho
Dra Fernanda Barcellos
Do Autor
(1975)



Vozes do éden
R. M. Lamming
Bertrand Brasil
(2011)



Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico
Othon G. R. Filho
Irmãos Vitale
(2008)



Tratado de Direito -penal Parte Geral 1
Cezar Roberto Bitencourt
Saraiva
(2011)



Inteligência das emoções
Alírio De Cerqueira Filho
Plenitude
(2013)



La Armonia En El Color - Nuevas Tendencias
Bride M Whelan
Color Harmony
(1994)



Livro Literatura Estrangeira 10 Coisas Que nos Fizemos (E Provavelmente Não Deveriámos)
Sarah Mlynowski
Galera
(2013)



A arte da guerra
Sun Tzu
Ciranda cultural
(2019)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês