Casamento atrás da porta | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Fenomenologia e Direito de Aquiles Côrtes Guimarães -( Coordenador) pela Lumen Juris (2005)
>>> Bate - Papo Com o Além de Zibia Gasparetto pelo Espírito Silveira Sampaio pela Espaço Vida e Consciência (1994)
>>> Certain Girls de Jennifer Weiner pela Simon and Schuster (2008)
>>> Mountaing Fears de Stuart Woods pela Penguin Uk (2009)
>>> Danielle Steel de Granny Dan pela Dell (2009)
>>> Thirty Ways of Looking at Hillary: Women Writers Reflect on the Candidate and What Her Campaign Meant de Susan Morrison pela Harper Perennial (2008)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela O globo
>>> Iracema de Jose de Alencar pela Folha
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/2/2014
Casamento atrás da porta
Adriane Pasa

+ de 10100 Acessos

"Prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida". É assim que tudo começa. E como queremos acreditar. E acreditamos. E apostamos. E todo mundo fica feliz.

Não vou ficar aqui falando de sucesso ou fracasso no casamento, até porque tem muito autor de autoajuda fazendo isso. Aliás, nunca vi tanta baboseira sobre o tema no mercado editorial. O que acho curioso é a forma como o casamento virou um objeto de consumo. E também um espetáculo. Eu me casei em uma época que casamento não era algo tão midiático. Bom, também não existia Facebook e outras redes sociais para se exibir e que eu me lembre não tinha tanta parafernália nas festas e igrejas.

Mas quem não se ilude diante do "grande marketing" do casamento e da família? Das campanhas publicitárias cheias de apelos emocionais para termos uma vida de propaganda de margarina com filhos sorridentes de bochechas rosa? E quem não se ilude quando alguém se aproxima e parece ser a pessoa perfeita ou quando se apaixona? Mudam as ideias, mudam as pessoas, as formas de se comunicar, mas o que todo mundo quer mesmo é dormir de conchinha. Hoje em dia, não mais "até que a morte nos separe", como nossos pais e avós, mas até que se consiga manter um sentimento que esquente o coração (e outras partes do corpo).

Uma vez ouvi uma coisa que ilustra bem o conceito e o dilema de um casamento, a de que há sempre três coisas: a gente, o outro e o casamento. E este último, acho que é a "pessoa" mais difícil de lidar. E talvez o que todo mundo mais deseja. Porque é uma ideia muito bem trabalhada e vendida desde que o mundo é mundo. Não adianta fugir, todo mundo vai querer se casar um dia, de formas convencionais ou não, está na cultura mundial intergaláctica. O casamento é uma "entidade" tão elevada e séria, que às vezes se torna o objetivo maior de várias pessoas, tão grande e perseguido, que pode virar uma obsessão.

É o caso da personagem do filme O Casamento de Muriel (roteiro e direção de P. J. Hogan, Austrália, 1994). Muriel (Toni Collette, pra variar, estupenda no papel e foi indicada ao Globo de Ouro de melhor atriz), é uma moça desengonçada, acima do peso, fora de moda e fã de ABBA (banda que sempre escuta para aplacar a tristeza), que procura ser feliz em meio a uma família problemática e uma rotina tediosa. Muriel vive em uma pequena cidade da Austrália, tem uma relação conturbada com o pai, que a menospreza, é rejeitada pelas amigas e tem um sonho obsessivo: casar. É o que a faz desviar seus pensamentos e ter um pouco de esperança. Decide então fugir para Sydney com a melhor amiga (Rachel Griffiths, maravilhosa), que também é meio excluída do meio em que vive. Lá, ela encontra o que considera seu príncipe encantado e casa-se com ele, um famoso nadador que se revela um fracasso. E o drama não para por aí. É uma história nada convencional e que também tem momentos engraçados que tratam de amizade, solidão, liberdade e frustração.

Considero um filme triste (e óbvio que foi catalogado como comédia) e um dos mais verdadeiros e tocantes que já vi. Muriel é aquela pessoa ingênua e boa, fora dos padrões que a sociedade impõe e com uma família desestruturada e uma vontade de fugir de tudo o que vive na cidadezinha careta em que nasceu. Muriel é autêntica, espontânea e viva, sem desejos malévolos de vingança. Ela só quer alguém que goste dela.

É também um filme sobre amizade. Uma amizade gigante, divertida, daquelas onde todo mundo deveria buscar refúgio, na qual podemos dizer não às convenções que nos incomodam, daquelas que esperamos ingenuamente encontrar num casamento, que fazem nossas emoções ficar à flor da pele, que nos tiram do tédio e da tristeza, que deixam nossa vidinha mais interessante e rica.

Só que dos amigos a gente sabe bem o que quer e o que vier é lucro. Com os amigos podemos fugir de tudo e se aventurar, como no filme Thelma & Louise. Dos amores, queremos o acordar pela manhã, as mãos dadas na rua, os filhos, a estranha sensação de plenitude, a ilusão de segurança e mais um monte de coisas que nunca ninguém vai conseguir nos dar completamente. E assim segue a vida, porque viver sozinho ninguém quer, por mais que existam um milhão de teorias dizendo que isso não importa. Aliás, daqui a pouco as pessoas vão ficar mais estressadas por tentarem acreditar na ideia de que viver sozinho é bom do que pela pressão de encontrar alguém. O mundo inverteu as cobranças e tudo tá meio confuso mesmo. Porque é difícil conviver com tantos padrões, tantas "teses" sobre felicidade e amor. No fundo eu acho que a melhor tese que já vi sobre o assunto ainda é esta aqui, de Dominguinhos e Gilberto Gil.

E aquela velha brincadeira de infância - que hoje acho que ninguém mais brinca - serve também para ilustrar um pouco a vida a dois e o desejo de se casar: "Você quer esse? Nããããããããão. E Esse? nãããããããããããõ. E Esse? Siiiiiiiiiiiiiiiiiiim. O que você quer dele?". Ai que pergunta difícil!

Deixo vocês com a trilha sonora do filme, em uma das melhores cenas.


Adriane Pasa
Vancouver, 3/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A clepsidra e os livros de areia de Daniela Kahn
02. Ruy Castro para a posteridade de Luis Eduardo Matta
03. Barba e bigode de Guga Schultze


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa em 2014
01. Casamento atrás da porta - 3/2/2014
02. Quando morre uma paixão - 22/9/2014
03. Eu podia estar matando, podia estar roubando - 7/4/2014
04. A firma como ela é - 7/7/2014
05. Mamilos - 10/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Trapaça - o Paraiso dos Amantes - Clínica do Pecado
José Edson Gomes - Ricardo Veronese - Vic Lester
Cedibra
(1977)



Terra - Trilogia Enigma Das Fronteiras V.2
Ana Eduarda
N/d
(2012)



Comunidades de Base no Brasil
Almir Ribeiro Guimarães
Vozes
(1978)



Philia para Colorir
Padre Marcelo Rossi
Principium



Go Girl: uma Nova Brincadeira
Thalia Kalkipsakis
Fundamento
(2007)



Take Over - Volume Único - Livro do Aluno
Denise Santos
Lafonte
(2011)



Guia Para Aguias Que Acreditam Ser Frangos
Mello, Anthony De
Academia



Instituições de Direito Civil- Vol. 5-direito de Família
Caio Mário da Silva Pereira
Forense
(1979)



Alternativas Poético-políticas ao Direito
Willis Santiago Guerra Filho
Lumen Juris
(2014)



Dicas de Alimentos e Plantas para a saúde
Sergio AugustoTeixeira
Ediouro
(1983)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês